sexta-feira, 9 de junho de 2017

Parábola: Os três jovens na Nação da Glória Eterna

Salve Maria Imaculada, nossa Corredentora e Mãe!
Gostaria de contar uma parábola. Havia uma nação bela, magnífica, que transmitia aos seus cidadãos a felicidade. Fazia fronteira com esta nação alguns países muito pobres, miseráveis, vivendo em condições sub-humanas. Nesses países havia três jovens – Juninho, Joãozinho e Zequinha – que, conseguiram passar pela grande fortaleza da nação, podendo também eles serem membros dessa grande nação.
Esses três jovens ficaram maravilhados ante a riqueza que tinham nessa nação gloriosa. Aliás, chamemos de Nação da Glória Eterna. Os três jovens admiravam-se de terem comida que sacia o corpo, bebida que mata sua sede, não só corporal, mas de alma. Aqueles jovens, fora da Nação da Glória, passavam fome, viviam em depressão, queriam pôr fim a suas vidas. E agora eram extremamente felizes.
Para quem vivia na solidão, o acolhimento que tinham na cidade A da Nação da Glória Eterna era maravilhoso. Encontraram o sentido de suas vidas. Mas algo aconteceu...
Certo dia, alguns cidadãos da cidade B da Nação chamam os três jovens para conhecer sua cidade. Eles se entusiasmaram, pois achavam que a Nação da Glória Eterna se reduzia apenas à sua cidade A. Mas a Nação era grandiosa, cheia de cidades, um mesmo povo, servindo ao mesmo Rei em plena unidade.
Chegando na cidade B, ficaram encantados com a beleza. Puderam notar como se portavam diferente, como até mesmo falavam com um sotaque diferente. Alguns cidadãos da cidade B começaram a conversar com eles e, para a surpresa de todos, começaram a ter uma crise existencial. Juninho, Joãozinho e Zequinha, a partir da conversa que tiveram, começam a comparar a cidade A com a cidade B. Constataram que a cidade A, embora tenha sido a porta de entrada para eles saírem da sarjeta, da morte, da perdição, tem a aparência de uma favela – embora não percebessem no início; mas agora, comparando com a cidade B, podem ver a diferença. O povo da cidade B fala melhor, serve ao Rei Supremo de maneira mais solene e mais fiel aos decretos do mesmo rei. Os cidadãos da cidade B começa a mostrar documentos que mostram que o prefeito e vários cidadãos da cidade A, além de outras, desviam o tesouro, e que boa parte daquilo que o Rei destina aos súditos é usurpado pela corrupção daquela nação. Diante das normas emitidas pelo Rei, nossos três jovens percebem que boa parte daquela cidade, tão amada por eles a princípio, não seguem nada e que, pelo contrário, até agem contra o Rei Supremo.
A partir desse cenário nós temos alguns desfechos:
Juninho começa a estudar as normas do Rei, mas sempre comparando a cidade A com a cidade B, e então chega a conclusão: tudo o que eles viveram foi uma mentira. A verdade está no que vivem a partir de agora na cidade B. Até mesmo os atos de serviço e de culto ao Rei Supremo foram inválidos, pois ao comparar com a forma que o povo da cidade B servem e cultuam o Rei, verificam ser mais belo e solene que na cidade A. Para ele, tudo o que vem da cidade não passa de conluio da guerrilha vermelha para destruir a Nação por dentro. Passa a achar, então, que a solução para toda a crise que a Nação passa em várias cidades é, na verdade, se transferir todos para a cidade B, onde está a plenitude da verdade, onde se pode amar e servir ao Rei de maneira perfeita, em Paz... E somente na cidade B... Outro lugar, não há. Todas as outras dezenas de cidades são ocultadas (até mesmo desconhece... Juninho ainda é ingênuo).
Zequinha, por sua vez, assume uma radicalidade maior. Ele nutria todos os sentimentos que Juninho, só que para ele a cidade A era uma verdadeira inimiga dos planos do Rei Supremo. Só que o Rei Supremo tinha um Chefe... Sim, chamemos de Chefe do Estado. Na Constituição da Nação da Glória Eterna diz que o Chefe do Estado tem o poder de ligar e desligar o que quiser no palácio real. A constituição também diz que o Rei confia tanto na função confiada ao Chefe de Estado, que este é infalível, e, embora tenha defeitos pessoais, todos os súditos devem respeitá-lo e também trata-lo como um rei, embora não devem prestar-lhe culto como só ao Rei Supremo.
Só que Zequinha começou a achar que o Chefe do Estado estava trabalhando para a guerrilha vermelha que queria tomar conta da Nação da Glória Eterna para destruí-la. Como o Chefe do Estado não quis agir conforme os desejos de Zequinha, este, juntou mais alguns conspiradores semelhantes a ele, e criaram sua própria cidade. Há uma dúvida se a cidade está dentro ou fora da Nação da Glória Eterna, afinal, embora transmitam toda a beleza e glória da cidade B, a verdade é que a constituição diz que não se faz parte da Nação da Glória Eterna se não se submeter ao reinado visível que se dá através do Chefe do Estado. Há alguns anos atrás, um outro homem achou que o então Chefe do Estado estava corrompido, mas não quis se submeter e obedecer licitamente como mandara o Rei, mas decidiu fundar seu próprio Reino achando que poderia servir ao grande Rei Supremo... O que conseguiu foi criar algumas favelas onde se perdem tantas pessoas desorientadas, pois somente na Nação da Glória Eterna se tem as orientações para chegar a Pátria definitiva. Mas passa o tempo e continua tendo gente que acha que pode ser o seu próprio Chefe do Estado, fundando sua cidade, enquanto a humildade manda estar com o Chefe do Estado e sob o Chefe do Estado.
O fato é que parece que todos os nossos jovens criaram uma rejeição terrível da cidade A, e nem sequer aceitam-a como verdadeiramente parte da Nação da Glória Eterna.
Bom, apenas parece. Isto porque Joãozinho lembra de tudo o que passou, da fome que sentiu... Ele percebe que o pão que comeu na cidade A matou sua fome, assim como o pão da cidade B... Mudavam a forma de servir este pão, mas matava a sua fome... Ele entendia que o principal não era a forma que se servia este pão especial, mas o fato de recebe-lo. Ele decide investigar e descobre que aquela forma de servir era aprovada pelo Rei, e que haviam diversas outras formas de se servir o pão que vivifica o corpo e a alma, aprovados pelo Rei. Descobre ainda que as irregularidades que muitos cometem na cerimônia referida, não fazem parte das constituições locais da cidade A, mas as pessoas faziam por conta própria, porque não queriam obedecer o que o Rei, através dos vários Chefes de Estado, definiu que devia ser seguido. Ele percebe que na realidade a cidade A parecia uma favela, não porque o Chefe de Estado queria, nem porque a Reunião que definiu novas diretrizes contrariou as reuniões antigas, mas simplesmente porque alguns funcionários da cidade agiam segundo suas próprias ideias, interesses, etc. Mas nunca segundo as diretrizes do Rei para aquela cidade.
Joãozinho se sentiu solitário. Joãozinho se achava ferido. Afinal, se sentia só na busca pela coerência. Mas parecia que o mundo inteiro vivia na dicotomia: ou é cidade A ou cidade B. Ele se encantava pela riqueza da Nação que tinha a cidade A, B, C... Tudo em unidade servindo ao mesmo Rei sob o mesmo Chefe de Estado. Mas muitos dos seus amigos diziam que se ele estivesse na cidade A ele era um favelado, que a favela pegaria fogo porque desagradava ao Rei, e ele se perderia; do outro lado, havia amigos da cidade B que diziam que a cidade A era coisa do passado, e que agora cada um seguia o que queria... Ambos errados! O Rei certo, sempre!
Joãozinho decidiu fazer diferente. Sempre que podia ia junto à Mãe do Rei pedir conselho. E esta lhe aconselhou a servir a Ela e ao Rei, respeitando o Chefe de Estado, buscando agradar ao Rei Supremo, e não as pessoas. Joãozinho então foi para a cidade A, mesmo com os vários gritos que seus amigos da cidade B davam “Cara, sai dessa! A glória da Nação está aqui na cidade B!”, “Ei, amigo! O Reino será restaurado quando todos vierem morar na cidade B!”. Na cabeça de Joãozinho soava como se a mão dissesse para o pé ser uma mão também, ou que o joelho deveria ser, na verdade, uma orelha. A parte de um corpo que entende sua função, e quer que todo o corpo se resuma aquele membro somente.
Na cidade A, Joãozinho mesmo sendo chamado de radical, retrógrado, estranho, decide viver a vontade do Rei naquela cidade. Ele não vive segundo as diretrizes da cidade B... Não! Ele vive segundo as diretrizes universais do Reino, e também segundo as normas específicas da cidade A. O povo da cidade A vivia tão errado, que muitos atacaram Joãozinho. Mas ele perseverou. E até compreendeu alguns de seus algozes, afinal, muitos deles foram ensinados de maneira errada há vários anos.
Passado algum tempo, Joãozinho com outros cidadãos da cidade A, vivendo corretamente, começaram a transformar vários pontos da cidade. De tal maneira que ela não mais se parecia com uma favela; mas, com o tempo, e pela fidelidade de seus cidadãos, transmitiu toda a sua glória.
Já Juninho e Zequinha... Bom, Juninho se endireitou depois de ouvir o relato de alguns cidadãos da cidade B, que simplesmente vivem segundo as normas próprias da cidade, e que respeitam e estão sob o Chefe de Estado e com ele. Tais cidadãos mostraram que a cidade A é irmã da cidade B, que apenas tem jeitos diferentes, mas fazem parte do mesmo Reino; que quem se identifica com a cidade A, fica lá, e quem se identifica com a cidade B, vai para esta. Juninho descobriu até pessoas que se revezavam: ora estavam na A, ora na B.
Já Zequinha, coitado, depois de muito lutar, acabou percebeu que não há Reino sem o Chefe de Estado, pois esta foi a vontade de Deus. Ele que se achou mais membro do Reino do que os “favelados” da cidade A, acabou tendo que reconhecer, com muita relutância, é verdade, que os cidadãos da cidade A eram mais membros do Reino do que ele, pois estes estavam do lado de dentro do muro, já ele... mais ou menos.
Na verdade, o povo da cidade A vivia como uma favela, de maneira desordeira, não porque a cidade em si fosse desnecessária. Muitos chamavam a cidade de um câncer para o reino. Mas, a verdade é que muitos cidadãos da cidade A agiam de maneira errada, porque não houve quem lhes ensinasse a maneira correta de agir. Muitos até apareciam, mas querendo obriga-los a migrar para a cidade B. Mas Joãozinho, esse sim foi um exemplo, pois ele preferiu trabalhar pela Nação da Glória Eterna anunciando as diretrizes, ensinando a maneira certa de agir, verdadeiramente esclarecendo toda a cidade. Dessa maneira, a cidade pôde ser restaurada.
Se você ainda não entendeu esta parábola, vamos apenas dar o nome real aos personagens:

Rei Supremo: Jesus Cristo
Mãe do Rei: Nossa Senhora
Nação da Glória Eterna: Igreja Católica Apostólica
Guerrilha vermelha: comunistas/socialistas, maçons, e demais inimigos da Santa Igreja
Cidade A: Igrejas que seguem o Rito Ordinário da Missa, Concílio Vaticano II..
Cidade B: Igrejas que seguem o Rito Extraordinário (Missa Tridentina)
Cidades C, D...: Igrejas particulares com plena comunhão com Roma que tem seus ritos específicos (mesmo anteriores ao CVII)
Chefe do Estado: Papa
Juinho: Rad-Trad - Tradicionalistas com repulsa das coisas posteriores ao CVII
Zequinha: Rad-Trad que são metidos a sedevacantistas, que não aceitam os Papas posteriores ao CVII, que acham bacana agir inclusive pregando contra Roma.
Joãozinho: um Católico Apostólico Romano, que diante dos extremos, fica na virtude, fica com a Igreja que é coluna e sustentáculo da verdade (Cf. 1Tim 3,15)

  Você prefere ser quem na história da tua vida? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário