sexta-feira, 3 de março de 2017

Educação “Assista o Filme e Fique Quieto”


Existem vários métodos de educação, uns mais conservadores, outros mais progressistas; alguns ótimos, outros nem tanto. Porém existe um “método” que me causa espanto: método AFFQ, ou seja, Assista o Filme e Fique Quieto! Não, não procure nos livros de pedagogia, você não vai encontrar este método. Este é o nome que dei para alguns abusos que podem ser encontrado em algumas escolas, principalmente públicas, onde não se leva as crianças ao seu desenvolvimento por meio das diversas atividades, mas simplesmente largam-nas na frente das telas para passarem tempo com desenhos e afins.
A Educação Infantil e os anos iniciais do Ensino Fundamental são importantíssimos. Porém, infelizmente, muitas instituições tratam este período escolar como se fosse simplesmente um pseudo cuidar, ou seja, não se educa, não se ensina, não se faz atividades que auxiliam o desenvolvimento da criança. Muitas escolas são tratadas como espaços para proteger a criança, pois é melhor a criança estar na escola que na rua. Essa concepção não condiz com a realidade, é falha, induz ao erro em relação a função educativa da escola.
A educadora Maria Montessori nos ensinou com seu método (Método Montessori) que educar as crianças pelos sentidos, criar um ambiente preparado, enfim, ter uma educação científica, desde a mais tenra idade, dá frutos maravilhosos na vida infantil. Com o Método Montessori é possível verificar crianças com quatro, cinco anos de idade que, de maneira espontânea, são alfabetizadas.
A pergunta que eu faço é: por que as crianças de Montessori aprendiam a ler com quatro anos, e as nossas chegam na sexta série do Ensino Fundamental semianalfabetas? Os brasileiros do século XXI são retardados em relação aos italianos do século XX? NÃO! As crianças de hoje é que estão sendo imbecilizadas por um método estúpido que é aplicado nas escolas públicas - isso quando não aplicam nada, a não ser brincadeiras sem sentido, sem orientação; além de colocar as crianças para assistir filmes para deixarem o professor em paz.
Se por acaso você acha que estou com uma ponta de revolta... sim, você está certo! Sabe por que? Quem mais sofre são os pobres! Quem mais é prejudicado são as crianças POBRES das escolas PÚBLICAS! Embora várias escolas privadas deixem a desejar na qualidade da educação, é fato que as escolas privadas são muitíssimas melhores que as públicas. Os pais que podem pagar uma escola privada, não deixará o(s) filho(s) definhando no sistema público; e se a escola privada x é ruim, ele transfere para a escola y. Mas os pobres, para onde vão?
Hoje mesmo uma mãe estava reclamando da péssima qualidade da escola pública perto da minha casa. Esta mãe disse que já denunciou na Regional de Ensino da cidade, já reclamou na escola, mas continua a mesma coisa. Sabe o que essa mãe reclama? Ela quer que na escola se ENSINE o filho. Mas a escola não tem ensinado. Esta mãe disse que pergunta para o filho “o que você fez na escola hoje?”, e a criança prontamente responde “assisti filme”. Ela disse que nesse ano a criança não levou uma tarefa sequer para casa, não fez nada, a não ser, aparentemente, brincar e assistir filme. Claro que pode ter feito alguma atividade na escola, mas esta mãe não vê progresso no filho. Esta mãe disse “se for para ver filme, ele vê em casa!” – além de reclamar que tem que ficar levando e buscando na escola, onde faz algo que poderia fazer em casa. Esta mãe, pobre, pode fazer o que? A escola é a esperança para sua família. Talvez ela diga como dizia minha mãe e tantas mamães Brasil a fora “não te deixarei riquezas, mas te darei educação, te darei o que não tive a oportunidade: o estaduo”. No entanto, a criança vai para a escola para... assistir filme!
Com quatro anos as crianças de Montessori tinham contato com o alfabeto, se encantavam, e se abriam para aprender a ler e escrever. Nossas crianças são formadas para ficar presas na porcaria de uma televisão. Isso é grave; até porque muitos filmes, mesmo com a roupagem infantil, trazem como pano de fundo certas imoralidades que vão pervertendo o espírito infantil. E é mais grave ainda quando conhecemos as potencialidades infantis, e sabemos que elas não precisam de TV, mas sentem prazer nas atividades que mechem com seus sentidos, ou seja, motoras, que tem sede de conhecimento, que já estão aptas a aprender tanta, tanta, tanta coisa! Mas, ficam vendo TV. Criança deveria ver pouco ou nada de TV em casa, aí a criança vai pra escola ver TV... É o cúmulo da pedagogia da destruição infantil.
O resultado deste desprezo para com a educação infantil dos pobres é o seguinte: lutamos por cotas raciais ou de classes econômicas, porque o estudante de escola pública tem rendimento menor que o de escola privada, mas, qual a qualidade oferecida em cada instituição? Não, não é só o Ensino Médio, caríssimos, o problema está desde a base. Procure as escolas privadas mais bem-conceituadas, observe suas pedagogias, o tratamento para com a criança, e compare com as escolas públicas. Com algumas exceções, obviamente, o que constatará será dois polos distantes um do outro, dois mundos separados por anos-luz. Talvez você encontre escolas que até usem filmes em algum momento, mas não como meio de “largar” a criança. Normalmente as escolas privadas, principalmente se for montessoriana (verdadeiramente), sabem do potencial da criança e do quanto ela pode aprender, e, usando do lúdico ou não, propõe atividades sensoriais para que a criança APRENDA. Criança sem tarefa, mas com olhinhos fixos na TV, é sinal de que o professor (ou quem manda na escola e/ou sistema educacional) não crê na potencialidade da criança.
Aquela mãe, fez o que lhe estava ao alcance: procurou uma outra escola pública, mais distante da sua casa, mas que ensine algo ao filho. Ficará mais longe para levar e buscar, é verdade, mas será mais útil a criança, afinal, se fosse para ver TV, já tem uma em casa. E eu... Bom, eu recomendo que TV nem em casa.



(Lembrando que a Associação Americana de Pediatria recomenda que crianças de até 2 anos idade não assistam NADA de TV. Ou seja, nada de Galinha Pintadinha. NADA de TV. E acima dessa idade, pouquíssimo tempo. É válido lembrar que é OBRIGAÇÃO dos pais velar pela moralidade do que os filhos assistem, e não deixar o filho à deriva.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário