sexta-feira, 9 de junho de 2017

Parábola: Os três jovens na Nação da Glória Eterna

Salve Maria Imaculada, nossa Corredentora e Mãe!
Gostaria de contar uma parábola. Havia uma nação bela, magnífica, que transmitia aos seus cidadãos a felicidade. Fazia fronteira com esta nação alguns países muito pobres, miseráveis, vivendo em condições sub-humanas. Nesses países havia três jovens – Juninho, Joãozinho e Zequinha – que, conseguiram passar pela grande fortaleza da nação, podendo também eles serem membros dessa grande nação.
Esses três jovens ficaram maravilhados ante a riqueza que tinham nessa nação gloriosa. Aliás, chamemos de Nação da Glória Eterna. Os três jovens admiravam-se de terem comida que sacia o corpo, bebida que mata sua sede, não só corporal, mas de alma. Aqueles jovens, fora da Nação da Glória, passavam fome, viviam em depressão, queriam pôr fim a suas vidas. E agora eram extremamente felizes.
Para quem vivia na solidão, o acolhimento que tinham na cidade A da Nação da Glória Eterna era maravilhoso. Encontraram o sentido de suas vidas. Mas algo aconteceu...
Certo dia, alguns cidadãos da cidade B da Nação chamam os três jovens para conhecer sua cidade. Eles se entusiasmaram, pois achavam que a Nação da Glória Eterna se reduzia apenas à sua cidade A. Mas a Nação era grandiosa, cheia de cidades, um mesmo povo, servindo ao mesmo Rei em plena unidade.
Chegando na cidade B, ficaram encantados com a beleza. Puderam notar como se portavam diferente, como até mesmo falavam com um sotaque diferente. Alguns cidadãos da cidade B começaram a conversar com eles e, para a surpresa de todos, começaram a ter uma crise existencial. Juninho, Joãozinho e Zequinha, a partir da conversa que tiveram, começam a comparar a cidade A com a cidade B. Constataram que a cidade A, embora tenha sido a porta de entrada para eles saírem da sarjeta, da morte, da perdição, tem a aparência de uma favela – embora não percebessem no início; mas agora, comparando com a cidade B, podem ver a diferença. O povo da cidade B fala melhor, serve ao Rei Supremo de maneira mais solene e mais fiel aos decretos do mesmo rei. Os cidadãos da cidade B começa a mostrar documentos que mostram que o prefeito e vários cidadãos da cidade A, além de outras, desviam o tesouro, e que boa parte daquilo que o Rei destina aos súditos é usurpado pela corrupção daquela nação. Diante das normas emitidas pelo Rei, nossos três jovens percebem que boa parte daquela cidade, tão amada por eles a princípio, não seguem nada e que, pelo contrário, até agem contra o Rei Supremo.
A partir desse cenário nós temos alguns desfechos:
Juninho começa a estudar as normas do Rei, mas sempre comparando a cidade A com a cidade B, e então chega a conclusão: tudo o que eles viveram foi uma mentira. A verdade está no que vivem a partir de agora na cidade B. Até mesmo os atos de serviço e de culto ao Rei Supremo foram inválidos, pois ao comparar com a forma que o povo da cidade B servem e cultuam o Rei, verificam ser mais belo e solene que na cidade A. Para ele, tudo o que vem da cidade não passa de conluio da guerrilha vermelha para destruir a Nação por dentro. Passa a achar, então, que a solução para toda a crise que a Nação passa em várias cidades é, na verdade, se transferir todos para a cidade B, onde está a plenitude da verdade, onde se pode amar e servir ao Rei de maneira perfeita, em Paz... E somente na cidade B... Outro lugar, não há. Todas as outras dezenas de cidades são ocultadas (até mesmo desconhece... Juninho ainda é ingênuo).
Zequinha, por sua vez, assume uma radicalidade maior. Ele nutria todos os sentimentos que Juninho, só que para ele a cidade A era uma verdadeira inimiga dos planos do Rei Supremo. Só que o Rei Supremo tinha um Chefe... Sim, chamemos de Chefe do Estado. Na Constituição da Nação da Glória Eterna diz que o Chefe do Estado tem o poder de ligar e desligar o que quiser no palácio real. A constituição também diz que o Rei confia tanto na função confiada ao Chefe de Estado, que este é infalível, e, embora tenha defeitos pessoais, todos os súditos devem respeitá-lo e também trata-lo como um rei, embora não devem prestar-lhe culto como só ao Rei Supremo.
Só que Zequinha começou a achar que o Chefe do Estado estava trabalhando para a guerrilha vermelha que queria tomar conta da Nação da Glória Eterna para destruí-la. Como o Chefe do Estado não quis agir conforme os desejos de Zequinha, este, juntou mais alguns conspiradores semelhantes a ele, e criaram sua própria cidade. Há uma dúvida se a cidade está dentro ou fora da Nação da Glória Eterna, afinal, embora transmitam toda a beleza e glória da cidade B, a verdade é que a constituição diz que não se faz parte da Nação da Glória Eterna se não se submeter ao reinado visível que se dá através do Chefe do Estado. Há alguns anos atrás, um outro homem achou que o então Chefe do Estado estava corrompido, mas não quis se submeter e obedecer licitamente como mandara o Rei, mas decidiu fundar seu próprio Reino achando que poderia servir ao grande Rei Supremo... O que conseguiu foi criar algumas favelas onde se perdem tantas pessoas desorientadas, pois somente na Nação da Glória Eterna se tem as orientações para chegar a Pátria definitiva. Mas passa o tempo e continua tendo gente que acha que pode ser o seu próprio Chefe do Estado, fundando sua cidade, enquanto a humildade manda estar com o Chefe do Estado e sob o Chefe do Estado.
O fato é que parece que todos os nossos jovens criaram uma rejeição terrível da cidade A, e nem sequer aceitam-a como verdadeiramente parte da Nação da Glória Eterna.
Bom, apenas parece. Isto porque Joãozinho lembra de tudo o que passou, da fome que sentiu... Ele percebe que o pão que comeu na cidade A matou sua fome, assim como o pão da cidade B... Mudavam a forma de servir este pão, mas matava a sua fome... Ele entendia que o principal não era a forma que se servia este pão especial, mas o fato de recebe-lo. Ele decide investigar e descobre que aquela forma de servir era aprovada pelo Rei, e que haviam diversas outras formas de se servir o pão que vivifica o corpo e a alma, aprovados pelo Rei. Descobre ainda que as irregularidades que muitos cometem na cerimônia referida, não fazem parte das constituições locais da cidade A, mas as pessoas faziam por conta própria, porque não queriam obedecer o que o Rei, através dos vários Chefes de Estado, definiu que devia ser seguido. Ele percebe que na realidade a cidade A parecia uma favela, não porque o Chefe de Estado queria, nem porque a Reunião que definiu novas diretrizes contrariou as reuniões antigas, mas simplesmente porque alguns funcionários da cidade agiam segundo suas próprias ideias, interesses, etc. Mas nunca segundo as diretrizes do Rei para aquela cidade.
Joãozinho se sentiu solitário. Joãozinho se achava ferido. Afinal, se sentia só na busca pela coerência. Mas parecia que o mundo inteiro vivia na dicotomia: ou é cidade A ou cidade B. Ele se encantava pela riqueza da Nação que tinha a cidade A, B, C... Tudo em unidade servindo ao mesmo Rei sob o mesmo Chefe de Estado. Mas muitos dos seus amigos diziam que se ele estivesse na cidade A ele era um favelado, que a favela pegaria fogo porque desagradava ao Rei, e ele se perderia; do outro lado, havia amigos da cidade B que diziam que a cidade A era coisa do passado, e que agora cada um seguia o que queria... Ambos errados! O Rei certo, sempre!
Joãozinho decidiu fazer diferente. Sempre que podia ia junto à Mãe do Rei pedir conselho. E esta lhe aconselhou a servir a Ela e ao Rei, respeitando o Chefe de Estado, buscando agradar ao Rei Supremo, e não as pessoas. Joãozinho então foi para a cidade A, mesmo com os vários gritos que seus amigos da cidade B davam “Cara, sai dessa! A glória da Nação está aqui na cidade B!”, “Ei, amigo! O Reino será restaurado quando todos vierem morar na cidade B!”. Na cabeça de Joãozinho soava como se a mão dissesse para o pé ser uma mão também, ou que o joelho deveria ser, na verdade, uma orelha. A parte de um corpo que entende sua função, e quer que todo o corpo se resuma aquele membro somente.
Na cidade A, Joãozinho mesmo sendo chamado de radical, retrógrado, estranho, decide viver a vontade do Rei naquela cidade. Ele não vive segundo as diretrizes da cidade B... Não! Ele vive segundo as diretrizes universais do Reino, e também segundo as normas específicas da cidade A. O povo da cidade A vivia tão errado, que muitos atacaram Joãozinho. Mas ele perseverou. E até compreendeu alguns de seus algozes, afinal, muitos deles foram ensinados de maneira errada há vários anos.
Passado algum tempo, Joãozinho com outros cidadãos da cidade A, vivendo corretamente, começaram a transformar vários pontos da cidade. De tal maneira que ela não mais se parecia com uma favela; mas, com o tempo, e pela fidelidade de seus cidadãos, transmitiu toda a sua glória.
Já Juninho e Zequinha... Bom, Juninho se endireitou depois de ouvir o relato de alguns cidadãos da cidade B, que simplesmente vivem segundo as normas próprias da cidade, e que respeitam e estão sob o Chefe de Estado e com ele. Tais cidadãos mostraram que a cidade A é irmã da cidade B, que apenas tem jeitos diferentes, mas fazem parte do mesmo Reino; que quem se identifica com a cidade A, fica lá, e quem se identifica com a cidade B, vai para esta. Juninho descobriu até pessoas que se revezavam: ora estavam na A, ora na B.
Já Zequinha, coitado, depois de muito lutar, acabou percebeu que não há Reino sem o Chefe de Estado, pois esta foi a vontade de Deus. Ele que se achou mais membro do Reino do que os “favelados” da cidade A, acabou tendo que reconhecer, com muita relutância, é verdade, que os cidadãos da cidade A eram mais membros do Reino do que ele, pois estes estavam do lado de dentro do muro, já ele... mais ou menos.
Na verdade, o povo da cidade A vivia como uma favela, de maneira desordeira, não porque a cidade em si fosse desnecessária. Muitos chamavam a cidade de um câncer para o reino. Mas, a verdade é que muitos cidadãos da cidade A agiam de maneira errada, porque não houve quem lhes ensinasse a maneira correta de agir. Muitos até apareciam, mas querendo obriga-los a migrar para a cidade B. Mas Joãozinho, esse sim foi um exemplo, pois ele preferiu trabalhar pela Nação da Glória Eterna anunciando as diretrizes, ensinando a maneira certa de agir, verdadeiramente esclarecendo toda a cidade. Dessa maneira, a cidade pôde ser restaurada.
Se você ainda não entendeu esta parábola, vamos apenas dar o nome real aos personagens:

Rei Supremo: Jesus Cristo
Mãe do Rei: Nossa Senhora
Nação da Glória Eterna: Igreja Católica Apostólica
Guerrilha vermelha: comunistas/socialistas, maçons, e demais inimigos da Santa Igreja
Cidade A: Igrejas que seguem o Rito Ordinário da Missa, Concílio Vaticano II..
Cidade B: Igrejas que seguem o Rito Extraordinário (Missa Tridentina)
Cidades C, D...: Igrejas particulares com plena comunhão com Roma que tem seus ritos específicos (mesmo anteriores ao CVII)
Chefe do Estado: Papa
Juinho: Rad-Trad - Tradicionalistas com repulsa das coisas posteriores ao CVII
Zequinha: Rad-Trad que são metidos a sedevacantistas, que não aceitam os Papas posteriores ao CVII, que acham bacana agir inclusive pregando contra Roma.
Joãozinho: um Católico Apostólico Romano, que diante dos extremos, fica na virtude, fica com a Igreja que é coluna e sustentáculo da verdade (Cf. 1Tim 3,15)

  Você prefere ser quem na história da tua vida? 

domingo, 4 de junho de 2017

Maria, a Mulher Pentecostal!

A Virgem Maria é a Esposa do Espírito Santo! Se nós temos a festa de Pentecostes como o momento em que Deus derramou o Espírito Santo sobre os discípulos reunidos no Cenáculo com Nossa Senhora, podemos dizer que a Virgem Maria viveu um contínuo Pentecostes durante toda a sua vida, pois sempre esteve unida ao Espírito Santo, e onde Ela esteve lá estava o Espírito Santo operando.

Ela é Pentecostal, ou seja, cheia do Espírito Santo, porque:
"O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra." (Lucas 1,35)
O Espírito Santo é inseparável de Maria, e onde Maria está, o Espírito Santo está operando graças. Quem tem contato com Maria Santíssima, tem contato com o Espírito Santo:
"Ora, apenas Isabel ouviu a SAUDAÇÃO DE MARIA, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou CHEIA DO ESPÍRITO SANTO" (Lucas 2,41)
E esse derramamento do Espírito Santo continua sendo feito pela intercessão de Nossa Senhora. Ela é o ímã que atrai o Espírito Santo as almas daqueles que clamam. Ela atrai o Espírito Santo para todos aqueles que se aproximam dela.
"Todos eles (apóstolos e discípulos) perseveravam unanimemente na oração, juntamente com as mulheres, entre elas MARIA, a mãe de Jesus [...] Chegando o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo, que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Ficaram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falsassem" (Atos 1,14;2,1-4)
Como o Padre Moacir Anastácio disse em uma homilia, o Espírito Santo não desceu no Cenáculo, pois isso foi a gente que inventou, Ele desceu, na verdade, em Maria. O Cenáculo, verdadeiramente, caríssimos, é o Imaculado Coração de Maria. O Espírito desceu não sobre as paredes, nem sobre a multidão de judeus que estava a celebrar a festa de Pentecostes, mas desceu sobre todos aqueles que estavam reunidos em oração em volta de Sua Amada Esposa.
O evangelista São João vai dizer em seu evangelho no cap. 7 versículo 39, que o Espírito Santo ainda não havia sido dado "visto que Jesus ainda não tinha sido glorificado."
Porém, nos versículos citados nós vimos que o Espírito Santo já havia sido dado a Maria Santíssima. Por que? Porque Ela foi concebida Imaculada, sem mancha de pecado. Nela o Espírito Santo já habitava e agia de maneira plena. E, como medianeira de todas as graças, pois é cheia de graça (cf. Lucas 1,28), transmite o Espírito Santo a todos por quem roga, para quem dirige a palavra...
É por isso que após a glorificação de Jesus Cristo, O Pai derrama o Espírito não de maneira aleatória, mas no Cenáculo reunido em volta de Maria Santíssima. A Filha amada do Eterno Pai, a Mãe de Deus Filho e a Esposa do Espírito Santo... Simplesmente Maria Santíssima, a toda plena de Deus, que com apenas um suspiro atrai a potência do Espírito; assim como com uma saudação Isabel ficou cheia do Espírito, com uma semana de oração com os discípulos veio a manifestação poderosa do Espírito Santo, em línguas de fogo, e aí nasce a Igreja militante - saindo do medo, e, com a têmpera dos mártires, buscando a maior glória de Deus.
Toda a maravilha da Igreja primitiva, o Pentecostes inicial, se deu unida ao Coração de Maria Santíssima. Maria no Cenáculo é a última citação direta de Nossa Senhora nas sagradas escrituras. Depois ela vai ser citada no Apocalipse 12, mas já numa visão de São João, onde Maria aparece na glória, coroada de estrelas, sendo nossa Rainha, comandando o exército de Cristo contra o dragão infernal. E mesmo nessa visão, São João narra-nos Nossa Senhora "revestida do sol" (Apo 12,1). Jesus é o Sol de Justiça. Porém, o sol sendo fogo que queima e arde, também é figura do Espírito Santo, que queima e arde os nossos corações. Maria é revestida do Espírito Santo. Maria, como diz Santo Afonso Maria de Ligório, quando vai visitar Isabel tendo Jesus no seu ventre, era um fogo levando outro fogo. Maria é uma fornalha viva ardendo de amor por Deus. Vemos Maria nos Atos dos Apóstolos rezando com os discípulos, e como resultado vemos a descida do Espírito Santo como forma de línguas de fogo que se repartiam e repousava, e ardia sobre cada discípulo. E agora no Apocalipse vemos a mesmo Virgem Maria, revestida da esse fogo, ardendo de amor por Seu Deus e nosso Deus.
Eu quero ser cheio do Espírito Santo. Se você quer também, vou te ensinar uma maneira fácil de conseguir isso, se é que você ainda não entendeu: nós podemos clamar o Espírito Santo por nós mesmos... Ele ouve nossas orações. Mas diante dos nossos pecados, ou pela nossa falta de fé, Ele pode agir mais ou menos, dependendo da nossa disponibilidade. Agora se você quer ter a certeza de ser CHEIO do Espírito Santo, plenificado, tomado pela graça de Deus: FIQUE AOS PÉS DE NOSSA SENHORA. Se consagre a Nossa Senhora. Reze pelo menos 1 terço todos os dias. Pois quanto mais uma alma é consagrada à Nossa Senhora, mais estará consagrada ao Espírito Santo; quanto mais uma alma respira Maria, mais estará respirando o Espírito Santo; quanto mais uma alma invoca Maria, mais descerá sobre ela o Espírito Santo. Mil vezes feliz a alma que suspira por Maria! Mil vezes feliz a alma pela qual a própria Virgem Maria reza, pois esta estará cheia da graça de Maria Santíssima, ou seja, do Espírito Santo de Deus.
Se você quer viver um Pentecostes contínuo, permanente, se você quer estar na sala do Cenáculo todos os dias, esteja no Coração de Maria, pois o verdadeiro Cenáculo ocorre aí. É por isso que Santa Faustina teve uma visão de raios de fogo saindo Coração de Nossa Senhora e atingindo a terra; e é por isso que a Virgem Maria chama os Terços que se deve rezar em família de Cenáculos, conforme as mensagens dadas ao Pe Gobbi. Quando rezamos o terço, quando rezamos com Maria, em Maria e por Maria, estamos verdadeiramente em um Cenáculo, e o Espírito Santo manifesta-se e realiza maravilhas de graça em nossa vida.
O Espírito Santo é o santificador das almas. Ele quer levantar um povo que viva em santidade. E esse povo será levantado como a Igreja primitiva: recebendo o Espírito Santo unidos em oração por Maria, com Maria e em Maria.
Aleluia!
Vide Espírito Santo, vide por meio da poderosa intercessão do Imaculado Coração de Maria, vossa amadíssima Esposa!





sábado, 6 de maio de 2017

Católico: Fuja da Esquerda, mas cuidado com a Direita



Comunista/Socialista é excomungado automaticamente. Motivo: sua doutrina é completamente incompatível com o catolicismo.
Mas isso não quer dizer que para fugir da Esquerda deve-se mergulhar de cabeça na Direita. Para quem é católico, é recomendável que estude a Doutrina Social da Igreja.
Muitos católicos tem mergulhado a fundo na Direita, em movimentos direitistas, etc., e esquecem-se que podem estar incorrendo em excomunhão também. Embora a Direita não seja necessariamente contrária à Doutrina da Igreja, acontece que alguns pontos são, e se o sujeito pega o "pacote direitista" sem excluir os erros, pode estar pecando também. Um exemplo são os vários direitistas que são liberais em relação a moral (novidade!) e que são favoráveis ao aborto. Ora, aborto também leva a excomunhão... E tem gente que em nome da ideologia, acaba aos poucos achando que abortar em determinados casos é legal...
Um exemplo claro é a popularidade que Bolsonaro tem. Ele tem pontos positivos, óbvio. Porém, você já tentou ver outras coisas que está no pacote Jair Bolsonaro? Bom, para quem não sabe, ele tem um Projeto de Lei que quer implantar o chamado Planejamento Familiar. Em outras palavras, esse "Planejamento" diz respeito a facilitar o acesso a vasectomia, laqueadura, etc. Isso também é porta de acesso para uma futura aprovação do aborto. (E se levarmos em consideração que baixar a taxa de natalidade causa problemas na economia, esse Planejamento Familiar trará consequências danosas à nação). Tais atos (laqueadura e vasectomia) são pecados graves, e se você os defende também está pecando. E, infelizmente, muitos que fogem da Esquerda acabam mergulhando na direita... Recebem o pacote completo como se tudo fosse perfeito. É necessário fazer reflexão.
Do ponto de vista moral, é óbvio que a Direita é melhor que a Esquerda... Mas não é por isso que se deve achar que ser de Direita é como ser do Céu. A Direita não é perfeita. E, aliás, no Brasil, muito do que se chama de Direita é, na verdade, apenas antipetismo - porque na prática é tão esquerda quanto (ex. PSDB com FHC).
Se você for se candidatar ou votar num partido que se diz de Direita, cuidado para não estar abraçando coisas contrárias a doutrina da Igreja.
Para ficar claro que não estou defendendo a Esquerda (Longe de mim fazer isso) e nem falando mal do Bolsonaro, para 2018:
Lula x Bolsonaro = Voto no Bolsonaro.
Mas não é porque um candidato é melhor (ou menos danoso) que outro, que este seja perfeito. É necessário debater, refletir, e, no processo político, negociar. E para os católicos, há valores que são inegociáveis. Se em nome da Direita você negocia alguns valores inegociáveis, você vendeu a alma pro capeta tanto quanto um comunista professo. Só pega o pacote completo sem retirar o que não presta aqueles que são loucos.




quinta-feira, 20 de abril de 2017

Educação com autonomia, mas sem liberdade

Como todos sabem, a paternidade/maternidade atrai sobre os pais a responsabilidade da educação da prole. Essa responsabilidade é tão importante, que um ditado popular muito usado dizia que “pai é o que cuida (educa), não o que faz”, elogiando a atitude daqueles homens que, ao casar-se com uma mulher que já havia tido filho de outros relacionamentos, assumiam a responsabilidade de educar tais crianças.
A educação dos filhos é para os pais, mais que um direito, mas uma obrigação inalienável, ou seja: não se deve terceirizar a educação. A responsabilidade da educação é dos pais. São os pais que irão responder diante de Deus pela boa ou má educação dos filhos. E mesmo que você, caro leitor, seja um ateu convicto, você é responsável pela educação dos teus filhos, e mesmo nesta vida terá que responder pela boa ou má educação deles, pois o adulto de amanhã será fruto da criança que plantamos hoje. Obviamente, na fase racional, um filho pode escolher outro caminho, afinal, o ser humano tem o livre arbítrio para escolher entre o bem e o mal.
Dito sobre a responsabilidade dos pais, quero então fazer uma pergunta: como vocês – pai, mãe, colaboradores - estão educando as crianças?
Há várias teorias sobre como educar melhor os filhos. Os livros voltados para a Pedagogia e, principalmente, para a Psicologia Infantil, vai nos superlotar de ideias sobre como melhor proceder na educação. Isso é muito bom; porém, esconde um grande perigo. Nem tudo que reluz é ouro, da mesma forma que nem tudo que se diz “isso é melhor para a educação” de fato é, portanto, é necessário refletir, investigar, pois se poderá estar estragando o futuro dessas crianças com métodos modernos, mas, por outro lado, horríveis.
Para servir de exemplo quero citar a tão comentada liberdade e autonomia. Quem nunca leu na internet ou assistiu uma reportagem de “especialistas” dizendo que as crianças tem que ter liberdade e autonomia? Do século XX para cá esses termos foram deturpados do real sentido pedagógico, tirando, obviamente, sua real eficácia. De fato, as crianças precisam ser educadas para a liberdade do desenvolvimento do seu espírito, da sua personalidade e, como não poderia deixar de ser, para a autonomia, para não ser dependente dos pais e/ou responsáveis em tudo. Porém, o que se pode dizer do que é visto na prática, é que para os pais “modernos” autonomia e liberdade tornaram-se sinônimos de criança livre para fazer o que quer, doa a quem doer. É por isso que podemos dizer, porém com tristeza, que a nova geração tornou-se a geração de criança mal criada – com suas exceções, obviamente.
Os pais precisam aprender o que realmente vem a ser uma criança autônoma, caso contrário, continuaremos a ver crianças desaforadas que não têm limites dos pais, mas crescem tentando acabar com essa hierarquia.
A liberdade que os pais aplicam para as crianças hoje é a maléfica, ou seja, é a “pedagogia” do deixar solto, o não ter limites. Portanto, não há nenhuma relação com a liberdade para o desenvolvimento do espírito infantil, como bem desejava Maria Montessori. Sendo assim, para os pais de hoje, é necessário assumir a responsabilidade de uma educação para a autonomia, e não para a liberdade. Se você cria seus filhos na liberdade, com rédeas frouxas, você precisa mudar a ação para uma educação para a autonomia.
É extremamente necessário compreendermos que autonomia e liberdade não são sinônimos. Uma criança com liberdade é aquela que dorme na hora que quer (2h da manhã, por exemplo), não tem hora para acordar, dá birra e o pai e a mãe chora junto querendo saber qual o desejo do deus-mirim para realizar prontamente. Também é característica de assistir o que quer, mesmo conteúdo impróprio, senão terá birra. Uma criança que vai crescendo sem limites vai se tornando um jovem mimado, materialista, que só pensa no “seu umbigo”. A liberdade sem limites faz da criança, por exemplo, não querer estudar “porque isso não faz parte do gosto dela”; jogar videogame o dia todo sem responsabilidades; desobedecer aos pais; não ajudar nas tarefas de casa conforme for crescendo. Na juventude a coisa piora: não assume as responsabilidades, sai e volta para casa na hora que quer e, muitas vezes, até agride os pais física ou verbalmente por serem “livres” e “irrepreensíveis”.
A autonomia, muito pelo contrário, faz com que a criança aja sem a necessidade de estar “agarrado à barra da saia da mãe”. Uma criança que é autônoma é aquela que, mesmo pequenina, ao aprender a escovar os dentes, vai fazer isso sozinha sem necessidade de o pai ou a mãe fazer por ela. Quer beber água? Ela sabe pegar o copo sozinha e beber a água. Com uma idade maior, a criança autônoma é capaz de agir, ajudar, realizar atividades. Um jovem que teve uma educação autônoma vai exercendo as suas responsabilidades. Um jovem autônomo é diferente de um que foi/é mimado e/ou superprotegido.
Para compreendermos a diferença de uma criação autônoma para a liberdade que se prega hoje, usemos o seguinte exemplo: suponhamos que um casal tenha tido gêmeos; um criado de maneira autônoma, o outro foi “mimadamente” educado de maneira livre. Quando os filhos fizeram seus quinze anos de idade, aconteceu que certo dia os pais, que trabalham fora, pegaram um tremendo engarrafamento na volta para casa, e não chegaram no horário. Por conta do atraso, não teve quem fizesse o jantar. O filho autônomo, ao chegar em casa, morrendo de fome, percebeu que não tinha nada pronto para comer. O que ele fez? Ele mesmo começou a preparar o jantar para a sua família, pois reconhecia os esforço dos pais, e sabia que se esperasse estes chegarem, ficaria muito tarde para o preparo – além do cansaço que os pais deviam estar. Isso é autonomia, não depender do outro. Você deve estar se perguntando onde está o filho criado com liberdade, não é mesmo? Ele está na porta da escola chorando, xingando os pais em áudio no Whatsaap porque os pais cometeram o crime de se atrasar e está deixando ele a espera. Quando os pais pegam este “amável” filho, comentam que ainda terão que fazer o jantar... Ao ouvir isso, o rapaz começa a dar escândalo, dizendo que não aguenta a irresponsabilidade dos pais que, que vai morrer de fome. Exige, aliás, que comprem uma pizza. Em casa dá chilique, e, após se controlar, pede para os pais dinheiro para comprar o ingresso do ídolo Pop dele. Os pais, por causa da crise, disseram não; o filho, por sua vez, dá outro escândalo, bate a porta do quarto, e vai jogar um jogo no seu PS4 após dizer “odeio meus pais” no Twitter.
Essa história parece familiar? Talvez a ação do filho com liberdade seja a mais comum nos dias de hoje, afinal, é o resultado de um estilo de criação – que precisa ser mudado.
Preciso reconhecer que muitos pais não desejaram tornar seus filhos assim. Mas também tenho que dizer que há culpa nos mesmos, pois fazendo do fato de ter filho simplesmente uma consequência de um ato sexual, ou seja, faz sexo, dá a luz, e compra comida e umas coisinhas para distraí-los para não nos perturbar. Infelizmente é assim. Recomendo que leiam um artigo que escrevi chamado O desprezo velado dos pais para com os filhos, onde elucido que os pais desprezaram os filhos ao colocá-las diante da TV, dos videogames, tirando-as do convívio com eles mesmos. Enquanto a criança está jogando videogame, eu faço minhas coisas sem ser interrompido. E os pais nem se dão conta que muitos jogos, programas, filmes, que eles mesmos dispõem para os filhos assistirem, deforma a personalidade das crianças. Esse largar a criança, deixando ela livre para fazer e ver o que quiser, entregue numa cultura consumista, é um dos fatores que tem gerado tantas crianças mal criadas e dependente dos pais (ou do que os pais podem comprar).
Por fim, desejo comparar a minha geração com a geração dos meus avós. Embora fosse uma educação mais rígida, em determinados pontos, os pais davam mais autonomia para os filhos do que os pais de hoje. O casamento em si é o melhor exemplo para confirmar isso. Completei há pouco 25 anos de idade, e se eu fosse me casar hoje, apareceriam pessoas dizendo que ainda sou jovem, que devo primeiro me formar, ficar rico, e quando chegasse nos trinta anos, me casar. Olhemos para cinquenta anos atrás, e veremos, no entanto, homens casando com 18, 19, 20 anos, e mulheres casando com 14, 15 anos de idade. Mas há um detalhe: eles eram autônomos. Com 18 anos de idade, um rapaz era de fato HOMEM e colocava comida dentro de casa, sustentava a família; hoje, um adolescente (antes não se usava muito esse termo) de 18 anos não coloca sequer a comida no próprio prato, depende da mãe para pôr, e, quando vão para algum canto, não tem autonomia para dizer o que quer ou não comer. Com 15 anos uma jovem era de fato mulher, cuidava do lar, dos filhos, trabalhava... Hoje com 15 anos só sabe chorar por causa do “Crush” – termo utilizado para denominar um paquera - cantar música ruim, e ir para o shopping center. Eu não digo que não sabe cozinhar, porque nem sequer comem... Daqui a 20 anos vão viver de fotossíntese.
Antes que me chamem de machista, não é que fosse uma “obrigação” a mulher cozinhar, pois o homem também se virava. O homem e a mulher se complementavam, ambos assumiam responsabilidades. Um homem de 20 anos casado com uma mulher de 16 poderiam viver sem dependência total dos pais. Às vezes o marido e a esposa iam trabalhar na roça, mas construíam sua vida. Hoje, o resultado de uma educação livre, que conduz para o hedonismo, faz com que o rapaz tenha relação sexual com a jovem antes de casar (aliás, nem pensa nisso), e depois que a moça engravida, os avós é que têm que cuidar... Alguns casam, mas são os pais dos recém casados que os mantém. Claro, há casos em que se faz necessário a ajuda, porém, o que é comum é a irresponsabilidade dos jovens que só querem prazer e não fazem nada para assumir suas responsabilidades.
-Engravidou minha filha? Vai ter que trabalhar para sustentar!
-Trabalhar de quê, tio?
-O que você sabe fazer?
-Jogar Play Station.
-Vai entregar um currículo. Você fez até que série?
-Nem lembro... Não ia muito à escola, pois era mais “da hora” ir pro baile funk. Aliás, foi lá que conheci sua filha...

Essa é a nossa geração. É preciso mudar essa triste realidade. Citei este exemplo da gravidez entre os jovens, sabendo que é algo bastante comum. O que a mídia, o governo, e muitas vezes os próprios pais fazem para mudar a realidade? Ao invés de levarem os jovens a terem espírito de responsabilidade, a fazerem sacrifícios por um bem maior, distribuem camisinhas e incentivam o uso. Consequência: continuam agindo no prazer pelo prazer.
Se você leu este texto até aqui, deve ter percebido que comecei falando de educação infantil, dizendo que termos que educar as crianças para serem autônomas, que é diferente da liberdade que é comum vermos hoje em dia. E por fim, falei dos jovens e da banalização da sexualidade. Não é falta de coesão e/ou coerência no texto. É porque o jovem e o adulto de hoje, são consequência da criança de ontem. Se a criança cresceu sem limites, simplesmente buscando seus prazeres temporários, na juventude ela agirá da mesma forma. Se a criança não é autônoma, e não assume responsabilidade nenhuma (não faz tarefas domésticas, por exemplo, condizente com a idade, obviamente), crescerá um jovem que não sabe fazer nada, que não consegue agir sem o amparo dos pais.
Ps: se na minha geração as pessoas casam cada vez mais tarde, não é simplesmente por uma escolha. É porque são irresponsáveis. Foram educadas para a irresponsabilidade. Se os que casam estão divorciando mais, não é porque o casamento é uma instituição falida, mas é porque quando um dos dois que casaram foram criados dessa maneira “livre”, para a irresponsabilidade, normalmente o fracasso é comum. Portanto, não me venham com essa de que essa geração não quer casar... As mulheres reclamam de homens que sejam HOMENS; os homens reclamam mulheres que sejam MULHERES. Entenda, em essência. Homens e mulheres responsáveis no seu ser. O que se tem hoje são homens e mulheres deformados em sua personalidade por uma educação permissiva. Se quisermos salvar as famílias, a sociedade, eduquemos as crianças. A infância é o futuro do mundo.


quarta-feira, 12 de abril de 2017

Três passos para se chegar a perfeição no relacionamento com Deus

Salve Maria Imaculada, nossa Corredentora e Mãe!
No capítulo 8 do Evangelho segundo São João podemos ler a longa discussão que Jesus teve com os fariseus. Em um determinado trecho podemos fazer uma meditação, mergulhar mais a fundo nas palavras de Cristo, e descobrirmos os meios para nos unirmos a Deus de verdade.
Os fariseus tinham um pseudo relacionamento com Deus. Tudo estava nas aparências, na lei pela lei; mas o coração, longe estava do verdadeiro sentido que é o próprio Deus. Por isso, caríssimos, leiamos com devoção as palavras de Cristo:
Se me glorifico a mim mesmo, a minha glória não é nada; meu Pai é quem me glorifica, aquele que vós dizeis ser o vosso Deus e, contido, não o conheceis. Eu, porém, o conheço e, se dissesse que não o conheço, seria mentiroso como vós. Mas conheço-o e guardo a sua palavra.” (João 8,54-55)
Neste trecho, então, podemos observar três caminhos para ter um relacionamento com Deus verdadeiro – totalmente contrário ao dos fariseus, que era falso.
Para termos essa união com Deus, para chegarmos a perfeição no relacionamento com Nosso Senhor Jesus Cristo, é preciso:
1)Confessar o senhorio de Deus na sua vida – primeiramente é preciso declarar que Jesus Cristo é nosso Senhor e salvador, reconhecer sua divindade. Aliás, professar nossa fé na Santíssima Trindade – não somente com os lábios, mas confessar na vida. É necessário declarar o senhorio de Jesus na nossa vida, ou seja, não ter ídolos, falsas divindades. É por isso que Jesus fala sobre o Pai em termos estranhos aos fariseus, ou seja, diz que o Pai é aquele “que vós dizeis ser o vosso Deus”. Ora, nós dizemos que Jesus é nosso Deus, que cremos na Santíssima Trindade, que o adoramos; mas falamos apenas da boca para fora, ou realmente temos a Deus uno e trino como único Deus da nossa vida? Ou será que temos colocado outras realidades no lugar de Deus? Há pessoas que idolatram o dinheiro, o prazer, o poder, que recorrem a magia, aos horóscopos, ao espiritismo, as chamadas macumbas, candomblé, etc., ao mesmo tempo que se dizem cristãs. Ora, o próprio Jesus disse “ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro” (Mateus 6,24), e em seguida exemplifica dizendo “não podeis servir a Deus e à riqueza” (idem). Ora, ou somos católicos e temos Deus uno e trino (Pai, Filho e Espírito Santo) como única divindade da nossas vidas, como Senhor, ou somos como os fariseus que só tinham a Deus por Pai de fachada. Isso é grave! Há muitas pessoas que vão à Missa com certa frequência, quiçá dominicalmente, mas também frequentam centros espíritas e/ou de umbanda, ou professam filosofias e ideologias condenadas pela Igreja, afastando-se completamente da fé católica. Se queremos ser verdadeiros adoradores e chegarmos a perfeição do relacionamento com Deus, precisamos urgentemente renunciar todos os ídolos da nossa vida – renunciar toda falsa religião, filosofia, prática contrária aos ensinamentos de Cristo, etc. Afinal, não podemos apenas dizer que Cristo é nosso Senhor, mas mostrar com a nossa vida que Jesus é nosso Deus.
2)Conhecer a Deus (cf. versículo 55) – O primeiro mandamento nos ordena amar a Deus sobre todas as coisas. Mas, como nos ensinam os santos, não se ama aquilo que não se conhece. Nós precisamos conhecer a Deus para amá-Lo. Nós não conseguimos conhecer a Deus sozinhos, mas o próprio Deus se deixa conhecer. Por isso somos cristãos, pois Jesus é a própria revelação de Deus: Jesus é, conforme João 1 em diante, o Verbo de Deus que se fez carne. Jesus é Deus de Deus que se fez carne no ventre da Virgem Maria. É preciso, portanto, conhecer esse Deus que nós dizemos servir. Quem é Jesus? O que Ele nos ensinou? O que a Igreja, Seu Corpo Místico, está a nos ensinar? Mas, o conhecer a Deus aqui como caminho para a união com Deus, não é apenas conhecer intelectualmente, mas conhecer como um amigo conhece o outro: no amor, na partilha, na conversa, na presença. Nós precisamos ter uma vida de oração. É por isso que muitos embora meditem intelectualmente, leiam muitos livros de teologia, ainda não conhecem a Deus; pois, como ensinava S. Padre Pio, nos livros nós procuramos a Deus, mas na oração o encontramos. É necessário o estudo, mas, mais necessário, a oração. Portanto, não basta agir como os mestres da lei e os fariseus que sabiam da lei, mas é necessário conversar com o autor da lei, com o amado Deus, com nosso Senhor. É extremamente necessário ter uma experiência pessoal com Nosso Senhor Jesus Cristo. Experiência pessoal, aliás, que não quer dizer necessariamente uma experiência sensível de alto nível de mística; mas um ato de achar o que se procurava: Cristo Jesus. É necessário buscar a Cristo todos os dias através da oração, ou mesmo ir diante do Sacrário, e buscar conhecer a Cristo, buscar esse encontro, e Cristo, vendo tua insistência em querer conhece-Lo e amá-Lo, se encontrará cada vez mais na tua alma, ou seja, acenderá a luz da fé, iluminará tua mente. Mas que fique claro: é preciso conhecer a Deus... Deus se deixa encontrar... Ele se revela a todo aquele que O busca na oração.
3)Guardar a Palavra -  Jesus diz claramente que ele conhece o Pai e guarda a Sua Palavra (cf. v. 55). É interessante porque Jesus é a própria Palavra do Pai encarnada (cf. João 1,1ss). Mas Jesus que se revela como o Filho de Deus, vem usar da sua pedagogia que é a melhor, ou seja, a pedagogia do exemplo. Ele é Deus de Deus – como rezamos no Credo -, mas mesmo sendo igual a Deus, enquanto homem que se fez, Ele buscou a oração para mostrar que o homem deve estar em contato com seu Criador. Jesus conhece o Pai não somente por que ora à Ele, mas porque veio d’Ele. Jesus não somente conhece o Pai, mas veio dEle; o homem também veio de Deus e, a exemplo de Cristo, também voltará para o Pai (estaremos todos no juízo – uns estarão com Deus para sempre, outros condenar-se-ão). Jesus veio do Pai porque saiu dEle, Eles são um com o Espírito Santo... Um só Deus; o homem veio de Deus porque é sua criatura.  Jesus veio com uma missão que o Pai lhe deu: salvar a humanidade do pecado, pagando um alto preço, o preço do seu próprio sangue, para salvar-nos da perdição eterna. Da mesma maneira, à imitação de Cristo, necessitamos guardar a Palavra de Deus. Ora, o Concílio Vaticano II recorda-nos que o fim último do homem é Deus. A Igreja nos ensina que o homem nasceu para conhecer e amar a Deus. Ora, mas como se ama a Deus? Jesus ensina: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (João 14,15) e também “Se guardardes os meus mandamentos, sereis constantes no meu amor, como também eu guardei os mandamentos de meu Pai e persisto no seu amor” (João 15,10). Após confessar o senhorio de Jesus em nossa vida, e depois de conhecer a Deus na oração, é necessário guardar os mandamentos de Deus para atingirmos nosso fim que é Deus. Não podemos ser falsos cristãos que acham que fazem o suficiente por ir na Missa aos domingos, rezam de vez em quando, mas não guardam a Palavra de Deus – continuam numa vida de pecado. Há inclusive pessoas que acham que estão na graça de Deus, embora vivendo com consciência situações de vida contrárias ao que a Igreja ensina como correto, somente porque são abençoadas materialmente falando, ou porque receberam uma visão ou algo do tipo. Há pessoas que acham que vão se salvar porque pagam o dízimo. Há pessoas que somente porque tiveram uma experiência sensível, normalmente em oração, através de uma visão ou algo do tipo, acha que não precisa mudar de vida, como se carismas apontasse santidade. Em Mateus lemos “Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não pregamos nós em vosso nome, e não foi em vosso nome que expulsamos os demônios e fizemos muitos milagres? E, no entanto, eu lhes direi: Nunca vos conheci. Retirai-vos de mim, operários maus!” (Mateus 7,21) Portanto, não basta ter uma experiência sensível; é necessário colocar em prática a Palavra de Deus. Não basta rezar, mas é necessário buscar aplicar a Palavra de Deus na nossa vida. Como ensina-nos São Tiago: “Sede cumpridores da palavra e não apenas ouvintes; isto equivaleria a vos enganardes a vós mesmos” (Tiago1,22).
Se nós desejamos a santidade que Deus nos chama, possamos dar um passo em direção a Ele, pois ele dará sete em nossa direção. Que Nossa Senhora, a escrava do Senhor, a Mulher bendita, Aquela que é a Criatura que mais esteve unida a Deus, nos ensine a trilhar o caminho da santidade, ensinando-nos a confessar o senhorio de Cristo, conhecendo a Deus e colocando em prática Sua Santa Palavra.
Salve Maria Imaculada, nossa Corredentora e Mãe!

Viva Cristo Rei!

sexta-feira, 7 de abril de 2017

O desprezo velado dos pais para com os filhos

Toda criança tem o direito de brincar. Isso é um fato. Porém, existe uma característica interessante na evolução dos brinquedos e brincadeiras das crianças nos últimos anos, principalmente os eletrônicos, que é a pouca socialização – seja com outras crianças, ou mesmo com os pais.
Não somente a brincadeira, mas praticamente toda atividade infantil planejada pelos pais e/ou outros adultos, visa uma coisa especificamente: deixar a criança quieta, imóvel e, de preferência, longe dos pais para não “torrar a paciência”. É possível constatar isso ao analisarmos que as crianças de hoje em dia têm poucas brincadeiras pedagógicas, ou seja, brincadeiras úteis ao seu desenvolvimento – seja cognitivo, seja motor; ficando mais imóveis, reprimindo o desenvolvimento da personalidade.
Fala a verdade, papai e mamãe, ao comprar um brinquedo para o seu filho, você se pergunta se tal brinquedo será útil ao desenvolvimento do seu filho? Usarei o mais palpável dos exemplos: o videogame. Por que você comprou ou quer comprar um videogame para sua criança? Muito provavelmente você me responderá com pelo menos uma das seguintes alternativas:
a)     É melhor ficar jogando videogame do que ir para a rua estar com maus elementos aprendendo o que não presta (e o jogo ensina algo que presta?);
b)     É bom ele(a) ficar jogando, fica tão quietinho, bom que faço minhas coisas.
c)      É bom que não fica me perturbando para fazer coisas com ele. Tudo está programado.
Bom, existem n motivos que você pode dar para comprar um videogame para a sua criança, mas, muito provavelmente, todos esses motivos girarão em torno de deixar a criança longe de você. Não é verdade? Infelizmente os pais não pensam se o videogame será bom ou não para a criança, se determinado jogo faz bem ou mal, se é indicado para a idade do filho, o tempo em que a criança passa diante da tela... Nada disso importa. O que importa é imobilizar esse ser para que não me faça assumir a responsabilidade de pai/mãe e estar presente na vida dele.
Ser pai, ser mãe, é muito mais do que gerar. Muito mais. É estar junto, é educar, é amar. Não se despreza o que se ama. Então por que há pais que desprezam seus filhos? Talvez seja uma ação inconsciente, mas ela existe e está se impregnando na nossa cultura. Antigamente as famílias se reuniam para jantar, e após, conversavam; hoje, cada um come em um lugar da casa e não há reunião após a refeição, papai e mamãe vão assistir novela na sala, e as crianças desenhos ou jogar videogame no quarto. Antigamente o papai ou a mamãe liam histórias para os filhos; hoje, no entanto, põe um Dvd com uma história bem estranha e imprópria. Antigamente papai levava os meninos para jogar futebol; hoje, no entanto, dorme até mais tarde, e os meninos jogam Fifa ou PES no videogame. Antigamente... Bom, são muitos os exemplos.
Os pais estão terceirizando a educação dos filhos em todos os aspectos. Há crianças que desde a mais tenra idade vão para as creches sem a mínima necessidade, simplesmente para dar mais comodidade aos pais. E quando digo sem necessidade é me referindo aos casos em que um dos pais não trabalha e fica o dia no lar. A própria escola é um desses “abandonos”, uma vez que o pai outorga ao Estado ou a instituição de ensino contratada o dever de educar os filhos, sem nem ao menos se dar ao trabalho de verificar o que estes tem aprendido na escola. Muitas escolas ensinam imoralidades e ideologias, mas os pais estão pouco se lixando, pois a escola adquiriu um caráter além do de ensinar: o de dar “paz” aos pais em pelo menos um turno do dia. Tanto é verdade que a possibilidade de aumentar as escolas de tempo integral é um alvoroço só. Comemora-se como um título de Copa do Mundo! Se uma manhã ou uma tarde sem criança em casa já é bom, imagina o dia todo fora? Quando chegar a noite segue o esquema de cada um para seu canto e... Bom, quem educa a criança: você, ou terceiros?
Depois que comecei a estudar Pedagogia passei a ter um olhar observador para com as crianças e seus pais. Olhar o desenvolvimento das crianças me fascina. Mas, infelizmente, vejo o quanto a negligência dos pais e pseudo educadores atrapalha o sadio desenvolvimento da personalidade infantil.
Conheço um caso muito interessante para servir de exemplo. Há uma mãe de um filho único que vive gritando com o filho. A criança é ágil, ou seja, gosta de estar agindo, isso é sadio. Mas a mãe quer um filho paralisado. Se a criança brinca com um brinquedo que vem a quebrar, a pessoa berra para com a criança. Como ela fica impaciente com a criança, ela descobriu um método: dá o celular para a criança de dois anos ficar assistindo desenho ou “jogando”. Isso mesmo, dois anos. E fica lá a criança paralisada diante do brilho de um celular, tendo a personalidade sufocada, porque a impaciência de uma mãe não faz ver a necessidade da criança, que quer afeto, amor, presença, atividades úteis para seu desenvolvimento. Essa mãe por vezes inventa as desculpas mais esfarrapadas para levar sua criança para uma outra casa onde há uma criança, que nem se dão muito bem, diga-se de passagem, mas ela leva mesmo assim, pois quer “descansar”.
Eu entendo que a educação dos filhos dá um trabalho enorme. Por isso escrevo este texto com um tom mais duro, justamente para que entendam que ser pai ou mãe não é uma questão de status, de fotos em redes sociais, mas uma vocação, uma responsabilidade. Tirar fotos belas e fingir felicidade em rede social é fácil, difícil é amar e estar presente na vida dos filhos verdadeiramente.
PORÉM, evite cometer o desprezo maior que é o não ter filhos. Afinal, é melhor ter filhos e ter trabalho por não desprezá-los, do que desprezá-los evitando tê-los. Infelizmente a sociedade de hoje evita os filhos de duas maneiras: uma é a exposta acima; a outra é impedindo que as crianças nasçam. Ora, muitos pais reclamam não ter tempo para brincar com os filhos, e, de fato, não estou dizendo que devemos brincar 24h com os filhos; mas, por outro lado, se fossem mais generosos e tivessem muitos filhos, eles teriam irmãos mais ou menos da mesma idade, que gosta das mesmas brincadeiras, e teriam uma sadia socialização. Os nossos avós não tiveram muito problema com carência afetiva – no sentido de se sentirem desprezados e/ou não conviverem com outras crianças e adultos.


domingo, 26 de março de 2017

São Luís de Montfort: o educador

Salve Maria Imaculada, nossa Corredentora e Mãe!
São Luís Maria Grignion de Montfort tem se tornado um santo muito popular no Brasil, mas pouco conhecido; afinal, como uma das obras escritas por São Luís tem se tornado cada vez mais famosa, o Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, logo o próprio santo fica popular, mas nem todos conhecem a vida do grande apóstolo da Imaculada.
Resumimos a vida de São Luís a um santo que amava Nossa Senhora, a Cruz de Jesus, e foi perseguido nas dioceses em que pregou. Mas a vida de Montfort é muito mais que isso. É um verdadeiro testemunho de amor a Jesus e a Maria.
Neste post quero destacar a sua vida como EDUCADOR. Sim, poucos sabem, mas nas missões que São Luís fazia, ele se dedicava na arte de educar as crianças e jovens. Isso mesmo, não somente pregar a moral, mas trabalhar pela alfabetização. Leiam a seguir o trecho do livro Um Apóstolo de Maria e da Cruz escrito por Jesus Fernandez Soto, onde nos é narrado sobre São Luís na arte de educador.

***

Montfort foi um perfeito educador. Entregue plenamente à educação das crianças e da juventude, tão encarecidamente e descendo a tão preciosos detalhes, como se em toda a sua vida não houvesse tido outra ocupação senão a de dedicar-se a esta missão.
Deu à educação o seu lugar básico e radical que tem em toda a formação para a sociedade e para a Igreja. Segundo o mandato do Senhor: “Ide por todo o mundo e ensinai a ler e ea escrever com uma finalidade: para que as crianças pudessem aprender o catecismo, para saberem quais as suas obrigações para com Deus e para com o próximo”.
“Nas suas missões, um dos seus primeiros cuidados era o de prover as paróquias de bons mestres e mestras de escola, pois dizia que as escolas eram iniciadora da Igreja”, disse-nos o seu biógrafo Padre de Clorivière.
E Grandet: “A primeira ocupação de Montfort, no decorrer das suas missões, era a de criar escolas cristãs para meninos e meninas”.
E eram dignas de admiração àquelas escolas paroquiais, fruto das missões. A elas acorriam gratuitamente crianças em grande número. Tudo foi determinado por Montfort: o número de mestras, a assistência do sacerdote, a ordem, o silêncio, o método pedagógico, as aulas, os recreios.
E teve até um ensaio perfeito de escola normal. Escolheu um grupo de jovens que se tinham posto sob a sua orientação espiritual. Instruiu-os profundamente e inculcou-lhes uma piedade arreigada. Assim preparados, confiou-lhes a educação e o ensinamento de algumas crianças.

***
Após ler essa particularidade da vida de São Luís, que tal que nos dediquemos na arte de educar as crianças e jovens? Que o testemunho de São Luís sirva para que se levante escravos de Nossa Senhora que cursem Pedagogia para serem professores, ou que cursem outros cursos com a intenção de serem professores. Mas como a obrigação da educação está com os pais, que São Luís interceda para que os devotos da Imaculada possam assumir o compromisso de educar todos os filhos que Deus lhes deu (der), não numa educação mundana, mas na educação que eleva ao Céu.

Salve Maria Imaculada, nossa Corredentora e Mãe!

Viva Cristo Rei do Universo!

sábado, 25 de março de 2017

Por que as coisas não dão certo na minha vida?



As coisas não estão dando certo na tua vida? Parece que tudo "anda para trás"? Talvez esteja acontecendo com você o mesmo que aconteceu com o Profeta Jonas. Assista o vídeo, leia o livro Sagrado do Profeta e medite.

O Profeta Jonas recebeu de Deus a missão de ir à Nínive pregar a conversão. O profeta se recusou. Ao fugir para a direção contrária a Nínive, entrou em uma embarcação, que veio a querer naufragar durante a viagem devido a grande tempestade. Os marinheiros acharam o profeta, acharam que ele deveria ser o culpado da tempestade, por estar provocando a ira de Deus; pegaram, pois, o profeta, e lançaram no mar. O profeta está a deriva, quando, de repente, vem um enorme peixe e o engole. O Profeta Jonas recusando-se a fazer a vontade de Deus só se afundou; da mesma maneira, nós, quando longe da vontade de Deus, só vamos nos afundar.

O fato é que antes de ser digerido na barriga do peixe, Jonas resolve fazer uma oração clamando o perdão de Deus. Deus ouviu sua oração. Deus faz com que o peixe o lance fora justamente na terra de Nínive para que o profeta cumprisse sua missão. 

Portanto, caríssimos, quereis que vossa vida dê certo? Talvez você já esteja no fundo do poço, engolido pela baleia dos problemas e perturbações, mas há uma solução: Deus é a solução. Da mesma maneira que o profeta Jonas fez uma oração pedindo perdão e suplicando a Misericórdia de Deus, reze também ao Senhor, peça perdão, e volte aos caminhos de Deus. Volte para a Igreja. Busque fazer uma boa confissão, vá à Missa assistir o Santo Sacrifício e Comungar o Corpo e Sangue do Senhor - pois quem não comer e beber do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus Cristo não encontrará a vida em si mesmo (cf. ). Ora, você tem procurado a vida no dinheiro, na fama, no prazer, no poder, nas coisas que o mundo tem para oferecer, mas nada te traz a vida - nada te dá a tão sonhada realização, a felicidade. Tudo sem Deus é nada. Só Deus basta - como diz S. Teresa de Ávila.

Portanto, quereis a fórmula do sucesso para que tua vida comece a dar certo? Eis o segredo revelado: "Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo" (Mateus 6,33)

Talvez a vontade de Deus não seja que você seja um rico, milionário... Mas seguindo os mandamentos de Deus, buscando amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, eu sei que você dará certo na vida, pois terá a verdadeira prosperidade que é a união com Cristo, que é a felicidade de fazer a vontade de Deus. 

Claro, muitas vezes até o nosso progresso na vida financeira é impedido por causa do pecado. Deus permite esses insucessos para que recorramos a Ele e mudemos de vida, para não buscarmos apenas as coisas materiais, mas pensemos na salvação da nossa alma.

Mas de qualquer maneira, caríssimos, recordemos sempre: 

"Pois que aproveitará ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder a sua vida?" (Marcos 8,36)

segunda-feira, 20 de março de 2017

São José: vida simples com Jesus e Maria

"Despertando, José fez como o anjo do Senhor havia mandado e recebeu em sua casa sua esposa" (Mt 1,24)
Não acham belo e magnífico isso? A OBEDIÊNCIA de São José à voz de Deus, à sua vocação, resultou em receber na sua casa Jesus e Maria. A entrada da Imaculada e do Verbo encarnado na sua casa não se deu numa transfiguração gloriosa, mas de maneira simples. A Mãe de Deus e o Menino Deus entraram na sua casa, na sua vida - na pobreza da sua vida de simples carpinteiro, simples José.
Jesus em Maria entraram na vida de São José. Sim, na vida. Nós precisamos compreender isso. José recebeu a mais sublime missão depois da de gerar o próprio Deus, que foi de cuidar do sustento humano e proteger o Menino Deus e Sua Imaculada Mãe.
Repito, quem obedece à voz de Deus recebe na sua vida a presença de Cristo e da Virgem. José trabalhou para prover o sustento da Sagrada Família. José fugiu para o Egito com Maria e Jesus para proteger a Sagrada Família. José viveu para e por Jesus e Maria. Mas o detalhe é que foi na simplicidade da sua vida. Jesus e Maria entraram na sua vida simples de carpinteiro, de homem justo, santo. O Deus que fez todas as coisas e sem Ele nada foi feito, se coloca na dependência do trabalho humano de um simples carpinteiro. O Deus que criou todas as coisas, aprende de São José uma profissão; por isso Cristo é chamado não somente de Deus e Senhor, mas "o filho do carpinteiro".
Muitas vezes pensamos que servir Jesus Cristo e Maria Santíssima se resume a feitos grandiosos, mas o humilde e obediente São José nos mostra que a santidade, que a perfeição do servir a Deus, está no fazer bem todas as coisas que Deus nos manda, está em colocar Jesus e Maria nas coisas simples do nosso dia a dia. O Patrono da Igreja poderia ser um guerreiro que derramou o sangue numa cruzada; um grande místico que tivesse colóquios espirituais com Deus; um Papa com título magno; São Tomás com sua teologia magnífica; ou mesmo o próprio Arcanjo São Miguel; mas, não, o Patrono da Igreja é um simples carpinteiro que fez perfeitamente todas as coisas. São José colocou em prática os talentos que recebeu do Pai, e dispôs tudo a serviço de Jesus e Maria.
Se nós não aprendermos o valor do trabalho, do estudo, de simplesmente estar e amar a família, cuidar dos filhos, etc., nós NUNCA entenderemos o que é santidade. As vezes sonhamos e desejamos coisas sublimes, mas expulsamos Jesus e Maria das coisas simples, uma vez que não queremos realizá-las. Queremos pregar para multidões, mas não queremos gerar filhos e educá-los na fé; queremos ser mestres de oração, mas não queremos amar e rezar em família. Queremos, sim, ter família; mas, não queremos o ônus que isso nos traz: o sacrifício. São José trabalhou, ganhou o pão para ele, Jesus e Maria, com o trabalho da carpintaria. Por mais simples que seja o trabalho, só de tirar o sustento para a família, já é servir a Deus, pois Jesus está na família junto com Sua Mãe.
Se não entendermos isso, precisamos imitar José no início do versículo citado acima: "Despertando..." Sim, precisamos despertar desse sono da morte. Seja o que Deus sonhou, não o que o egoísmo quer de nós. Como nos ensinaria São Josemaria Escrivá, aprendamos, pois, a colocar Jesus em todas as coisas, e assim veremos as coisas ordinárias com valor extraordinário. Que São José nos ensine.
Glorioso São José, rogai por nós.

sábado, 18 de março de 2017

Entrou em si e refletiu


   
 Salve Maria!

     Na Parábola do filho pródigo, Jesus conta-nos que o filho, ao desejar comer lavagem dos porcos, "entrou em si e refletiu". Este 'entrar em si e refletir" é o que todos nós precisamos fazer. Entramos em si e reflitamos sobre as coisas do mundo, pois elas não nos trazem a verdadeira felicidade; pois esta só está na casa do Pai.
     Não sei a situação em que você está, mas, faça um momento de oração, entre em si e, como Santo Agostinho, descubra que a felicidade estava dentro e não fora no pecado.
     As vezes escuto ou leio relatos de jovens que, a exemplo do filho pródigo, estão na lama mas, infelizmente, ainda não fizeram a experiência de "entrar em si e refletir". Sim, refletir o quanto são infelizes numa vida pecaminosa, sem sentido, que só aumenta a dor na alma. Quantos jovens se divertem contando as loucuras cometidas com seus amigos enquanto estavam drogados... Outro dia mesmo um grupo falava no onibus de como um dos colegas havia apelado com a mãe quando ele estava "muito loko" de cocaína; outra vez ouvi de uma jovem que havia ido a uma festa de carnaval, e estava tão bêbada, que urinou com a tampa do vaso abaixada; outro jovem me relatou há alguns anos atrás que foi a uma festa e bebeu tanto que não lembra o que aconteceu, mas acordou em cima de uma mesa; outro zombava do colega que, estando tão doidão com cocaína, quis "ficar" com um travesti... Enfim, são casos e mais casos que ouvimos e pensamos: a que tirania tens se submetido? Olha que vida degradante tens vivido.
     Amados irmãos e irmãs, não sei se vocês tem vivido uma vida dissoluta a exemplo das citadas acima. Mas quero dizer que você e eu não precisamos fazer essas imundícies para termos a felicidade. Entremos em si e reflitamos: Deus não nos fez para viver de maneira tão humilhante, tão baixa, tão podre. Deus nos fez para a nobreza, para a santidade, para a verdadeira felicidade que não passa. Te faço o convite: volte para a casa do Pai! Volte para a Igreja Católica: confesse, vá à Missa, comungue o Senhor. Deixe a Misericórdia de Cristo alcançar a tua vida. Ah, meus irmãos e irmãs, na casa do Pai nós encontramos a verdadeira felicidade que não passa quando acaba o efeito da maconhada, da cocaína, do álcool, nem quando passa o orgasmo de uma relação sexual fora do casamento. Vem pra casa do Pai, pois Ele está ansioso para fazer uma festa pela tua volta! Ah, a festa na casa do Pai! Essa festa não acaba nunca, permanece na alma do filho que decide voltar ao Pai. A festa do mundo acaba, e você acaba junto. A festa na casa do Pai faz você renascer pelos séculos dos séculos.
     Vem, vamos juntos à casa do Pai das Misericórdias!

     Salve Maria Imaculada, nossa Corredentora e Mãe de Misericórdia!

     Viva Cristo Rei de Misericórdia!


quarta-feira, 15 de março de 2017

S. Luís de Montfort: peça chave na propagação da Consagração na história da Igreja


"Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração”. Irmãos, esse ano comemoramos o centenário das aparições de Nossa Senhora em Fátima, Portugal. Foi por meio dessa aparição que Nossa Mãe comunicou ao mundo que “muitas almas se perdem por não terem quem se sacrifique por elas”. São Luís Maria de Montfort propagou, durante sua vida, a Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, ou Santa Escravidão a Jesus pelas mãos de Maria, uma forma de consagração antiga e feita por muitos santos.
A Verdadeira Devoção é a consagração mais perfeita à Virgem Maria, pois, através dela, nós doamos nossos méritos à Maria para que ela use para salvar as almas dos pecadores que iriam para o inferno por causa de seus pecados. Imaginem que grande alegria para Jesus ao ver que uma alma foi salva pelos sacrifícios de Seus seguidores! Em 13 de maio você tem a chance de se consagrar inteiramente à Santíssima Virgem e doar seus méritos para salvar almas. Prepare-se, consagre-se, seja um doador de méritos!

Indicação de apostolados sobre a Total Consagração a Santa Virgem:
#DoeSeusMeritos

Modestia e Pudor: https://goo.gl/7halde
Denilson Madeira: https://goo.gl/AwtBt9
Tháina Gourlart: https://goo.gl/kF58Rj
Mel de Moça: https://goo.gl/ueZ9l2
Salus in Caritate: https://goo.gl/seQS4Z
Nathalia Dutra: https://goo.gl/F6rEGi
Ricardo Brito: https://goo.gl/woMfDi
Missão Porta do Céu: https://goo.gl/dRh2DQ
Vida Católica Com a Rafa: https://goo.gl/zyrfdn
Mais Jesus: https://goo.gl/W449t5
Cristocêntrico: https://goo.gl/3tvPta
Leandro Gama: https://goo.gl/08pXjo
Os Igrejeiros: https://goo.gl/YHrFYv
Donzela Católica: https://goo.gl/nx9Uyc
Diário de um Jovem Católico: https://goo.gl/ohuKhi
Padre Rodrigo Maria: https://goo.gl/IcrbP6
Anderson C. Bezerra: https://www.youtube.com/andersoncarlosbezerra_jhs/

Acesse o blog: http://www.andersoncarlosbezerra.com/

segunda-feira, 13 de março de 2017

Afetividade e Sexualidade | Pregação



A seguir trechos do Catecismo da Igreja Católica

II. A vocação à castidade
2337. A castidade significa a integração conseguida da sexualidade na pessoa, e
daí a unidade interior do homem no seu ser corporal e espiritual. A sexualidade,
na qual se exprime a pertença do homem ao mundo corporal e biológico, torna-se
pessoal e verdadeiramente humana quando integrada na relação de pessoa a
pessoa, no dom mútuo total e temporalmente ilimitado, do homem e da mulher.
A virtude da castidade engloba, portanto, a integridade da pessoa e a
integralidade da doação.
A INTEGRIDADE DA PESSOA
2338. A pessoa casta mantém a integridade das forças de vida e de amor em si
depositadas. Esta integridade garante a unidade da pessoa e opõe-se a qualquer
comportamento susceptível de a ofender. Não tolera nem a duplicidade da vida,
nem a da linguagem (88).
2339. A castidade implica uma aprendizagem do domínio de si, que é uma
pedagogia da liberdade humana. A alternativa é clara: ou o homem comanda as
suas paixões e alcança a paz, ou se deixa dominar por elas e torna-se infeliz (89).
«A dignidade do homem exige que ele proceda segundo uma opção consciente e
livre, isto é, movido e determinado por uma convicção pessoal e não sob a pressão
de um cego impulso interior ou da mera coacção externa. O homem atinge esta
dignidade quando, libertando-se de toda a escravidão das paixões, prossegue o seu
fim na livre escolha do bem e se procura de modo eficaz e com diligente iniciativa
os meios adequados» (90).
2340. Aquele que quiser permanecer fiel às promessas do seu Baptismo e resistir
às tentações, terá o cuidado de procurar os meios: o conhecimento de si, a prática
duma ascese adaptada às situações em que se encontra, a obediência aos
mandamentos divinos, a prática das virtudes morais e a fidelidade à oração. «A
continência, na verdade, recolhe-nos e reconduz-nos àquela unidade que tínhamos
perdido, dispersando-nos na multiplicidade» (91).
2341. A virtude da castidade gira na órbita da virtude cardial da temperança, a
qual visa impregnar de razão as paixões e os apetites da sensibilidade humana.
2342. O domínio de si é uma obra de grande fôlego. Nunca poderá considerar-se
total e definitivamente adquirido. Implica um esforço constantemente retomado,
em todas as idades da vida (92); mas o esforço requerido pode ser mais intenso em
certas épocas, como quando se forma a personalidade, durante a infância e a
adolescência.
2343. A castidade conhece leis de crescimento e passa por fases marcadas pela
imperfeição, muitas vezes até pelo pecado. O homem virtuoso e casto «constrói-se
dia a dia com as suas numerosas decisões livres. Por isso, conhece, ama e cumpre o
bem moral segundo fases de crescimento» (93).
2344. A castidade representa uma tarefa eminentemente pessoal; implica também
um esforço cultural, porque existe «interdependência entre o desenvolvimento da
pessoa e o da própria sociedade» (94). A castidade pressupõe o respeito pelos
direitos da pessoa, particularmente o de receber uma informação e educação que
respeitem as dimensões morais e espirituais da vida humana.
2345. A castidade é uma virtude moral. Mas é também um dom de Deus,
uma graça, um fruto do trabalho espiritual (95). O Espírito Santo concede a graça
de imitar a pureza de Cristo (96) àquele que regenerou pela água do Baptismo.
A INTEGRALIDADE DO DOM DE SI
2346. A caridade é a forma de todas as virtudes. Sob a sua influência, a castidade
aparece como uma escola de doação da pessoa. O domínio de si ordena-se para o
dom de si. A castidade leva quem a pratica a tornar-se, junto do próximo,
testemunha da fidelidade e da ternura de Deus.
2347. A virtude da castidade expande-se na amizade. Indica ao discípulo o modo de
seguir e imitar Aquele que nos escolheu como seus próprios amigos (97), que Se
deu totalmente a nós e nos faz participar da sua condição divina. A castidade é
promessa de imortalidade.
A castidade exprime-se especialmente na amizade para com o
próximo. Desenvolvida entre pessoas do mesmo sexo ou de sexos diferentes, a
amizade representa um grande bem para todos. Conduz à comunhão espiritual.
OS DIVERSOS REGIMES DA CASTIDADE
2348. Todo o baptizado é chamado à castidade. O cristão «revestiu-se de Cristo»
(98), modelo de toda a castidade. Todos os fiéis de Cristo são chamados a levar
uma vida casta, segundo o seu estado de vida particular. No momento do seu
Baptismo, o cristão comprometeu-se a orientar a sua afectividade na castidade.
2349. «A castidade deve qualificar as pessoas segundo os seus diferentes estados
de vida: uns, na virgindade ou celibato consagrado, forma eminente de se
entregarem mais facilmente a Deus com um coração indiviso: outros, do modo que
a lei moral para todos determina, e conforme são casados ou solteiros» (99). As
pessoas casadas são chamadas a viver a castidade conjugal; as outras praticam a
castidade na continência:
«Existem três formas da virtude da castidade: uma, das esposas: outra, das viúvas;
a terceira, da virgindade. Não louvamos uma com exclusão das outras. [...] É nisso
que a disciplina da Igreja é rica» (100).
2350. Os noivos são chamados a viver a castidade na continência. Eles farão, neste
tempo de prova, a descoberta do respeito mútuo, a aprendizagem da fidelidade e
da esperança de se receberem um ao outro de Deus. Reservarão para o tempo do
matrimónio as manifestações de ternura específicas do amor conjugal. Ajudar-seão
mutuamente a crescer na castidade.