sábado, 23 de julho de 2016

Se Deus é bom, por que...

Salve Maria Imaculada, nossa Corredentora e Mãe!
DEUS É AMOR! (1João 4,8) Esta é uma verdade bíblica que é incontestável para aqueles que experimentaram o amor de Deus; uma falácia, porém, para aqueles que não creem em Deus ou alimentam algum rancor por Ele. O fato é que estamos acostumados a ler e ouvir por aí coisas do tipo: “Se Deus é amor, por que permite a guerra?”; “Se Deus é amor, por que permite as doenças?”; “Se Deus existe, por que tantas pessoas passam fome?”.
            A minha intenção não é ser advogado de Deus, uma vez que Ele é pleno em si mesmo e não necessita da minha defesa. Sou tão um nada por mim mesmo que Jesus Cristo, o Filho de Deus - ou seja, Deus de Deus -, se encarnou no ventre de Maria Santíssima e morreu numa cruz para me salvar; porque eu, por mim mesmo, não poderia advogar a minha salvação. Porém, Deus me deu a razão. Esta razão, no entanto, não é exclusiva minha, e você, caro leitor, com toda certeza tem uma capacidade humana chamada PENSAR.
            Qualquer pessoa que tenha o mínimo de desejo de conhecer a verdade, ou alguém que quer sair da infantilidade intelectual, sabe que não pode atribuir tais juízos sobre Deus. Porque alguém está passando fome em alguma região da África, por exemplo, não é motivo para fazer birra com Deus dizendo que Ele, por ser bom, é obrigado a dar alimento para todas as pessoas. Os neoateus são tão infantis em seus argumentos, que mais parecem aqueles irmãos birrando com os irmãos mais velhos; aquela choradeira porque alguém comeu o último iogurte na geladeira. O fato de vocês ficarem acusando Deus de tudo, caríssimos, não vai fazer com que Deus fique no Céu imitando o Chaves “tudo eu... tudo eu... tudo eu...”. Não.
            O grande problema, então, é que se faz necessário sair da infantilidade e passar para argumentos sólidos. Você pode até me dizer que não acredita na existência de Deus. Mas creditar isso ao fato de haver maldade no mundo é burrice. Até porque, se você vê que há maldade e sabe que o correto é o bem, pela razão humana você sabe que esta lei é universal; e toda lei tem que ter um legislador. Portanto, quem criou esta lei moral no coração do homem? Você vê pessoas passando fome e acha que Deus ou alguém tem que alimentá-las? Bom, quem foi que cravou esta lei moral em teu coração? Esta é uma lei moral que você poderá encontrar nos cristãos católicos, protestantes, nos espíritas, nos budistas, nos ateus, etc.
            Nós precisamos parar com essa história de ficar somente culpando os outros. Quando não fazemos o que temos que fazer, o mundo a nossa volta vira um caos. Logo, como há alguém mais poderoso do que eu (Deus), que pode tudo, é mais fácil acusa-lo de negligencia do que bradar um POR MINHA CULPA! Nós sabemos que Deus só permite um mal porque sabe que dele pode tirar um bem maior. Mas parece que essa resposta não tem sido suficiente para as pessoas. Portanto, dar-me-ei o direito de ser mais direto. Abaixa este dedo indicador imundo que está apontando para Deus, feche o punho e bata contra o próprio peito: POR MINHA CULPA! POR MINHA MÁXIMA CULPA! O mal do ser humano é querer culpar a Deus por suas próprias atitudes. Tudo o que acontece é culpa de Deus. Os homens perguntam porque Deus permitiu o mal, enquanto, na verdade, deveriam questionar o porquê de nós, homens, fazermos o mal!
            Alguém pega uma arma, invade algum estabelecimento e abre fogo. Faz uma chacina. Algum sobrevivente agradece a Deus por ter se salvo, quando, de repente, surge o ateuzinho dizendo “se Deus é bom, porque permitiu que os outros morressem fuzilados”. Tira o dedo de Deus, e aponte para o ser humano: como o ser humano é capaz de matar seus semelhantes? Os ateus saem acusando Deus por aí, responsabilizando-o por todos os males, mas, caríssimos, não é Jesus Cristo que implantou o regime socialista na Venezuela sendo a causa de tantos estarem passando fome; nem tão pouco é Ele quem está convocando as pessoas para o Estado Islâmico e causando terror com atentados; não é Jesus que tem desviado milhões dos cofres do Governo Brasileiro enquanto boa parte da população vive em grande pobreza; não é Jesus que causa danos a natureza; não é Deus que está mandando a população fumar maconha e usar outras drogas. Sabe aquele assaltante que roubou seu celular (não é zombaria, já fui assaltado várias vezes), então, não foi Jesus que mandou roubar. Não foi o Espírito Santo que inspirou Karl Marx (se tivesse sido, aí sim poderiam culpar Deus pelos mais de 90 milhões de mortos nos regimes comunistas). Não foi Deus o causador das duas grandes guerras.  Enfim, que males ainda poderia citar? Nós não estamos vivendo no Reino de Deus, mas sim, desgraçadamente, no reino dos homens. Estamos vivendo em um regime em que ser humano mata ser humano; uns escravizando os outros. Se querem culpar Deus por alguma coisa, culpem-no pelo amor... Sim, amou-nos tanto que nos fez livres para amar... ou para sermos estes homens que até esta parte da história temos sido.
Falando da liberdade humana em fazer o bem ou o mal, o psiquiatra Viktor Frankl, que foi prisioneiro em auschwitz durante o regime nazista na Alemanha, vai dizer no livro Em Busca de Sentido:
[...]existem sobre a terra duas raças humanas e realmente apenas essas duas: a "raça" das pessoas direitas e a das pessoas torpes. Ambas as "raças" estão amplamente difundidas. Insinuam-se e infiltram-se em todos os grupos; não há grupo constituído  exclusivamente de pessoas direitas nem unicamente de pessoas torpes. Neste sentido não existe grupo de "raça pura", e assim também havia uns e outros sujeitos decentes no corpo da guarda.
A vida no campo de concentração ensejava sem dúvida o rompimento de um abismo nas profundezas extremas do ser humano. Não deveria surpreender-nos o fato de que essas profundezas punham a descoberto simplesmente a natureza humana, o ser humano como ele é - uma liga do bem e do mal! A ruptura que perpassa toda a existência humana e distingue bem e mal alcança mesmo as mais extremas profundezas e se revela até no fundo desse abismo aberto pelo campo de concentração.
Ficamos conhecendo o ser humano como talvez nenhuma geração humana antes de nós. O que é, então, um ser humano? É o ser que sempre decide o que ele é. É o ser que inventou as câmaras de gás; mas é também aquele ser que entrou nas câmaras de gás, ereto, com uma oração nos lábios. (Grifo meu)

            Enquanto alguns insistem em querer culpar Deus, nós, olhando para o verdadeiro culpado do sofrimento causado pelas guerras, por exemplo, podemos constatar o seguinte: o homem é capaz de fazer câmaras de gás, e é capaz de colocar seu semelhante lá para morrer; o homem é capaz de construir um avião, mas é capaz de usá-lo para bombardear uma cidade ou para jogá-lo em um prédio e matar seus semelhantes; o homem é capaz de avançar na medicina, causando a destruição da essência humana, matando. Enfim, dizem que não precisamos de Deus pois a ciência explica tudo. Bom, eu não preciso da ciência para constatar que o reino do homem está causando a destruição do mundo.
            Alguém poderia objetar teologicamente o seguinte: se Deus livra uma pessoa da morte, por exemplo, em um atentado, mostrando sua bondade, porque então não manifestou esta bondade para com todos livrando-os da morte? Bom, a resposta não é tão complexa. Da mesma maneira que Deus só permite um mal porque sabe que dEle pode tirar um bem, assim também Deus só intervém de maneira extraordinária quando esta intervenção trará um bem maior. E antes que você se pergunte, se Deus intervisse de maneira extraordinária a todo instante não traria um bem maior.
            Para explicar gostaria de recorrer a narração bíblica de Adão, Eva e a serpente tentadora no jardim do Édem. A serpente tentou Adão e Eva, que desobedeceram a Deus. Deus é o Criador, portanto, a ordem de todas as coisas; com a queda de Adão e Eva, eles que se esconderam de Deus, faz com que tudo fique desordenado. Jesus Cristo, então, sendo Deus de Deus, vem para nos salvar. E desta salvação para toda a humanidade que Cristo vem trazer, a Igreja exulta dizendo “Ó feliz culpa que nos mereceu tão grande salvador”. Ou seja, do mal Deus tirou um bem: a encarnação de Cristo. Deus não interviu evitando que Adão e Eva comecem do fruto proibido. Além do fato de tirar um bem maior, Deus evitaria um mal maior. Raciocine comigo: Se no ato da tentação da serpente Deus aparecesse e impedisse que eles comecem do fruto, daria margem para satanás dizer “estão vendo? Ele não quer que vocês comam do fruto para não serem deuses como ele!” Ou seja, a desobediência, a revolta contra Deus por parte do homem aconteceria. E talvez sem ter comido do fruto do conhecimento do bem e do mal. Sem discernimento algum! Alguns creem nesta narrativa de Adão e Eva apenas como uma figura. Mas o fato é o mesmo que acontece hoje. Se Deus agisse a todo momento de maneira extraordinária, a tal ponto que nenhuma maldade acontecesse, muitos dos que hoje acusam Deus de permitir o mal, também o acusariam de não os deixarem livres para agir. Afinal, por trás de praticamente toda maldade há uma boa intenção. Vamos exemplificar: Se Deus agindo de maneira extraordinária evitasse os regimes comunistas, por exemplo, os comunistas com toda certeza iriam dizer: “Deus é ruim! Não nos deixa livres! O que? Isso trará um mal? E como saberemos se a doutrina de Marx é errada se nunca a colocarmos em prática? Você está nos fazendo escravos. Queremos ser livres! Deixe-nos pelo menos tentar. Somos operários, pobres, deixe-nos tentar dar certo na vida...” Revoltar-se-iam contra Deus de todo jeito. É por isso que costumo dizer que a mão de Deus que pesa para castigar o povo, na verdade, não é a mão dEle pesando, mas a mão se retirando; ou seja, o castigo que Deus usa para nos corrigir não é nos infligir sofrimento, mas nos abandonar a nós mesmos. É isso que vocês querem? Pois bem, façam vocês mesmos! Ora, e seguindo os ensinamentos de Nietzsche que dizia que Deus estava morto, Hitler soube usar muito bem sua liberdade humana para destruir. Falando em Hitler, no início ele teve apoio popular. Imagine Jesus Cristo aparecendo e dizendo “Vai por mim, pessoal, isso vai dar um problemão...” Consigo ver a multidão vaiando e gritando “Sai dae! Progresso! Progresso! Viva a Alemanha!”. Até porque temos um belo exemplo: a Igreja, Corpo Místico de Cristo, condena de excomunhão os adeptos de doutrinas comunistas/socialistas; não obstante, os homens não deram atenção e fizeram o que fizeram. O ser humano é tão livre que é capaz de entrar na Igreja, pregar uma doutrina que a Igreja condena, ferrar com a vida de todo mundo, e depois dizer que Deus não é bom e a Igreja uma farsa.
            Além do mais, podemos concluir que a ação extraordinária de Deus se dá quando, ao invés de causar um mal, causará um bem. Daquela ação extraordinária, a pessoa se converte, salva não somente o corpo, mas a alma. Daquela ação extraordinária pode acontecer de várias outras pessoas que não acreditassem passarem a ter fé, e a dar perseverança para quem estivesse desanimando. Deus que conhece todas as coisas sabe quando deve agir ou não. Muitas pessoas morrem em tragédias, mas algumas são alcançados pela Misericórdia, uma vez que antes de morrerem se arrependem e pedem perdão a Deus pela má vida que levou. Ou seja, podemos dizer que em certos casos Deus não houve a nossa oração e permite a morte de alguém porque sabe que se aquela pessoa se curar, ou se livrar daquele perigo de morte, mais tarde ela irá perder a alma se deleitando no pecado. Para quem não crê pode parecer estranho isso que disse, mas para que professa a fé em Deus, sabe que nossa vida está orientada para a vida eterna, para o Céu.
            Gostaria apenas de fazer uma correção: quando falo que a ação extraordinária de Deus poderia trazer um mal, não falo da ação em si e nem de Deus, uma vez que Deus sendo bom todas as Suas ações são boas. Falo em relação ao homem que, diante de certa situação, poderia ao invés de ver o cuidado de Deus, se revoltar contra Ele.
            O que quero dizer um sábio já disse ao comparar a história como uma peça de teatro; afirmando que quando Deus se manifestar em plenitude, será o fim; afinal de contas, quando o autor/diretor de uma peça se junta aos atores é porque chegou o fim. Como o fim ainda não chegou, caríssimos, tudo o que acontecer no palco deste mundo tem responsabilidade nossa.
É claro que dentro de uma perspectiva cristã, sabemos que a maldade no mundo também tem relação com o mundo espiritual. Se você tiver um câncer e não crer em Deus, muito provavelmente não acontecerá uma cura miraculosa sem explicação científica (como acontece muito com os cristãos). Todavia, não é porque você não acredita no diabo que ele vai te respeitar e dizer “ah, esse não farei mal. Não crê em nada mesmo”. No estudo da demonologia, sabemos que muitos coisas climáticas tem ação espiritual. Por isso quando Jesus está no barco na tempestade Ele simplesmente manda os ventos se calarem, da mesma maneira que mandara os demônios se calarem. Por isso havia um forte costume popular (deveria voltar) de usar sacramentais nas suas casas, tais como crucifixos, medalhas, abençoava a casa, pedia proteção contra tempestades, etc. Hoje em dia expulsaram Deus, não vivem as leis de Deus e Ele respeita; o diabo, aproveita.
            Mas, o maior causador de sofrimento no mundo é o próprio homem. Se milhões de pessoas morreram por causa das guerras do último século para cá, o diabo tentou, mas o homem foi livre para apertar no gatilho. O demônio tentou muitos chefes de estado, mas eles era livres para corresponder a lei moral que havia em seus corações, ou se correspondia as sugestões do diabo. Havia certos chefes de Estado, como Hitler, que não somente parecia ser tentado, mas possuído pelo demônio. Mas, para que se chegasse ao nível de loucura e terror do nazismo, o ser humano foi livre.
            Quando olhamos milhões de pessoas vivendo uma miséria extrema, de fato, elas não escolheram passar fome. Mas Deus em Sua infinita misericórdia fez o mundo perfeito, com meios de subsistência para todos. Se uns tem quase nada, é porque tantos tem muito e não dividem. Não podemos ser simplistas e tolas de ficar culpando Deus pela pobreza da África, mas antes, deveríamos culpar os grandes magnatas que não fazem a devida ajuda. Aliás, há muitos que fazem é ganhar mais dinheiro em cima de tanta pobreza. Não precisamos ir muito longe: quantas pessoas passando fome no Brasil, enquanto muitos que dizem defender os pobres enriquecem ilicitamente. Quanto dinheiro foi desviado na obra da transposição do Rio São Francisco? E a obra inacabada faz com que as pessoas no sertão continuem com sede, sem comida porque não tem água para regar o plantio. O gado morrer. E junto a esperança. Mas, sejamos sinceros, o Brasil é rico de recursos naturais. Não somente. Temos muito dinheiro também. Mas muitos que dizem que defendem os pobres desviaram o dinheiro para seus próprios bolsos, ou para terceiros e/ou para planos maquiavélicos, enquanto o miserável continua sonhando com uma barriga cheia no amanhecer. Antes de dizer “onde está Deus”, pergunte: onde está o homem? Deus deu recursos naturais, sabedoria, e a razão, para que vivendo como irmãos, uns ajudassem os outros. Mas, a liberdade humana está fazendo com que ao invés de os mais ricos ajudarem os mais pobres, os mais sábios ajudarem os mais ignorantes, estamos uns matando os outros.
            Aquela velha frase cabe muito bem neste ponto da história: Deus sem o homem é Deus, mas o homem sem Deus é nada. Nietzsche disse que Deus estava morto; mas a grande verdade é que neste milênio em que as pessoas caminham para o ateísmo ou para o afastamento da fé cristã (aderindo ao islamismo, por exemplo), podemos rebater e dizer: o homem está morto. Sem Deus, sem a cultura cristã, sem a prática da verdadeira fé, o que temos visto? Morte. Sem Deus o homem só sabe matar e destruir. O demônio, que era um anjo, mas se rebelou contra Deus, vem para o mundo para querer matar, roubar e destruir. Mas nós, nós não, irmãos. A nossa essência é Deus. Deus é amor! Nós fomos feitos para amar. Se nós estamos matando, roubando e destruindo, é porque estamos afastados de Deus e nos assemelhando ao demônio.
            Você pode xilicar o quanto quiser. Mas sem Deus, você só terá morte e destruição para se queixar. Basta olhar para a Europa, berço do cristianismo, essencialmente católica... Atentados por cima de atentados. Antes do avanço islamita, houve uma propagação do ateísmo prático. Quantas Igrejas com Missas com quatro, cinco pessoas, servindo apenas de ponto turístico. A França... Ó França! Onde Nossa Senhora apareceu em La Salette, Lourdes, Paris... A França abandonou Deus para ficar com a doutrina dos homens, desde a revolução francesa, e não mais bebe o Sangue de Cristo na Missa, mas tem que lavar o sangue dos homens mortos por outros homens. Não tem para onde correr, os males deste mundo são frutos das más escolhas humanas, não de um ato da vontade de Deus.     
         “O mundo não encontrará a paz enquanto não se voltar com confiança para a fonte da Minha Misericórdia” (Jesus à Santa Faustina)
“Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz. Não vo-la dou como o mundo a dá. Não se perturbe o vosso coração, nem se atemorize!” (João 14,27)

“Espero nunca ter ensinado nenhuma verdade que não tenha aprendido de Vós. Se, por ignorância, fiz o contrário, revogo tudo e submeto todos meus escritos ao julgamento da Santa Igreja Romana” (Santo Tomás de Aquino).

Nenhum comentário:

Postar um comentário