quinta-feira, 17 de março de 2016

Pra restaurar o Brasil é preciso mais que trocar de Presidente

Salve Maria Imaculada, nossa Corredentora e Mãe!

Assim como boa parte da população, também eu acompanho com apreensão os noticiários políticos do Brasil. Confesso que deveria estar estudando, afinal, há conteúdos da faculdade que não posso negligenciar. Porém, não posso tirar a atenção da política brasileira para ir para os estudos sem antes fazer uma pequena constatação de alguns fatos. Pode chamar de desabafo de um cidadão brasileiro, comentário sobre política, ou do que quiser; mas não me sentiria em paz se não escrevesse o que narro abaixo.

Há alguns anos atrás o povo saiu para manifestar; e não poucas pessoas disseram “o gigante acordou”. A verdade é que não achei, naquele momento, que o gigante havia acordado; afinal, as lideranças dos protestos na época dos “black blocs” eram militantes esquerdistas/socialistas/comunistas; e ao ver a grande ascensão de linhas conservadoras tomando as ruas, logo pararam os protestos. Mas a verdade é que hoje sim podemos dizer que o gigante acordou. As manifestações tem objetivos claros: pedem o Impeachment da Presidente Dilma ou sua renúncia; pedem, aliás, a queda do PT. Ao vermos a manobra vergonhosa que Dilma usou para livrar Lula de uma possível prisão, nomeando-o ministro chefe da Casa Civil, logo gerou revolta na população, que se manifestou, mostrou sua voz. Na praça dos três poderes haviam mais de 5 mil pessoas na noite de 16/03/16.

Mas, até aqui, apenas relatei fatos. A parte importante que quero que você leia vem a seguir.

Aparentemente o povo, junto com a oposição verdadeira no Congresso Nacional, vai pressionar até derrubarem Dilma. Mas de uma coisa eu tenho absoluta certeza: nós temos que fazer algo que não pode ser negligenciado, tanto se Dilma cair, como se ela continuar. Não importa. O importante é que o povo acordou. Pense num cenário bom. Um nome da direta bem cotado para as próximas eleições e que já se declara pré-candidato à Presidência da República é o Dep. Federal Jair Bolsonaro. Ok. Imagine que em sequência se derrube Dilma e Temer; convoca-se novas eleições e, contra toda esperança comunopetista, Bolsonaro eleito presidente. Ok. Mas mesmo com Bolsonaro sendo Presidente, nós precisamos fazer o que abaixo falarei; caso contrário, pouco ou nada adiantará ter alguém de direta no país. Mas, por outro lado, levando em consideração que não se faça justiça, Dilma escape da perca do mandato, não importa, se nós fizermos o que temos que fazer pra restauração da nossa nação.

Ao contrário do que uma parte não negligenciável de direitistas, liberais, ou anti-petistas em geral acham, é que para desfazer as cagadas que a esquerda fez nas últimas décadas aqui não basta simplesmente ter um Presidente conservador. Tá, você não gosta do nome Bolsonaro... Imagine qualquer um bom candidato pra você. Não basta ter este candidato perfeito. É preciso uma ação de médio a longo prazo para restaurar esta nação. O Brasil não tornar-se-á uma grande potência, um país decente, honrando, respeitado, simplesmente se um Presidente der porte de arma ou abaixar os juros. É preciso mais.

Se você ainda não percebeu, as instituições estão corrompidas. Podemos ver o escárnio que o ex Presidente Lula faz da população em uma das ligações que foram grampeadas pela Polícia Federal. Lula diz que o Procurador Geral da República não estaria lá se não fosse a ajuda que ele deu; e agora que ele (Lula) precisa da ajuda dele, este anda cheio das formalidades. Nós vemos que boa parte do Judiciário está articulado pelo PT. Claro, não todo. Mas podemos ver, por exemplo, a Presidente indicar Dias Toloff, antigo advogado do PT, para Ministro do STF.

Para recuperarmos o país, para termos ordem e progresso novamente, não basta tirar Dilma e eleger outro. Afinal, quando o outro tomar posse, o que vai ter de Une, MST, CUT, e cia badernando querendo uma nova guerra civil!

Bom, então o que fazer para restaurar o Brasil? Simples: faça o mesmo que os socialistas/comunistas fizeram no Brasil, só que ao contrário. O que eles destruíram, reconstruam; se deu perca total, recrie; se eles sujaram, limpe. O Regime Militar cometeu um grande erro: só reprimiram a propaganda de revolução armada, e fizeram vista grossa para a revolução cultural. A doutrina marxista de luta de classes foi imposta pela nossa sociedade. Toda a cultura foi apodrecida de alguma maneira pelo pensamento marxista. Há décadas os marxistas estão dentro das universidades; e de lá para as escolas públicas de ensino médio e fundamental, para os editoriais da imprensa, para a própria política, enfim, tomaram a EDUCAÇÃO e transformaram-a em doutrinação. Nós podemos ver a sem-vergonhisse dos livros do MEC. Há algumas décadas os Governos (não só do PT, mas do PSDB também, canalhas!) têm trabalhado na destruição da moral: adultério, divórcios, gayzismo, pedofilia, imoralidades, aborto, liberação de drogas, prostituição, etc. Vemos um Estado Laico ser transformado, nos discursos dos socialistas, em Estado anti-cristão. Nós vemos, por exemplo, deputado ser hostilizado por ser pastor protestante, mas acha-se normal dizer “eu sou comunista” ou “eu sou socialista” sendo que esta maldição matou mais de 90 milhões de pessoas no século passado. E para tomar o poder eles tem que destruir a moral judaico-cristã que temos no Brasil, e aprovar leis iniquas que comrrompa o povo. Por isso aumenta-se o número de aidéticas entre os jovens, mas não se aumenta o número de brasileiros com prêmio nobel em qualquer coisa. Continuamos tendo... 0. Aqui é mais fácil distribuir camisinha e dizer: transa rapazeada! Transa moça! Do que investir essa grana em educação/ciência. Mas o projeto comunista funcionará com a moral do povo deturpada.

Portanto, o que fazer para restaurar o Brasil? Em primeiro lugar: oração. Nossa Senhora quando apareceu em Pesqueira-PE em 1936 avisando que o comunismo entraria no Brasil, pediu-nos que fizessemos penitência e rezassemos. Portanto, confesse teus pecados a um sacerdote, vá a Missa pelo menos todo domingo, Comungue, reze o terço diário, faça ao menos abstinência de carne nas sextas feiras... É o mínimo que podemos fazer, e, com certeza, pela intercessão de Maria Santíssima, a ira de Deus será aplacada e a Sua Misericórdia nos alcançará.

Bom, talvez você seja daqueles que não querem envolver a religião com a política. Talvez você seja anti-comunista, porém confesse uma fé protestante, ou espírita, ou mesmo seja ateu. Mas, sem querer entrar em debate religioso, para restaurar o país é necessário voltar as origens do Brasil. Um dos primeiros atos dos portugueses ao descobrir o Brasil foi a celebração da Santa Missa. Antes de se chamar Brasil, nossa nação chamava-se Terra de Santa Cruz. A Princesa Isabel, após ser impedida de assumir a coroa, manda fundir suas joias para fazer uma coroa, da qual mandou colocar na imagem de Nossa Senhora Aparecida; afirmando que se ela não poderia reinar no Brasil, quem reinaria seria Nossa Senhora. Nossas raízes são católicas. E se você for sincero, você constatará que o Brasil começou a arruinar-se quando a força católica do Brasil foi ficando fraca. A partir do momento em que as pessoas inventaram o “católico praticante” e o “sou católico, mas não pratico”; ou seja, quando as pessoas pararam de viver a fé, não vivendo os ensinamentos da Igreja, seja em sua moral (como nas questões sexuais), seja nos próprios dogmas (negando as verdades de fé), aí o país desandou. Quer uma prova? O PT é fruto da “Teologia da Libertação”. Essa ideologia marxista foi condenada pela Igreja (que condena à excomunhão quem é socialista/comunista). Mas mesmo com a Santa Sé condenando a TL, padres e bispos adeptos de tal doutrina diabólica, deram apoio ao PT. Se quiserem, vocês podem procurar videos do Lula, onde o mesmo afirma que chegou ao poder porque, segundo ele, uma das instituições que estavam com eles era as “comunidades de base da Igreja”. Se os padres e Bispos fossem obedientes a Igreja, seguindo seus ensinamentos, não teriam NUNCA apoiado Lula, PT, ou qualquer comunista; mas como, como diria Beato Paulo VI, a fumaça de satanás entrou dentro da Igreja, a TL pariu o PT. Ou alguém pariu o PT, e este se alimentou da TL? Enfim, o fato é que se seguissem a Igreja... Mas fizeram o que a Igreja condena.

Eu assisto hoje, envergonhado, uma PUC (Pontifícia Universidade Católica), ou seja, uma universidade da Igreja Católica, ser tomada de professores, reitores, e alunos comunistas que fazem protestos a favor do Governo petista. Como que uma universidade católica torna-se veículo cultural de socialistas?

Mas, é verdade, não só as PUC's, mas praticamente todo sistema educacional brasileiro; privado ou público; fundamental, médio ou superior; está tudo dominado de pensamento doutrinário marxista. Nas universidades, senhoras e senhores, é o local onde estão sendo formados os nossos futuros médicos, professores, advogados, jornalistas, historiadores, psicólogos, enfim, onde se forma grandes profissionais, ou, se preferir, os futuros militantes políticos comunistas. Muitos lá, entrando ingenuamente, vão passando por um processo de lavagem cerebral. Se acha que exagero, leiam - pelo amor de Deus – o livro Maquiavel Pedagogo e entendam o que estou falando.

Portanto, se queremos restaurar a Terra de Santa Cruz, que os católicos sejam católicos de verdade. E – não sejam burros! – ocupem os espaços! Não adianta postar #Bolsonaro2018. É necessário você atualizar na porcaria do facebook que você ingressou numa faculdade. Não, não estou dizendo que o diploma pelo dimploma muda ou que seja a salvação. Estou dizendo que Deus nos dá uma vocação, e se temos um chamado, devemos corresponder a este chamado. Se você fala contra o PT e quer alguém da Direita somente pela proposta de abaixar os juros pra poder comprar um Ifone mais barato, você é mais desprezível do que o Lula! Sim, é! Porque é tão materialista quanto qualquer ditador de merda que matou milhões de pessoas. Vote em Bolsonaro, e continue as universidades sendo dominadas pelos marxistas, continuaremos tendo uma geração de jovens com merda na cabeça, e aí surgirão novos Lulas e, pior, novos militantes que morrerão pelos futuros Lulas comunas.

Talvez um cego da vida, fanático, louco, diga “mas Bolsonaro colocará alguém conservador no MEC”. Ou achem que por ter um presidente de direita as reitorias e os professores tornar-se-ão conservadores sob a ação do super raio conservador que os atingirá no colaçaozinho. NÃO! Se você e eu não entrarmos na faculdade, quem serão os futuros professores? Outros comunas. Eu olho a PUC com dó, por exemplo, porque mesmo que um Bispo faça algo para limpar a merda socialista de lá, quem seria os novos professores e reitores? Outros comunas. Claro, tem gente boa, conservadora, sim, mas a quantidade destes que dão a cara a tapa é muito pouca em relação aos comunistas. Como católico, quem nós colocariamos com toda confiança para ser reitor de uma PUC, ou cade esse tanto de professores conservadores, autênticos católicos para lecionar por lá? Bom, não tem. E, infelizmente, em 10 anos não teremos, porque achamos que simplesmente postando Bolsonaro2018 e, claro, votando nele e elegendo-o, num passe de mágica viraremos uma Polônia, com Presidente conservador e catolicismo fervoroso.

Lula durou poucas horas como ministro, pois logo depois um Juiz Federal interveio. Assim será com qualquer um que coloque a ação conservadora simplesmente em eleger um direitista pra comprar coisa importada mais barata, ter gasolina mais barata, e pronto. #Bolsonaro2018, seguido de #GuerraCivil2019 porque ainda vai estar cheio de gente com merda na cabeça nas universidades.

A imprensa acordou? Não sei. O que sei é que o escândalo foi tão grande que nem a aliada Record conseguir acobertar.

Em resumo, caríssimos, os marxistas estão há décadas dando aulas, palestras, cantando músicas (de todos os estilos – e o Rap escancarado), escrevendo livros, e tantas coisas que você já sabe. Você tem que fazer o mesmo, só que ao contrário. Se eles usaram tais meios para propagar uma ideologia destrutiva, para propagar a mentira, usemos para anunciar a verdade. Eu não estou aqui dizendo para entrarmos na universidade para impor uma ideia direitista. Estou dizendo que as universidades e escolas tem que ser aquilo que devem ser: local para se ensinar, e não para doutrinar ideologicamente. Deve-se buscar, na educação, a verdade. Onde a disciplina envolver política, expor as ideias, mas não doutrinar o aluno a ser marxista. Só tem Marx nas universidades. Mentira, tem Paulo Freire também. Bom, dá no mesmo.

Ocupem os espaços. Temos que ter uma boa cultura. Pelo amor de Deus! Se você tem dom para compor poemas, componha-os. E não estou falando de poemas sobre política, mas poemas sobre a vida, mostre a beleza da vida. Se você tem dom pra escrever, escreva; se tem dom pra cantar, cante. Exponha sua arte. Não desanime se hoje chamam de arte, de cultura, coisas como o Funk. Tenha fé em Deus! Se meia dúzia apreciar sua arte, já é alguma coisa. Agora nós vemos o funk, os textos lichos, tudo se propagar, e nós simplesmente não produzimos nada.

Tem dom pra ser político, para ser o que se espera de um político de verdade. Seja! Como diria o Papa Leão XIII “a audácia dos maus se alimenta da covardia e da omissão dos bons”. Talvez você exite por temer o que pensarão de você. Mas você, que é honesto, exita por causa da opinião do povo que poderia te julgar injustamente; mas Lula, mais sujo que esgoto, sendo xingado de tudo quanto é lado – de maneira justa – não exitará em se candidatar a Presidente da República caso não seja impedido pela justiça. Aí está a diferença: quem quer fazer merda não liga para o que os outros vão pensar; mas nós, conservadores, queremos guardar nossa imagem de bom moço, de não se envolver com política; e qual o resultado? Bom, quantos políticos corruptos e/ou socialistas/comunistas temos?

Ou você ocupa os espaços, sendo o que tem que ser, assumindo a vocação que Deus te deu, ou...

Não se venda por causa da porcaria de um concurso público. Muita gente prefere estudar pra um concurso, sem ter vocação nenhum para aquilo, só pelo alto salário, mas não vai ser aquilo que sua alma anseia. Que triste, alguém que, por exemplo, poderia ser um repórter que anunciasse a verdade, mas prefere ficar se matando para um concurso. Ou, pior, alguém que tem a vocação para ser professor, mas não é, porque professor ganha pouco e concursado do MPU ganha mais. Dinheiro falando mais alto que a vocação. A corrupção está realmente corroendo o Brasil.

E, para encerrar, esclareço que não sou contra o Bolsonaro. Muito pelo contrário. Tenho, é verdade, algumas posições contrárias a dele. Um exemplo é a sua proposta de planejamento familiar. Sou totalmente contrário. Mas isso é algo a ser debatido. Hoje meu candidato seria ele ou o Caiado. Mas não posso ser burro que pra restaurar o Brasil basta simplesmente tirar a Dilma e colocar Bolsonaro.

Salve Maria Imaculada! Viva Cristo Rei!

sexta-feira, 11 de março de 2016

Por que somos mais preguiçosos que os filhos das trevas?

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Existe uma frase do Papa Leão XIII que me impactou profundamente, e por isso cito-a frequentemente nos textos e/ou discursos: “a audácia dos maus se alimenta da covardia e da omissão dos bons”. O tempo passa, e quanto mais adentramos nos novos capítulos da história, mais posso constatar a veracidade dessas palavras do Papa Leão XIII. O que o Papa falou há mais de um século continua sendo atual. De tal maneira que se me impactou constatar a realidade de suas palavras, hoje o meu questionamento é: por que os bons são covardes? Por que os filhos de Deus são omissos?

Nosso Senhor Jesus Cristo vai dizer no Santo Evangelho: “os filhos deste mundo são mais prudentes do que os filhos da luz no trato com seus semelhantes.” (Lucas 16,8) Por que, queridos irmãos, que os filhos das trevas, os servidores do demônio, que vivem e propagam o pecado, são mais prudentes/espertos que os filhos da luz, os filhos do Deus Altíssimo? Por que os filhos das trevas se empenham mais em praticar o mal e a propagá-lo, do que os filhos da luz em viver a virtude e pregar o sumo bem em toda a face da terra? Parece não ter sentido. Os maus, não poucas vezes, lutam por uma causa perdida em si mesma. Já os filhos de Deus têm a promessa da glória e, não poucas vezes, experimentam dessa glória já nessa vida – assim como os filhos das trevas já experimentam do inferno antecipadamente com remorsos, por exemplo; por que, então, os filhos de Deus – principalmente neste século – têm demonstrado tanta apatia beirando a tibieza na defesa da glória de Deus e combate contra o mal que se propaga por falsas doutrinas, ideologias satânicas, ataques contra a família, etc.?

Medito sobre as minhas obrigações enquanto católico, enquanto estudante que sou, e vejo as minhas fraquezas, as minhas misérias, toda a minha incapacidade para o o bem. Se não fosse a Misericórdia de Deus, o que seria de mim? Vejo-me num poço de preguiça. Eu sou filho de Deus, escravo de Maria Santíssima, preciso me empenhar mais, ser mais santo! Talvez este pensamento também esteja na sua cabeça. Mas mais do que uma falsa humildade, nos fazendo de coitadinhos, precisamos sim olhar nossa fraqueza e olhar que os maus não estão deitados eternamente em berço esplêndido, mas estão labutando para propagar o mal. Não poucas vezes quando me deparo com a falta de vontade de estudar as coisas da faculdade ou mesmo da Igreja, por pura preguiça, por querer ficar fazendo qualquer coisa, menos estudar e rezar – logo minha consciência acusa-me: os maus não poupam esforços para estudar e descobrir formas de propagar suas maldades na sociedade; eles não exitam em virar a noite em vigília lendo livros maus, fazendo pecados, propagando seus erros; os comunistas não descansaram até implantar suas ditaduras sanguinárias; eu tenho preguiça de estudar, mas os neomarxistas trabalharam duro para criar a escola de frankfurt e em consequência dominaram culturalmente nossa sociedade; eu tenho preguiça de ler, de escrever, mas os neoateus, comunistas, aqueles que propagam a libertinagem sexual, não tem preguiça de publicar livros, artigos, de fazer falsas estatísticas para propagar o aborto, e eu tenho preguiça de fazer verdadeiras pesquisas e mostrando que o melhor a fazer é escolher a vida? Logo percebo que se eu prefiro dormir ao invés de ficar acordado até mais tarde lendo um livro, escrevendo um texto; os filhos das trevas, por sua vez, não medem esforços para consumirem a sua vida em prol de suas ideologias. Isso serve para Marx, Hittler, Stalin, Che Guevara, Fidel Castro e, pasme, até para o Lula, que embora se gabe de não gostar da leitura, não desistiu de consumir sua vida em prol da luta de classes chegando a ser Presidente da República e não deixar tantas saudades (Lembrando que Lula, juntamente com Fidel,fundaram o Foro de São Paulo com o intuito de tornar a América Latina comunista.)

Pense em todos os ditadores sanguinários que já existiram. Não precisa ir muito longe, pode ser os do século XX dos países comunistas. Será que se homens e mulheres de bem tivessem tido o mesmo coração, ou seja, valentia em defender e propagar o bem, estes maus não seriam ofuscados pela irradiação da luz do bem? É claro que houveram homens e mulheres bons; aliás, houve grandes santos! Mas o problema é: será que Deus não desejou levantar muito mais santos para renovar a face da terra, porém, preferiram não se envolver, não ser tão radicais, ficar tranquilo... Vai que ficaria favorável... Aí cito novamente a frase de Leão XIII: a audácia dos maus se alimenta da covardia e da omissão dos bons.

Nós reclamamos que nossa cultura está sendo estuprada pelos marxistas há décadas. Muito bem. Concordo. Mas cadê a produção dos bons? Não adianta ficar simplesmente reclamando que a educação está ruim, se não levanto a bunda da poltrona e vou estudar, trabalhar, produzir alguma coisa na área da educação. Você tem preguicinha? Paulo Freire não teve preguiça de produzir sua “pedagogia do oprimido” e de certa forma contribuir bastante com a destruição da educação brasileira. As pessoas que agem pelo MEC não tem preguiça de produzir materiais didáticos que pervertem a moral de seus filhos (inclusive os filhos pequenos, do ensino fundamental. Isso mesmo, as criancinhas!), e nem de promover uma base curricular que estupra de vez o sistema educacional brasileiro.

Você é um médico pró-vida, mas tem preguiça, tem receio de bradar contra o aborto e/ou as pílulas anticoncepcionais que são potencialmente abortivas. Porém, os médicos que são filhos das trevas não temem consumir suas vidas em abortar crianças inocentes no ventre de suas mães; algumas vezes em troca de alguns reais, outras vezes por ideologias. Mas o fato é que até fazem objeto de suas pesquisas para fazer outros profissionais serem pró-morte, promovem seminários, usando de mentiras. Mas você, com a verdade, exita, pois tem medo, não quer se envolver. Mas enquanto você fica em silêncio, vidas são trituradas no ventre materno.

Ah, meus irmãos. Isso deveria nos envergonhar. Nós, filhos de Deus, que somos cheios do Espírito Santo pelo batismo, temos sido covardes. Precisamos mudar nossas atitudes!

Recomendo que leiam São Josemaria Escrivá, e então entenderás que nosso apostolado não é simplesmente ir para a Igreja rezar um Terço, fazer uma pregação. Não. É mais que isso. As fábricas, os escritórios, consultórios médicos, escolas, toda vida social é para nós um campo fecundo de apostolado. O Concílio Vaticano II abre as portas para os leigos; e muitas vezes é mal interpretado por isso. A Igreja espera dos leigos um testemunho de vida na vida secular, e que possa estar onde a Igreja por meio dos padres nem sempre poderá. A Igreja não está querendo, como muitos hereges acham, “clericalizar” o leigo e muito menos transformar o clero em “laico”. Mas o CVII vem pedir homens e mulheres sábios, que assumam sua vocação universal à santidade, e que possam ser neste mundo o que devem ser. Enquanto você e eu nos recusamos a ser o que devemos ser, ou seja, demoramos ou nos recusamos a assumir o chamado que Deus nos fez, os filhos das trevas não hesitam em colocar seus planos sujos em prática.

Muitos leigos tem receio de entrar em uma faculdade. Isso é incoerente, afinal, aí é nosso campo fecundo de apostolado. Não porque a RCC tenha GOU's (Grupo de Oração Universitário) espalhados por várias universidades mundo afora. É bom que você participe de um, mas não és obrigado a isso. Quando falo que a faculdade é nosso campo fecundo de apostolado, falo que é no campo da ciência, do estudo, que devemos manifestar a glória de Deus. Pelo teu testemunho em um ambiente universitário poderá levar mais gente para a Igreja do que com suas pregações feitas por vontade própria somente para fugir da obrigação de estudar.

Alguns mais escrupulosos querem se safar de ser aquilo que Deus quer que sejam, com um pensamento muito piedoso, mas que no fundo só revela nossa preguiça vocacional: “só tem professores ateus, marxistas, comunistas. Não quero perder a fé. Você não lembra? Fulano(a) foi para a faculdade e, de repente, parou de ir para o grupo de oração, para o apostolado, hoje é ateu militante...” - dizem estes escrupulosos, revelando sua preguiça. Afinal, constato com tristeza que os filhos de Deus, do Deus poderoso, grandioso, do Deus que abriu o mar vermelho, que mandou as pragas pro Egito, que ressuscitou Lázaro, que fez vários mortos ressuscitarem quando da morte de Jesus, que curou os cegos, curou igualmente os aleijados, esse Deus que fez prodígios no Céu e na Terra, esse Deus... Ah, esse Deus pregado como onipotente, de repente, pasmem, virou impotente diante de um professor ateu que diz ser comunista e usa ifone e almoça no Mc Donalds. Sim, Deus que quando mandou o dilúvio salvou Noé e sua família, não pode salvar um aluno das maluquices de um professor maluco. Mas o engraçado é que o fato de frequentar uma universidade só se tornou obstáculo para essa geração, afinal, quem inventou as universidades foi a Igreja Católica; o pai da genética é um sacerdote católico; enfim, a Igreja contribuiu tanto para o progresso da ciência, mas, de repente, a nova geração, porque tem um bando de malucos dando aula citando outros malucos, acham que estudar é um decreto de que virará ateu também. O problema está nos professores ateus ou na sua omissão em continuar com uma vida cristã? Se você perder a fé em uma universidade, muito provavelmente também a perderia se não ingressasse em uma. O que faz alguém perder a fé ao entrar no ambiente acadêmico é o desleixo na vida espiritual. Entre na faculdade, estude, se empenhe, mas nunca deixe de rezar pelo menos 1 Terço por dia, ler a Sagrada Escritura, ir pra Missa pelo menos todos os domingos e buscar ir o máximo de vezes possível durante a semana, assim como a a visita ao Santíssimo Sacramento, e ler sempre que possível alguma coisa relacionada a vida dos santos e/ou doutrina. Não muitas coisas. Em resumo: continue tendo uma vida de oração. O problema é que a besta quadrada agora só diz “tenho que ler tal livro da faculdade, depois eu rezo”; e sem a oração, como teremos fé? Deves dizer: vou rezar este terço, não poderei mais, Jesus e Maria, pelas minhas obrigações, mas rezo este Terço pedindo o dom da fé e as luzes necessárias para discernir o certo do errado. Pronto. Não precisa rezar o Rosário completo, basta rezar um Terço. Mas não, a besta quadrada prefere não rezar e acha que no mundo alguém se sustenta sem um contato direto com Deus através da oração. E quem não reza, acredita em qualquer lorota que dizem.

Portanto, a faculdade não deve nos afastar de Deus, mas, muito pelo contrário, assumindo o chamado que Deus nos faz, mais nos aproximaremos dEle, porque a santidade consiste em ser fiel ao nosso estado de vida.

É verdade que os ambientes acadêmicos estão emporcalhados com a doutrina marxista. Mas o que me entristece é que nós, filhos de Deus, por preguiça ou seja lá pelo quê, nos recusamos em ser luz lá onde há trevas. São Franciscos dizia “onde houver ódio, que eu leve o amor”. Nós temos que ter a atitude de Francisco de Assis: onde houver Marx, comunismo, ódio, trevas; que eu leve a verdade do Evangelho, a luz, a salvação que vem de Jesus Cristo. Nós nos omitimos em ser luz onde há trevas, mas os que servem ao príncipe deste mundo (satanás), não se omitem em levar as trevas onde deveria ser fonte de luz. Os católicos têm medinho de se contaminar na faculdade, mas os marxistas, por exemplo, não temeram adentrar nos ambientes católicos para os corromperem. Uma amiga disse-me que queria cursar Filosofia, porém, segundo ela, queria uma “Filosofia de Deus”, no sentido de não ser essas doutrinas ateístas/marxistas que vemos normalmente. Infelizmente tive que lhe dar a notícia que essa Filosofia que ela busca, imaculada, não encontrará nem nos institutos católicos. Enquanto católicos lutavam com afinco contra a ideologia de gênero na Câmara Legislativa do DF, uma escola católica ensina tal ideologia para seus alunos. Os marxistas não hesitam fazer uma faculdade e depois lecionar nas escolas católicas para corromper seus filhos. Eles não exitam em adentrar nas escolas, faculdades, e até na própria vida religiosa em si, para perverter a moral dos institutos da Igreja e fazê-los instrumentos seus. Podemos constatar isso com a corrente da TL – Teologia da Libertação, que disseminou o marxismo através da Igreja, mesmo com esta condenando abertamente tal ideologia. Leonardo Boff, “Frei” Betto e Cia, não exitam em publicar livros, em usar as editoras e escolas católicas para disseminar suas heresias já há tempos condenadas pela Igreja; mas tu e eu, ordinários, bunda moles que somos, exitamos em adentrar na porcaria de uma universidade para ser luz em meio as trevas.

Se o mundo ainda dá atenção para Boff, Betto, Marx e até para o Lula, é porque tu e eu não temos sido luz. Como crerão se não há quem pregue? Quem Deus vai enviar, se ao invés de eu ir estudar, eu fico enrolando na porcaria do facebook? Facebook é um instrumento de evangelização, porém, ficar o dia todo compartilhando, comentando e conversando, não salvará almas. O que salvará a tua alma e a dos outros é o teu empenho em ser aquilo que Deus quer que você seja. Ele quer que você seja santo, e te fez um chamado. Você precisa assumir.

Os que estão em doença avançada dirão que não precisa tanto, afinal, já temos Padre Paulo Ricardo, Padre José Eduardo e dois professores, Felipe Aquino e Felipe Nery, para defender a fé católica e salvar nossas famílias do mal. Esse é o típico pensamento do mediocre. Não vou pregar, Padre Paulo prega melhor que eu; não estudarei sobre gênero, Padre José Eduardo fala tão bem sobre. Enquanto os marxistas são milhares de milhares em todos os ambientes, vocês querem vencer o mal largando a bomba para quatro homens, que coloco aqui como exemplos?
Essa semana foi noticiado que um desertor do Estado Islâmico roubou dados dos terroristas e divulgou. A notícia diz que há dados de mais de 20mil homens que estão dispostos a cometer um atentado suicida em nome da religião islâmica. Entendem? 20 mil que estão dispostos a colocar bombas na sua cintura e fazer um ataque no Cristo Redentor. E nós, filhos da luz, que temos a missão de defender a religião verdadeira (Católica), de propagar o Evangelho, não conseguimos juntar nem 20 pessoas para rezar um terço contra o comunismo, se brincar. Graças a Deus há homens católicos – e não católicos – como os que citei acima, que estudam, trabalham, labutam, consomem suas vidas em prol do Evangelho. Mas que triste saber que 20 mil islâmicos fizeram sua inscrição para o terrorismo; mas é improvável que haja 20 mil estudantes católicos convictos inscritos nas universidades.

De fato, a maior parte é marxista. Mas para que daqui a 10 anos os professores não sejam marxistas, é necessário que um não marxista se forme. Se VOCÊ, besta-quadrada, não largar de ser anta, e não fizer o que Deus quer que você faça, continuaremos vendo o show de horrores que temos visto. Só há políticos ruins? Que tal que você seja o bom!? Enfim, ou assumimos nossas responsabilidades sociais, como filhos de Deus que somos, ou podem assinar o atestado de óbito de toda nação.

quarta-feira, 9 de março de 2016

URGENTE: Revolução marxista na nova base curricular do Ministério da Educação



E o MEC ataca novamente. Assista ao vídeo acima e veja o absurdo que o Ministério da Educação está implantando em nossa nação. Não podemos aceitar essa doutrinação marxista. Compartilhe o vídeo, e ajamos em defesa das nossas crianças e jovens.


segunda-feira, 7 de março de 2016

Palmada nos filhos: pode ou não?

Em um tempo em que tanto se fala da importância da educação, todos querem educar os filhos alheios, inclusive dos de pais não negligentes com ela (educação). Pseudo (psico)pedagogos e afins dizem que não se pode dar umas palmadas nas crianças, afinal, dizem eles, isso traumatizaria a mesma, gerando traumas para o resto da vida. O Estado, então, muito preocupado com a saúde das nossas crianças e jovens começa a querer adentrar num campo onde não lhe pertence: a família.

Estão tirando a autoridade dos pais de disciplinarem seus filhos. Os pais não podem dar pequenos castigos físicos aos filhos e, se derem, são tratados como torturadores pertencentes ao Estado Islâmico (com estes a Dilma propõe diálogo, com os pais um dane-se parece ser o que o Estado propõe). Pouco a pouco os pais têm perdido a autoridade sobre seus filhos: não podem disciplinar, não podem proibir de terem acesso a determinado tipo de conteúdo na escola; tudo em nome de uma pseudo liberdade que – ora, que contradição! - é negada aos próprios pais: a liberdade de educar seus filhos segundo suas crenças.

Mas a questão central aqui é: posso ou não dar castigos físicos aos meus filhos? Isso lhe trará traumas? Bom, a pergunta aqui é um sonoro: depende.

Ninguém aqui está defendendo espancamento de crianças. O problema é que a mídia e os pedagogos adeptos do “não reprima a energia da criança, não dê palmadas” esquecem-se de separar a palmada, que é lícita, do espancamento, que é obviamente repudiado.

As palmadas sempre foram usadas como uma forma de condicionamento operante, isto é, usa-se a palmada, algo desagradável para a criança, para condicioná-la a não realizar o ato ilícitoda qual cometeu. E se indagarmos os mais velhos, embora muitos tenham tido educação rígida, a maioria dirá que as surras que levaram foram de grande valia pois os fizeram homens de verdade, mulheres de verdade. Embora, é verdade, também encontramos aqueles que relatam traumas pelas surras verdadeiras, onde se apanhava de maneira próxima a espancamento. E aí é que entra o xis da questão: o problema do trauma não está na palmada em si, mas em fatores que muitas vezes os pais não levam em consideração: compreensão da criança, a proporcionalidade do delito causado por ela e do peso do castigo em relação ao tamanho e idade da criança.

Compreensão da criança – No âmbito do Direito Penal sabemos que não há crime sem lei anterior que o defina. Ou seja, se ninguém disse que tal ato é um crime, como posso ser punido? Muitas crianças podem sim sofrer traumas, mas justamente porque os pais o fazem sem motivo. Sim, a criança pode ter cometido tal ato, porém, você já havia orientado que aquela atitude ela não poderia fazer? Um pai e uma mãe que tenha zelo pela criança saberá conversar antes da palmada. Se for algo que você nem imaginava que fosse fazer; após o ato, chegue na criança e explique-a que aquilo não se pode ser feito. Em caso de cometer aquele ato novamente, aí sim, aplica-se uma punição (seguindo a proporcionalidade que falarei mais adiante) para educá-la, condicioná-la, a não praticar tal ato novamente. É claro que quando falo de conversar com a criança, falo de crianças que podem compreender que tal e tal coisa não se pode. Há pais que batem em crianças que mal sabe andar por simplesmente chorarem, por exemplo. Isso deve ser proibido. Outros podem dizer que o garotinho fez algo, mas não se tem compreensão, da parte da criança, daquele algo. Como que você vai bater, por exemplo, numa criança que engatinha simplesmente porque, ao contrário das suas ordens, ela está engatinhando rumo a porta da sala; ora, ela não tem entendimento, é natural da criança engatinhar pra todo lado. Outros batem na criança porque esta tem muita energia; mas, caro leitor, o normal é a criança ter muita energia. Se sua criança é paradona, preocupe-se.

Proporcionalidade do delito com o castigo – Assim como no Direito é injusto alguém ficar 20 anos na cadeia por ter roubado uma galinha, é injusto a aplicação de um castigo mais pesado por uma atitude não muito grave da criança. Vamos supor que a criança engatinhando ou andando corra rumo a uma tomada. Claro, não é uma traquinagem, mas diante das repetidas idas da mesma até a tomada, a mãe resolve dar um tapinha na mão da criança e diz “não pode!”. A criança faz cara de choro... Chora! Mas, normalmente, ela não retornará para a tomada porque foi condicionada a acreditar que levará outro tapa na mão se voltar a querer enfiar o dedo na tomada. Esse tapa está proporcional ao ato da criança. Agora se na mesma situação o pai pegasse um cinto e surrasse a criança, estaria desproporcional. E aí sim feriria o senso de justiça na criança que poderia desenvolver traumas na sua personalidade.

Proporcionalidade do castigo com a idade criança – Mesmo que o ato que a criança tenha feito tenha sido algo relativamente grande, não se pode o pai e/ou a mãe se exceder e dar um castigo grande, se o corpo da criança não aguenta aquela punição. Lembro que falo aqui de palmadas, não de espancamentos. Não queira usar este texto para tornar lícito os teus espancamentos, as torturas que cometes, não! Estou falando de castigos físicos proporcionais com a criança. E os casos que a mídia nos dão, usando como argumento para proibir todas as palmadas, são de castigos desproporcionais. Uma criança que tem que ser levada pro hospital devido os ferimentos, que tem que usar roupa de frio no tempo de calor pra esconder os hematomas causados pelas surras que leva de seus responsáveis, isso não faz parte da educação, mas de tortura. Se a criança pequenina, use métodos de condicionamento operante leves, como as pequenas palmadas. Conforme a criança vai crescendo, e com ela o entendimento, aí sim, pode-se aumentar os castigos, mas nunca a um nível que o deixe próximo a um espancamento. Uma criança pequena pode levar palmadinhas, uma criança de 12 anos pode sim levar umas cintadas dos pais quando tiver aprontando coisas grandes.

Posso usar o exemplo da educação que minha mãe me deu para esclarecer sobre as palmadas. Eu apenhei, mas minha mãe nunca me espancou. Em quase sua totalidade, de fato estava dentro dos parâmetros do entendimento e da proporcionalidade. Falo em quase sua totalidade porque minha mãe relata que uma vez se arrependeu de ter me batido (quando arranquei um mamão verde do pé) porque ela não havia me orientado antes. Ou seja, minha mãe sabia deste princípio da compreensão da criança. A última vez que apanhei, pelo que me lembre, tinha por volta de 10 anos de idade. Não me lembro o motivo. Mas, os castigos físicos fazem-nos nos tornar seres humanos melhores. Somos corrigidos. Triste é a nação que deixa seus filhos fazerem o que quiserem, como pequenos reis, e os pais, seus súditos, sofrem. A Suécia, primeiro país que proibiu as palmadas, sofre com isso (clique e saiba mais).

A questão vai muito mais além da famosa frase “melhor apanhar dos pais do que da polícia”. Muito mais. A questão é que mesmo que aquela criança cheliquenta, que faz o que quer, derruba estante, joga jarro no chão porque quer, etc, não torne-se um delinquente, torna-se, não poucas vezes, em adultos hedonistas, ou seja, que vivem do prazer pelo prazer. Nós vemos uma geração de homens e mulheres, jovens, que são mimadas, sem limites, faz o que quer, usa das pessoas, usa-se das coisas e se não tiver tais coisas faz das outras pessoas coisas, porque suas vontades – aquelas que ferem o próximo – nunca foram punidas pedagogicamente pelos pais e/ou responsáveis. Ai do papai e da mamãe se proibir a criança de seis anos de ver televisão, de usar o aparelho celular última geração e ir dormir na hora. É capaz do conselho tutelar tirar a guarda dos pais porque estão proibindo a criança de interagir com a mídia educativa chamada rede globo com suas imoralidades. Ai do velho e da velha se cortarem a internet do rapaz e da moça. Verão a força de um combatente, discípulo de Che Ghevara, e combaterão contra a repressão do patriarcado, dos pais opressores e capitalistas (no Comunismo tem internet?). Mas não adianta depois simplesmente querer dar palmadas e achar que o filho entrará na linha. Será preciso um grande empenho pedagógico.

Muitos podem dizer que boa parte dos menores infratores apanhavam dos pais. A pergunta que faço é: mas será que seguiam a proporcionalidade e o entendimento da criança? Além do que, em determinada idade, tem-se o entendimento de tais atos e mesmo tendo educação é livre para optar pelo crime. Na adolescência também recebi convites para entrar para o crime, não fui. O mundo é feito de escolhas. Mas garanto que se você educar bem seu filho, mostrando o caminho do bem – não só mostrando com palavras, mas com a própria vida, repreendendo seguindo os princípios citados acima, lá na frente ele saberá fazer as escolhas certas. Pode ser que um ou outro por vontade própria se desvirtue, mas normalmente uma boa educação reduz as chances.

domingo, 6 de março de 2016

Quaresma vivendo o ano da Misericórdia | Romanos 12

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

O Romanos 12, grupo de Youtubers católicos, faz uma nova ação. Depois dos videos sobre a Semana Santa, os dos do Espírito Santo e sobre o mês da Bíblia, agora a ação é sobre a Quaresma deste ano santo da Misericórdia.

Confira abaixo os videos sobre como viver/experimentar a Misericórdia de Jesus neste tempo de graça na Quaresma:



quarta-feira, 2 de março de 2016

Universitário se recusa a fazer trabalho sobre Marx e escreve carta

Jovem diz que foi uma forma de protesto por universidade sem doutrinação.
Universidade na qual ele estuda não vai ser pronunciar sobre o caso.


Aluno estuda Relações Internacionais (Foto: Paula Meira/Divulgação)
Aluno estuda Relações Internacionais
(Foto: Paula Meira/Arquivo Pessoal)
Um estudante universitário de Santa Catarina se recusou a fazer um trabalho sobre cientista político e economista alemão Karl Marx e resolveu escrever uma carta ao professor do curso de Relações Internacionais e divulgar o conteúdo na internet.
A carta, segundo João Victor Gasparino da Silva, de 22 anos, foi uma forma de protestar. "Queria uma universidade com o mesmo espaço para todas as ideias e ideologias, sem proselitismo, sem doutrinação", explicou. A Universidade do Vale do Itajaí (Univali), na qual o jovem estuda, disse que não vai se pronunciar sobre o assunto.
Segundo João Victor, que estuda Relações Internacionais, o pedido do professor foi para que os estudantes respondessem três questões sobre a teoria de Marx. Ele contou que chegou a pensar em responder de forma neutra, mas mudou de ideia. "Algo me segurava, nem cheguei a considerar dar a minha opinião no trabalho. Até que veio a ideia da carta", disse.
Conforme o estudante, o protesto não foi contra o professor, mas foi uma forma de demonstrar descontentamento em relação à academia. "Faz tempo que estou indignado com o que vem acontecendo em nosso país. Os meios acadêmicos e culturais cada vez mais fechados, os intelectuais de direita cada vez mais lançados ao ostracismo. Resolvi ser a voz de brasileiros que não encontravam espaço para se manifestar, seja por falta de meios, seja pelo próprio medo", disse.
Ao escrever a carta, o estudante disse que já sabia que iria divulgar na internet, não seria apenas destinada ao professor da disciplina. "Uma amiga blogueira do Maranhão sugeriu divulgar na internet, ela se encarregou disso. Se nosso país realmente tivesse um meio acadêmico e cultural ideologicamente equilibrado, não seria tão necessária esta carta", argumentou.
Confira abaixo a íntegra da carta
Caro professor,
Como o senhor deve saber, eu repudio o filósofo Karl Marx e tudo o que ele representa e representou na história da humanidade, sendo um profundo exercício de resistência estomacal falar ou ouvir sobre ele por mais de meia hora. Aproveito através deste trabalho, não para seguir as questões que o senhor estipulou para a turma, mas para expor de forma livre minha crítica ao marxismo, e suas ramificações e influências mundo afora. Quero começar falando sobre a pressão psicológica que é, para uma pessoa defensora dos ideais liberais e democráticos, ter que falar sobre o teórico em questão de uma forma imparcial, sem fazer justiça com as próprias palavras.
Me é uma pressão terrível, escrever sobre Marx e sua ideologia nefasta, enquanto em nosso país o marxismo cultural, de Antonio Gramsci, encontra seu estágio mais avançado no mundo ocidental, vendo a cada dia, um governo comunista e autoritário rasgar a Constituição e destruir a democracia, sendo que foram estes os meios que chegaram ao poder, e até hoje se declararem como defensores supremos dos mesmos ideais, no Brasil. Outros reflexos disso, a criminalidade descontrolada, a epidemia das drogas cujo consumo só cresce (São aliados das FARCs), a crise de valores morais, destruição do belo como alicerce da arte (funk e outras coisas), desrespeito aos mais velhos, etc. Tudo isso sintomas da revolução gramscista em curso no Brasil. A revolução leninista está para o estupro, assim como a gramscista está para a sedução, ou seja, se no passado o comunismo chegou ao poder através de uma revolução armada, hoje ele buscar chegar por dentro da sociedade, moldando os cidadãos para pensarem como socialistas, e assim tomar o poder. Fazem isso através da educação, o velho e ‘’bom’’ Paulo Freire, que chamam de ‘’educação libertadora’’ ou ‘’pedagogia do oprimido’’, aplicando ao ensino, desde o infantil, a questão da luta de classes, sendo assim os brasileiros sofrem lavagem cerebral marxista desde os primeiros anos de vida. Em nosso país, os meios culturais, acadêmicos, midiáticos e artísticos são monopolizados pela esquerda a meio século, na universidade é quase uma luta pela sobrevivência ser de direita.
Agora gostaria de falar sobre as consequências físicas da ideologia marxista no mundo, as nações que sofreram sob regimes comunistas, todos eles genocidas, que apenas trouxeram miséria e morte para os seus povos. O professor já sabe do ocorrido em países como URSS, China, Coréia do Norte, Romênia e Cuba, dentre outros, mas gostaria de falar sobre um caso específico, o Camboja, que tive o prazer de visitar em 2010. Esta pequena nação do Sudeste Asiático talvez tenha testemunhado o maior terror que os psicopatas comunistas já foram capazes de infligir sobre a humanidade, primeiro esvaziaram os centros urbanos e transferiram toda a população para as zonas rurais. As estatísticas apontam para uma porcentagem de entre 21% a 25% da população morta por fome, doenças, cansaço, maus-tratos, desidratação e assassinadas compulsoriamente em campos de concentração no interior. Crianças também não escaparam, separadas dos pais, foram treinadas para serem ‘’vigias da Revolução’’, denunciando os próprios familiares, quando estes cometiam ‘’crimes contra a Revolução’’. Quais eram os crimes? Desde roubar uma saca de arroz para não morrer de fome, ou um pouco de água potável, até o fato de ser alfabetizado, ou usar óculos, suposto sinal de uma instrução elevada. Os castigos e formas de extermínio, mais uma vez preciso de uma resistência estomacal, incluíam lançar bebês recém-nascidos para o alto, e apanhá-los no ar, utilizando a baioneta do rifle, sim, isso mesmo, a baioneta contra um recém-nascido indefeso.
Bem, com isto, acho que meu manifesto é suficiente, para expor meu repúdio ao simples citar de Marx e tudo o que ele representa. Diante de um mundo, e particularmente o Brasil, em que comunistas são ovacionados como os verdadeiros defensores dos pobres e da liberdade, me sinto obrigado a me manifestar dessa maneira, pois ele está aí ainda, assombrando este mundo sofrido.
Para concluir gostaria de citar o decálogo de Lenin:
1. Corrompa a juventude e dê-lhe liberdade sexual;
2. Infiltre e depois controle todos os veículos de comunicação em massa;
3. Divida a população em grupos antagônicos, incitando-os a discussões sobre assuntos sociais;
4. Destrua a confiança do povo em seus líderes;
5. Fale sempre sobre Democracia e em Estado de Direito mas, tão logo haja oportunidade, assuma o Poder sem nenhum escrúpulo
6. Colabore para o esbanjamento do dinheiro público; coloque em descrédito a imagem do País, especialmente no Exterior e provoque o pânico e o desassossego na população;
7. Promova greves, mesmo ilegais, nas indústrias vitais do País;
8. Promova distúrbios e contribua para que as autoridades constituídas não as coíbam;
9. Contribua para a derrocada dos valores morais, da honestidade e da crença nas promessas dos governantes, nossos parlamentares infiltrados nos partidos democráticos devem acusar os não-comunistas, obrigando-os, sem pena de expô-los ao ridículo, a votar somente no que for de interesse da causa;
10. Procure catalogar todos aqueles que possuam armas de fogo, para que elas sejam confiscadas no momento oportuno, tornando impossível qualquer resistência à causa.
Obrigado, caro professor, pela compreensão.
Ass.: João Victor Gasparino da Silva