domingo, 21 de fevereiro de 2016

Menina prodígio da matemática se matricula em universidade aos 10 anos

Esther Okade (Imagem: Telegraph)
Esther Okade é uma criança britânica-nigeriana de 10 anos de idade, que odiava ir à escola. Esther mora em Walsall, uma cidade industrial na região de West Midlands, no Reino Unido. Sua mãe, Omonefe, notou o talento da filha para números logo depois que ela começou no maternal, aos 3 anos de idade.
A mãe conta que depois de algumas semanas na escola particular, Esther teve um comportamento estranho. Explodindo em choro ela dizia que nunca mais voltaria para a escola. “Eles nem me deixam falar” – reclamava Esther. Desde então Esther tem aulas em casa com a sua mãe. Ela adora álgebra, equações de segundo grau, números complexos, etc.
Foi super fácil. A minha mãe me ensinou de uma forma agradável – conta Esther
Desde os 7 anos Esther queria entrar para a universidade, porém seus pais eram cautelosos. Só agora ela realizou seu sonho. Com 10 anos de idade ela se matriculou na Universidade Aberta, uma faculdade de ensino à distância do Reino Unido.
Além de seu prazer pela Matemática, Esther dedica também seu tempo em escrever uma série de livros de Matemática para crianças chamado “Yummy Yummy Algebra”.
Por que é dada importância e destaque para notícias como esta?
Matemáticos acabaram com a Segunda Guerra Mundial, matemáticos criaram sistemas de criptografia avançados; que hoje utilizamos em dispositivos móveis, protocolo de internet, senhas de bancos, rotadores de rede, e milhares de outras aplicações, cuja a importância se dá a contribuição de grandes gênios matemáticos.
Crianças com habilidades deste tipo, são selecionadas por universidades prestigiadas, que os preparam para os problemas teóricos do milênio, ou orientam em busca de um caminho em que darão contribuições significativas para o nosso mundo.
Estas universidades têm programas de ensino específicos para crianças com estas habilidades e veem nelas futuros gênios.

Fonte: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/04/menina-prodigio-da-matematica-se-matricula-em-universidade-aos-10-anos.html

(Grifo em azul meu)

***

Fiz questão de grifar em azul o fato de que Esther tinha/tem aulas em casa com sua mãe. Foi para a escola normalmente, porém, não adaptou-se, tendo bons resultados - e que resultados! - estudando em casa. Eis a importância da modalidade homeschooling - onde a criança ou adolescente estuda em casa. O caso de Sther não é isolado. Há vários casos crianças e jovens adolescentes que adentram na universidade, por mérito, porque encontraram êxito estudando em casa. Como é o caso da garota mexicana que, aos 13 anos, formou-se em psicologia. O Brasil precisa avançar no homeschooling, que é pouco divulgado e, infelizmente, pouco compreendido por muitos. Mas há muitos adeptos que, apesar de muitas vezes terem de recorrer a uma autorização judicial, podem ver os filhos de fato aprendendo e evoluindo de maneira extraordinária, enquanto no ensino convencional as coisas vão de mal à pior. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário