segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

O Evangelho de Deus

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Não sei se você, caro leitor, está iniciando sua caminhada na Igreja agora ou se já o é praticante da fé católica de longa data; tampouco sei se você apenas está pesquisando sobre o cristianismo e/ou, sabe-se lá o porquê, caiu neste blog. Mas o que sei é que todos nós devemos tomar cuidado com os falsos pastores, falsos profetas que se levantam em nossos dias. Talvez você se encontre dentro de um grupo da Igreja, cheio de pessoas católicas ao vosso redor, porém, a pergunta é: o Evangelho pregado – não apenas com palavras, mas principalmente com a vida – é o Evangelho de Deus?

Talvez lhe foi pregado um evangelho humano, sem a radicalidade do amor de Cristo; porém, Deus teve Seus meios para atrair-nos para si e conhecermos o Seu amor. Porém, é chegado a hora de conhecermos o verdadeiro Evangelho de Jesus. É necessário; é urgente. Bom, assim o é para aqueles que querem ser salvos. Mas, por outro lado, se queres continuar brincando de ser cristão, não precisa conhecer – ou melhor dizendo, aceitar o verdadeiro Evangelho de Cristo.

No Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos encontramos o seguinte: “Depois que João foi preso, Jesus dirigiu-se para a Galileia. Pregava o Evangelho de Deus, e dizia: 'completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo; fazei penitência e crede no Evangelho'” (Mc 1,14-15). Portanto, nas Sagradas Escrituras encontramos qual é o verdadeiro Evangelho de Deus, tal qual Jesus ensinou: fazer penitência e crer neste Evangelho pregado.

Rejeite, amados irmãos, este falso evangelho pregado em muitas de nossas paróquias. Oxalá pregassem o que Jesus pregou: penitência! Mas não! Prega-se, em muitos e muitos lugares, totalmente o oposto que lemos em Marcos. O evangelista diz que Jesus pregava o Evangelho de Deus, ou seja, não pregava teorias humanas relativistas, como infelizmente se vê em muitos lugares. Pregava a vontade de Deus, para conduzir o povo para o Céu, e não teorias politicas revolucionárias condenadas pela Igreja de Cristo, como ainda se insiste hoje em alguns lugares. Pregava-se o Evangelho de Deus, e não ideologias marxistas-ateístas-satanistas-relativistas de qualquer zé ninguém da vida. E o Evangelho de Deus? Esquecido: nem pregado nem vivido.

E no que consistia este Evangelho de Deus que Jesus – que é Deus com o Pai e o Espírito Santo – pregava? Dizia “Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo”. Muito diferente do que talvez se pregue em tantas paróquias, grupos, movimentos. Jesus inicia sua pregação pública dizendo que o tempo é curto, completou-se o tempo, o Reino de Deus está próximo. Estava próximo a manifestação do amor de Deus morrendo na Cruz para nos salvar e ressuscitar no terceiro dia. Ele subiu aos Céus e prometeu que voltaria. E nós estamos mais próximos de Sua volta gloriosa do que os Apóstolos há dois mil anos atrás. Mas, mesmo que demore mais mil anos para Jesus voltar, nós iremos morrer. Tu e eu não sabemos o dia que morreremos. Pode ser que morramos hoje, amanhã, depois; simplesmente não sabemos. Ora, em muitos lugares ao invés de pregar a conversão, a renúncia de todos os pecados, a busca incessante pela confissão dos pecados para o padre, não, prega-se totalmente o contrário: não, amado, você pode pecar e é só antes de morrer confessar – assim diz muitos que estão colocando a alma de muitos em risco de danação no inferno. Você sabe o dia e a hora que vai morrer? Não! Então estejamos preparados. Não deixe para se converter amanhã enquanto pode hoje. O tempo não nos espera, queridos irmãos e irmãs, o tempo da graça é hoje. Peça perdão para Jesus HOJE. Se confesse HOJE, se for possível. Mas busque confessar o mais depresa possível. A conversão é para HOJE. A santificação é diária. Somos fracos, sem agraça cairemos, temos imperfeições. Mas o dizer não para a vida de pecado é para hoje. Talvez você caia novamente, mas o importante é você cair novamente de joelhos confessando os pecados para o sacerdote. Afinal, já nos ensina São João Paulo II que santo não é aquele que não cai, mas aquele que se levanta após cair. Por isso, meus irmãos leitores, CORAGEM! O Reino de Deus está próximo e contemplaremos Sua glória, mas confesse hoje. Como diria S. Catarina de Sena: “Enquanto é tempo da Misericórdia recorrei à Cristo Crucificado!” E qual é o tempo da Misericórdia? É o hoje. O amanhã não existe, é apenas uma espera, uma pequena esperança: será que terá amanhã? Estarei vivo? Mas o hoje, o agora é real. Faça sua oração de pedido de perdão e entrega à Jesus e faça o propósito de confessar teus pecados para um padre o mais depressa possível.

Jesus segue sua pregação, segundo Marcos dizendo “fazei penitência e crede no Evangelho”. Ora, para saber se alguém está pregando realmente inspirado no Evangelho de Deus ou no da carne, basta comparar com esta palavra que lemos. Estão te pregando a necessidade de fazer penitência e crer no Evangelho, ou simplesmente te dizem “rezar terços, fazer penitência, isso tudo é exagero. Evitar pecado? Não, Deus nos ama como somos, o que importa é o nosso coração. Deus não nos quer santinhos. Se todo mundo que fizer tal e tal coisa for pro inferno, vamos todos...” Já ouviu tais coisas? Bom, quem fala isso está inspirado num falso evangelho, puramente carnal, e não no Evangelho de Deus; pois lemos acima que Jesus inicia sua pregação falando da necessidade da CONVERSÃO: Fazei penitência e crede no Evangelho! Portanto, meus irmãos, devemos sim crer no Evangelho que Nosso Senhor Jesus Cristo nos prega. E Jesus não nos pregou a vida mansa, essa falsa misericórdia de “faça o que quiser, o importante é ser feliz”, não! Mil vezes não! Aliás, este mandamento de “faça o que quiser” está contido em regras de seitas satânicas. Ora, não podemos servir a dois senhores: ou somos de Cristo ou somos de satanás. É necessário crer no Evangelho de Jesus. E este Jesus, nosso amado e adorado Deus, nos ensinou que devemos entrar no Reino do Céu pela porta estreita (cf. Mateus 7,13-14), e que a porta larga (essa de que eu tudo posso fazer, não preciso renunciar a nada para seguir Jesus) conduz ao inferno (idem); que devemos buscar a santidade, porque nosso Pai que está no Céu é santo (perfeito) (cf. Mateus 5,48); disse também para a prostituta pega em adultério, que Ele não a condenava, mas disse-lhe para não tornar a pecar (cf. João 8,11); exortou-nos sobre a existência do inferno (por ex.: Mateus 10,28; 23,33; Marcos 5,29ss; Lucas 16,23, etc.) Ora, qual Jesus estão pregando para você e para mim? É necessário se converter. Jesus disse em Mateus 6,24 que não podemos servir a dois senhores. Ora, hoje querem nos pregar um evangelho que podemos servir a dois senhores: pode ser da Igreja e viver sob os vícios de impureza, nos bailes mundanos, no pecado total; dizem que tanto faz ser da Igreja Católica – fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo (cf. Mateus 16,18-19) – e ser de qualquer seita protestante porque, dizem eles, é a mesma coisa. Tanto faz ser católico, judeu, budista. E hoje prega-se por aí que pode ser católico e espírita ao mesmo tempo. Ora, não há compatibilidade entre a doutrina da reencarnação e da ressurreição. Cremos na ressurreição de Cristo e que, por Ele, iremos ressuscitar para a vida eterna também. Se alguém opta por seguir o budismo, o espiritismo, ou qualquer outra religião, ok. Não iremos enfiar uma 12 na cara do fulano para obrigá-lo a ser católico. Porém, o Evangelho de Jesus é divino, verdadeiro, e, para nós católicos, ou somos 100% católicos, ou não somos católicos. Não tem como servir a Jesus na Igreja Católica e continuar com o pé na falsas religiões. E também não podemos crer que as outras religiões são iguais a nossa. Não. Respeitamos, porém, para nós, há uma grande diferença entre as outras e a nossa: Jesus é Deus encarnado, Ele fundou a Igreja. Nas outras podem haver sementes da verdade, por causa da busca sincera do homem pela Verdade (Jesus é a verdade), porém, só no Cristianismo, propriamente na sã doutrina Católica, encontramos a plenitude da verdade revelada, afinal, Jesus é o Verbo de Deus feito carne (cf. João 1,1ss) e é o Servo da qual fala Isaías: “Eis meu servo que eu amparo, meu eleito ao qual dou toda a minha afeição, faço repousar sobre ele meu espírito, para que leve às nações a verdadeira religião” (Isaías 42,1). Ou nós cremos que a VERDADEIRA religião é esta fundada por Jesus, ou não somos nem pregamos o Evangelho de Deus, porque não podemos servir a dois senhores. Repito, não se pode comparar as religiões como se fossem a mesma coisa. Lá pode haver pessoas boas, pessoas sinceras, mas, por outro lado, a plenitude da verdade está na Sã doutrina Católica. O Caminho, A Verdade e A Vida é Jesus Cristo! (cf. 14,6).

Disse isso acima porque infelizmente pregam por aí um Jesus caricaturado. Ou vivemos o Evangelho de Deus, pregado por Jesus, ou a ilusão do falso evangelho carnal. Ou vivemos a santa radicalidade do Evangelho de Cristo, tal qual Ele pregou e continua pregando através da Igreja Católica, que é coluna e sustentáculo da verdade (Cf. 1Timóteo 3,14); ou somos mundanos. Ou cremos que Jesus trouxe-nos a verdadeira religião, ou não somos dele. E aí aplica-se aquilo que São João fala-nos a respeito dos Anticristos: “Eles saíram dentre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, ficariam certamente conosco. Mas isso se dá para que se conheça que nem todos são dos nossos.” (1João 2,19).Não podemos, por exemplo, ser católicos e participar da maçonaria (ou das suas ordens para jovens), espiritismo, budismo, cartomancia, ficar frequentando templos protestantes (nem músicas e tão pouco palestras são recomendadas, muito pelo contrário, devem ser evitadas), etc. Ou somos quentes ou frios, diz Jesus, porque os mornos serão vomitados da boca de Deus (cf. Apocalipse 3,14ss).

E então, caros jovens e demais homens e mulheres de boa fé, qual evangelho quereis seguir: o de Deus ou o dos homens? Lembro-vos que o de Deus conduz ao Céu, enquanto o dos homens ao inferno.

Perdoe-me as palavras pesadas, segundo alguns podem achar, porém, o zelo pela salvação de vossas almas me leva a isso. E, por outro lado, não foi isso que Jesus pregou? Penitência e crer no Evangelho! E se sou cristão, é isso que peço-vos: creia no Evangelho e na Igreja de Jesus, e faça penitência dos teus pecados. E de maneira especial procure o sacramento da penitência, ou seja, a Confissão Sacramental com um sacerdote (padre). Reze, como Nossa Senhora pediu em Fátima, pelo menos 1 Terço diariamente. Vá a Missa pelo menos dominicalmente, Comungue Nosso Senhor, confesse com frequência, enfim, tenha verdadeiramente uma vida cristã. Não importa se todas pessoas do teu grupo – até mesmo da Igreja – não pregam e nem querem viver a santidade, viva você. A salvação é pessoal. Vá para o Céu só, mas não queira ir para o inferno acompanhado dos teus amigos. Aliás, quando digo “vá para o Céu só” é em sentido figurado, pois nunca vamos sozinhos para o Céu. Busque a santidade na sua vida e as pessoas encontrarão um exemplo em você para que elas também possam mudar de vida. Se ninguém quer viver a santidade, viva você e, em breve, na tua Paróquia, no teu grupo, no teu círculo, florirá um jardim perfumado de almas que desejam ardentemente o Céu e não as coisas desse mundo que passam e findam no inferno. Não importa se até teus coordenadores de grupo, círculos, e, infelizmente, até alguns padres e teus pais e amigos próximos, te desanimarem com palavras e maus exemplos, faça simplesmente o que Jesus pregou: creia e viva o Evangelho e faça penitência, por ti e por eles para que também sintam o doce perfume do Cristo Jesus que nos chama para as delícias celestiais. Independente do teu estado de vida futuramente (sacerdócio, vida religiosa ou matrimônio), que nunca saia do teu coração o ardente amor por Jesus e o desejo de ser santo! Façamos penitência, rezemos, confessemos quando cairmos (não importa a quantidade de vezes, o importante é recomeçar hoje com intenção de não querer voltar a cair. Mas se cair, recomeça de novo, até o fim da vida.) e, ao fim da vida receberemos a coroa da vitória, a coroa do reino dos Céus. Mas para isso, busquemos hoje mesmo viver o Evangelho de Deus, afinal, “completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo; fazei penitência e crede no Evangelho” (clique aqui e leia um exame de consciência que nos ajuda para confessar, ajuda-nos a ver nossos pecados)

Jesus te ama e há de te amparar para viver a santidade de vida. Afinal, "A graça Divina nunca lhe faltará. Esforce-se por corresponder ao impulso que ela lhe dá." (Santo Padre Pio de Pietrelcina)


Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo” (Lev. 19,2)

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe! Viva Cristo Rei do Universo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário