quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Como me consagrar à Nossa Senhora? (Santa Escravidão)



Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Muitas pessoas manifestam o desejo de se entregar totalmente à Santíssima Virgem Maria, querem se consagrar à Ela, mas não sabem como. Não importa como surgiu o desejo. Talvez tenha visto alguém usando uma corrente com ou sem medalha, perguntou do que se tratava. Quiça até se assustou quando alguém disse que era “escravo de Maria”. Mas logo depois, ao compreender a entrega total a Jesus por Maria, o coração se inflamou de desejo de se consagrar à esta Augusta Senhora. Talvez tenha ouvido uma pregação em que se falou sobre esta consagração, leu algum artigo, uma frase, enfim, de alguma maneira se ouviu falar da Santa Escravidão de Amor, e eis que agora quer se consagrar, porém, não sabe o que tem que fazer.

Se este for o seu caso, eis a solução:
O que fazer para me consagrar à Nossa Senhora e ser também um escravo de Amor? Você deverá seguir os seguintes passos:

1 – Ler o Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, escrito por São Luís Maria Grignion de Montfort. Lembro aqui que a Igreja, por meio do Papa Pio IX, declarou este livro isento de qualquer erro doutrinal que pudesse impedir a canonização de S. Luis. Foi livro de cabeceira de santos, como S. João Paulo II; ajudou na devoção mariana do mesmo santo, assim como também na de S. Pio X, S. João Bosco, S. Teresinha, etc.

O livro é vendido na maior parte das livrarias católicas. Mas, caso não for um problema para você, pode baixar o livro e ler em pdf pelo computador. Basta clicar aqui.

2 – Fazer os exercícios preparatórios durante 1 mês. Após ler o Tratado, ficar ciente do que se trata a verdadeira devoção à Santíssima Virgem Maria, e estar disposto a vivê-la (sabendo que está mais no interior do que no exterior – ou seja, não apenas dizer que é escravo ou querer usar uma corrente, mas querer amar e imitar à Santíssima Virgem em todas as coisas, de acordo com seu estado de vida.), você deverá fazer os exercícios espirituais preparando-se para a consagração.

Você escolherá o dia que irá se consagrar e contará 30 dias antes dessa consagração, onde iniciará as orações que S. Luís propõe para nos preparar. Exemplo: quem for se consagrar dia 13 de maio (dia de Nossa Senhora de Fátima), inicia a preparação dia 13 de abril.

Segundo S. Luís explica no Tratado (nº 227-233), a pessoa que vai se consagrar deve seguir este roteiro de preparação:
12 dias preliminares, pedindo a Deus a graça do desapego do mundo: rezará o Ave Maris Stella e o Veni Creator
1ª semana (6 dias) pedindo a graça do conhecimento si: rezará a Ladainha do Espírito Santo, Ladainha de Nossa Senhora,
1ª semana (6 dias) pedindo a graça do conhecimento da Virgem Maria: rezará a Ladainha do Espírito Santo, Ave Maris Stella, um rosário ou um Terço.
3ª semana (6 dias) pedindo a graça do conhecimento de Jesus Cristo: rezará a Ladainha do Espírito Santo, Ave Maris Stella, Oração de Santo Agostinho, Ladainha do Santíssimo nome de Jesus.
(todas as orações estão no Tratado)
(quem quiser pode fazer as meditações contidas nesse livro, da Arca de Maria, com meditações para cada dia. Clique aqui e leia em pdf.)

3 – Confissão. Após essa preparação, S. Luís pede que se faça uma boa confissão. Afinal, se estaremos renunciando o pecado, a satanás e suas pompas, o mundo, para tomamarmos posse do senhorio de Jesus Cristo por Maria Santíssima em nossa vida, devemos confessar que, até aqui, fomos infiéis a este Senhor bondoso. E assim o escravo de Nossa Senhora deve fazer sempre, até o fim da vida: sempre que se ver caído, no pecado, não parar no seu pecado, mas correr para um padre para confessar e ser lavado no Sangue do Cordeiro. Afinal, um dos frutos da nossa consagração é o conhecimento de si, ou seja, iremos ver a nossa miséria, nossa pequenez, mas, não podemos para na nossa miséria, devemos adentrar na misericórdia de Deus que, por pura Misericórdia, através de Sua Mãe Maria Santíssima, quer nos fazer santos. A Misericórdia de Jesus, nosso Deus, é capaz de fazer dos maiores pecadores da face da terra, grandiosos santos.

Enfim, recomendamos que se faça uma confissão geral, ou seja, da vida toda. Não é S. Luís que escreve isso, é apenas uma recomendação. Se achar necessário, se a realidade de onde você mora permitir que faça uma confissão geral, faça, será de grande valia.

4 – Render um tributo a Jesus e a Maria. O que seria isso? Seria fazer uma penitência, um jejum, uma esmola, enfim, algum sacrifício em honra a Nosso Senhor e a Nossa Senhora. Também em expiação pelos nossos pecados. S. Luís escreve isso no nº 232 do Tratado, e citei-o aqui apenas para não omitir. O santo não diz ser algo obrigatório, apenas diz que “será bom”, ou seja, é louvável que se faça isso, mas, se suas condições não permitem, não há problema. Embora recomenda-se vivamente a fazer.

5 – Consagração solene. Após toda essa preparação enfim é chegada a hora de se consagrar. Muita gente acabou criando mitos sobre consagrar-se e montou-se uma barreira que muitos não conseguem derrubar. A consagração é algo pessoal. Portanto, segundo o que está escrito no Tratado, a pessoa que vai se consagrar deve ordinariamente fazer o seguinte:
- assistir a Santa Missa
- Comungar
- Após a comunhão recitar a fórmula de consagração que S. Luís, por inspiração divina, compôs.
- Assinar no final da fórmula (você pode tanto escrever a fórmula a mão ou imprimi-la).

Pronto, é isso. Simples. Seguiu os pontos acima? Escravo de Nossa Senhora! O que passa disso é invenção.

Depois de consagrar-se, você, caso for usar a corrente, procura o padre para que ele abençoe.

***
Esclarecimentos:
E onde não há Missa?
Obviamente o roteiro acima é o ordinário que devemos seguir. Sabemos de vários lugares em que a realidade é cruel espiritualmente. Há lugares, aqui no Brasil mesmo, que passa meses sem Missa. Até Missa de ano em ano. Não somos legalistas. E a consagração à Nossa Senhora é um ato de entrega de si mesmo. Não havendo Missa no dia, faça a preparação normal, se não há como se confessar, faça uma contrição mais profunda que puder, peça perdão dos pecados, enfim, e diante de uma imagem de Nossa Senhora, a mais simples que tiver, se tiver, recite a fórmula de consagração. Pronto, será escravo tanto quanto quem fizesse no Vaticano numa Missa com o Papa.

Meu pároco não aceitou me consagrar, o que faço?
Como afirmado acima, a consagração é pessoal. Ou seja, é você que está se consagrando inteiramente à Jesus por Maria. Não é um sacramento, que alguém lhe ministra. Não, é você que está se entregando. Como S. Luis ensina, você vai pra Missa normal, a Missa da sua paróquia mesmo, talvez sem tanto zelo litúrgico - mas é a Missa! - e comungue. E após Comunhão recite a fórmula.

É bom e louvável que se faça a consagração em grupo e em público, ou seja, assim como acontece em muitas paróquias: o padre chama as pessoas que se prepararam para ir à frente e, diante da assembleia, todos, a uma só voz, recitam a fórmula. Mas isso é uma graça extraordinária. Se Deus permitir, bendito seja. Se Deus não permitir, bendito seja. Se o padre não autorizar isso, não vá chorar e reclamar com o padre. A consagração é você, Jesus e Maria sozinhos.

-O padre tem que assinar a fórmula?
Não. Isso é facultativo. Quando me consagrei, em 2011, pedi para o sacerdote assinar. Mas não é obrigado. Quem tem que assinar é você.

-Falhei nos exercícios espirituais, posso seguir a preparação e me consagrar ou adio?
Pode seguir normalmente. Afinal, não podemos ser legalistas. Se houve uma falha, um esquecimento, ou os trabalhos do dia te dispersaram, continue de onde parou. O demônio sempre inspira falso zelo naqueles a quem ele quer afastar dessa entrega total à Santíssima Virgem, afinal, ele sabe o quanto está perdendo. Se o mundo todo se consagrar por este método, ele estará perdido, será o triunfo do Imaculado Coração de Maria.

Exemplos: conheço uma jovem, por exemplo, que ia se consagrar em tal festa de Nossa Senhora. Eis que ela acabou se esquecendo do dia que começava a preparação, quando se deu conta estava 1 dia atrasado. E por causa de um dia apenas de atraso, ela adiou e, até quando a via, não tinha se consagrado. Outros que julgavam-se não ter se preparado direito não se consagraram para se preparar melhor depois, resultado: até quando via esse jovem, também não tinha feito. Na realidade é um falso zelo que o demônio inspira.

-Depois de consagrado, quais minhas obrigações?
- Conforme S. Luís ensina no Cap. VIII, as devoções exteriores que nós não podemos negligenciar, são: rezar todos os dias a Coroinha de Nossa Senhora (composta por 4 Pai-nossos e 12 Ave Marias em honra os 12 privilégios da Santíssima Virgem), 1 Terço, e recitar o Magnificat.

Claro que não devemos fazer com espírito de obrigação, mas por amor. Mas devemos nos esforçar para amar e recitá-los. Não podemos negligenciar. Devemos tentar ser fieis.

- Sou obrigado a participar de um grupo para me consagrar?
Não. A consagração é pessoal. São João Paulo II, São João Bosco, enfim, os santos consagrados à Santíssima Virgem, não participaram de grupos de consagração. Embora, para melhor compreensão, recomendamos vivamente que se participe de grupos que verdadeiramente ensinem o que S. Luis aborda no Tratado.

Disse que não é obrigado participar de grupos porque uma jovem veio me perguntar sobre isso, afirmando que uma pessoa da sua cidade disse que ela não poderia se consagrar pois ela devia participar das formações do grupo. Só que a jovem tinha compromissos que a impediam de ir para a formação. Isso é invenção. O grupo é apenas para ajudar as pessoas a compreenderem o Tratado naquilo que elas tem dúvidas, não é para prendê-las. A pessoa le o tratado, se prepara, reza, mas não pode se consagrar porque não foi pras formações do grupinho? Teve consagra-te no Carmelo pra S. Teresinha se consagrar? Então em vez de nós nos tornarmos apoios para essas pessoas, impedimos que elas adentrem na graça. Façamos grupos, consagra-tes, enfim, divulguemos o tratado, mas se encontrar alguém que não possa ir nas formações, seja pastor, e não lobo, diga: irmão, irmã, leia o tratado, se tiver qualquer dúvida, nos procure. Tentaremos gravar o áudio das formações (se for possível) e se quiser te passamos. Mas qualquer dúvida pode falar conosco.

Embora os grupos, bem formados, são necessários para que as pessoas não façam besteiras relativizando a consagração sem vivê-la de fato. Mas não é por isso que devo impedir que uma pessoa se consagre, mesmo tendo lido o tratado, rezado, e com disposição para vivê-la. Aliás, a consagração é pessoal, faz-se sozinho após a comunhão. Os que se fazem “donos” da consagração nem vão ficar sabendo.

***

Mas reconheço que a falta de formação pesa contra a Santa Escravidão em alguns lugares. Seja por consagrados que causam escândalo por exageros que não condizem com o Tratado em si, ou por pessoas que se consagram sem nem mesmo ler o Tratado, continuando na vida de pecado, sem pelo menos o desejo mínimo de mudança de vida. Portanto, aqui no blog estou postando os links dos videos da formação Online para consagração à Nossa Senhora. São 14 videos abordando os 8 Capítulos do Tratado. Depois será postado alguns bônus de temas correlacionados. Clique aqui e comece assistir agora mesmo. Ajude a divulgar, principalmente para aqueles que moram em regiões onde não há turmas de formação, ou para pessoas que não podem ir a essas turmas.


Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!


Nenhum comentário:

Postar um comentário