quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Católicos: Ide evangelizar!


Falando de evangelização, acredito que precisamos parar de criticar os protestantes; e passarmos a fazer melhor que eles. Não falo de uma guerra de religiões. Não mesmo. Falo em resgate de identidade. Nós, católicos, devemos resgatar o que é nosso.
Não devemos olhar um protestante pregar em praça pública e apenas dizer "eis mais um herege!". Não. Cadê os católicos pra pregar? Se alguns protestantes só saem nas ruas para berrar teologia da prosperidade e "pregar contra imagens"; nós, católicos, deveríamos estar nas ruas pregando o Evangelho autêntico e verdadeiro e conduzindo os fiéis para a verdadeira Igreja. Alguns diriam, no entanto, que isso é imitar os protestantes. Não devemos imitar protestantes - dizem os católicos acomodados que até acusam quem tenta evangelizar de modernista. Só que pregar na rua não é coisa de protestante, é coisa de católico. Se hoje os católicos não pregam, aí é outra conversa. Onde é que vocês acham que pregadores como Santo Antonio de Pádua pregavam? PREGAVAM NA RUA! Ou vocês acham que saiam tocando uma corneta pela cidade de Assis e alguem gritando "Atenção cristandade! Anunciamos um grande acampamento de cura e libertação com o grande pregador Antonio, vindo direto de Pádua. Não percam este momento de graça. Será na igrejinha de São Damião" Vocês acham mesmo que era assim que os grandes pregadores como ele, São Francisco Xavier, enfim, era assim que pregavam? Eles pregavam na rua. Não imitem os protestantes - se esse for o problema; imitem Santo Antonio e os demais santos!
Se só tem testemunhas de jeová e demais seitas te incomodando, é porque os católicos que fazem trabalho de evangelização porta a porta também são poucos. Agora sim, dirá uma anta murmuradora que não evangeliza ninguém, agora está querendo imitar os protestantes. Só que tem um problema: hoje vemos protestantes fazendo esse trabalho em massa, disseminando as heresias e até tirando católicos da Igreja; além de, é claro, atrair aqueles indecisos e confusos na fé. Levam portas na cara, mas sempre acabam conseguindo atingir seus objetivos. Nós, porém, que temos a Verdade da Fé Católica, nós não temos a coragem de levar o nome de Jesus Eucarístico e da Mãe de Deus de porta em porta, levando uma esperança para os que precisam. Se o povo não sai de casa para ir até a Igreja, a Igreja deve ir até a casa do povo. Aliás, se prestar atenção, o povo está saturado com as batidas no portão porque são pessoas que, embora tenham boa fé, sua fé não é boa, ou seja, é vazia; só a fé católica preenche por completo. Se os católicos saíssem de porta em porta veriam a diferença na recepção, principalmente porque a maioria das pessoas diz ser católicas. Bom, mas aparecerá, como disse, a anta que dirá que bater de porta em porta é coisa de protestante e não devemos imitar. Mas, como católicos que somos, olhamos para a vida dos santos e... BUM! São Paulo da Cruz, por exemplo, se põe a carregar uma cruz pela rua e batendo de porta em porta convidando o povo para um sermão - se não me engano, durante o carnaval. Mas para aqueles que preferem mofar sentado diante da tela de um computador se entregando a vãos debates entre católicos x protestantes em grupos do face, isso não passa de coisa de protestante; enquanto é, na verdade, coisa dos santos da Igreja.
Da mesma forma serve para outros meios de evangelização dominados por protestantes, tal como a evangelização nos presídios. Tantos santos, tantos padres que cuidavam de presídios. Santa Edwirges, por exemplo, no século XIII visitava os presídios e, vendo que muitos estavam ali por conta de dívidas, começou a pagar suas dívidas para ajudá-los. Hoje, no entanto, cadê os católicos? Apenas criticam. Esquecem-se que visitar os presos é obra de caridade. Resultado? O resultado é este: certa vez fui numa evangelização de um grupo católico em uma casa de recuperação para menores infratores; ao entrar no corredor de onde ficavam umas celas, ao me ver portando uma bíblia, um jovem grita "Ae pastor! Lê uma Palavra pra mim!". Por que aquele jovem me confundiu com um pastor? Porque o que ele mais via ali são protestantes. E os católicos? Ah, os católicos estão "salvando" almas discutindo na internet o que é melhor A.CVII ou D.CVII.
Eu? Eu prefiro o Paraíso - como diria São Filipe Neri.


Nenhum comentário:

Postar um comentário