sexta-feira, 31 de julho de 2015

Mulher, decida: Amor pra vida toda ou por uma noite?

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Antes do Feminismo/Libertação sexual as mulheres sonhavam com um amor pra vida toda; hoje, porém, esperam encontrar alguém que pelo menos ligue no dia seguinte.
Portanto, se deem o valor! Vocês são Princesas filhas de Deus. O preço de vocês, mulheres - assim como o dos homens -, foi o Sangue precioso de Nosso Senhor Jesus Cristo derramado na Cruz por amor a nós.
Não queira alguém que somente deseja te usar e depois te descartar. A pessoa certa é aquela que te levará para o Altar, não para a cama. Não seja mais uma pessoa ferida e destruída por essas ideologias que prometem a "liberdade", mas que na realidade escravizam e matam. Muitos te prometem o amor, mas só Jesus te ama e te fará feliz. O amor visível, num matrimônio santo, se dará através do amor a Cristo. O amor humano só é belo quando o Belo (Jesus) é a fonte. Enquanto procurar o amor humano, somente nos braços das pessoas, só encontrará promessas vazias (que muitas vezes você tem consciência de que jamais serão cumpridas) e decepções. Só no amor de Cristo ouvirá a Promessa que será cumprida. Só Ele sacia a alma. E Ele, autor da vocação, fará você encontrar alguém que viverá a vocação de filho e de filha de Deus num matrimônio segundo o coração de Deus.
Mas isso não será possível se continuares se baixando o nível e acreditando em qualquer lorota, em qualquer jura de amor que logo passa quando se obtêm o que quer.
Iniciei dizendo que hoje há mulheres que sonham com alguém que ao menos ligue no dia seguinte. Mas tenho que confessar, com tristeza, que, talvez, já vivemos o tempo em que as mulheres se sujeitaram humilhantemente a escravas sexuais iludidas pelo "sexo livre", "o corpo é meu", "se os homens podem, eu também posso" (como se os homens pudessem! Ao invés de transformarem os homens canalhas em virtuosos, querem transformar as mulheres em canalhas também), que talvez agora o "sonho" não seja da ligação no dia seguinte, mas ao menos saber o nome da pessoa da qual se entregou e que acabara de conhecer e jamais retornou a vê-lo.
Se antes diziam que a sociedade era machista e opressora, pois estes brutos exploravam a mulher só porque desejavam casar-se com elas, sustentá-las junto com os filhos frutos dessa relação (mesmo os que não quisessem casar, até casavam ou pelo menos assumiam o filho quando não viviam a castidade nas relações); imagine como são opressores os homens de hoje com passagem livre para usar, abusar, largar, e ignorar.
Se casar, sustentar, amar, cuidar dos filhos, é ser opressor... Bom, você escolhe. Essa liberdade sexual tem aprisionado o coração de muitas numa cela sombria das decepções. Corações achavam que eram livres para amar, mas tornaram-se chagas vivas. Porém, CORAGEM! Jesus renova todas as coisas (Cf. Apocalipse 21,5). Não desista do amor! Não desista de você. Deus não desiste de você jamais. Se entregue a Ele, e Ele fará uma grande Obra de Misericórdia na sua vida.
Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!


segunda-feira, 27 de julho de 2015

Testemunho de ex Pastora Protestante que se converte pela intercessão de Nossa Senhora


Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!
Amados irmãos, este é um belíssimo testemunho de uma ex protestante que retorna a única Igreja de Cristo, a Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

Margareth viveu 40 anos no protestantismo, 12 destes como pastora. Mas não conseguindo ver coerência no protestantismo --fortemente ligado a "Teologia" da Prosperidade-- em relação ao Evangelho, começa a se inquietar. Ela narra como era difícil os outros pastores orientando-a a pregar sobre o dízimo, falando que ela tinha que pregar que quem não pagasse o dízimo iria para o inferno. Narra também que no Protestantismo sempre faltava algo, tinha um vazio, estava incompleta. Chegou inclusive a fundar sua própria "igreja".

Porém, apesar de andar errante na heresia protestante, eis que a Bela Senhora entrou na sua vida. Assista este belo testemunho e veja a intervenção da Mãe de Deus para conduzir essa filha para a Igreja Católica, onde encontrou a saciedade da alma. Afinal, encontrou Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento. Sim, ela comungou o Corpo e o Sangue de Cristo e encontrou o tudo que faltava, pela intercessão de Maria.

Assista e compartilhe esse impressionante testemunho:



Nesses tempos que tanto se fala de ecumenismo, concluo o seguinte: Nossa Senhora é a criatura mais ecumênica que existe! Afinal, Ela tem reunido pessoas de várias religiões para se firmar numa só: na Santa Igreja Católica Apostólica Romana. Sim, seremos um só povo no Coração de Maria Santíssima!

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!


segunda-feira, 20 de julho de 2015

Maria, a Mulher despojada



Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

A Santíssima Virgem Maria tem muitas virtudes da qual nós podemos e devemos nos espelhar e imitar. Mas tem uma característica da Santíssima Virgem da se faz necessário a nossa imitação. Está ligado a sua humildade e caridade para com Deus e para com o próximo. Trata-se do seu total despojamento para viver a vontade de Deus. Muitos conhecem a Deus, poucos se despojam de suas vontades para fazer a vontade de Deus.

Nossa Senhora foi totalmente despojada, sem apego, livre nas asas do Senhor. E podemos ver isso quando lemos a narrativa evangélica do anúncio do Anjo à Maria, e constamos o seguinte: O Anjo Gabriel lhe aparece e lhe anuncia que ela era cheia de graça (cf. Lc 1,28); que Ela encontrou graça diante de Deus (cf. Lc 1,30); que seria Mãe do próprio Deus que se encarnaria de forma virginal (cf. Lc 1,31-33); que o Espírito Santo desceria sobre Ela e a sobra do Altíssimo a envolveria (cf. Lc. 1,35); eis que a Virgem, mesmo com tantos privilégios extraordinários, não se exalta e declara “Eis aqui a escrava do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38). E essas Palavras demonstram a humildade e o total despojamento da Imaculada. Ela não se apega a sua condição de Mãe de Deus, não se apega a alguma provável regalia (que não existiu), mas se declara escrava. Ao se declarar escrava - é escrava mesmo! -, ela se despoja de todas as suas vontades (se é que antes tinha vontade própria, já que escritos de santos místicos mostram a profunda união de Nossa Senhora com Deus desde sua infância), para fazer unicamente a vontade de Deus.

Nas visões de Santa Brígida podemos ler que Nossa Senhora sempre rezava pedindo a graça de poder ser uma serva da Mãe de Deus. Isso mesmo. Ela era tão humilde, que ao saber que as escrituras diziam que Deus se faria carne e habitaria em nosso meio, Ela não rezou pedindo – como talvez muitos fizeram – a graça de ser a Mãe de Deus, mas pedindo a graça – e para ela já seria muita coisa – de poder servir a Mãe de Jesus. E Deus que resiste aos soberbos, mas dá sua graça aos humildes (cf. Provérbios 3,34), se agrada da humildade de sua dileta filha, humilde, pura, imaculada, escolhida desde toda a eternidade para ser a Mãe do Emanuel (O Deus conosco = Jesus, o Filho de Deus). E o verdadeiro humilde faz sempre a vontade de seu senhor. E a Virgem, como declarou-se escrava do Senhor, conforme já o era, com toda certeza, faz a vontade do Pai. Ela queria ser a serva da Mãe, mas a vontade do seu Senhor é que Ela fosse essa Mãe de Jesus que tornar-se-ia, por méritos de seu Filho, Rainha do Céu e da Terra. Então Ela se despoja de sua vontade, pra fazer a vontade do Pai.

E nós, pobres coitados, quantas vezes não temos este despojamento de sermos dóceis às santas inspirações do Espírito Santo e do nosso anjo da guarda, e insistimos em fazer sempre a nossa vontade, do nosso jeito... somos orgulhosos e apegados. Sejamos como a Virgem Maria: dóceis, humildes, despojados.

Nesses escritos místicos também vemos que a Santíssima Virgem desde sua infância havia feito voto de virgindade. E é belo ver que ela havia ficado perturbada quando lhe prometeram em casamento à São José. Mas Ela sabendo que conforme a cultura da época devia obedecer, se despoja de sua vontade, sabendo que ali havia um desígnio de Deus. Ela com certeza já tinha formulado em seu Imaculado Coração o que só posteriormente São Paulo viria a escrever: “Todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são os eleitos, segundo os seus desígnios” (Romanos 8,28). Sim, Nossa Senhora sabia que ali tinha um desígnio de Deus, da qual Ela não compreendia; e mantinha firme outra sua virtude: sua fé. Sim, Ela manteve a fé, sabendo de que ofertou-se inteiramente a Deus de corpo e alma, ofereceu a Deus a sua virgindade consagrada, e sabe que apesar da visão turva, tudo concorreria para o bem dela que amava a Deus. Tudo concorreria para a melhor realização desse seu voto. Tudo concorreria para o bem, para a salvação, dela e de José, e, pode ver depois, da salvação da humanidade. Ela manteve a fé e o despojamento, ou seja, o abandono total à divina providência.

E nós, como somos? Por mais que tenhamos alguns propósitos que julgamos santos, logo murmuramos, perdemos a fé, desanimamos; muitos chegam a abandonar a Igreja, perdem o relacionamento com Deus. Donde vem isso? Isso vem do apego a própria vontade. Não percebe que muitas vezes as barreiras que encontramos são provas que Deus nos manda, para ver se realmente queremos aquele bem por causa dEle (Deus), ou se queremos só por nossa vaidade. Muitos trocam o Deus dos dons, pelos dons de Deus. Seja persistente em Deus. Como Jacó foi persistente e disse que não soltaria o Senhor até ser abençoado. E a partir dali ele foi chamado Israel. Nossa Senhora permaneceu firme em seu propósito de virgindade, santidade, de ser fiel a vontade do Senhor; mesmo quando humanamente parecia tudo errado. Mas se nós buscamos sempre a vontade do Senhor, nós vemos que aquilo que está errado hoje, é o instrumento que será certo amanhã. As pedras que me aparecem na estrada hoje, Deus as permite aparecer para que nós a usemos para construir uma casa de glória amanhã. Mas só terá essa compreensão espiritual quem for despojado como a Santíssima Virgem. São José poderia ser, humanamente falando, uma pedra de tropeço que A impediria de ser virgem por amor do Reino de Deus, como havia feito o voto. Mas nos desígnios de Deus, este não só não interferiu na sua virgindade, mas, como vai dizer um santo, este (São José) também permaneceu virgem (puro) por causa de Nossa Senhora. Aquele que poderia ser um impedimento, segundo o desígnio de Deus, tornou-se a proteção dEla e de Jesus, o Filho de Deus da qual Ela, a humilde escrava do Senhor, tornara-se Mãe.

Quantas pessoas acabam perdendo vocações, por exemplo, porque em tal comunidade, instituto, ordem, enfim, pediram pra fazer mais um ano de vocacional. Se pedirem muitos anos de discernimento, faça-os, ora, pois. Queres ser religioso(a), padre, consagrado, enfim, por amor de Deus ou por vaidade? Se for por vontade própria, de fato, vai sair. Se for vontade de Deus, persista, nem que tenha que esperar trinta anos para receber discernimento (como S. Beatriz da Silva que viveu trita anos como serviçal num convento até receber autorização pra fundar a ordem da Imaculada Conceição, conforme Nossa Senhora lhe pediu numa aparição). Seja despojado. Se despoje das suas vaidades. Se despoje da sua vontade própria. Tudo concorre para o bem, ou seja, para a salvação, para o cumprimento da vontade de Deus... daqueles que amam a Deus. Mas você ama a Deus ou os dons, carismas, vocações, ordens, etc., que Deus suscita? Nossa Senhora não amava mais a virtude do que a Deus. Deus deve ser o centro do nosso amor. Deus é o nosso fim. Deus é a essência, o sentido da nossa vida.

E o interessante é que Nossa Senhora fala para o Anjo São Gabriel quando este lhe anuncia que ela seria Mãe de Deus: “Como se fará isso, pois não conheço homem?” (Lucas 1,35). É belo ver que Nossa Senhora não duvidou do poder de Deus, como alguns podem achar. Afinal, alguns versículos antes, a Sangrada Escritura nos mostra que Zacarias fez pergunta semelhante em relação a Isabel estar grávida (cf. Lc 1,18), e a consequência da dúvida de Zacarias foi este receber o castigo de ficar mudo até São João Batista nascer (cf. Lc 1,19ss). Ora, sabemos que Deus não faz distinção de pessoas (cf. Atos dos Apóstolos 10,34). Então se a incredulidade de um resultou em ficar mudo, Nossa Senhora não levou uma bronca, nem sofreu um castigo, mas continuou falando e pode proclamar o Magnificat (cf. Lc 1,46ss); portanto, conclui-se que a Santíssima Virgem não duvidou.

Mas, por que, então, Maria perguntou como se realizariam todas aquelas coisas? A resposta é exatamente isso que citei acima: ela pergunta não por duvidar do poder de Deus, mas por querer continuar Virgem. Deus sonda os corações, e este Deus comunica ao Anjo que Ela não duvidou, mas queria permanecer pura. E Deus se agrada dos santos desejos. E Nossa Senhora declara-se a escrava do Senhor, porque a razão da vida dela era ser um nada, ser despojada. Ela quis perder-se totalmente em Deus. Ela quis diminuir para Deus aparecer. E foi tão humilde e tão unida ao Espírito Santo como jamais ninguém poderá igualar, que Deus não só fez morada em seu coração, mas encarnou-se em seu ventre puríssimo. O Espírito Santo vinha falar pelos profetas e voltava; mas ao respousar na Santíssima Virgem, não só permanece poderosamente, mas como gera a carne de Deus da sua carne imaculada. De fato, Nossa Senhora tem toda razão quando proclama: “realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso” (Lc 1,49).

Deus também quer realizar maravilhas na nossa vida, mas para isso é preciso renúncia, coragem e disposição da nossa parte. Só a Virgem Maria teve o privilégio de ser mãe de Deus. Só Ela. E Ela que se declarou escrava do Senhor, aparece em Apocalipse 12 com uma coroa de 12 estrelas. Eis que a humilde foi exaltada por Deus e, mesmo com o inferno tremendo, TODAS AS GERAÇÕES TEM QUE PROCLAMAR MARIA SANTÍSSIMA BENDITA! (Cf. Lc 1,48). Mas as virtudes humanas nós podemos imitar. E essas maravilhas Deus quer realizar em nós. Ou seja, podemos imitar sua humildade, pureza, amor, paciência, etc. A vontade de Deus para nós é que sejamos santos: “Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo” (Levítico 19,2). Mas não se preocupe por saber que tu, assim como eu, és miserável; pois o mesmo livro vai nos alentar: “Eu sou o Senhor que vos santifica” (Levítico 22,32). Deus exaltou a humilde Virgem Maria, que queria ser uma serviçal da mãe de Deus, e exaltou-A, fazendo-A a própria Mãe do Verbo encarnado (Mãe de Deus), e Rainha do Céu e da Terra. Nós, somos miseráveis, pecadores, nada virtuosos comparados com a Santíssima Virgem, porém, Deus quer que sejamos santos, e é Ele quem nos santifica. E Ele nos santificará se nós imitarmos a Santíssima Virgem Maria: sejamos humildes e despojados de nossas vontades, vaidades. Renunciemos todo pecado e nos apeguemos à santa vontade de Deus.

Amém?

Possamos então todos os dias declarar: Eis aqui o(a) escravo da Escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a Tua vontade.


Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

quinta-feira, 16 de julho de 2015

A Pureza Cristã (Por B. Paulo VI)

Audiência geral do Papa Beato Paulo VI sobre a Pureza Cristã. (grifos meu)

***


Se a nossa preocupação, principalmente neste período quaresmal, é procurar a rectidão moral do nosso comportamento, o conhecimento de possíveis desvios desta rectidão torna-se, para a nossa consciência, objecto de reflexão.

Agora, dirige a sua atenção para os desvios maiores, mais fáceis e mais frequentes, que levam o homem a sair do recto caminho e o privam do encontro com a graça pascal, que queremos obter.

Já mencionámos alguns destes possíveis desvios. Um deles, fatal pela sua facilidade e pela gravidade, é o chamado da carne. Apresenta-se sob a forma de tentação natural, causada pelo ambiente, como atracção própria deste mundo. O Apóstolo São João escreve na sua primeira carta: « Não ameis o mundo nem as coisas do mundo. Se alguém ama o mundo, não está nele o amor do Pai, porque todas as coisas do mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e o fausto da vida, não provém do Pai, mas do mundo » (1 Jo 2, 15-16). Esta é a conhecida divisão das tentações em três classes, das tentações que impelem os passos do homem a sair do caminho que leva a Deus e a que, ordinàriamente, se chama « paixões » (cfr. Tg 1, 14).

Consideremos agora a primeira, hoje muito forte, a tentação da carne. Se todas as tentações provêm de dois estímulos, um interno e outro externo, devemos notar que o estímulo interno se torna cada vez mais premente quando não é moderado por uma vontade decidida, com o desenvolvimento da psicologia pessoal. E o estímulo externo, o do ambiente, hoje mais do que nunca, tornou-se insistente, sedutor, excitante e avassalador. Pensai, por exemplo, na imprensa licenciosa e pornográfica, difundida com todas as habilidades da exibição e do comércio. Pensai nos espectáculos privados e públicos que se libertaram das normas coibitivas. Pensai nas tendências que se vão divulgando com a chamada « moralidade (ou imoralidade) permissiva », que consentem toda a espécie de baixeza e depravação.

Se o indivíduo não procurar imunizar-se, com deliberado propósito, o ambiente oferece, em toda a parte, excitações à fragilidade da «carne», especialmente se for jovem e inexperiente. Todos sabem o que se entende por « carne », na linguagem moral. É tudo aquilo que se refere à indisciplina da sensualidade, ou seja, àquele perigoso jogo interior da sensibilidade física, que se opõe ou tem cumplicidade com a sensibilidade espiritual, que se refere ao prazer animal, à voluptuosidade, ao corpo passional, que atrai a si a alma e a submete aos próprios instintos, a subjuga e obceca de tal modo que, como diz São Paulo, « o homem animal não acolhe as coisas que são do espírito de Deus » (1 Cor 2, 14).

Não julgamos necessário dar explicações a este respeito. Hoje fala-se muito disto, talvez até demais. Raramente se encontra um escritor, nos nossos dias, que não pague o triste tributo, pelo menos com algumas páginas, à loucura sensual ou à ebriedade dionisíaca de que está impregnado o mundo da cultura literária ou da dissolução voluptuosa, mas, ao mesmo tempo, cheia de angústia. Os estudos de psicanálise sobre os instintos humanos e, especialmente, sobre a neuropatologia e sobre a sexualidade deram uma linguagem científica à comum experiência empírica das paixões eróticas. Algumas pessoas viram neles novas e verdadeiras descobertas do homem.

Fala-se também de educação sexual, com louvável intenção pedagógica, mas, algumas vezes, ficam esquecidos certos aspectos da realidade humana, não menos objectivos do que os apresentados pela imediata observação naturalista, como a exigência do pudor, a devida consideração da diferença dos dois sexos, masculino e feminino, e, sobretudo, a delicadeza requerida pelo desequilíbrio passional, causado no complexo ético-físico-psicológico do ser humano pelo pecado original; tudo isto exige, realmente, uma educação sexual, mas reclama muita cautela e atenção, especialmente na educação da juventude, e requer, da parte dos pais e dos mestres, uma intervenção pronta e inteligente, com uma linguagem apropriada, límpida e casta (cfr. Gravissimum Educationis, 1; Pio XII, Discorsi XIII, p. 257; Ratio Fundamentalis Institutionis Sacerdotalis, 48; obras de Santo Ambrósio sobre a virgindade, a penitência, etc.).

Mas, agora, basta-nos propor mais uma vez à vossa reflexão, sobre esta tentação — que é « legião » (cfr. Mc 5, 9) — isto é, extremamente variada e insistente, duas afirmações e uma recomendação.

A primeira afirmação é esta: a vitória sobre a tentação da carne é possível. É persuasão corrente, que encontra apoio e cumplicidade na própria natureza desta tentação, que é impossível superá-la, que a castidade é uma utopia tolerável, e até instrutiva, a experiência do seu domínio sobre o nosso espírito, sobre o nosso equilíbrio moral, honesto e puro.

Não é assim, filhos e irmãos caríssimos! Querendo, pode-se conservar castos o próprio corpo e o próprio espírito. O Divino Mestre não propõe nada impossível, Ele que se pronuncia com extrema severidade nesta matéria (cfr. Mt 5, 28). A nós, cristãos, regenerados pelo Baptismo, não é dada a libertação desta fraqueza humana, mas apenas a graça para a superar com relativa facilidade; o Espírito pode ser operante em nós, precisamente em relação ao domínio de nós mesmos, à continência, à castidade (cfr. Gál 5, 23; Flp 2, 3; etc.).

A segunda afirmação é a seguinte: a pureza é muito bela. Não é um jugo, mas é uma libertação; não é um complexo de inferioridade, mas é uma distinção, uma fortaleza de espírito; não é uma fonte de ansiedade e de escrúpulos, mas é uma maturidade de critério e de autodomínio; não é ignorância de realidade da vida, mas é um conhecimento isento de qualquer contágio possível, mais lúcido e penetrante do que a opacidade própria da experiência passional e animal; conhecimento inocente, sim, e talvez inexperiente em relação à fenomenologia patológica da vida corrompida, mas que não ignora as profundas realidades do bem e do mal, a que o homem está sujeito; e o seu olhar transparente poderá até vislumbrar, no fundo das baixezas pecaminosas, os possíveis recursos do arrependimento e da reabilitação. A pureza é a condição adequada ao amor, ao verdadeiro amor, quer se trate do natural, quer do sobre-humano, dedicado unicamente ao reino dos céus.

E a recomendação vem por si mesma: fazemo-la ao Pai na oração habitual: « Não nos deixeis cair em tentação »; agora podemos aplicá-la a nós próprios, como realização deste supremo pedido. É necessário que nos defendamos das poderosas tentações da carne, se quisermos viver o Mistério Pascal, interna e externamente, sobretudo no coração, de onde nascem o bem e o mal de que somos capazes (cfr. Mt 15, 19; 2 Tim 2, 22); no ambiente e à nossa volta: hoje preocupamo-nos com a ecologia, isto é, com a purificação do ambiente físico onde se desenrola a vida do homem: porque não nos havemos de preocupar também com uma ecologia moral, onde o homem vive como homem e como filho de Deus? É o que vos recomendamos dando-vos a nossa Bênção Apostólica.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Uma dica de NAMORO: A pessoa certa

Uma dica de NAMORO: se você reza pedindo a Deus pra conseguir um(a) namorado(a), saiba que nem sempre a primeira pessoa que aparece te dando bola é a pessoa enviada por Deus. Você precisa aprender isso! Não vi apenas um caso, mas vários, de pessoas que partilharam comigo, ou que vejo testemunhos, depoimentos, etc., que narram que pediam a Jesus uma pessoa pra namorar, casar, enfim, constituir uma família... Aí, no período que rezava, aparece uma criatura tal qual uma resposta de Deus (pelo menos a pessoa achava que era). Só que a pessoa vai e narra: estou apaixonada(o), gosto muito dele(a), ele(a) é católico(a) mas não vive direito a fé, não tem as mesmas metas de santidade que eu; já mudei algumas coisas nessa pessoa, já melhorou, mas ainda existe uma grande pressão, está chegando ao ponto de ter que terminar ou ceder em algumas coisas. Isso tudo somado - não poucas vezes - a pressão por relações sexuais. Muitos cederam e.. e... e... viram o relacionamento virar uma completa merda. Uma porcaria. Muitos terminaram, mas as feridas ficaram.
Aí a pessoa pergunta: "mas Deus, eu te pedi tanto uma pessoa pra formarmos uma família, porque me enviastes essa que só me usou e me fez sofrer?" Meu querido irmão e minha querida irmã, perdoe-me mas.. mas... mas... QUEM TE DISSE QUE ESSA PESSOA FOI ENVIADA POR DEUS? Deus jamais enviaria uma pessoa para namorar com você se essa pessoa fosse te pressionar para ofendê-Lo. Jamais Deus iria te enviar uma serpente venenosa. No máximo quem enviou foi o demônio e foi confirmado pela sua carência. Por isso deve-se rezar antes de namorar e ambos terem o firme propósito de viverem a pureza no namoro.
Alguns casos, é verdade, uma das pessoas ainda não é firme na fé; e Deus então usa o mais firme na fé para atrair o outro para a santidade. Mas é preciso que VOCÊ esteja fincado na rocha firme que é Jesus Cristo. É preciso ter a raiz bem profunda no mais íntimo da Igreja. Pois você saberá se é da vontade de Deus da seguinte maneira: você está atraindo a outra pessoa para Deus, ou ela está te seduzindo pro pecado? Se for você quem está atraindo, continue rezando por ela, e verás a graça de Deus; mas se for o contrário, digo-te o que diz a Sagrada Escritura: "Foge do pecado como se foge de uma serpente, porque, se dela te aproximares, ela te morderá" (Eclesiástico 21,2). Termine com este namoro antes que ele termine com você no inferno. Você pode dizer que ama essa pessoa, que tem esperanças de ela mudar, afinal, você rezou e apareceu ela. Mas sabemos que é pelos frutos que se conhece a árvore. E quais são os frutos do seu namoro? Você reza como antes? Frequenta os sacramentos como antes? Rezam juntos com frequência? Você está vivendo pecado? A castidade deixou endereço quando vocês expulsaram ela da relação? - entendem o que quero dizer?

Então como saber qual é a pessoa certa? Pra você, rapaz, e pra você, moça, a pessoa certa é aquela que antes de te querer como esposa (marido), queira ter Jesus como Esposo da alma e esteja disposto a amar a Deus sobre TODAS as coisas (isso inclui você, seu carente!) e queira morrer antes de ofender a Deus e profanar o seu corpo que é templo do Espírito Santo. A pessoa certa é aquela que vai te levar pro altar, e não para a cama. A pessoa certa é aquela que vai usar dos dons do Espírito Santo e da oração para santificar vocês dois, e não usar o seu corpo e depois jogar fora como uma mercadoria barata - e quantos sofrem por já ter passado por tantos braços esperando a felicidade, o amor, mas só acharam aproveitadores(as); mas erga os olhos para a Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo e encontrarás a fonte da felicidade! Felicidade eterna! Felicidade plena! Verdadeiro Amor! -. A pessoa certa é aquela que te levará para mais perto de Deus, e não te afundar no inferno. A pessoa certa, por mais que talvez AINDA não tenha tido uma experiência com o Senhor, jamais irá te pressionar pra ter relação sexual antes do casamento; mas pelo contrário, irá te respeitar e ser fiel pois sabe que amor não se prova com relação sexual, mas com os sacrifícios do dia a dia. Se um maluco ou uma maluca algum dia te disser "se você realmente me ama, vamos ter uma relação sexual", vire pra cara dessa anta e fale: "se você me ama, faça o sacrifício de viver a castidade até o casamento e sermos fiéis". Digo que se ele(a) não quiser fazer esse sacrifício, essa pessoa não te ama, mas ama sim aquilo que ela quer de você: o seu corpo, o prazer, quer aproveitar-se de ti. E você mesmo que ame um cafajeste ou uma piriguete que se tenha deixado baixar pelo demônio a tal nível de impureza e ainda quer te levar junto, animo-te a dizer: PEGA O BECO! EU SOU DE JESUS! VOCÊ NÃO VALE NADA, MAS GOSTO DE VOCÊ, MAS AMAR.. BOM, O AMOR DA MINHA VIDA É JESUS CRISTO. POR MAIS QUE TE AME TERRENAMENTE, PREFIRO MORRER DO QUE PECAR. Agora você pode chorar, se espernear... Só não vá ouvir sertanejo pra aumentar a carência, em nome de Jesus! Misericórdia! E se a anta ainda insistir dizendo "então é porque você nunca me amou" você simplesmente fala "Importa obedecer antes a Deus do que aos homens" (Atos 5,29).
A dica pra você encontrar a pessoa certa é rezar e esperar. Desde já reze pela pessoa escolhida por Deus e peça a Jesus que te ilumine e te dê o discernimento vocacional pra você saber se realmente é o matrimônio ou se é o sacerdócio e/ou vida religiosa. Mas reze à Nossa Senhora e peça-Lhe um sinal para saber quem é a pessoa escolhida e preparada por Deus e por Ela. Sabendo, claro, que o maior de todos os sinais são os frutos que citei alguns acima. Peça este sinal. Reze. E confie. Se aparece uma anta que não corresponde ao sinal, a promessa de Deus, permaneça com Deus. Queira segurar vela a vida toda, queira morrer solteiro(a), mas não queira viver em pecado e correr o risco de perder a eternidade. Já dizia São João da Cruz "Por prazeres temporários sofrem-se tormentos eternos".
Indico, portanto, a leitura do livro bíblico de Tobias e entenderás o que estou tentando dizer. Aí vocês vem como age a providência de Deus.
E pra você que sofreu, ou talvez que até esteja sofrendo com um mal namoro, que te faz sofrer, que te faz pecar, não tenha medo de cortar o mal do pecado pela raiz. E apesar das feridas que esses namoros impuros deixam no coração, saiba que a pessoa designada pela Misericórdia de Deus superará todas as expectativas. É alguém que de fato amará mais a Deus do que a você. E você deve aprender isso: deve amar mais a Deus e a Sua Santíssima vontade, do que pessoa tal, ou mesmo ao sonho de casar. Afinal, tem gente que só porque tem sonho de casar e ser mãe se entrega pro primeiro vendedor de ilusões. Não, minha irmã, espere em Deus. Ele veria um filho pedir pão e lhe daria uma pedra? Ou pedir um ovo e lhe daria uma serpente? Então confie em Jesus e se abra pra vontade de Deus. Seja ela qual for.
Pra você que passa por essas angústias de términos de namoro te indico a passagem da oração de Sara:
"Vós sabeis que eu nunca desejei homem algum e que guardei minha alma pura de todo o mau desejo. Nunca frequentei lugares de prazer nem tive comércio com pessoas levianas. E SE CONSENTI EM CASAR-ME, FOI POR VOSSO TEMOR E NÃO POR PAIXÃO. Foi, sem dúvida, porque eu não era digna deles; ou, talvez, não eram eles dignos de mim; ou, então, me destinastes a outro homem" (Tobias 3,16-19).
Queira o matrimônio por amor a Deus, e não por paixão mundana apenas pelo prazer e pra satisfazer suas carências. Mas por amor a Deus que te deu a vocação do matrimônio (mas discirna se é essa mesmo ou se Deus não te chama pra vida religiosa). Porque teus namoros são ruins e te fazem sofrer e deram errado porque ou Deus te designa para outra vocação ou pra outra pessoa que não é essa. Por isso, tende paciência. Orai. Confiai. Mantenha a fé em Deus. A sua meta não pode ser o casamento, a sua meta tem que ser a santidade. Pois o casamento é um dom de Deus, mas não devemos NUNCA trocar o Deus dos dons pelos dons de Deus. Pois só Deus basta, como nos diz S. Teresa de Ávila. Sejamos puros e santos pra glória de Deus!
Nossa Senhora da Pureza, rogai por nós!
Glorioso São José, rogai por nós!
Jesus, Maria e José, nossa família vossa é!
Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Dica de video sobre o tema:







quarta-feira, 8 de julho de 2015

Papa Francisco em Quito em consonância com Nossa Senhora do Bom Sucesso

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Todos sabemos que a família tem sido atacada por diversos setores da sociedade. Leis e mais leis; modismos e mais modismos; sempre aparece algo que atenta contra a santidade da família e, não poucas vezes, apresentam um espantalho como “modelo de novas famílias”.

Já Marx falava que queria o fim da família. Sabemos como os movimentos de esquerda – encabeçados pelo feminismo e apoiados pela Maçonaria – contribuíram bastante para a atual crise na família. A sociedade vai mal? Pois veja como deterioraram a família no ocidente corrompendo a moral judaico-cristã.

Por isso a Igreja Católica apanha tanto do mundo; afinal ela é “coluna e sustentáculo da verdade” (cf. 1Timóteo 3,15). Cristo disse que as portas do inferno NUNCA prevaleceriam contra a Igreja Católica (cf. Mateus 16,18-19). Portanto, tendo a Igreja a missão de guardar a fé verdadeira, de anunciar a verdadeira moral ao mundo, o mundo pode rebolar, mas a verdade não mudará. E enquanto o mundo se desemboca numa destruição familiar – arruinando a própria sociedade – a Igreja permanece fiel aos ensinamentos de Cristo.

O mundo seduz, mas a Igreja continua sendo contra o divórcio, união gay, camisinha, anticoncepcionais, aborto, etc. E aqueles que são fieis à Igreja sofrem com ela, pois o mundo não admite o contraditório. O mundo não só não aceita que vivamos como queremos (na Verdade), mas é incapaz de reconhecer que está errado.

E como a Igreja tem a missão de anunciar a verdade, o Papa Francisco na viagem ao Equador fez novamente uma defesa da família. Em sua homilia do dia 06/07/2015 o Papa volta a falar da importância da família, que deve ser preservada, e pede que rezemos pelo Sínodo das Famílias.

Mas o que eu gostaria de destacar aqui, no entanto, é que o que o Papa Francisco disse em sua homilia está em consonância com as profecias de Nossa Senhora do Bom Sucesso. Para quem não sabe, no século XVII Nossa Senhora apareceu para uma religiosa chamada Madre Mariana de Jesus Torres, na cidade de Quito no Equador. Isso mesmo, na mesma cidade em que o Papa fez a homilia da qual destacarei um trecho a seguir. E nas mensagens que Nossa Senhora fez, Ela nos anunciou grandes males que viriam para a sociedade a partir do século XX. E a própria Madre Mariana se oferece como vítima para sofrer pelos pecadores do século XX. Ou seja, Nossa Senhora anuncia que os pecados do século XX em diante serão tão grandes – como de fato foi e podemos ver que está piorando – que uma alma fez penitências séculos antes para reparar.

Mas vamos ao que interessa! Veja o porque a homilia do Papa me lembrou as profecias de Nossa Senhora do Bom Sucesso a mais de 300 anos atrás. Eis as palavras do Papa Francisco:

A família é a primeira escola das crianças, é o grupo de referência imprescindível para os jovens, é o melhor asilo para os idosos. A família constitui a grande «riqueza social», que outras instituições não podem substituir, devendo ser ajudada e reforçada para não perder jamais o justo sentido dos serviços que a sociedade presta aos seus cidadãos. Com efeito, estes serviços que a sociedade presta aos cidadãos não são uma espécie de esmola, mas uma verdadeira «dívida social» para com a instituição familiar, que é a base e que tanto contribui para o bem comum de todos.
A família também forma uma pequena Igreja – chamamo-la «Igreja doméstica» – que, juntamente com a vida, canaliza a ternura e a misericórdia divina. Na família, a fé mistura-se com o leite materno: experimentando o amor dos pais, sente-se mais perto do amor de Deus.” (Destaques meu)


Agora veja que o Papa fala claramente “outras instituições não podem substituir” a família. E é o que temos visto: uma tentativa de substituir o matrimônio católico por alguns espantalhos que querem apresentar para nós como família. Mas de onde vem isso? Isso vem da maçonaria! E Nossa Senhora do Bom Sucesso já havia nos alertado para isso séculos atrás. Veja que, na mesma cidade em que o Papa fala isso, Nossa Senhora já havia falado para sua serva, Madre Mariana, de forma clara, como seria a ação do demônio por meio da Maçonaria para destruir a família:



"Quanto ao sacramento do matrimônio, que simboliza a união de Cristo com a Igreja, será atacado e profanado em toda a extensão da palavra. O maçonismo, que então reinará imporá leis iníquas com o objetivo de extinguir esse sacramento, facilitando a todos o viverem mal, propagando-se a geração de filhos malnascidos, sem a bênção da Igreja. Irá decaindo rapidamente o espírito cristão, apagar-se-á a luz preciosa da fé até chegar a uma quase total e geral corrupção de costumes. Acrescidos ainda os efeitos da educação laica, isto será motivo para escassearem as vocações sacerdotais e religiosas.”

Impressionante, não? Para os descrentes dirão ser apenas uma coincidência; mas para nós que cremos, sabemos que é providência divina. Além do mais, não seria uma simples coincidência o Papa falar que “outras instituições não podem substituir” a família, na mesma cidade onde a Virgem deu o nome de uma instituição (demoníaca) iria, a partir do nosso século, aprovar leis iníquas com o objetivo de extinguir o sacramento do matrimônio. E como a própria Santíssima Virgem disse: o matrimônio está a ser profanado em toda a extensão da palavra. E a situação é tão complicada que, ao passo que vemos Nossa Senhora dizer que a maçonaria iria querer extinguir o SACRAMENTO do Matrimônio, me pergunto: será que todos os noivos que até se casam na Igreja sabem o que estão fazendo? Sabem o que é matrimônio? Casam com intenção de usar pílulas, preservativos, Dius e outros métodos contraceptivos que são abortivos... Ora, vemos que a união de muitos casais tem sido incentivadas apenas pelo prazer sexual – mesmo em muitos que casam na Igreja. Não casam, em suma, com o desejo de viver o matrimônio como a Igreja ensina. Seja porque são ignorantes, seja porque querem é sexo e que a Igreja fique no seu canto – como devem dizer... Mas o que questiono é: este matrimônio é um sacramento? Foi válido diante das leis da Igreja? Por aí nós vemos que de fato o matrimônio foi e está sendo profanado em toda a extensão da Palavra.

Mas a consolação é a certeza da vitória que nós, filhos de Deus e da Virgem Maria, temos. Sim, a vitória já é nossa. A Santíssima Virgem Maria afirmou em Fátima: "Por fim Meu Imaculado Coração triunfará!" Confiemos nessa promessa de vitória da Imaculada!

Portanto, podemos ver claramente que o Espírito Santo falou pela boca do Papa Francisco. Que tal pegarmos nosso Rosário e rezarmos e agirmos para impedir que as seitas destruam as famílias? Ouçamos o Papa e não deixemos que intituições destruam a instituição que é a base da sociedade – e até mesmo celeiro de vocações pra Igreja. Salvemos a família!

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

terça-feira, 7 de julho de 2015

A Terceira Via - A inclinação homossexual e a Igreja Católica

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!
Amados irmãos e irmãs, não raramente a Igreja Católica é taxada de homofóbica, preconceituosa e intolerante. Seus perseguidores, apoiados em idéias frívolas frutos do seu imaginário e/ou do seu pecado, atacam a Igreja sem dó nem piedade. Mas será mesmo que a Igreja Católica é tudo isso que os pseudo defensores dos homossexuais dizem?

Bom, a verdade é que tudo não passa de uma falácia. Uma grande calúnia. Muitos sabem disso e repetem o discurso de ódio para tentar passar por cima da consciência religiosa das pessoas para impor seu pensamento à sociedade. Outros, porém, repetem este discurso por pura ignorância, e são usados por gente de péssimo caráter para propagar suas ideologias.

Por isso indico que assistam ao documentário A Terceira Via, que vai abordar a questão da homossexualidade e a Igreja Católica. Como realmente a Igreja trata os homossexuais? Bom, assista e comprove que o que a militância LGBT fala pra você é apenas um espantalho. A Igreja é um tesouro imensurável. Você se surpreenderá com o amor concreto da Igreja para com os gays.



PEÇO QUE SÓ COMENTE ALGO SE ASSISTIR AO DOCUMENTÁRIO COMPLETO.

Caso tenha a inclinação ao homossexualismo (seja você homem ou mulher) e queira conversar com alguém sobre, indico que entrem em contato com o Apostolado Courage (clique aqui e conheça). Eles serão verdadeiros irmãos e vos darão ótimas orientações. 

"2357 A homossexualidade designa as relações entre homens ou mulheres, que experimentam uma atracção sexual exclusiva ou predominante para pessoas do mesmo sexo. Tem-se revestido de formas muito variadas, através dos séculos e das culturas. A sua génese psíquica continua em grande parte por explicar. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves (103) a Tradição sempre declarou que «os actos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados» (104). São contrários à lei natural, fecham o acto sexual ao dom da vida, não procedem duma verdadeira complementaridade afectiva sexual, não podem, em caso algum, ser aprovados.
2358. Um número considerável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente radicadas. Esta propensão, objectivamente desordenada, constitui, para a maior parte deles, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á, em relação a eles, qualquer sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar na sua vida a vontade de Deus e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar devido à sua condição.
2359. As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes do autodomínio, educadoras da liberdade interior, e, às vezes, pelo apoio duma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem aproximar-se, gradual e resolutamente, da perfeição cristã." (CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA - destaque meu)

sexta-feira, 3 de julho de 2015

A Confissão nos traz a PAZ


«Deus, Pai de misericórdia, que, pela morte e ressurreição de seu Filho, reconciliou o mundo consigo e enviou o Espírito Santo para a remissão dos pecados, te conceda, pelo ministério da Igreja, o perdão e a paz. E Eu te absolvo dos teus pecados em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo»

Essas são as palavras que o sacerdote fala ao nos absolver de todos os nossos pecados na Confissão Sacramental. Na minha última confissão me chamou a atenção quando o padre disse "Perdão e a PAZ"... A Paz... A Paz que eu busquei, que busco. A Paz que o mundo necessita e não encontra.


Jesus Cristo disse para Santa Faustina: "o mundo não encontrará a paz enquanto não se voltar para a Minha Misericórdia". Para a própria Santa, Jesus tantas vezes ensinou que a Confissão era o tribunal da Misericórdia, que ao confessarmos estamos diante dEle e recebemos o Sangue e a Água que jorraram do Seu Coração.

A Paz... Se é na Confissão que nossa miséria se encontra com a Misericórdia de um Deus que é todo Poderoso e amoroso e que está disposto a nos perdoar de todas os horrores que podemos ter cometido, porque exitamos em nos confessar? Por que colocamos tantas barreiras? O que estamos esperando para ter essa paz?

Você tem paz? Responda: quanto tempo tem que você não faz uma boa confissão sacramental? O mundo precisa de Deus. O mundo precisa reconhecer que é pecador, e só Deus traz a verdadeira felicidade.

Estás inquieto, depressivo, amargurado, rancoroso, irado, prepotente, estás na lama do pecado, sem sentido na vida, nas trevas interiores...? Procure um padre e confesse seus pecados! Não tarde em encontrar a Paz que tanto você deseja. Se liberte dos pesos dos teus pecados confessando-os ao sacerdote.

Vai, e tenha a certeza de que confessando teus pecados e comungando o Corpo e o Sangue do Senhor encontrarás a plenitude da paz, o Shalom, o Deus conosco, o Príncipe da Paz... JESUS CRISTO, o REI DE MISERICÓRDIA! JESUS CRISTO, NOSSA PAZ.

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!