terça-feira, 30 de junho de 2015

Arranque a imoralidade pela raiz


Se eu pegar uma enxada e apenas cortar os matos sem colocar força pra arrancar pela raiz, em pouco tempo crescerão. É como se diz: "o preguiçoso trabalha mais que o trabalhador". O que se deve fazer ao capinar um lote? Arranque o mato pela raiz. Na nossa sociedade tem crescido um mato desagradável, mas não adianta cortar somente em cima, o mal está na raiz que o faz crescer.

Da mesma forma a união gay é apenas o mato em cima, mas não a raiz. E qual a raiz? É justamente a dessacralização do matrimônio entre homem e mulher. Se hoje "sacralizam" a união gay é porque outrora iniciou-se um processo forte de dessacralização do matrimônio.

Colocando pingo nos ís: Se hoje aprovam a união gay, é porque ontem aprovaram e/ou acharam normal o divórcio, pílulas anticoncepcionais/dia seguinte, aborto, camisinha, etc. Tudo isso somado a propaganda de sexo live (para adolescentes e adultos, até chegarmos hoje a tentativa de sexualização das crianças). Tudo isso embaçou a visão de matrimônio para o mundo. Somente os mais religiosos - católicos fiéis ao ensinamento da Igreja - conseguiram sustentar o matrimônio tal qual ele foi criado por Deus. E isso sofrendo muita crítica do mundo e de muitos cristãos que transformaram o matrimônio em um simples contrato de duas pessoas com direito a sexo.

Por que digo isso? Porque se eu não quero aprovação da união gay porque sou a favor da família tradicional, devo então assumir essa família tradicional. Veja, o problema começou com os héteros: dois homens ou duas mulheres não procriam? Então por que usam camisinhas, DIU, pílulas, fazem cirurgias, enfim, fazem de tudo para não engravidar? Ora, porque o sexo no matrimônio tornou-se apenas prazer mútuo. Ora, prazer por prazer, os gays dizem ter. Se dizemos que homem e mulher procriam, devemos então ser abertos à vida. Por isso a Igreja Católica ensina a usar o método natural, onde seguindo a regrinha pode-se por um período espaçar o nascimento de um filho em relação ao outro; porém tudo de acordo com a vontade de Deus. O método natural não usa nada de artificial (maioria potencialmente abortivos, diga-se de passagem) para evitar um filho.

Também devo dizer que devemos então dizer não a promiscuidade que vemos nos nosso dias. Um filho merece ter pai e mãe presente. Devemos deixar de hipocrisia e pregar e viver a castidade. Se somos a favor do matrimônio devemos, portanto, dizer não ao "sexo livre" que faz com que meninas sejam mães sem preparação alguma e depois são incentivadas a abortar. Quando - graças a Deus - não aborta, acaba-se por ter a família abalada por relações sem fundamento algum que geraram crianças. (Tá vendo gente, a Igreja ensina a castidade justamente por isso: pois a relação sexual é lícita apenas no matrimônio, onde os filhos nasceram num lar com pai e mãe).

Da mesma forma devemos combater veementemente o divórcio. Sou a favor da família tradicional, por isso sou contra a destruição desta instituição. Claro, existem casos extremos. A própria Igreja fala a respeito. Aqui a minha intenção não é fazer uma abordagem profunda sobre cada ponto que citei (fora outros males que fazem parte da "raiz").

Portanto, se queremos salvar a instituição da família, não seja um preguiçoso a fazer mal o serviço de capinar: não só corte o mato do casamento gay, mas arranque a raiz que levou a isso. Se você reluta em arrancar a raiz (o que citei: divórcio, aborto, métodos artificiais para evitar gravidez, etc.) você é apenas um preguiçosinho que não quer mato na porta de casa mas não tem coragem de capinar direito. Saindo da comparação para a realidade: não passas de um HIPÓCRITA!

"Por isso, Deus os entregou a paixões vergonhosas: as suas mulheres mudaram as relações naturais em relações contra a natureza. Do mesmo modo também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em seus corpos a paga devida ao seu desvario" (Romanos 1,26-27). - Como podem ver, o pecado de homossexualidade foi causado pelo uso antinatural da mulher em relações contra a natureza. Como dito acima: se você usa de algo artificial na relação sexual para impedir a vida, você está tendo uma relação contra a natureza. A natureza do sexo entre homem e mulher é gerar filhos. Se vocês que me leem são casados, mas ao terem relações sexuais com suas esposas usam camisinha, por exemplo, vocês e "sumas mulheres mudaram as relações naturais em relações contra a natureza."  Por isso, ouçamos e vivamos o que a Igreja ensina sobre o matrimônio.

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Assista os videos abaixo que são co-relacionados com o tema:






Um comentário: