sexta-feira, 11 de julho de 2014

Testemunho de graça alcançada pelas Velas de Pentecostes e intercessão de Nossa Senhora


Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Meus irmãos e irmãs, quero neste post testemunhar uma graça que Deus concedeu à minha família. A cura de minha avó paterna que já estava desenganada pelos médicos. Sendo assim, um milagre, alcançada graças a intercessão de Nossa Senhora e as Velas de Pentecostes.

Para que não conhece as Velas de Pentecostes, trata-se de uma devoção popular aqui de Brasília, começada há alguns anos, quando o Padre Moacir Anastácio ouviu uma voz ao final da Missa (voz de Deus) mandando ele começar a festa de Pentecostes. No caso seria ficar como os Apóstolos em oração, da ascensão do Senhor até o dia do Pentecostes. Assim ele fez. E no ano seguinte ele escutou a mesma voz que dizia para mandar o povo levar 3 velas nos últimos dias da semana de Pentecostes (1 na sexta para consagrar ao Pai; 1 no sábado para consagrar ao Filho; e 1 no domingo, dia de Pentecostes, para consagrar ao Espírito Santo) para serem consagradas, e que acendessem no momento mais difícil da vida que o milagre aconteceria. Conta o padre que já na segunda feira chegou o primeiro testemunho. E assim milhares e milhares de pessoas testemunham as graças alcançadas graças a esta devoção, que ano após ano arrasta milhares (e agora milhões) de pessoas para celebrar a Festa de Pentecostes.

Iniciemos o relato dos fatos. Bom, gostaria de saber o nome das doenças e coisas do tipo para dar “corpo” ao testemunho. Mas como ela mora no Rio Grande do Norte e eu em Brasília, vou contar de forma simples, conforme vivi este caso. Chegou-se a noticio de que minha avó esta muito doente e até tinha ficado internada. Ficamos todos muito preocupados com ela. A angústia aumentava pela dificuldade de informação com as pessoas lá no RN. Por fim ficamos sabendo que o estado dela era grave. Muito grave. Até hoje eu não sei o que ela teve. Ao que parece chegou a ficar em coma. Eis que chegou a notícia aqui que podíamos nos preparar para o pior, pois ela morreria. Os médicos disseram que não podiam fazer mais nada – pelo que contam. Estavam todos esperando a morte dela. Minha avó já tem certa idade e teria que passar por uma séria cirurgia. Sabendo da gravidade da situação, entrei em contato com meu tio no RN e pedi notícias. Ele disse que só um milagre a salvaria, pois os médicos já faziam o que podiam. Eu então lhe falei que podia se despreocupar, pois ela ficaria boa, pois acenderia as velas de Pentecostes; e se não estou enganado ainda lhe afirmei que pediria a intercessão de Nossa Senhora. Ele, como bom protestante que é, disse que só orasse para Jesus, que só Jesus poderia fazer alguma coisa. Pois bem, Jesus fez, por meio de Maria Santíssima e das Velas de Pentecostes.

Meu tio que mora aqui em Brasília, também protestante, disse que não tinha fé, e já estava se preparando para a morte dela. Dissemos pra ele que rezaríamos e acenderíamos as Velas de Pentecostes na intenção dela. Ele não botou muita fé. Pois bem, minha mãe e eu pegamos as três velas consagradas em Pentecostes, acendemos na intenção de minha avó e rezamos um Terço pedindo a intercessão de Nossa Senhora. Também tinha pedido para minha madrinha rezar por minha avó. Ela rezou e afirma que ao rezar lembrava muito do Testemunho da Irmã Themis que dizia que Nossa Senhora é mãe dos católicos, dos protestantes e até dos ateus.

Confiando na promessa de Deus sobre as velas de Pentecostes e na onipotência suplicante da intercessão de Nossa Senhora, ficamos tranquilos e confiantes em sua recuperação. O médico a operou. Segundo conta minha avó, o médico deu os pontos com uma linha qualquer, parecendo fitilho ou algo do tipo, sem fazer o serviço direito, pois achava que quando voltasse no pós operatória já estaria morta. Qual surpresa ver que estava vivinha. Qual surpresa ver que logo teve alta. Mas sabe-se lá o porquê, quando já estava em casa, aconteceu que – segundo o que dizem – minha avó espirrou e a cirurgia abriu. E com as entranhas a vista foi socorrida. Todos achavam que dessa vez “morria de vez”; mas o milagre foi pra valer, e ela voltou sã e salva. E já viajou para Brasília algumas vezes, boa de saúde.

Diz ela ter visto Jesus em um momento em que estava no hospital. Mas sempre falamos pra ela que o milagre aconteceu após termos acendido as Velas de Pentecostes. Aqui não é uma guerra entre Protestante e Católicos, onde quero dizer que Deus cura aqui e não lá; mas quero dizer que, eles reconhecendo ou não, Deus operou maravilhas, e eles são testemunhas disso. Meus tios protestantes desacreditaram, mas tem que reconhecer que graças as Velas de Pentecostes e a intercessão de Nossa Senhora minha avó ficou curada. Aquela que já davam como morta, vive pra glória de Deus.
* * *

Aproveitando que estou escrevendo sobre graças pelas Velas de Pentecostes, quero aproveitar e contar outra graça. O pai da minha madrinha descobriu que estava com tumor na cabeça. Apesar de não ser maligno, havia um grande risco. Acendemos as Velas de Pentecostes e a cirurgia foi bem-sucedida assim como também a recuperação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário