quarta-feira, 25 de junho de 2014

A santidade é reconhecer-se pecador necessitado de conversão.


Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

O que é ser santo? Como ser santo? Como agradar a Deus? Eis a grande luta do cristão: lutar contra si mesmo para fazer não a própria, mas a vontade do Pai. Como é difícil ser santo! Como é amargo. Como é doce... Difícil? Sim. Impossível? Obviamente que não. Se a santidade fosse algo impossível, Deus não teria dito “Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo” (Lev. 19,2). Se Deus mesmo me pede a santidade, por que exito em viver a santidade, a radicalidade do Evangelho. Em outras palavras: Por que ainda exito em amar a Deus sobre todas as coisas?

A medida que vai aumentando o nosso tempo de caminhada na Igreja, a vida de intimidade com Deus pela oração, vivência dos sacramentos, enfim, vamos mudando a mentalidade a cerca da santidade. Não que depois de um tempo devemos relaxar e relativizar as coisas. Quando falo que “mudamos a mentalidade” é que damos uma saída do sonho, e vivemos a realidade. E muitos caem e voltam a vida velha, colocam a mão no arado e voltam para trás, pra vida podre, suja, na lama pérfida do pecado, porque enxergam a santidade como um sonho, algo inalcançável, em que ou Deus extraordinariamente me muda, ou não tem como ser santo. E não é bem assim. Para ser santo é preciso uma contribuição minha. A maior parcela, ou melhor, tudo quem faz é Deus. Se eu tenho algo a fazer é querer. Será mesmo que quero ser santo? Eu quero amar a Deus sobre todas as coisas?

Quando nós tivemos a nossa primeira experiência com Cristo ficamos entusiasmados. Nós encontramos Aquele que nos preenche. Eis que tivemos uma experiência real e concreta com o Ressuscitado que passou pela Cruz. Jesus Cristo, nosso Senhor, preenche todos os vazios do nosso ser. Nosso coração é dilatado e recebemos o precioso dom do Santo Espírito de Deus. Como é belo. Como é bom ver que Deus nos ama apesar das nossas misérias. A maioria de nós quando tivemos essa experiência real com o amor de Deus, bendizemos e exultamos a misericórdia de Deus, pois vimos em que lamaçal estávamos, e vimos que foi Cristo que veio ano nosso encontro. A iniciativa foi, é e sempre será d'Ele. Ficamos agradecidos, pois pelos nossos pecados merecíamos o inferno; mas Cristo, bondade e misericórdia infinita, nos deu Seu infinito amor. Ele nos encheu de Seu Santo Espírito. Muitos ficam tão empolgados que são chamados por alguns de “aleluiados”. Nesta fase da vida espiritual, quando recebemos o Kerigma, ou seja, o primeiro anúncio, nós vemos a santidade como um conto de fadas, porém real. Explico-me: toda aquela história de que devemos ser santos faz agora sentido. Agora de fato você quer carregar a cruz, quer sofrer por causa do Evangelho. Quer amar a Jesus até a loucura – como dizia Santa Faustina – e fica de fato – exteriormente ao menos – louco por Cristo. A vida é rezar Terço, adorar o Santíssimo, assistir o Santo Sacrifício da Missa e Comungar o Corpo e o Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. De fato começa-se a amar a Jesus e a viver pra Ele e com Ele. Só que existe um problema nisso tudo: estamos “aleluiados”. Este gosto espiritual, este prazer ao rezar, estas consolações, irão passar. O prazer pela cruz passará, e a cruz ficará. E aí devemos decidir: carregamos a cruz ou ficaremos nos amargurando buscando consolações? Quando começamos a dar passos largos - ou para melhor entender-, quando começamos a comer alimento sólido, começamos a ter essa mudança de mentalidade a cerca da santidade.

Eu tenho visto muita gente que tinha vida de oração voltar a vida velha. Mas por que? Sempre me pergunto. Ora, se tinham vida de oração, como podem ter caído? Claro, que talvez podia apenas aparentar ter vida de oração, mas mesmo assim, se tiveram de fato uma experiência verdadeira, porque voltaram pra traz? Temos que muitos tenham caído durante essa mudança de alimento, de líquido para sólido. E por não entenderem, por terem ficado na ignorância por falta de um diretor espiritual, acompanhador, bons livros, ou porque foram desobedientes, acabaram caindo em escrúpulos e achando novamente que a santidade era impossível. Quando na vida espiritual nos alimentamos com alimentos sólidos, passamos a estar entregues a nossa própria miséria. Antes nós topávamos qualquer parada, pode vim quente que eu estou fervendo no fogo do Espírito Santo, dando bicuda no cão e dando glória. Hoje, vemos o quanto somos miseráveis, indignos do amor de Deus, e que mesmo que eu tente, tente, tente, com minhas próprias forças, não consigo nem levantar da cama. É Ele quem nos dá a vida. É Cristo que é algo em nós; ou melhor, Ele é o tudo; porque eu, sou apenas miséria. Quando tivemos aquele primeiro impacto com o Deus vivo e Misericordioso, nós tínhamos força pra lutar contra o pecado. Não só fugíamos das ocasiões de pecar, como se estivéssemos diante da queda, “tiraríamos de letra” e ainda zombava do tentador dando glória a Deus e a Santíssima Virgem Maria. Agora, porém, parece que o demônio vive na mente, é só tentação, tropeços, quedas, agonias, você vê que ainda não é santo.

E por que acontece isso? Por que deixa Deus que sejamos molestados assim? Isso é pura misericórdia de Deus. Pela Sua Misericórdia nos perdoou o Senhor Deus da nossa multidão de pecados; e agora poderíamos ir para o inferno por um pecado chamado ORGULHO. Deus então nos entrega a nós mesmos, provando se de fato amamos Ele. Agora é a hora da verdade. Eu mostro que renuncio a mim mesmo e escolho o Amor de Deus quando estou diante do pecado e eu digo: eu prefiro Deus! Eu prefiro a santidade. Eu sou de Deus pela Imaculada!

Isso pode ser um choque para muitas pessoas. Talvez por isso tantas quedas. Antes pela força do impacto do amor de Deus, acabamos achando que a santidade consistia em não pecar. De fato, quem peca é do demônio (cf. 1João 3,8). Mas aqui quero dizer em relação a tentação. Posso falar até mesmo por mim, creio que por muito tempo achei que conforme os anos fossem passando as tentações diminuíssem. Claro, sem ilusão, tentação sempre terá. Mas acho que achei que seria sempre algo controlável. Talvez vivemos tão anestesiados que nem percebemos que a carne
um dia voltará a gritar. Quando conhecemos a Deus, criamos muitas vezes até repugnância do pecado. Muitas vezes até de pecados que o demônio tinha conseguido fazer que fossem habituais. E depois de criar esse nojo, essa repugnância, achamos que sempre seria assim. E eis que é um grande cilada. Estamos diante de um grande tombo.

Para dar alguns exemplos simples, que você com certeza saberá aplicar na sua vida de acordo com sua realidade, quero dizer algo que ocorre comigo. Quando conheci a Deus vivi um tempo ainda relativizando algumas coisas. Um exemplo era a música Rap. Não só ouvia, como cheguei a cantar Rap “católico” (quem acompanha a um bom tempo o blog sabe desse passado negro). Depois que me consagrei à Nossa Senhora pelo método de S. Luís Maria Grignion de Montfort, me tornando assim escravo por amor de Nossa Senhora, Ela foi me moldando em muita coisa. E uma dessas coisas foi a música. Fui vendo que não tinha compatibilidade pra quem queria viver a santidade que Deus queria. Fui renunciando. Ao ir renunciando, fui criando um certo nojo. Se tocassem um rap perto de mim já não gostava. Minha carne criava repulsa. Claro que tudo isso é obra do Espírito Santo me dando força pra renunciar. A comparação que me veem a mente agora é como se fosse um pai que ensina o filho a andar de bicicleta com rodinhas. Depois que o filho aprende, tira as rodinhas, e o filho as vezes cai. Mas o pai ensinando direito, o filho saberá andar tranquilamente. Assim acontece conosco na vida espiritual, o Espírito Santo, tal qual pai ensinando o filho a andar de bicicleta, nos ajuda a vencer tais tentações. Porém, depois será tirado as “rodinhas espirituais”, e aí que mostramo se de fato aprendemos. Nos últimos dias tenho visto que tudo aquilo que renunciei, só suportei viver sem por causa da graça do Espírito Santo de Deus que me sustenta. Porque a carne ficou dependente do pecado, e o Espírito preenche essa dependência. Só que depois quando comemos alimento sólido, estaremos de choque com nossas tentações, e devemos nos decidir por Deus. Fugi um pouco do exemplo iniciado, mas é bem isso: hoje sofro quando tocam Rap perto de mim; não por repulsa, mas porque a carne grita. É um grande combate espiritual. Antes parecia tão fácil ignorar, distrair com qualquer outra coisa... Hoje tocam os Raps preferidos de outrora, alto, e eu que tanto tinha ignorado, me pego completando alguns versos. Entendem o que quero dizer? É que de fato é meio complicado conseguir escrever de forma a se entender bem, que o Espírito Santo possa de fato fazer vocês compreenderem isso.

Para ser santo é preciso constantemente reconhecer que é pecador. Como um dependente químico que sempre se reconhece como em recuperação. Pode ter dez anos que parou de fumar maconha, crack, cheirar cocaína, beber cachaça, mas sempre se põe como “em recuperação”. E isso se dá porque ele sabe de suas limitações, fraquezas. Ele sabe que a carne grita pedindo aquela droga. Assim como nos demais pecados, a carne sempre gritará. Por isso devemos sempre estar em oração pedindo a força do Espírito Santo para dizer NÃO ao pecado. Se antes achávamos que viveríamos a castidade tranquilamente; hoje tenhamos a consciência que viveremos a castidade travando uma grande luta. Contra o inferno e contra nossa própria carne.

Isso tudo que digo é muito mais complicado para aqueles que tiveram uma vida extremamente desregrada antes de se converterem. Pois uma pessoa que viveu, por exemplo, com a sexualidade desregrada, viciada em sexo, pornografia, masturbação, farras, etc.; e após conhecer Jesus se decide por viver a castidade; após o momento “aleluiado” em que tudo vai bem, agora chega o momento da aridez, e eis que essa pessoa sentirá uma grande dificuldade. Antes achava que seria super fácil ser casto, e que a carne não gritaria. E eis que agora a carne grita, berra, pede aqueles coisas que outrora ele fazia. E eis que ele terá que dizer não. E será muito difícil para essa pessoa dizer não caso ela não tenha se prevenido espiritualmente. Em casos assim a pessoa não deve jamais deixar a confissão. E assim como na luta anterior pra deixar os vícios quando conheceu a Deus, deve buscar se confessar toda semana, ou todo dia se assim cair.

Muitos santos viveram estes momentos. Santa Faustina conta no Diário as vezes que de forma muito mais forte ela viveu entregue à sua própria miséria. É treva pura. Vamos vendo o quanto não somos santos. E descobrimos que a santidade consiste em descobrir que eu preciso me converter. Ser santo é saber reconhecer a misericórdia de Deus. Sem a Misericórdia de Jesus ninguém pode ser santo. Quem quer ser santo sem ser pela estrada da Misericórdia não é e nem será santo; essa pessoa é apenas um prepotente orgulhoso que corre o risco de ser condenado ao inferno. Esta aridez é boa, vamos vendo o quanto somos dependentes do amor de Deus. Vamos ficando humildes. Se alguém cai em pecado mortal, não me escandalizo, pois sei que mesmo que eu não sinta, Deus é quem me segura e me sustenta com Sua Misericórdia, pois se dependesse de mim mesmo caía de forma mais vergonhosa que este irmão. Como julgar uma pessoa em pecado, se o pecado que ele comete a minha carne pede todo dia? Este pecado está na mente? Claro, isso não quer dizer que pequei, pois como diz Santa Catarina de Sena, o pecado não estar no sentir, mas sim no consentir. Ou seja, os maus pensamentos, as tentações, os gritos da carne, não são pecados em si; mas se eu consinto, mesmo que em pensamento ache bom e peque no coração, ou mesmo caia em ato, pequei feio. Mas o que quero dizer aqui é justamente isso: quem quer viver a santidade sabe reconhecer que a santidade é uma torrente de Misericórdia de Deus, e assim não se escandaliza com a queda do outro, pois também estaria caído se não fosse a mão de Deus.

Queria dizer tanta coisa, mas não meu intelecto não deixa. Mas quero finalizar tentando deixar claro a ideia central deste texto: faça um exame de consciência, medite, reze. Quem puder, faça uma confissão geral da sua vida toda. Sabe esses seus pecadões mais podres do que o governo Petista? Então, você é um dependente enquanto estiver nesse vale de lágrimas. Não ache que viverá sempre sem ser tentado. A tentação virá. Claro, se acontecer de não sofrer tantas tentações pra cair nesses pecados, bendito seja Deus por isso. Mas caso contrário, já estás alertado. Quem era adultero, vai sentir vontade de adulterar; quem era beberrão de até mesmo chegar ao coma alcóolico, sentirá vontade de beber; quem usava drogas ilícitas, sentirá desejo; quem tinha a sexualidade desregrada, sentirá a carne berrando; quem usava roupas imodéstias, sentirá vontade de usar novamente, principalmente no tempo de calor escaldante; quem não sentia mais gosto pelas festas mundanas, vai aparecer uns amigos do tempo de outrora chamando pra sair, aparentará ser sem maldade, mas a maldade quer tomar conta de você... Enfim, é aí que a cada dia nós devemos escolher Cristo crucificado e escolher a santidade. E como diz o título deste texto: santidade é reconhecer-se pecador necessitado de conversão. Reconheça diante de Deus, e conte pra Ele, que sem Sua graça você cairá, e suplique Sua Misericórdia. Se sua oração for humilde com certeza te atenderá. Como ouvi uma vez, um jovem em crise de abstinência de droga, correu pra capela do Santíssimo Sacramento e disse “Jesus, eu não vou sair daqui até passar essa vontade”. Assim devemos agir quando vier a tentação de voltar a vida velha. “Jesus, meu Senhor, eu não vou sair da tua presença até que essa tentação vá embora”. E não importa o tempo, fique diante do Santíssimo Sacramento, e quando sair, leve-O em seu coração. Em meio a aridez, as trevas, NUNCA, em hipótese alguma deixe de comungar nem de confessar. Com estes dois Sacramentos alcançaremos de fato a santidade que Deus quer de nós. Eis os sacramentos misericordiosos. Enfim, mantenhamo-nos sempre em oração com a Santíssima Virgem Maria, que assim como o Espírito Santo é como um pai que ensina a andar de bicicleta com rodinha, a Virgem Maria também é esta mãe que sempre está a nos auxiliar. Ela é o modelo de santidade. Ela é quem nos levanta a cada queda. Mesmo se você cair em pecado mortal, rogue a grande Mãe de Deus, a Mãe de Misericórdia, que te levante. Nunca perca a esperança. Diz Santa Afonso Maria de Ligória que o demônio após fazer com que as pessoas percam a graça de Deus, faz com que percam a devoção à Virgem Maria. E sabem por que? Porque Nossa Senhora é a Virgem dolorosa do Calvário, a Mãe de Clemência, Mãe de Misericórdia, Aquela que levanta os caídos, e faz de nós miseráveis dos miseráveis, os piores dos piores, os mais pecadores, santos agradáveis a Deus. Pois como diz São Luís Maria Grignion de Motfort (acho que até citando S. Agostinho): Ela é a forma de Deus.

Aconteça o que acontecer, com Jesus e com Maria, sejamos santos! Se você perdeu esse sonho por ter voltado atrás... Olhe pra cruz, existe um mar de Misericórdia saindo do coração de Cristo só por você. Recomeçe. Seja santo. Deixe-se ser amado por Deus. Deixe-se vencer pelo Ressuscitado que passou pela Cruz.
Ps: nesses momentos sempre reze o Rosário ou pelo menos o Terço. E claro, também o Terço da Misericórdia.
Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe! Viva Cristo Rei!



segunda-feira, 23 de junho de 2014

Cantor de 'heavy metal cristão', Tim Lambesis admite ser ateu

Vocalista do As I Lay Dying disse que fingiu ser religioso para vender discos.
Ele foi condenado a 9 anos de prisão por planejar assassinato da mulher.



Tim Lambesis, vocalista do As I Lay Dying, compareceu ao tribunal de San Diego, na Califórnia, em maio de 2013 (Foto: REUTERS/Lenny Ignelzi/Pool/Files)
Tim Lambesis no tribunal de San Diego, na
Califórnia, em maio de 2013
(Foto: REUTERS/Lenny Ignelzi/Pool/Files)
Tim Lambesis, vocalista da banda cristã de heavy metal As I Lay Dying, revelou que é ateu e que fingiu ser religioso para vender discos, segundo informações do site da "NME".
Em entrevista ao "Alternative Press", Lambesis ainda disse que ele não é o primeiro integrante do grupo a deixar de ser cristão. Segundo o cantor, dois de seus colegas abandonaram a religião antes dele.
"A primeira vez em que traí a minha mulher, minha interpretação de moralidade era agora conveniente para mim. Eu me sentiria menos culpado se eu decidisse: 'Bem, o casamento não é uma coisa real, porque o cristianismo não é real. Deus não é real", declarou o vocalista.
Em fevereiro deste ano, Lambesis foi condenado a nove anos de prisão. Ele confessou que tentou contratar um pistoleiro – na verdade, um policial disfarçado – para matar sua ex-mulher.
Histórico
Em maio de 2013, Lambesis foi detido em Oceanside, ao norte de San Diego, sob a acusação de tramar a morte de sua ex-mulher, Meggan Lambesis, que havia pedido divórcio um ano antes, após um casamento de oito anos. Na ocasião, Lambesis se declarou inocente.
O cantor admitiu que chegou a entregar US$ 1 mil ao agente disfarçado, junto com uma foto da mulher, o endereço dela e os códigos do sistema doméstico de segurança. Ele também forneceu uma lista de datas em que estaria com os três filhos adotados do casal, o que facilitaria o crime e serviria como álibi.
De acordo com os promotores, Lambesis pediu ajuda a um colega de ginástica para achar um pistoleiro, mas esse colega em vez disso organizou um encontro do artista com o policial disfarçado.
***
Comentário:
Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!
Muitas pessoas chamam-nos de puritanos quando falamos contra o Rock. Mas aí está uma prova do satanismo do Rock. Ainda há quem diga que se pode cristianizar o Rock. Este indivíduo fingia ser cristão para vender discos. Ora, temo que muitos finjam ser cristãos mesmo para ganhar dinheiro. Não só montando bandas de rock, mas de outros segmentos musicais; pregadores; "missionários", enfim. O que dizer, por exemplo, de Edir Macedo, fundador da seita "Universal" que faz declaração contra as religiões? Engraçado é ele ser o fundador de uma. Ora, é um típico caso de quem usa o nome de Jesus para fazer riqueza na terra. Jesus manda vendermos tudo e não buscarmos tesouros na terra, mas sim buscar tesouros no Céu. Essa rapaziada faz o contrário.
Mas falando do Rock especificamente, esta é uma bela amostra do que é o Rock. O Rock, como ensina o Papa Bento XVI, é um veículo anti-religião que em grandes plateias pode adquirir o caráter de culto ou adoração. Ora, o Rock verdadeiro é adoração a satanás. O Rock surgiu do satanismo. O Rock serve a satan. Então um católico de verdade deveria ter aversão a todo rock satânico. O Rock leva a descrença de Deus, levando o homem a adorar a satan ou a fazer o culto de si mesmo. Como o indivíduo da matéria citada, ele tem suas leis, Deus não existe - segundo ele - então não existe regras pro casamento. Ele segue suas leis. Este é o princípio anti-religioso do Rock. E Rock é isso, e não a caricatura que muitos fazem. Aí eu te pergunto, caro leitor: dá pra cristianizar um satanismo desse? Tem gente que acha que sim, embora sempre insistamos que o problema não está na letra, mas sim no rítmo. Aí está uma banda que talvez tenha letras bonitas, mas o rítmo o que fez? Se os integrantes da banda perderam a fé em Jesus, e quantos e quantos fãs durante anos também não perderam esta fé? Nós sabemos que aqui no Brasil existem casos de pessoas que colocaram a mão no arado e voltaram para trás, voltando a vida de pecado, após ir a shows "cristãos" de Rock, eletrônico, axé, etc., porque não viam diferença da vida passada. Embora se faça belas poesias, o ritmo rock fez e faz suas vítimas: integrantes de bandas e fãs (fiéis?) perderem a fé e virarem ateus e/ou satanistas (sim, existem 'ateus' que dizem que são satanistas -vai entender...)
Bom, muitos me chamarão de puritano. Mas o mundo já tenta tanto contra a fé, melhor evitar este ritmo que não só pelos exemplos citados mostra ser um veneno, mas que os próprios padres exorcistas tanto combatem e alertam. Não só os exorcistas, mas o próprio Papa Emérito Bento XVI já nos alertou. 
Abaixo assista duas pregações onde é abordado o tema do Rock.
Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!



quinta-feira, 19 de junho de 2014

Pio X: um Papa incompreendido

Roma,  (Zenit.orgDeborah Castellano Lubov | 214 visitas

O Papa Pio X (1835-1914) foi um verdadeiro reformador da Igreja, mas seus esforços têm sido muitas vezes mal interpretados: esta é a opinião do padre Bernard Ardura, presidente do Pontifício Comitê de Ciências Históricas.
Quinta-feira passada houve um dia de estudo organizado pelo Comitê e intitulado “São Pio X: um Papa reformado ante os desafios do novo século. ZENIT esteve no evento e conversou com o Padre Ardura.
***
ZENIT: Poderia explicar-nos o seu papel no Comitê e como surgiu a ideia de um estudo dedicado a Pio X?
Padre Bernard: Eu sou o presidente do Pontifício Comitê de Ciências Históricas. Tomamos o cuidado de tratar todos os aspectos históricos que têm a ver com a história da Igreja. Este ano é o centenário da morte do Papa Pio X; ele morreu durante a noite de 21 de Agosto de 1914, três semanas após o início da Primeira Guerra Mundial e depois de onze anos de papado. Como pontífice, foi um reformador importantíssimo, mas, dentre suas atividades reformadoras, também teve de intervir em assuntos relacionados à doutrina religiosa, porque naquela época a Igreja enfrentava um movimento difícil chamado modernismo. Sua condenação do modernismo ofuscou as partes positivas de seu papado: é lembrado como um Papa de condenação, mas a verdade é que foi um grande reformador, um grande inovador. Embora tendo condenado o modernismo, Pio X foi muito moderno, como evidenciado pelas suas reformas.


ZENIT: Poderia citar-nos algum exemplo de reforma de São Pio X?
Padre Bernard: Ele reformou a Cúria Romana, a mesma Cúria criada em 1538 e que ainda hoje existe. Pio X foi mais consciente do que os seus antecessores de que o pontificado tinha que seguir em frente e não podia andar pra trás. Então, ele teve em seu ministério esta ideia chave de que a missão da Igreja é espiritual e que deve inspirar a vida do mundo, também renovando o mundo. Portanto, todas as atividades de Pio X foram reformadoras, dado que ele se esforçou para promover uma vida cristã baseada na paz.
Uma outra contribuição importante foi aquela relacionada com os sacramentos, especialmente a Comunhão. Avançou na ideia de que os menores, já com sete anos, podiam receber a sua primeira Sagrada Comunhão, embora se, naquele momento das suas vidas, não estivessem plenamente conscientes da doutrina da Igreja. Foi adiante também na ideia de que os adultos deveriam comungar com mais frequência. Anteriormente, a opinião geral era de que um cristão deveria se confessar antes de receber a comunhão, mas Pio X, sempre sugerindo a confissão regularmente, apresentou a ideia de comungar com mais frequência, até mesmo diariamente.
Até as suas reformas litúrgicas, como as relativas à música sacra, foram importantes. E pela primeira vez, pediu que fosse promulgado um claro código de Direito Canônico. Assim se fez e este código teve um efeito duradouro após a sua morte.
Portanto, hoje nós temos a oportunidade de estudar estas reformas e estes progressos, que foram importantes não só para renovar a Igreja, mas também pela capacidade da Igreja de inspirar a vida cristã.
ZENIT: O senhor observa semelhanças entre Pio X e o Papa Francisco?
Padre Bernard: Definitivamente, existem semelhanças. Mas não podemos esquecer que há todo um século entre os dois. Portanto, os contextos são muito diferentes. No entanto, é verdade que tanto o Papa Pio X como o Papa Francisco prestam uma especial atenção à qualidade de vida dos cristãos - tanto leigos, quanto sacerdotes e bispos - porque essa qualidade de vida é necessária, a fim de dar testemunho do Evangelho. Por esta razão, estes dois papas compartilham a ideia de que, se algo pode ser reformado, então deve ser reformado.
ZENIT: Por que você acha que Pio X tenha sido mal interpretado?
Padre Bernard: Ele foi mal interpretado, assim como quase todos os seus trabalhos e as suas reformas não receberam o devido crédito por causa da questão do modernismo. Assim, com a sua condenação do modernismo, ele foi considerado por muitos como o Papa que não entendia nada, mas isso não era verdade.
ZENIT: Para aqueles que não estão familiarizados com este conceito, poderia explicar-nos o que é o modernismo?
Padre Bernard: É um erro filosófico que relativiza um pouco de tudo e, do ponto de vista doutrinal, torna-se uma questão delicada. Por exemplo, ideias diferentes foram expressas por meio do contexto cultural daquele tempo. Mas hoje, não podemos relativizar a doutrina com essas ideias diferentes.
A Igreja em que acreditamos é inspirada pelo Espírito Santo, em um contexto que não nos é dado por uma causa acidental, mas, em um contexto que contém a essência dos ensinamentos que nos dá o Espírito Santo. Portanto, não temos que relativizar estas realidades que são fundamentais, caso contrário, corremos o risco de pôr em dúvida tudo aquilo em que acreditamos.
ZENIT: Que tipo de reforma, que Pio X tenha apoiado, você acha que tenha sido a mais importante e a mais necessária para a Igreja de hoje?
Padre Bernard: A reforma da conversão do coração, uma reforma interior. Devemos lembrar o que Jesus disse: se o sal perde o seu sabor, então torna-se inútil. Como uma luz, somos testemunhas do Evangelho e, portanto, como evidenciado pelos esforços e mensagens de Pio X, temos constantemente a necessidade de reforma. (Trad.TS)

Fonte: http://www.zenit.org/pt/articles/pio-x-um-papa-incompreendido

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Verde e amarelo ou vermelho sangue?


Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

A Copa do Mundo de Futebol está para começar, e como é de costume, em muitos lugares o povo enfeita as ruas. Sim, em muitos lugares existem bandeirinhas, enfeites, bandeiras do Brasil estendidas ou pintadas. Observemos com atenção e veremos paredes, calçadas, meio-fio e ruas pintadas de verde e amarelo. É o amor pela seleção brasileira de futebol, pelo próprio futebol... Patriotismo? É bem verdade que outrora o povo se animava mais para tais enfeites e festejos. Me surpreende ver que ainda há quem queira enfeitar.

Talvez esteja a se perguntar o porquê estou escrevendo isso aqui no blog. Então direi o que me motiva a escrever isso aqui. Ontem quando me dirigia até a Paróquia, vi que em algumas ruas as pessoas estavam pintando meio-fio, paredes, enfeitando tudo como acima descrito. Galão de tinta, rolo, e força de vontade para pintar a parede da casa de verde e amelo. Logo percebi que na situação que estamos vivendo em nosso país, deveríamos pintar as paredes não de verde e amarelo, mas sim de vermelho sangue. Não, não sou antipatriota e muito menos comunista. Acho que deveria pintar de vermelho, porém com legenda: estamos virando Comunista, Deus nos livre do Comunismo. Mas é óbvio que não queria que pintasse de vermelho unicamente para alertar contra o comunismo, pois a cor pela cor, estaria fazendo propaganda do mesmo.

O povo pinta de verde e amarelo as ruas, mas deveríamos pintar de vermelho cor de sangue. Sangue dos fetos abortados, pois somos o país do aborto. Que tristeza ter que dizer isso. Mas sim, a desgraça do aborto tem se espalhado em nossa nação. Nossa presidente aprovou a famosa lei chamada de “cavalo de tróia”. As feministas e a corja do inferno tentam de toda maneira legalizar de vez a miséria do aborto em nosso país. Sabendo de todo esse sangue inocente sendo derramado em nossa nação, como não pintar de vermelho sangue as paredes? Pois no invisível, estamos todos manchados com este sangue: pela culpa, ou pela omissão. Sim, como somos omissos. Quantos e quantos dizem que são contra o aborto, mas votam no PT, PSOL e demais partidos ou candidatos abortistas? É contra o aborto e vota na Dilma, Lula, e no diabo. É contra o aborto mas usa e incentiva o uso da pílula do dia seguinte, anticoncepcional (que são abortivos SIM!), DIU, etc. É contra o aborto, mas se alguém quiser abortar que aborte (eu já vi gente com esta miséria de pensamento). Como pintar de verde e amarelo se estamos sujos com o sangue dos inocentes. Não estou dizendo que não poderemos festejar com os jogos do Brasil, mas quero refletir, já que quase ninguém reflete e defende o inocente. Muitos dizem ser contra o aborto, mas não sentem nada quando veem ou ficam sabendo de um feto jogado na lata de lixo. Os jogadores da seleção são luxuosos, valiosos. Já as crianças brasileiras, viraram lixo. Sim, quantos e quantos estão sendo jogados, descartados como lixo hospitalar? A que preço? Por volta de 400R$ segundo o que o Ministério da Saúde queria pagar por meio de uma Portaria. Alguns quando não são tratados como lxio, são tratados como matéria-prima. Como assim? Ora, vários fetos são usados por indústrias infernais de cosméticos. Não sei aqui no Brasil, mas existem várias denúncias em alguns países que ocorre essa prática. Outros viram até alimentos. Uma empresa estudava como tirar o sabor artificial de seus produtos, usando fetos abortados. Pois é... Sabendo que o aborto se espalha, eis a questão: verde e amarelo ou vermelho sangue? Sangue inocente...

Verde e amarelo? Será mesmo? Quando Nossa Senhora apareceu na cidade de Pesqueira-PE em 1936 alertando a nação brasileira que o Comunismo adentraria no Brasil, além de alertar que para evitar esta desgraça em nosso país deveríamos rezar e fazer penitência, ter devoção ao Sagrado Coração de Jesus e ao Seu Imaculado Coração (aos dois, e não a um só), Ela também alertou sobre o derramamento de sangue no Brasil. Em determinado momento das aparições, como que só as duas meninas viam Nossa Senhora, uma pessoa do meio do povo jogou uma pedra em direção onde as meninas diziam ver Nossa Senhora. Eis que começou a sangrar as mãos da Virgem Maria. Ao perguntar pra Nossa Senhora o que significava esse sangue, eis que a Virgem Mãe responde que era o sangue que seria derramado no Brasil. Eis meus irmãos, porque ao ver o povo pintando as ruas de verde e amarelo, fiquei e fico angustiado, sabendo que as mesmas ruas se tornaram palco e testemunhas do derramamento de sangue de muitos inocentes. Sim, o Comunismo está vindo com toda força. E eis que nessa revolta muitos serão mortos. Quem resistir ao regime Socialista/Comunista morrerá, e quem não resistir também. Eis que virá a opressão ao povo. Eis que virá o grande castigo à nação brasileira por ter se distanciado de Deus. Eis que virá o Comunismo como castigo porque o povo não mais adora o Santíssimo Sacramento, não mais faz santas procissões, não mais busca a santidade; mas sim vive de carnaval, festas mundanas, orgias, paradas gay, marcha das vadias, caldas conwtry, e tudo mais de pecado e desorde. Eis o castigo pela depravação das drogas e afins. Eis o castigo pela destruição da família. Eis o castigo por terem feito o sexo, o prazer, o poder, o possuir, o dinheiro como deuses. Eis meus irmãos, que a ira de Deus cairá sobre o Brasil caso o povo não se converta.

Sabemos que o que Deus, ou Nossa Senhora por permissão d'Ele, nos fala por meio de alguém, pode ser mudado em relação aos nossos atos. A Virgem Maria disse que o Comunismo entraria no Brasil, mas não naquela época (1936) porque o povo estava rezando e fazendo penitência. Ela nos deu o remédio que é a devoção a Ela e ao Sagrado Coração de Jesus (tudo batendo com a profecia de Fátima). Então, o que estamos esperando para nos convertermos e pregarmos a conversão, fazermos e pregarmos a penitência, rezarmos e pregarmos o Rosário? O Brasil será salvo pelo Rosário. Tanto que uma das videntes de Nossa Senhora em Pesqueira, morreu no dia 13 de Outubro de 2013, mesma data que se comemora o aniversário da 6º aparição de Nossa Senhora em Fátima em que a Virgem Maria se apresentou como a Senhora do Rosário. Um sinal? Bom, só sei que juntar as pessoas para rezar o Rosário pedindo a queda do Comunismo não é pecado, é, antes de tudo, algo muito louvável e necessário.

Sabendo da ameaça comunista que está sobre o Brasil, acho pertinente fazer esta citação do livro “Aos Sacerdotes, filhos prediletos de Nossa Senhora”, sobre uma locução interior que o Pe Gobbi teve em Sastin (Eslováquia) no dia 12 de setembro de 1991: “- No nome de Maria, que foi derrotado, nestas nações, o comunismo marxista que exercia há dezenas de anos o seu domínio e mantinha muitos dos meus pobres filhos numa pesada e sangrenta escravidão. Não foi graças a movimentos ou a homens políticos, mas somente a uma minha intervenção pessoal que se deu finalmente esta vossa libertação.
E será novamente no Nome de Maria que Eu levarei a minha Obra ao seu cumprimento, com a derrota da maçonaria, de todas as forças diabólicas, do materialismo e do ateísmo prático, para que toda a humanidade possa chegar ao seu encontro com o Senhor e ser assim purificada e completamente renovada, com o triunfo do meu Coração Imaculado no mundo.
É por essa razão que Eu desejo que se reintroduza a festa em honra do Nome de Maria, agora que entrais nos momentos mais fortes da luta e na parte mais dolorosa da grande tribulação.” Enfim, se querem implantar o Comunismo no Brasil, devemos recorrer Àquela que interveio e ajudou o Comunismo cair em vários lugares. Devemos pedir a intercessão de Nossa Senhora, e também do querido Papa São João Paulo II, que sofreu com o Comunismo na Polônia, e como Papa ajudou a derrubá-lo. Ouvi comentários de que hoje a Polônia é um santo lugar, com a maioria da população católica, onde se vai às igrejas e se vê lotada de jovens adorando o Santíssimo Sacramento. Quer ter um Brasil verdadeiramente católico e livre do Comunismo? Olhe pra Polônia e imite-a. Em outras palavras: adore o Santíssimo Sacramento e tenha uma verdadeira devoção à Nossa Senhora. Foi a intercessão de Nossa Senhora que salvou a Polônia, e será a intercessão de nossa querida Mãe do Céu, que salvará o Brasil.

Sabe porque por mais que labutamos, parece que não progredimos? A ira de Deus virá porque por mais que lutemos pra derrubar o Comunismo, a Igreja está cheia de comunistas. Nossa Senhora vem em nome de Deus nos alertar (La Salette, Lourdes, Fátima, até no Brasil em 1936) nos mandando rezar pelo menos o Terço todo dia, fazer penitência, orar, nos converter. E o que fazemos? Cristoteca, balada “””””””””””””santa”””””””””””””” (bom entendor entenderá o porquê de tantas aspas), Rock, e tudo quanto é mundanismo dentro da Igreja. Até o mais sagrado que é a Santa Missa nós pisamos fazendo dela um curral (literalmente como vemos em certas Missas denominada “serteneja”). Quando o Santo Sacrifício da Missa se torna um lugar de diversão, e não mais de culto e adoração a Deus, vejo que algo está errado. Sim, algo está errado quando vou a Missa unicamente para encontrar amigos, e não para expiar meus pecados e para adorar o meu Deus. Algo está errado. E saiba que tem algo de muito errado se diante da situação que vivemos, você lê esse texto e diz “este garoto é exagerado/fanático”. Quem tem ouvidos, ou melhor, quem tem olhos leia e converta-se!

As seleções chegaram ao Brasil. A bola vai rolar. O povo festeja, vibra. Uns filhos de comunistas badernam contra a Copa, mas são usados por partidos de esquerda. Mas, católico querido, Nossa Senhora veio, falou. Jesus vai voltar. E a gente vai fazer o que? Deixaremos nosso país ser pintado de vermelho sangue, ou deixaremos verde e amarelo, ou azul celeste, com as cores e esplendor da pureza da mãe de Deus? Deixaremos nosso país vermelho comunista, ou vamos lutar com o joelho no chão, jejum e oração, e muito rosário, para que de fato nosso país continue consagrado a Virgem Mãe Aparecida e honre o nome de Terra de Santa Cruz? Chegou a hora de dar a vida pelo Evangelho. Não temos mais tempo. Se queremos tirar o vermelho sangue, e pintar nosso país com as cores da santidade, não basta querer pintores com boa oratória, pintar na política... É preciso trabalharmos na política, sim. Mas é preciso invocar Àquela que Deus colocou como inimiga da serpente infernal; Àquela que é temível como um exército em ordem de batalha; Àquela que esmagou a cabeça da serpente, venceu e vence o dragão infernal. Invoquemos o nome de Maria Santíssima. Invoquemos o nome de Jesus e Maria e a vitória é nossa. Façamos grupos de estudo, grupos que vá a Câmara, Congresso, tenhamos candidatos santos e católicos, mas o principal é: tenhamos grupo que reze o Terço ou o Rosário pedindo a Mãe de Deus a queda do Comunismo. E se for possível, grupo de crianças que reze o Terço. Reze com seus filhos, filhos dos vizinhos, que os pequeninos, conservados na pureza, façam uma verdadeira cruzada reparadora com o seu Terço rezado. E assim como os pastorinhos de Fátima, ajudarão muitas almas a salvarem-se a livrar o Brasil do Comunismo.

Eu quero pintar o Brasil com as cores da santidade. E você?
Postarei a seguir alguns videos que creio que sejam úteis sobre o assunto.
Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!