quinta-feira, 8 de maio de 2014

O que evitar para viver a CASTIDADE?

Salve Maria Imaculada!

Sempre ouvimos dizer que devemos viver a castidade. Sempre nos ensinaram – ou deveria ter sido ensinado – a importância da castidade; porém como vivê-la? Sempre nos dizem de sua beleza, de sua nobreza, de sua glória. Mas ao mesmo tempo, passadas as emoções e comoções, passado o momento de deslumbramento, de impacto, de quase “êxtase”, caímos em si e nos perguntamos: é possível viver a castidade nos dias de hoje? Como é possível viver a castidade em uma sociedade erotizada, sem valor moral, fora da verdade, e submergida na impureza? É possível viver essa radicalidade nos dias de hoje? Sim, é possível. Se não fosse possível, Deus não nos pediria isso. E Ele ainda hoje nos diz “Sede santo, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo”(Levítico 19,2). Se Cristo nos chama a santidade de vida, a sermos castos, como não conseguimos? Talvez não conseguimos viver a castidade porque só olhamos para a meta, e não para a luta que devo travar todo dia. Olho a beleza da castidade, me encanto, porém, logo paro na metade do bom caminho pelo fato de ver que estou distante e acho que não terei forças para conseguir essa vitória.

Para viver a castidade é necessário uma vida de renúncia. Se Deus me chama a uma vida de santidade, devo renunciar aquilo que é pecado. Já vai nos ensinar São Filipe Neri: “a batalha contra o pecado é a única batalha na qual vence aquele que foge.” - Ele sempre ensinava isso, que para viver a castidade era preciso ser “covarde”, ou seja, fugir da ocasião. Mas ai fica a pergunta: do que fugir? Um homem não pode fugir de ver uma mulher, pois sempre terá uma mulher a sua frente; uma mulher não pode fugir de ver um homem, pois este sempre estará em sua frente (a não ser que seja pessoas que se tornem monges). E quando falo que sempre terão pessoas aos seus olhos, não digo que sempre irão ficar vendo coisas impuras, mas estou dizendo que sempre iremos conviver. A questão aqui é evitar estar com essas outras pessoas em ocasião de pecar. Diante das imodéstias do mundo, tanto das mulheres como de homens, vamos fugir para as colinas? Complicado, não? Para evitar o pecado, devemos ser como São Domingos Sávio e tantos outros santos que viveram a pureza: manter os olhos baixos, olhando para o chão. Ouvi dizer que teve um santo que, se não estou enganado, morreu sem saber como era o teto de sua cela, pois só olhava para o chão para evitar qualquer risco de olhar para algo impuro.

Pois bem, sabendo que das ocasiões em geral devemos fugir, do que mais necessito fugir? Creio eu que a Castidade é complicada de se viver porque se quer chegar a realeza que ela nos traz, mas poucos sabem o que tem que evitar; e muitas vezes a pessoa acha que dá pra viver a castidade sem fugir de coisas que levam ao pecado. Muitos de fato não sabem do que se deve fugir. E por isso se angustiam ao verem que não conseguem dar passos largos na vida pela pureza. Mas eis que um santo da Igreja Católica vem nos ajudar. Eis o que encontramos no Catecismo Maior de São Pio X:

Que devemos evitar para nos conservarmos castos?
Para nos conservarmos castos, devemos evitar a ociosidade, os maus companheiros, as más leituras, a intemperança, o olhar para figuras indecentes, os espetáculos licenciosos, os bailes, as conversas e diversões perigosas, bem como todas as demais ocasiões de pecado.”

Aí está uma bela lista de coisas a se evitar para podermos viver a castidade. E então, cientes de tudo isso, vamos viver a castidade?

Mas quero ainda aproveitar e fazer alguns comentários sobre alguns pontos colocados por São Pio X. O santo nos ensina que para vivermos a castidade devemos evitar a ociosidade. Ociosidade é ficar sem fazer nada, ou como se diz popularmente: ficar na vagabundagem. É justamente aquela frase que sempre ouvimos: mente vazia é oficina do diabo. Ficar sem fazer nada nos coloca em grandíssimo risco de pecar contra castidade. E para dar um exemplo bíblico, Davi pecou com Betsabé por causa da ociosidade. Conta-nos as sagradas escrituras que Davi ficou em Jerusalém enquanto seu exército foi combater os inimigos; e este, em uma tarde, foi dar uma volta, e avistou uma formosa mulher a tomar banho. Davi após se informar sobre ela, dormiu com a mesma. Esta engravidou. Como não daria para esconder, Davi arma para que o marido desta ficasse na linha de frente do exército e morresse. Foi o que aconteceu. Ou seja, por causa de uma ociosidade aconteceu uma desgraça terrível na vida de Davi. A lição que tiramos: vai fazer alguma coisa! Se Davi tivesse acompanhado seu exército, se não tivesse ficado ocioso, não teria se colocado em ocasião de pecar. Olhou a mulher, pecou pelo olhar (já adulterou no coração) e depois consumou o fato. E ainda piora as coisas pois era uma mulher que tinha marido. Neste caso não podemos ser como Davi, saiamos da ociosidade. Muitos jovens vivem na pornografia, na masturbação, porque são ociosos. Como que você quer ser liberto deste mal se você não estuda, não trabalha, não reza, não faz nada; fica o dia inteiro no facebook, redes sociais, videogame, etc., aí o demônio só se aproxima você desliza o mouse e cai na pornografia. Ora, pra renunciar os atos impuros deste tipo é preciso renunciar a ociosidade. Como já disse, mente vazia é oficina do diabo. Se a pessoa arruma um emprego que trabalhe de verdade, estuda, tem sua vida de oração diária, ela vai cair nesses pecados? Pode até cair pela força do hábito contraído, mas se tiver força de vontade conseguirá vencer; porque uma pessoa com uma rotina de trabalho e vários afazeres não vai ter tempo de ir ver site imundo do encardido. O cara vai chegar em casa doido pra ir se jogar na cama e descansar da jornada de atividades. E aqui não digo que deva-se cair no ativismo. Mas é viver aquilo ensinado por São Bento: Ora et Labora, ou seja, Orar e trabalhar. É manter a vida de oração e trabalhar. Se o demônio nos tentar trabalhando e orando, nós dificilmente caímos. O problema é que o demônio nos pega no computador sem fazer nada que preste, sozinhos, andando de bobeira onde vou ver o que não devo. Santa Faustina conta-nos que um dia viu o demônio andando no Convento procurando formas de fazer com que as irmãs pecassem; porém nada ele podia fazer pois estavam encontrando-as ocupadas com seus trabalhos manuais. Enfim, oxalá nos seminários, conventos, na nossa casa estivéssemos sempre ocupados e vigilantes para evitar cair em pecado. Enfim, vai fazer alguma coisa.

Além da ociosidade devemos evitar os maus companheiros. Isso é algo complicado. Muitos vão dizer que não se deve renunciar a certas amizades porque, dizem eles, Jesus andou com as prostitutas, com os ladrões, com os assassinos... Só que existe uma grande diferença entre Jesus e nós, e não falo da questão de Jesus ser Deus e eu ser Sua criatura. O problema é que Jesus convertia elas pelo amor e não pecava. Jesus andava com quem se prostituía, mas Jesus não cometeu tais pecados (aliás, não cometeu pecado algum; foi semelhante ao homem em tudo, menos no pecado); em contrapartida, os pecadores que andavam com Jesus, depois de o conhecerem, de amá-lo, deixavam de pecar. Nós andamos com os pecadores, e eles continuam pecando...E nós? Nós pecamos com eles. Ora, se eu sei que se eu manter amizade com certa moça, eu irei pecar, corta a amizade. Se você, moça, sabe que se manter amizade com certo rapaz, vai cair em pecado, corta essa amizade. Este é o sentido do que Jesus nos ensinou nos Evangelhos “se teu olho te leva a pecar, arranca-o; é melhor entrar no Reino do Céu sem um olho do que tendo dois ires para o inferno”. Não é pra arrancar o olho físico, mas pra arrancar aquilo que te faz olhar mal. Se teus amigos só te levam pra bebedeira, farrear, ver pornografia, “pegar” menina, balada, fumar maconha e usar outras drogas, enfim, só te levam para o mal caminho... CORTA ESSA AMIZADE AGORA! Talvez você ache que com o tempo eles mudarão, porém, com o tempo você pode apagar em você mesmo essa pequena chama que fumega pela santidade. Muitos voltam atrás na vida com Deus porque não renunciaram as más amizades, e acabaram perdendo a amizade com Deus. E se você vivendo em pecado junto com eles, será complicado de ver mudança de vida neles, pois você é o exemplo e continua indo pras festas com eles, falando as mesmas besteiras que eles, caindo nos mesmos erros que eles, se divertindo com eles. O que vale mais pra você: a amizade dos homens, ou a amizade com teu Criador e Senhor? Lembro que no início da caminhada tive que renunciar amizades. É verdade que doeu e ainda dói, mas mais ainda dói a perda de Deus. Teve outras que na medida em que caminha mais na Igreja, foram automaticamente se afastando, pois os corações estavam sendo colocados em lugares diferentes. Coloque o teu coração no coração de Jesus, não perca a amizade com Deus por causa das más amizades. E aqui quero reforçar: cuidado garoto com as amizades com as garotas (e vice versa) onde se colocam em ocasião, são muito íntimos, etc. Se for preciso acabar com amizade de anos para viver a castidade, ACABE. Quantos e quantos vivem essas amizades e caem em impureza, e depois a pessoa até quer consagrar a vida a Deus mas fica apegada a essa pessoa, a essa “amizade colorida” e as almas perdendo-se. Renuncie essas más amizades que te levam pro inferno e não para o Céu. Eis o que diz Santa Teresa d'Ávila no seu “livro da Vida”: “Espanta- me, algumas vezes, o dano que faz uma má companhia e, se eu não tivesse passado por isto, não o poderia crer; no tempo da mocidade, em especial, deve ser maior o mal que causa.” E no mesmo livro ela nos diz: Maldita seja tal amizade que se estende até ir contra a de Deus!

Renunciando as más amizades, tome posse das boas. Santa Teresa de Ávila fala o seguinte sobre as boas e santas amizades no tempo da juventude: “Por aqui compreendo o grande proveito que causa a boa companhia e tenho por certo que, se naquela idade tratasse com pessoas virtuosas, estaria inteira na virtude. Se então tivera tido quem me ensinasse a temer a Deus, a alma iria tomando forças para não cair.” - Meus irmãos e irmãs, procuremos então ter santas amizades que nos levem para Deus, para assim viver a virtude. Renuncie as velhas e más companhias. Mas claro, rezemos por elas. Se você ama uma pessoa que sabe que é má companhia, e te dói saber que tem que se afastar dela; se você ama mesmo, se afaste e reze, pelo teu testemunho de vida, com essa pessoa vendo que você de fato encontro Jesus Cristo vivo, real e ressuscitado, O Ressuscitado que passou pela Cruz, e pelo preço da tua oração e da tua penitência, essa pessoa também se converterá. Cala o teu querer, e reze, seja santo(a).

Se queremos viver a castidade devemos evitar também as más leituras. Quantos e quantos leem livros com conteúdo impuro. Aliás, livros, livretos, gibis, sites, blogs, tudo levando conteúdo duplo e impuro. Ora, como viver a castidade se eu leio coisas que me ensinam a impureza? Como ser casto se eu leio revistas e artigos que me ensinam a “sacanagem”. Ora, onde está a coerência? Como viver a castidade se a moda do povão é ler “50 tons de cinza”? Como uma pessoa se diz cristã Católica e lê essas porcarias. Cito o livro porque esse livro se espalhou, e falo como denúncia. Não leia essas porcarias do demônio. Leia a vida dos santos. Leia, por exemplo, a vida de Santa Maria Goreth, Santa Cecília, São João Bosco, Santa Catarina de Sena, São Filipe Neri... Vai ler a Bíblia. Vai ocupar a mente com o Catecismo. Vai ler algo que preste, e não pornografia.

São Pio X nos diz ainda que devemos evitar a intemperança para sermos castos. Bom, se devemos evitar a intemperança, devemos ter a virtude da temperança. Isso é óbvio. O que é a temperança? A temperança é uma virtude que nos ajuda a moderar a atração dos prazeres, assegurar o domínio da vontade sobre os instintos e proporcionar o equilíbrio sobre o uso dos bens criados. Sabendo, por exemplo, que a temperança nos ajuda a combater a gula, quero citar este pecado (gula) que está ligado a castidade (ou falta dela). Ora, como viver a castidade se nós vivemos mergulhados na gula? Imagine o cidadão que só come comidas pesadas, ovo de codorna, açaí, come um doce de amendoim, e vai beber sua cerveja, tudo misturado. Coisas que no popular aumenta o libido (desejo sexual). Aí se eu não tenho a virtude da temperança, fica complicado. Não to dizendo que você não poderá comer certos alimentos, citei acima só alguns exemplos, a questão é: tenha temperança. Na juventude os hormônios já estão a flor da pele, aí o jovem só come e bebe o que aumenta o libido, e somado a estar em ocasião com outra pessoa, ou estar ocioso, a bomba vai explodir. Por isso, tenha temperança.

Sobre evitar olhar para figuras indecentes não precisa nem citar nada, não é mesmo? Mas vale a pena reforçar: como quer viver a castidade se ainda porta revista pornográfica, filmes pornográficos, gibis, sites, etc.? “Eu tento viver a castidade, mas não consigo” - Ora, desse jeito não tem como conseguir mesmo não. Se só tenho menina que posta foto quase pelada no facebook e fico olhando, se só olho pra coisa indecente, se assisto programas imorais como Pânico e afins onde as mulheres colocam seus corpos à exposição como pedaços de carne no açougue, como quero ser puro e casto? Se teu olho te leva a pecar, arranca-o. Repito, não é o olho físico, é a ocasião. Foge de olhar tais figuras, recortes. Tanto de nudez explícita (ou ato sexual mesmo) mas como de fotos de mulheres com trajes de banho, sensuais, seminuas, renuncie isso em nome de Jesus. Procure ver as coisas de Deus. Veja o que te leva para o Céu. Cure o teu olhar contaminado pela podridão da pornografia, olhando e contemplando Jesus Crucificado. Sim, olhe o lado aberto de Jesus, olhe sua Paixão na Cruz, e diga para si mesmo “Ó carne, pare de gritar pedindo pelo pecado, pois eis que o Filho de Deus já pagou na sua própria carne pelos meus pecados. Eu escolho a castidade. Cala-te carne! Cristo pagou na própria carne o preço para que eu viva a castidade. Cala-te carne minha! Pois a flagelação de Cristo e Sua dolorosa e total Paixão me libertaram da escravidão do pecado e da carne. Ó carne minha, não dê ouvidos as sugestões malignas do demônio, o Sangue de Cristo te lava e te sustenta. Ó carne, resista! Ó carne minha, o Sangue de Cristo é a tua força. Cristo te fez para a pureza. Quero ser casto. Ajuda-me o Cristo. Vem em meu auxílio ó Virgem dolorosa do Calvário.”

Quando São Pio X nos ensina que devemos evitar também os “espetáculos licenciosos” entenda também coisas já citadas aqui: sites, blogs, videos. Programas de televisão como Pânico, CQC, e outras bizarrices que fazem exploração sexual. Não dá pra viver a castidade assitindo tais coisas. E se você diz que consegue assistir e não ser afetado, eu lhe digo outra frase de São Filipe Neri: “Quem se coloca voluntariamente na ocasião dizendo 'não vou cair', este está mais perto do tombo”. - Então não dá pra dizer que vai assistir tais programas e não vai cair, cuidado, pode estar cometendo pecado maior tendo consciência que tem que fugir, e não foge. Por prazeres temporários, sofrem-se tormentos eternos, ensina-nos São João da Cruz. E isso vale para teatros, filmes, palestras, e tudo que nos colocará diante de algo impuro que nos levará a cair. Se sei que o filme vai ter cena de sexo, cena que me levará a pecar... NÃO ASSISTA! Amém?

Quanto aos bailes, deveria ser tranquilo. Mas o povo não quer renunciar algo que está na cara que é ocasião de pecar. Ora, como acreditar que indo a um baile funk irei viver a castidade? O próprio ritmo me leva a dançar de foma impura. Não dá pra viver a castidade indo para bailes funk, sertanejo, eletrônico ou seja lá qual for o gênero ou o nome que se dê. Pode-se dar até o nome de “baile santo”, “Cristoteca” ou o diabo a quatro, em suma terá sempre ocasião por si mesmo de pecar. O ritmo faz isso. E aliás, sobre sertanejo, como que você quer viver a castidade com sua namorada(o) se vocês além de ficarem sozinhos, ainda são antas de ficarem ouvindo música sertaneja? Qual o problema da música sertaneja? Ora, só cantam o que não presta. Normalmente nos sertanejos em que se fala “amor”, o “amor” aqui é sexo. Tudo é sexo no sertanejo. Não só no sertanejo como em outros ritmos. Poxa vida, como viver a castidade ouvindo essas porcarias. Como viver a castidade frequentando bailes. Ora, foge disso meus irmãos. É a tua vida que está em jogo. “Ah mas é legal, é a única diversão que eu tenho.” Repito a frase de São João da Cruz: POR PRAZERES TEMPORÁRIOS, SOFREM-SE TORMENTOS ETERNOS. Meus queridos, o que é esses bailes diante da eternidade? Vai trocar a eternidade com Deus pela eternidade com o capeta no inferno? Meus irmãos, a tua felicidade tem que ser Jesus Cristo, pois só Ele é a verdadeira e plena felicidade. Enquanto você procurar felicidade nos bailes, nas pessoas, nos prazeres, no sexo, mas não procurar no Santíssimo Sacramento, você será uma pessoa infeliz. Seja de Deus, seja feliz. Renuncie aos bailes (inclusive os forjados de “santos” que estão infiltrando dentro da Igreja Católica – pois quem quer ser santo não promove este tipo de baile, promove a santidade pelo testemunho de vida e pelo poder da ORAÇÃO, e não pelo ritmo de se rebolar). E fundamento com o que nos ensinava São João Maria Vianney: os cristãos que entram num baile deixam o seu anjo da guarda na porta, e é um demônio que o substitui; portanto, logo passa a haver na sala tanto demônios quanto dançarinos.

Devemos evitar também as conversas e diversões perigosas. Tinha um santo que quando se aproximava de um grupo de pessoas que conversavam coisas impuras, logo o assunto era cortado e nada de impuro se falava. Nós quando nos aproximamos de conversas impuras não se cala, mas entra-se colocando mais lenha na fogueira de impureza. Ora, não podemos ficar com tais conversas. Nós dizemos que somos católicos, mas somos pessoas que contam piadas de duplo sentido, cantamos música de duplo sentido, conversamos safadeza com outras pessoas. Pecamos e contamos pros outros como foi, se gabando do pecado – que já é feio – e estimulando os outros a pecarem. Ora, quanto horror! Estive em um lugar, e tinha algumas mulheres bonitas e que atraíam fisicamente. Tem pessoa que se estiver em um lugar e tiver algumas mulheres que estão atraindo carnalmente, ao invés de rezar e pedir que Deus por meio da Puríssima Virgem Maria lhe livre de cair em tentação, faz é cutucar o irmão ao lado e dizer “olha lá aquela mulher.. 'mermão' aí...” Como viver a castidade se agimos assim? Chega! Como viver a castidade se as mulheres ao verem alguém metido a galã, apontam pras amigas e dizem “multiplica Senhor” (além de uma colocar a outra em ocasião de pecar no coração, e até de consentir, ainda profana o nome do Senhor). Mas, de fato, multiplica Senhor: multiplica a nossa santidade, nossa radicalidade, nosso amor por Ti o Senhor Jesus Cristo.

Bom, as ocasiões de pecar são muitas. Creio que cada um sabe onde que seu calo aperta. Se você sabe que beijar na boca te colocará em risco de pecar pelo menos no coração por desejo (leia mais sobre o“ficar” e o beijo na boca por namorados clicando aqui), então NÃO BEIJE. Se você sabe que ficar sozinho com uma pessoa que te atrái, pessoa do sexo oposto, no quarto, ouvindo músicas como sertanejo e afins, vai te colocar em risco de cair... NÃO FAÇA ISSO! Não fique sozinho. Não seja burro. Pra viver a castidade tem que ter a inteligência e a covardia. A inteligência de identificar o que vai me fazer cair, e a covardia de fugir dessa ocasião de todo meu coração e de toda a minha alma. Foge com todas as forças que você tenha. Fuja. Seja como Santa Maria Goreth que preferiu morrer do que pecar. Leia a vida dela e irás se encantar. Ela foi morta porque não consentiu com ato impuro que seu primo queria cometer com ela. Eu tenho certeza que a maioria que está lendo este texto não chega ao extremo de ter que morrer. A morte que iremos passar é a morte pra própria vontade, pra busca do prazer pelo prazer. Irmãos e irmãs, morramos para o mundo e para o pecado, e vivamos para Cristo Rei. Se queres ser santo, seja em vida religiosa como na vida matrimonia, devemos viver a castidade hoje para vive-la depois. Se uma pessoa vive em fornicação antes do casamento, no próprio casamento corre o risco de profaná-lo fazendo coisas absurdas e também adulterar. Tem uma pesquisa de uma universidade americana que mostra que quem teve relação antes do casamento, teve maior número de divórcios. Você quer ter um casamento santo? Viva a castidade desde AGORA.

Vai nos ensinar São Domingos Sávio “antes morrer do que pecar”. E sabendo que sozinhos não damos conta, indico o que os santos da Igreja indicaram sempre para viver a castidade: Eucaristia e Nossa Senhora. Se recomende diariamente à Nossa Senhora, pede Sua proteção, reze o Terço, reze o Rosário, reze com seu namorado(a), onde a Puríssima Virgem Maria entra verdadeiramente, a impureza não faz morada. Creia nisso! Se consagre a ela diariamente. Se consagre também solenemente segundo o método de São Luís Maria Grignion de Montfort colocando-te nos braços de Nossa Senhora como escravos por amor. Renuncie a escravidão do pecado e torne-se um escravo de Nossa Senhora. Sim, escravos de Jesus Cristo pelas mãos da Virgem Maria. São Filipe Neri dizia que na idade de 20 anos é impossível viver a castidade sem a Eucaristia. Ele também recomendava a devoção à Virgem Maria. O que estamos esperando então para comungar todo dia, se possível for? Comungue, adore, visite Jesus no Santíssimo Sacramento. Reze o Rosário. Se a tentação bater, recorre à Santa Mãe de Deus. Vá pra diante do Sacrário e diga pra Jesus que só sairá de lá quando a tentação for embora pois você não quer cair. More dentro da capela, mas não caia. Cristo está contigo. Se você lugar com as armas de Deus, você vencerá. Não lute sozinho. Pra quê lutar sozinho se o Criador de todas as coisas está a meu favor? Vinde ó Deus em meu auxílio, socorrei-me sem demora. Levante-se Virgem Mãe de Deus, e dai-me a graça de ser puro e casto, não deixai que eu caia ou que eu permaneça na impureza, mas vós, ó Rainha do Céu e da Terra, ó Virgem Santa e Virgem Pura, conduzido e ensinado por Vós, que eu seja puro e casto, e viva o meu estado de vida segundo a vontade de Deus. Guardo meus olhos, mente, coração, corpo, ação, tudo, guarda-me. Que o Teu Imaculado Coração triunfe na minha carne corruptível. Sou todo Teu Virgem Maria. Ajuda-nos a sermos santos.


Para vivermos bem o sexto e o nono Mandamentos, devemos invocar frequentemente e de todo o coração a Deus, ser devotos de Maria Virgem, Mãe da Pureza, lembrarmo-nos de que Deus nos vê, pensar na morte, nos castigos divinos, na Paixão de Jesus Cristo, guardar os nossos sentidos, praticar a mortificação cristã, e frequentar os sacramentos com as devidas disposições” (Catecismo Maior de São Pio X)

Salve Maria Puríssima, nossa Co-Redentora e Mãe! Viva Cristo Rei!



Santa Gianna Beretta Molla, seu esposo e um de seus filhos

3 comentários: