sábado, 12 de abril de 2014

COMO RESTAURAR A IGREJA?



Salve Maria Imaculada!

Sabemos que a Igreja precisa ser restaurada. Não podemos negar o quão ferida está o Corpo da Igreja. Feridas estas causadas por nós, filhos e membros da Igreja, que com nossos pecados e escândalos acabamos maculando aos olhos do mundo a imagem da Igreja. A Santa Igreja Católica Apostólica Romana é santa, portanto Imaculada. A Igreja não tem pecados. Mas triste de nós, filhos e filhas da Igreja, nós sim cometemos pecados e escandalizamos o mundo com o nosso contratestemunho.

O meu o seu pecado causam escândalo e ferem a Igreja. Entretanto, sabemos que a Igreja vive em uma “ruína moderna” quando nós sabemos que os escândalos são inimagináveis. Sabemos que apesar da Igreja orientar a Igreja para o certo, muitos escolhem, livre e até conscientemente o errado. Com isso, pouco adianta a Igreja Católica condenar a Maçonaria, muitos de seus filhos ingressam nesta e em outras seitas satânicas que um católico não pode NUNCA ingressar. Quantos são os ditos católicos que são marxistas declarados, comunistas, socialista, não obstante a condenação e excomunhão explícita que a Igreja faz. Mas muito, muito pior, é saber que a própria Maçonaria tem dos seus infiltrados dentro da Igreja Católica para destruí-la por dentro. A Maçonaria eclesiástica trabalha fortemente para destruir a Santa Igreja e fazer com que satanás reine no mundo. Sabemos que antes do Concílio Vaticano II foi introduzido dentro da Igreja uma grande quantidade de Comunistas; e estes, após o Concílio, já estavam nos mais altos cargos da Igreja: teólogos, padres, reitores de seminário, Bispos e quem sabe Cardeais. Tudo isso porquê? Ora, satanás já tentou destruir a Igreja por fora durante mais de 1900 anos, portanto, nos últimos tempos ele pretende destruir a Igreja por dentro. E ele tem conseguido. Se não tivesse a fé Católica e não cresse nas palavras de Jesus que disse que as portas do inferno nunca prevalecerão contra a Igreja (cf. Mateus 16,18), eu até acreditaria que a Maçonaria atingiria o seu objetivo de destruir a Igreja. Mas não, a Igreja não será destruída, porque Jesus morreu pela Igreja e disse que o inferno não prevalecerá contra a Igreja Católica! Eu creio! A Santíssima Virgem há de esmagar a cabeça de satanás debaixo de Seu santíssimo calcanhar!

Entretanto sabemos que os danos são enormes, e, infelizmente, muitas são as almas que se perdem. Olhando o descaso em que a Igreja se encontra em muitos lugares, não tem como não lembrar de um certo Francisco... São Francisco de Assis! Todos sabem que o Crucificado disse para São Francisco “Vai e restaura a Minha Igreja”. Ora, Francisco achando que era a Capela de São Damião, trabalhou arduamente reconstruindo àquela capelinha que se encontrava em ruínas. Mas depois ele pode compreender que Deus lhe chamava a ser fundador de uma ordem, e após a benção do Papa, temos essa ordem maravilhosa dos Frades Franciscanos que de fato restaurou a Igreja em um tempo que até os próprios Bispos não acreditavam ser possível viver o Evangelho. Francisco e seus irmãos religiosos mostraram que SIM, É POSSÍVEL VIVER O EVANGELHO. São Francisco viveu o Evangelho. Precisamos viver o Evangelho. E aqui já podemos ver o “segredo” para restaurar a Igreja: viver o Evangelho e restaurá-la por dentro, assim como Francisco.

O Papa Paulo VI disse aquela célebre frase “a fumaça de satanás entrou na Igreja”. Ora, se a fumaça de satanás entrou dentro da Igreja nos últimos anos, há 2 mil anos entrou o Espírito Santo no dia de Pentecostes. E Deus sempre vence o mal. Então devemos começar a rezar, porque não tem fumaça de satanás, não tem inferno que vença o poder do Espírito Santo. O Santo Espírito de Deus está no comando da Igreja, dando assistência, inspirando, conduzindo a Igreja e seus fiéis filhos há dois mil anos. O Espírito Santo não abandonou a Igreja, é a Igreja que tem abandonado a unção verdadeira do Espírito para se agarrar a novidades e a coisas passageiras.

Porque falei isso? Se satanás está trabalhando no interior da Igreja – como Nossa Senhora disse em Lá Salette: “Roma se tornará pagã e se tornará a sede do Anticristo” -, nós também precisamos trabalhar no interior dela, e não fora como muitos movimentos acabam insistindo. Não será criando cisma – até mesmo tendo razão e muitos pontos – que se restaurará a Igreja.

E como se dá isso na prática? Ora, os maçons e pessoas mau intencionadas pegaram, por exemplo, os textos do Concílio Vaticano II e algumas ambiguidades e distorceram tudo, interpretando de forma pessoal e herética, causando grande mal à Igreja. Ora, não preciso criar um “cisma”, preciso criar vergonha na cara e coragem de anunciar o certo. Na função que Deus te colocar, seja fiel à Igreja, pegue os documentos do CVII e interprete-os como a Igreja o interpreta, sem romper com a Tradição de dois mil anos. O CVII foi pastoral, e tudo que for ambíguo, se lermos unidos ao magistério de dois mil anos, veremos que só enriquece. Agora se nós, assim como os maçons, interpretamos da forma modernista e começamos a atacar a Igreja, só quem ganha é o demônio que quer mesmo é criar discórdia e maus exemplos. Sendo assim muita gente cai em pecado mortal e se afasta completamente de Deus.

Como disse acima, muitos comunistas foram infiltrados dentro da Igreja há algumas décadas atrás. No Brasil sabemos muito bem como agiram com a chamada “Teologia da Libertação”. Muitos hereges da Libertação tomaram os seminários, e até hoje são professores e formam os futuros padres. Pobres padres, muitos têm reta intenção, mas são corrompidos por certos seminários que só ensinam o que não presta. É melhor sair pregando algo absurdo aos padres, ou corrompe-los durante o período de seminaristas? Muito mais fácil corromper os seminaristas, não é verdade? Agora imaginem um padre mal formado, estudando absurdos e até tomando algo como ensinado pela Igreja, sendo que a Igreja condena várias coisas (como a própria TL)... Este padre corromperá toda uma comunidade de fiés que ele for designado para cuidar. Mas se os maus agiram assim, também os bons tem que agir assim. Precisamos rezar e ter bons sacerdotes nos seminários, para que ao serem colocados como professores de Seminário, reitores, enfim, sejam santos e ensinem aquilo que é doutrina da Igreja, e não doutrina marxista. Não podemos ser covardes e lavar as mãos dizendo que “já era”. Precisamos lutar até o fim para restaurar a Igreja por dentro. Até falo isso para caso algum seminarista esteja lendo isso, e você só estuda coisas que sabe que são erradas, mas que não tem outro seminário, seja forte! Recomende-se sempre à Virgem Maria, reze o terço diário, e seja forte, e após ser ordenado comece a ensinar o correto. Quem sabe pela tua perseverança você não venha a se tornar um professor e formar corretamente futuros seminaristas. Claro, sabemos que é bom evitar estudar em tais lugares. Mas falo de casos que seja impossível recorrer a outro seminário ou de pessoas que sabem que não serão contaminadas.

Se sabemos que certas Comunidades e Congregações esfriaram, deixaram o mundanismo tomar de conta, só pregam coisas light, festas e mais festas, o que fazer? Ora, não condeno que saia... Mas persistamos, mesmo que sozinhos, pregando a verdade, denunciando, quer queiram ou não. Vejo muita gente saindo de vários movimentos pelo modernismo que eles apresentam ultimamente; entretanto, será que Deus chamou a sair do movimento? Eu tenho medo de que existam muitas novas Santas Teresas de Jesus e São Joões da Cruz que Deus chama, assim como eles restauraram o Carmelo, a restaurar os movimentos de hoje. E o que fazemos pulamos para fora do barco e começamos a atacar, falar mal, dizer que não presta. Mas só falar que não presta, não resolve. Satanás minou por dentro, e é também por dentro, com amor, porém com ardor zeloso, que iremos restaurar. Se só tem herege no movimento, no Grupo de Oração, coisas depravadas, seja você a testemunha, e se tiver a oportunidade de pregar, pregue a verdade. Sinta das dores. Serás afastado, serás caluniado, mas os santos que restauraram um mundo que era mal, sofreram a mesma coisa.

Insisto, devemos restaurar por dentro. Não adianta saber o que é certo se não ensinamos. O problema é que muitos sabem o certo, a verdade, e diante de uma realidade relativista, ao invés de ser profeta, torna-se omisso. Claro que existem dificuldades, mas mostre-me um santo que não as teve. É mais cômodo dizer que tudo não presta. É mais cômodo. Afinal, pagar o preço para restaurar é mais complicado. Não adianta dizer “eu era de tal movimento, de tal grupo, e são tudo sem formação, não presta!”. E por quê você não deu formação? Hum, não deixaram? Mas você rezava a Deus pedindo essa graça? Ah, sim, entendo, você falou e te chamaram de louco(a)... Os santos também. Mas eles não saíram atacando as Congregações, mas sim o maldito pecado em que elas se encontravam. Falo isso especificamente de movimentos e Comunidades reconhecidas pela Igreja. É preciso viver em silêncio interior, rezando e reparando, e quando Deus manda, anunciar. Sair, quando não é vontade de Deus, nem sempre é bom. E se Santa Teresa de Ávia tivesse saído do Carmelo quando as irmãs – e ela mesma – viviam como pagãs dentro do Convento? E se São Francisco ao invés de fundar a ordem, fundasse uma seita, já que via o péssimo testemunho dos filhos da Igreja? Oxalá entendêssemos a grande graça que Deus nos deu: viver num tempo tempestuoso, é verdade, mas com a luz que Ele nos deu, com as armas para restaurá-la. Quantos santos não queriam viver neste tempo, e nós temos essa graça, de viver no tempo da grande tribulação. Eis que vivemos no tempo da apostasia, e se queremos ser santos, nadar contra a correnteza, devemos permanecer dentro do rio, e não sair para a margem. É muita apostasia? Continue a nadar contra a correnteza. Quantos seriam os santos que hoje não estariam derramando seu próprio sangue pela verdade, dentro da Igreja, unidos ao Papa? E nós, sabemos a verdade, mas não restauramos por dentro.

Para finalizar, quero usar um outro exemplo. Se nos seminários começaram a ensinar que a Missa é só uma ceia, uma partilha, e não um sacrifício (vale lembrar que o CVII NUNCA ENSINOU ISSO. O Concílio, e os documentos pós conciliares, ensinam o que a Igreja ensina a dois mil anos: a Missa é o Santo Sacrifício de Cristo na Cruz!); precisamos de pregadores, missionários, padres que preguem que sim, sim, a Missa é o Santo Sacrifício de Cristo na Cruz! Quer os hereges queiram, ou não... A Missa é o Sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus Cristo entregue por nós na cruz. Com essa teologia moderna – e herética – sendo ensinada nos seminários e pelos padres nas paróquias, acabamos vendo os abusos: missa afro, sertanejo, rock, pré-balada; missas com cachaça e pipoca no lugar da hóstia feita de trigo e do vinho... Vemos tantas profanações. Mas ao invés de sairmos com pensamentos rad-trad e sedevacantistas, devemos restaurar a Igreja por dentro. Como? O senhor, sacerdote do Deus altíssimo, reconhecendo esses problemas, celebre o Santo Sacrifício da Missa de forma digna. Assim como a Igreja ensina e está no Missal. E não é preciso mudar de rito. Sabemos que a Missa de São Pio V (Tridentina) é belíssima, porém, não é preciso celebrar só no rito Tridentino, basta que se celebre com piedade e amor, crendo que está diante de nós o sacrifício do Senhor. Satanás para profanar a Missa não era preciso mudar o rito, mas o coração do padre. O problema de tantos problemas litúrgicos não fica somente na conta do rito de Paulo VI, o problema é a corrupção do coração do Padre. Para muitos não passa de uma ceia, confraternização com a “comunidade”. Tanto é que antes do CVII já existiam abusos litúrgicos, em proporções menores, é verdade; mas se dá também porque antes do CVII não eram tantos os hereges que estavam nos altos postos da Igreja. Antes do CVII era ensinado uma coisa, depois, os hereges usando do Concílio, apesar deste não dizer essas heresias, ensinavam um monte de porcaria aos seminários. Mas para encerrar a questão da Missa, é isso: conheço sacerdotes que celebram o Santo Sacrifício da Missa no rito de Paulo VI, de forma digna, belíssima, conforme está no Missal, com grande amor. Você vê pelos olhos do sacerdote, que aquele coração crê que tem em suas mãos o Corpo do Senhor. Por isso, aqueles sacerdotes que querem restaurar a Igreja, restaurem por dentro, “reformando” a liturgia celebrando a Missa conforme está no Missal. Não saiam da Igreja, pois se o senhor sair, estarão abandonados e obrigados a participar das profanações.

Enfim, já que o tema é restaurar, cito aqui algo relatado por São Luís Maria Grignion de Montfort no livro “O Segredo do Rosário”. Se a Igreja será restaurada, será pelo poder do Rosário. O Rosário rezado pelos filhos e filhas da Igreja, fiéis a Ela, permanecendo dentro dela em santa obediência, salvará a Igreja e impedirá sua ruína. Porque as portas do inferno não prevalecerão, e a Santíssima Virgem Maria vencerá e humilhará satanás e sua maldita soberba.

Nos diz São Luís: “Um nobre, que tinha muitas filhas, colocou uma num mosteiro totalmente negligente, onde as freiras eram vaidosas e pensavam em nada mais que os prazeres mundanos. O confessor das freiras, por outro lado, era um padre zeloso que tinha um grande amor pelo Santo Rosário. A fim de guiar estra freira a uma vida melhor, ordenou que ela rezasse o Rosário todo dia em honra a Santíssima Virgem e, ao mesmo tempo, meditasse na vida, paixão e glória de JESUS.
Ela alegremente incumbiu-se de rezar o Rosário e, pouco a pouco passou a detestar os hábitos caprichosos de suas irmãs de religião. Desenvolveu um amor pelo silêncio, e pela oração apesar do fato das outras a terem rejeitado e ridicularizado, chamando-a de uma fanática.
Naqueles dias, um santo pregador chegou de visita ao mosteiro e, enquanto meditava, teve uma estranha visão de uma freira em sua cela, embevecida em oração, ajoelhada em frente a uma Senhora de indescritível beleza e rodeada de Anjos. Estes tinham flechas acesas, que com as quais repeliam uma multidão de demônios que queriam entrar. Estes espíritos malignos então correram para as celas das outras freiras, em forma de animais imundos.
Através desta visão, o sacerdote se tornou ciente do lamentável estado em que se encontrava o mosteiro e ficou extremamente chateado que quase morreu de pesar. Ele imediatamente reuniu as religiosas mais novas e pediu que perseverassem.
Refletindo logo sobre a excelência do Rosário, decidiu tentar reformar as irmãs através dele. Adquiriu vários Rosários de rara beleza e os deu a cada freira, implorando que rezassem o Rosário todo dia, e fez mais, pediu que prometessem isto, que se elas o fizessem de maneira fiel, ele não iria tentar forçá-las a mudar seu estilo de vida. Por mais estranho que pareça, porém, maravilhosamente, as freiras concordaram com este acordo e ficaram felizes ao receberem os rosários e prometeram rezá-los.
Pouco a pouco, elas começaram a deixar suas ocupações vazias e mundanas, deixando que o silêncio e o recolhimento viessem para suas vidas. Em menos de um ano, elas todas pediram que o mosteiro fosse reformado.
Assim o Santo Rosário fez mais mudanças em seus corações que o sacerdote teria feito através da exortação e autoridade.”


Salve Maria Imaculada! Viva Cristo Rei!

Nenhum comentário:

Postar um comentário