quinta-feira, 20 de março de 2014

UMA VOCAÇÃO PODE SE PERDER AINDA NA INFÂNCIA?

Salve Maria Imaculada!

Sabemos que todos temos uma vocação. Quando Deus nos criou, ainda no ventre de nossa mãe, Ele nos deu uma vocação específica. Cada um tem um chamado. Aluns rapazes são chamados ao sacerdócio, outros ao matrimônio; assim como as moças, muitas são chamadas a assumirem a vida de esposas de Cristo como religiosas, já outras são chamadas ao matrimônio. Não existe ninguém que não tenha sido chamado por Deus para fazer alguma coisa. Ele nos conhece, foi Ele que nos criou e nos chama.

Uma grande prova de que Deus nos chama desde a mais tenra infância é a Palavra de Deus que nos diz: “Antes que no seio fosses formado, eu já te conhecia; antes de teu nascimento, eu já te havia consagrado, e te havia designado profeta das nações.” (Jeremias 1,5). Assim que fomos criados, Deus já colocou em nós a luz da nossa vocação. Entretanto, o demônio veio para matar, roubar e destruir (João 10,10); e ele mata, rouba e destrói muitas vocações ainda na infância. Por isso quero alertar para que rezemos pelas crianças, e de alguma maneira ajudemos as crianças a manterem em um estado de pureza. É um grande trabalho, mas temos que fazer algo para ajudar nossas crianças. Muitos dizem que a melhor coisa que podemos dar aos filhos é a educação. Já eu digo que a melhor coisa que podemos dar as crianças é a fé. De que adianta os melhores colégios, faculdades, enfim, se não tiverem Jesus Sacramentado? E ainda sem a Igreja? Sem Nossa Senhora? Que vida triste para a futura geração. Neste mundo tão barulhento, e tão sem Deus, o melhor gesto de caridade para com as crianças é deixar Deus vivo no coração delas. Sendo assim, conservaremos, pela graça de Deus, a pureza de sua infância e também as suas vocações. Sim, as suas vocações. Muitos são chamados a vida religiosa ainda quando crianças. Conheço casos de crianças que brincam de celebrar Missa. E para provar que não é coisa de criança, existem padres que testemunham que brincavam assim quando crianças, era a vocação desabrochando. E o que vemos hoje? Meninos e meninas brincando – ou fazendo sério – de sexo. Músicas imorais, maus exemplos, muita porcaria. Sendo assim, se perde a infância, adolescência, se perde a vocação, se destrói uma vida.

Muitos podem dizer que se a vocação for verdadeira ela não se perderá, pois Deus, por caminhos conhecidos por Ele, saberá como resgatar o vocacionado. Mas não é bem assim. Nada pode impedir a ação do poder e da Misericórdia de Deus. Mas existe algo chamado livre arbítrio. E quando a pessoa está em vício, acaba no seu livre arbítrio escolhendo uma vida contrária daquela que Deus sonhou. Claro, vemos muitos testemunhos de gente que estavam no fundo do fundo do fundo do poço, mas que acabaram conhecendo a Jesus e se tornaram padres. Mas estes casos extraordinários são para mostrar-nos que Deus pode operar na vida de qualquer um, que Ele existe, que Ele é Misericórdia e que é possível mudar de vida. Não é porque alguém viveu uma vida podre e se converteu tornando-se sacerdote, que devo achar que todos os que tem vocação sacerdotal podem viver na vida de podridão e mesmo assim um dia assumirão sua vocação. Um grande exemplo disso é o Jovem Rico. Lembram dele? (Leia em Lucas 18,18-30 o que se passou com ele) – Ele era um jovem cheio de bens, e pergunta para Jesus o que devia fazer para alcançar a vida eterna. Jesus fala que deve seguir os mandamentos; e o jovem rico responde que seguia os mandamentos desde a sua infância. Então Jesus fala “Ainda te falta uma coisa: vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu, depois, vem e segue-me (v.22). Mas, infelizmente, o jovem se entristece pois era muito rico. Viram? Uma vocação perdida. E aqui quero fazer essa comparação. Uma pessoa que vive em pecado desde muito cedo, como infelizmente temos visto desde a infância as crianças já se afundarem no pecado, elas ficam acostumadas com o pecado, e mesmo mais tarde conhecendo a Jesus, vão estar apegadas àquela “riqueza” do seu pecado, e perder-se-á uma vocação religiosa. Quantos e quantos que vivendo uma vida totalmente desregrada na sua sexualidade, ante o encontro com Cristo, não tem coragem de se deixar ser curado, e ao ouvir o chamado de Jesus para viver a castidade, fogem. E triste ver que muitos conseguem sentir o chamado à vida religiosa, mas não assumem a mesma por medo de não conseguir viver o celibato, pois está acostumada (viciada) com a vida de sexo livro que o mundo prega. Claro, muitos encontram o Senhor Jesus de verdade, mas o vício é forte, e tem que ser combatido, tem que rezar, confessar, Comungar o Corpo e o Sangue de Cristo... Mas a carne fica mal acostumada, e por isso tem que se mortificar a carne. E assim como o jovem rico, acostumado (apegado) com a riqueza perdeu a vocação, muitos tem perdido suas vocações desde a infância pelo apego ao pecado.

Nós deveríamos dar mais valor a essa questão. Fazer Cenáculos com as crianças, ensinar a rezar o terço, ensinar o amor pela virtude. Isso é tão verdade que Nossa Senhora fala a respeito nas famosas aparições à Madre Mariana, em Quito-Equador, como Nossa Senhora do Bom Sucesso. Assim disse Nossa Senhora:
Quanto ao sacramento do matrimônio, que simboliza a união de Cristo com a Igreja, será atacado e profanado em toda a extensão da palavra. O maçonismo, que então reinará imporá leis iníquas com o objetivo de extinguir esse sacramento, facilitando a todos o viverem mal, propagando-se a geração de filhos malnascidos, sem a bênção da Igreja. Irá decaindo rapidamente o espírito cristão, apagar-se-á a luz preciosa da fé até chegar a uma quase total e geral corrupção de costumes. Acrescidos ainda os efeitos da educação laica, isto será motivo para escassearem as vocações sacerdotais e religiosas.” [...] “Quase não se encontrará inocência nas crianças, nem pudor nas mulheres, e, nessa suprema necessidade da Igreja, calar-se-á aquele a quem competia a tempo falar” [...] “O quarto motivo da lamparina ter-se apagado é que a seita, havendo-se apoderado de todas as classes sociais, possuirá tanta sutileza para introduzir-se nos ambientes domésticos que perderá as crianças e o demônio se gloriará de alimentar com o requintado manjar dos corações dos meninos. "Nesses tempos infaustos mal se encontrará a inocência infantil. Desta forma perder-se-ão as vocações para o sacerdócio, e será uma verdadeira calamidade.(Destaques nosso)

Por isso, diante do que a própria Mãe de Deus nos alerta à séculos, fiquemos alerta e cuidemos de nossas crianças. Ao ver tantos padres traindo Deus e a Igreja, fico a me perguntar: será que o problema não foi lá atrás? Mas estamos em um tempo em que não bastam as palavras, faz-se necessário a reparação. Reparemos tantos pecados contra os pequeninos, e até os pecados que eles são afogados. Façamos este apostolado. Se a Maçonaria – como disse Nossa Senhora na mensagem acima – e a sociedade atual corrompem as crianças; unidos ao Imaculado Coração de Maria, façamos uma ação aposta: preservaremos os pequenos corações para Jesus e Maria e resgataremos tantos quantos tenham sido contaminados. Salvando as crianças do pecado estamos conservando puro e casto os futuros sacerdotes, freiras e pais de família.

E lembro-me também que certa vez Santa Faustina, ao rezar o Pai-nosso, ao dizer “livrai-nos do mal” ela viu as crianças e Jesus lhe dizia que ela devia livrar aquelas crianças do mal. Sim, nós, assim como Santa Faustina, pela oração, e também pela ação quando temos a possibilidade, devemos livrar as crianças do mal e fazer com que elas conservem a voz de Deus que já fala em seus coraçõezinhos. A própria Santa Faustina foi chamada a vida religiosa ainda criança, e como seus pais não deixaram ela viver a vida religiosa, acabou se desviando e indo para festas. Até que em um baile, Jesus lhe aparece flagelado mostrando Sua insatisfação. E ela se converte e assume a vida religiosa.

Se o jovem rico deixou-se perder na vocação, temos casos como o de São Mateus, que era um pecador, cobrador de impostos e assumiu o chamado de Cristo. Todos os apóstolos eram pessoas simples, muitos dados ao pecado. Não deixemos morrer em nós a chama da vocação, e nem deixemos de alimentar a chama da vocação no corações dos jovens mediante a oração. E você que se sente chamado a vida religiosa, mas tem medo de não dar conta por causa da vida passada no pecado, tenha uma vida de adoração ao Santíssimo Sacramento e uma verdadeira devoção à Nossa Senhora, e tudo concorrerá para um real discernimento e um assumir da vocação. Assim como São João Maria Vianney teve problemas para ser ordenado (problemas com estudos, enfim...), você também pode vencer como ele. E como ele venceu? Ele pediu à Nossa Senhora. Judas Iscariotes assumiu o convite de “segue-me” do Senhor mas não se converteu. O Senhor nos chama, recorramos ao Sacratíssimo Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria, que o Espírito Santo incendiará a nossa alma e nos dará a graça de uma verdadeira conversão.

Salve Maria Imaculada!

Nenhum comentário:

Postar um comentário