sexta-feira, 29 de novembro de 2013

VOCÊ CONSEGUE DORMIR TRANQUILO SABENDO QUE ALMAS ESTÃO INDO PARA O INFERNO?


Rezai, rezai muito; e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o Inferno, por não haver quem se sacrifique e peça por elas”. (Nossa Senhora em Fátima)

Salve Maria Imaculada! É justamente com essa frase de Nossa Senhora que quero começar esta reflexão. Nossa amada Rainha vem nos alertar que muitas – MUITAS, e não algumas – almas para o inferno. É óbvio que o motivo principal é o pecado. No entanto, muitas delas seriam salvas com a nossa oração, nosso sacrifício, o nosso pagar o preço pela salvação delas. Mas infelizmente vivemos em um tempo em que as pessoas não se sacrificam nem pela própria salvação, quanto mais para a do próximo.

Sempre me pego a meditar sobre esta realidade. Pecado, juízo, inferno... E fico revoltado comigo mesmo quando me pego em estado de “to nem aí; não é comigo”. Me vejo tranquilo demais. E aí faço a pergunta: será que deveríamos estar tão tranquilos sabendo que almas estão a se perder?

Lembro que uma vez estava a rezar. Por causa do barulho dentro de casa saí para continuar minhas orações na área. Até aí tudo bem. Durante a oração ouve-se alguns tiros na rua. Da minha parte tudo na mais tranquila normalidade. Já minha mãe sai correndo perguntando se foi tiro... Sabe o que eu fiz? Fiquei irritado com minha mãe porque ela estava atrapalhando minha oração (pois é, rezando e se irritando, incoerente). Depois que minha mãe saiu, na mesma hora, eu me questionei, ou mesmo Deus me questionou pela minha consciência, como poderia eu estar tranquilo ouvindo os tiros, gente morrendo, gente indo diante de Deus sem conhecê-Lo. Como poderia eu, que digo conhecer a Deus e a Imaculada, achar normal a troca de tiros e nem se quer rezar uma Ave-Maria pelas pessoas envolvidas, sem me sacrificar por elas. Cadê o espírito missionário? Cadê o se consumir pelo Evangelho? Cadê a ousadia, a parresia, onde foram parar agora? E no entanto, eu me irritei por que fui interrompido na minha “belíssima” oração...

Infelizmente muitos de nós temos vivido assim. Parados diante da realidade de uma sociedade sem Deus. Fala-se de amor, mas esse amor falado é tudo, menos Amor. O Amor de Deus é que pode mudar essa sociedade. E o caminho para salvar as almas da perdição eterna é o mesmo que Nossa Senhora nos ensinou: rezar e fazer sacrifícios pelos pecadores.

A gente vive no meio de pessoas que se ouvem a notícia que um bandido foi morto, logo comemoram dizendo que é menos um para dar trabalho. Mas poucos são os que se entristecem e pensam: mais um que se danará no inferno. “A escolha foi dele”, dirão alguns. Mas a culpa é nossa que não rezamos e nem nos sacrificamos por ele. Lembro-me do Testemunho da Glória Pollo, em que ela falando da sua experiência de quase morte, onde esteve “entre o céu e o inferno”, e teve seu julgamento, fala de um dos casos em que foi julgada por Deus. Ela, por providência divina ligou a televisão e passava uma notícia de uma camponesa que chorava em cima do corpo do marido morto, desesperada. E depois da notícia, ela simplesmente esqueceu, e se distraiu com futilidades. No seu juízo Jesus disse-lhe: “aquela dor que sentiste por ela, era eu que te estava a gritar que a auxiliasses. Eu fiz com que se atrasassem as notícias para que tu visses, mas tu não foste capaz de dobrar o joelho, numa oração por ela, nem um minuto! Deixaste-te deslumbrar pela dieta e não te lembraste mais dela!” E sabem o que aconteceu com aquela mulher? Teve que fugir porque queriam matá-la também. Foi para Bogotá, não obtendo ajuda digna, virou prostituta. E Nosso Senhor ainda mostrou para Ela que outra oportunidade teve de ajudá-la, quando a viu no seu ponto de prostituição, mas fez foi julgar a prostituta. Ou seja, ao ver a desgraça alheia, deveríamos rezar. Deus nos dá essa oportunidade. Mas nós rejeitamos. Não queremos rezar e nos sacrificar. E ainda por cima comemoramos quando um bandido morre, mas não rezamos para que o bandido se converta, nem que seja na hora da morte para como o Bom Ladrão obter a salvação. Xingamos as prostitutas, mas não rezamos para que elas saiam dessa vida. Pior ainda, não rezamos para que elas nem entrem nessa vida triste. E se a nossa boca fosse usada para rezar alguns Rosários pelos pecadores ao invés de falar besteira, muitas almas seriam salvas pela nossa oração.

As vezes eu vejo essa sociedade doentia. Vejo pessoas que caminham com Deus, mas que ainda tem alguma coisa presa as coisas da terra. Ouço alguns comentários bem terrenos, preso as coisas terrenas. Ao saber do sofrimento de uma pessoa, a ponto de ser jogada na rua, com vício do alcool, de fato em pecado. Vejo alguns comentarem “mas fulana não pode fazer isso, a casa é dele, tem que dividir e não fazer isso, etc.” E falam, falam. Mas rezar um Terço, quem faz? E o pior, deveríamos pouco nos importar com o Civil, eu quero saber é o espiritual. Comentam a vida de uma pessoa totalmente mazelada, e a preocupação é a casa, e não que se ele morrer em estado de pecado mortal irá para o inferno. Quanta hipocrisia! Claro que devemos buscar a justiça aqui na terra, correr atrás dos nossos direitos. Mas como diz nosso Senhor: “Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo.” (Mateus 6,33). É, mas parece que tristemente as coisas se inverteram, e procuram-se primeiro as coisas do mundo, e depois mais coisas do mundo, e depois mais coisas do mundo, e talvez um dia busquem a Deus...

Outra vez ouvi um comentário um tanto quanto incoerente para com o Evangelho. Uma pessoa tinha fama de ser homossexual, mudou-se da cidade, e na outra cidade arrumou uma namorada. E o povo tava tudo “glorificando de pé” porque o rapaz arrumou namorada. O detalhe é que não se importam se estão vivendo ou não a castidade. Só não sei se eles sabem mas... Sodomia (prática homossexual) é pecado e vai para o inferno, assim como sexo fora do casamento também vai. Mas o problema não era a salvação das almas, era só o nome que poderia levar. Enquanto se perde tempo em conversas, que tal rezar?

E como tem faltado hoje em dia pessoas que estejam dispostas a pagar o preço pela salvação das almas. Cada um com seu talento. Pregando, cantando, limpando um chão, intercedendo... Pra pregar o cara cobra, pra cantar cobra 10x mais, pra limpar o chão não tem ninguém, pra interceder (o que é isso?). É uma realidade triste. Enquanto isso as almas estão se perdendo. É preciso rezar. Uns são chamados ao Senhor a uma vida bem mais íntima no sentido de vida religiosa, viver só disso, ser uma vítima como Santa Faustina. Outros são chamados mesmo como leigos a se sacrificar pelas almas. Como se faz necessário nos dias de hoje famílias santas que se sacrificam para educar cristãmente seus filhos. É preciso casais missionários que deem testemunho de que Jesus Cristo é o Senhor e salvador, e Maria Santíssima é a Mãe da humanidade. Não podemos mais ficar no comodismo, vendo o mundo desabar, as heresias crescerem, e a gente na rede tomando água-de-coco.

Vale lembrar outra coisa dita por Nossa Senhora aos pastorinhos em Fátima após Ela lhes mostrar o Inferno: “Vistes o Inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores. Para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração. Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz.” - Para salvar as almas precisamos ser esses apóstolos dos últimos dias, anunciar o Reino da Santíssima Virgem, para que venha por meio dEla o Reino de Cristo. Devemos pregar a penitência, o jejum, a conversão, como bem ensinava a mesma Virgem em uma aparição no Brasil no século passado. É preciso pagar o preço. Mas é válido lembrar que antes de fazer penitência pelos pecadores, vamos nós mesmos nos converter. Avante soldados da Imaculada.

Nossa Senhora também disse em Fátima que “Por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará”. Creiamos, rezando pedindo a intercessão de Nossa Senhora, Ela triunfará sobre todo pecado do gênero humano, e assim muitas almas serão salvas. Anunciemos a consagração a Nossa Senhora. Espalhemos pelo Brasil e pelo mundo. Espalhemos principalmente pelas famílias. As famílias estão sendo destruídas, mas uma família unida pelas contas do Rosário jamais se separará. Que a devoção da Santa Escravidão ensinada por São Luís Maria Grignion de Montfort se espalhe mais ainda, e entre em todas as famílias. Que as famílias sejam escravas de Jesus Cristo por meio de Maria Santíssima.

Para finalizar quero só relembrar que MUITAS almas estão se perdendo por falta de oração. Que tal passarmos a rezar pelos pecadores. Cada um na sua vocação, no seu estado de vida, mas unidos ao mesmo Coração de Mãe, para salvar as almas. Foi revelado para Santa Brígida que Nossa Senhora, por ter sido fiel até a cruz, recebeu os méritos de obter a salvação de quem Ela quiser. Então vamos fazer campanhas, cruzadas, de oração do Terço, do Rosário, Mil Ave-Marias, enfim, para a conversão dos pobres pecadores, santificação do clero, e o Triunfo do Imaculado Coração de Maria. Ninguém é sem função na Igreja, todos nós temos a função de orar sem cessar.

Que a Virgem Imaculada, modelo de fé e oração, nos dê a graça de termos almas penitentes e um coração que ame a Deus de tal modo que ame o próximo a ponto de se sacrificar pela salvação dele. Afinal, Deus não quer que ninguém vá para o inferno, no entanto, Ele também é justiça, e quando a pessoa rejeita a salvação, ela deve ir para este fim triste. No entanto, se nós amamos a Deus, a nossa oração aplacará a ira de Deus, e faremos Deus feliz porque um filho amado dEle não se condenará. Leiamos Santa Faustina e entenderemos este grande mistério.


Salve Maria Imaculada, refúgio dos pecadores.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário