quinta-feira, 22 de agosto de 2013

A FALTA DE CARIDADE: FRUTO PODRE DA TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO


Salve Maria Imaculada!

Eis que no tempo em que se fala tanto em respeito, em amor, em caridade; onde deturpam o real significado dessas palavras, usando até mesmo da própria doutrina da Igreja contra a própria Igreja; podemos refletir e ver que algumas ideologias eram boas somente nessa propaganda enganadora, porque a sua prática foi bem diferente. Um caso claro disso é a chamada “Teologia da Libertação” que é uma heresia presente em boa parte da América Latina. A TL, como é conhecida, já foi condenada por diversos Papas, incluindo o Papa Paulo VI – que falava de erros que ela poderia chegar, e de fato chegou - até o próprio Francisco que citou alguns erros presentes na TL, que é querer transformar a Igreja em uma “ONG piedosa”. Falam, falam, e falam muito de caridade, mas na realidade são marxistas, totalmente comunistas, e como comunistas estão excomungados da Igreja, são um bando de lobos vestidos de cordeiro. Sim, um bando de lobos ferozes para devorar as ovelhas, mas são revestidos de papinho de paz, amor, respeito, amor aos pobres.

A TL trouxe diversos problemas para a Igreja. Na realidade não somente a TL, mas diversos modernistas, maçons e “diabo a quatro” infiltrado dentro da Igreja para tentar destruí-la por dentro. Podemos citar diversos problemas litúrgicos. Podemos citar os discursos relativistas, omissões de Bispos que apóiam a TL, e deixam as almas se perderem, mas não perdem o cargo e a boa fama com os “poderosos” deste mundo. E é assim não somente com alguns Bispos, os que estão abaixo (padres, monsenhores, diáconos, leigos...) também; e até mesmo alguns Cardeais. Mas apesar de tanto problema, o que me deixa perplexo não é ver tanta gente ruim que deveria fazer as coisas certas não fazendo, mas sim ver quem deveria estar fazendo o certo não fazer nada. O máximo que alguns fazem é ficar na internet reclamando. Sim, a internet é um meio de apostolado, mas não podemos ficar parados na internet. Isso serve para a minha pessoa, e para você que está lendo.

Do que adianta eu dizer que a TL não está preocupada com os pobres verdadeiramente, exercendo a verdadeira caridade que é acompanhada da verdade, que eles são comunistas e não estão agindo de acordo com a Doutrina Social da Igreja; se eu, que sei fazer o certo, não o faço...? Não adianta de nada! Muitas pessoas, inclusive eu, derrubamos a falsa caridade da TL com um simples argumento: Beata Teresa de Calcutá fazia caridade, mas não era da Teologia da Libertação. Ou seja, ela fazia a caridade, mas não destruiu a doutrina da Igreja, não pisou nos sacramentos, não se revoltou contra o Papa, e não fez fortuna em cima dos pobres. A Teologia da Libertação quer “libertar” o pobre da pobreza. No entanto, a Beata Teresa de Calcutá, assim como São Francisco de Assis, não pregavam a libertação do pobre, mas se tornaram pobres. É bom lembrar este fato da vida de São Francisco de Assis, porque por aqui prega-se milhares de Franciscos diferentes. Ele queria ser nobre. Mas ele teve um encontro pessoal com Cristo que o fez mudar de ideia. Apesar de Francisco não ser de família nobre, o seu pai era comerciante, e eles tinham muito dinheiro. Francisco participou de muitas festas. Digamos que ele foi um jovem perdidão do mundo. Se fosse hoje talvez até teria dito “como é bom ser vida loka”. Mas ele, apesar da sua riqueza, não fez um movimento social (político/partidário) para fazer com que o proletariado vencesse toda a classe rica, e assim os pobres se libertassem, e todos fossem iguais. O que São Francisco fez? Largou a sua riqueza, e se tornou um mendigo, um andarilho, se vestindo de trapos, vivendo a radicalidade do evangelho, na sua particular vocação de ser pobre. É isso que o povo da TL faz? Nem sonhando! Se alguns adeptos da TL sonhar que é um mendigo, até mesmo desacreditando da mística católica, corre pra um exorcista exorcizar esse mau (digo exorcizar este mau porque alguns teólogos da libertação dizem que Jesus não expulsava demônio, era só uma força negativa da pessoa. Como ouvi de um sacerdote esses dias: quer saber o que é força negativa? Enfia o dedo na tomada e leve um choque. Que mania de querer negar a existência do demônio!).

Só que alguém precisa fazer essas obras de caridade corretamente. Fazer caridade verdadeira. E esse povo tem que ser nós. Sim, não podemos ficar esperando que a Beata Teresa e São Francisco ressuscite e voltem a fazer caridade com a verdade. Sigamos os exemplos destes e de tantos santos, e façamos obras de caridade. Chega de apontar os erros dos outros, mostrando o que é certo sem fazer nada. Queremos ser técnico de futebol que nunca jogou na vida. A gente corrige o “perna de pau”, aí a gente saca ele do time porque não presta mesmo (a TL não presta), mas e aí? Quem vai fazer a caridade agora? “Ah eu não posso, não é minha vocação”. E ficar na internet coçando, e coçando a língua, é vocação? Ou acomodação? Eu posso saber toda teoria, saber decorado milhares de documentos da Igreja, mas se eu não os cumpro, do que adianta? Ou se eu só cumpro o que convém, ou seja, só cumpro preceitos tranquilos, que não vai me tirar da minha paralisia de ver o mundo “zoado”, perdido, no pecado, e não mover uma “palha” para que Cristo seja conhecido, que recompensa teremos? Muita gente está morrendo de fome no Brasil e no mundo. Talvez perto de onde você more tem alguém passando necessidades. Você recebe muito bem, obrigado. Que tal pegar um pouco do seu dinheiro e juntar com outras pessoas e fazer uma cesta básica para ajudar essa família necessitada? “Olha aí, o Anderson a um modernista, um TL disfarçado, quer que ajudemos o pobre sem a verdade...” Em primeiro lugar: deixe de ser ridículo! Em segundo, se você estivesse na penúria talvez você quisesse que alguém te desse algo para comer. E queria falar mais alguma coisa: Dê cesta básica, ajude, alimente quem tem fome, dê de beber para quem tem sede, roupas para os nus... Mas também dê Deus para os que não tem o Sumo e Eterno Bem. Vá de encontro a essa família necessitada, e junto com uma cesta, peça permissão para que venham e rezem um terço com sua família, entregue-lhe uma medalha de Nossa Senhora das Graças abençoada, lhe explique o que significa e presenteie. Dê Bíblias para tais famílias. Adentre nas comunidades pobres, ensine o Catecismo para os meninos e meninas largados nas ruas. Dê o pão que alimenta o corpo, mas dê também o que alimenta a alma.

O problema é que nós ficamos tão chocados com o mau testemunho dos hereges, que em vez de sermos talvez uma Santa Teresa de Ávila e corrigir – como ela corrigiu o Carmelo junto com São João da Cruz – não, nós só dizemos, isso tá errado e não fazemos o certo. Lembro que quando eu participava de um determinado grupo, sugeri de fazermos uma sopa ou algo do tipo e distribuíssemos aos moradores de rua. Umas duas pessoas já até tinham aderido à ideia. Quando falei para a responsável do grupo, ela acabou me jogando um bande de água gelada. Disse ela que não podemos só querer da o pão para eles, mas que também devemos da o “pão da Palavra”. Porque não podemos cair no assistencialismo, como o espiritismo, etc. (Falou algo nesse sentido). Mas o que acontece? Eu não queria apenas dar a sopa e fim. Não era só assistencialismo. Mas até hoje, depois de anos, não chegou esse pão corporal para os moradores de rua, e muito menos o espiritual (pelo menos não no aspecto daquele grupo como eu imaginei na época). E de uma maneira geral é isso que está acontecendo. Nós citamos santos, e mostramos que não basta querer dar o alimento do corpo, mas alimentar a alma. Mas a gente não tem dado nem um nem outro.

O povo está tão apegado na sua mordomia, na sua acomodação, que com os discursos do Papa Francisco sobre pobreza, de amor aos pobres, algumas pessoas me surpreenderam com algumas declarações. O Papa nunca disse algo apoiando a TL. Mas só pelo fato de amar os pobres, teve gente que falou algo mais ou menos assim: “quanto discurso de amor aos pobres, Jesus também veio para os ricos”. Na boa? Isso é um absurdo! Jesus veio para os ricos, para os pobres, sãos e doentes. Mas, o cara aparenta estar tão apegado às riquezas, que basta discursos sobre amor aos pobres para a pessoa se revoltar e dizer “Opa, seu Francisco, eu sou rico, Jesus também me ama”. Será que é medo de ser como o jovem rico que seguia todos os mandamentos, mas quando Jesus pediu para largar todos os seus bens e segui-Lo ele se entristeceu e foi embora porque tinha muitos bens (cf. Mateus 19,16-29). É bom esclarecer que também não estou dizendo que só os pobres materiais herdarão o Reino dos Céus. Tem santos que tiveram uma vida um tanto quanto mais confortável (ainda mais comparada a São Francisco). O que é pecado é o apego ao dinheiro. O jovem seguia os mandamentos, mas tinha apego. Talvez você seja uma pessoa muito boa, mas é apegado ao seu dinheiro, que só paga o dízimo por ser lei, mas passou daí não dá aos pobres nem um centavo, não compra nada pra ajudar, e não tem nem mesmo a coragem de dar um abraço em um morador de rua fedido na rua. É, de fato, agindo assim, será que você também teria coragem de abraçar Jesus chagado, fedido, se entregando ao madeiro da Cruz?

E é tão verdade isso que falei, de que nós não estamos indo dar nem o pão corporal nem o espiritual (porque você não quer dar marmita para não acharem que você faz apenas assistencialismo? Ótimo! Pegue sua Bíblia, seu terço, e vá rezar e conversas com os moradores de rua. Isso não é muito típico da TL, avante jovem!) que uma vez ouvi algo interessante de um aparente morador de rua. Antes de começar a Missa de Nossa Senhora Aparecida na Esplanada dos Ministérios em Brasília, no ano de 2012, eu estava andando, e um senhorzinho não muito luxuoso como eu e você (se é que você me entende), estava entregando panfletos. Ele veio me dizer que sua esposa estava no hospital, e que ele também estava doente, e talvez amputaria suas pernas. Ele pediu que eu me lembrasse dele e rezasse por ele. O fato é que ele me falou algo que me marcou até hoje: “Meu sonho é ter um tau ou um escapulário!” Gente, um homem pobre, sujo, aparente morador de rua, com a mulher no hospital, e ele mesmo perigoso amputar suas pernas, não disse “meu sonho é que eu e minha mulher fiquemos curados, eu quero sair das ruas, quero tomar um banho e me perfumar com perfume francês, comer isso ou aquilo, morar em uma mansão no Lago sul...” Não, ele não falou nada disso! Ele nem mesmo citou marmita nem nada. Ele disse que seu sonho era ganhar um Tau ou um Escapulário de Nossa Senhora! Gente: Por que eu e você não estamos saindo do nosso comodismo e não estamos indo levar Tau's e Escapulários para ele e para tanto outros moradores de rua? Eu não recordo de tê-lo visto outra vez, se ele era real ou não, só sei que até hoje reflito nesse acontecimento, e chego a conclusão que o mundo só está zuado porque eu só o pior de todos que deveria fazer algo e não faço. Naquele Missa tinha várias pessoas vendendo terços e objetos religiosos para ir para a JMJ, não estou criticando, estavam certos de fazer algo para ver o Papa, mas ali pertinho tinha alguém que queria algo muito mais barato do que a ida para a JMJ, e que pode salvar a alma, conservar a fé...

Eu temo não estar conseguindo transmitir a mensagem da forma que eu queria. De estar embolando tudo. Mas é que os tempos são maus, e existem muitas pessoas boas, mas parece que toda bondade se encerra no Facebook.

O triste é quando alguém decide fazer caridade verdadeiramente, condena a TL e suas práticas abomináveis, e essa pessoa é perseguida pelos próprios “bons de papo”. Exemplo? Padre Roberto Lettieri e a Toca de Assis. O padre Roberto denunciou muitas práticas erradas, e então ele começou a ser perseguido. Ele e a Fraternidade Toca de Assis que ele fundou. Em alguns textos antigos pela internet, vi gente criticando a Toca de Assis só pelo fato de terem visto irmãos da Toca comendo pastel com moradores de rua pelas ruas da cidade. Ora, se eles vivem a pobreza, vivem junto com os moradores de rua, você queria que eles estivessem com os moradores de rua comendo caviar na sua casa? Engraçado, irmãos com moradores de rua são escândalo para alguns (se começarem a ver São Francisco que se fez mendigo...), mas seminaristas, padres, Bispos, estarem com os “poderosos” deste mundo, comendo bem nos restaurantes caros, com maçons e gente dessa laia, isso tudo bem, neh?

E isso acontece também com outros movimentos da Igreja. Fiquei sabendo através de algumas recentes pregações, que o Moisés Rocha está sofrendo perseguições terríveis, inclusive respondendo processo judicial por mentiras inventadas. Ele cuida de dependentes químicos, tem casa que cuida de crianças, e começaram a surgir falsas denúncias, calúnias, e está com grande dívida, inventaram que ele falsificou assinatura do Bispo, enquanto sua Comunidade é aprovada pelo Bispo, e por conta disso até encontros que ele pregaria cancelaram sua presença.

E falando em dependente químico: até quando vamos deixar os nossos jovens morrer na droga porque a gente não quer fazer nada? Até quando a gente vai torcer o nariz porque entra um ex dependente, que é protestante, no ônibus para contar testemunho e tentar conseguir fundos para a casa de recuperação que largou a droga? Sabe porque falo isso: Se foi um lobo protestante e o tirou da droga, é porque faltou um profeta para tirá-lo! Não adianta você acusar o cara de herege, não. O cara nem a Deus conhecia, aí os únicos que estenderam a mão foram os protestantes, o que você queria que ele fizesse? Talvez se você saísse do seu comodismo e fundasse uma casa de recuperação... É muito fácil tacar pedra, o difícil é pegar essas pedras e construir algo para a glória de Deus. E isso vale para a evangelização nos presídios. Presidiários e dependentes químicos são sempre chamados de “caso perdido” pelas pessoas. No entanto, caso perdido será eu e você se não fizermos algo pela glória de Deus. Muitos dos católicos que comandam os serviços sociais como a evangelização em presídios são de fato da TL. Mas lembro de quando eu ajudei um determinado ministério a evangelizar em um presídio. Um frei que era o responsável da Igreja naquele obra, disse que nós (este ministério) tinha sido o primeiro grupo católico que procurava fazer o trabalho de evangelização lá. Olha o quanto de grupos e comunidades que temos na Igreja, e nós fomos o primeiro. Isso é uma vergonha! (Ele falava que eram os primeiros católicos porque não contava com os seminaristas que acabava sendo apenas um “estagio” pastoral). Talvez você diga que é caso perdido, ou que eles tem outra religião. Olha, eu encontrei lá pessoas que dizia professar o catolicismo, protestantismo e ateus. Só faltou você lá para anunciar a Cristo vivo e real que pode mudar a vida deles, e anunciar o amor dEle na Sua única Igreja! Foi até orientado não levar o ínone de Nossa Senhora para não ofender os outros jovens que não eram católicos. Sabe o que aconteceu? Ao final do grupo de oração, eles mesmos, sozinhos, rezavam o Pai Nosso, AVE MARIA, Santo Anjo... Eu confesso que as lágrimas quiseram cair, pois havia ficado chateado com o fato de não levar o ícone de Nossa Senhora, e depois vi eles rezando a AVE MARIA. Os que não acreditam em Nossa Senhora não rezavam. Depois em outras oportunidades entravamos com camisa de Nossa Senhora, eu falava em de Nossa Senhora para alguns jovens. É isso que está faltando! Os jovens estão confundidos dentro do presídio. Precisamos entrar e anunciar a Palavra do Senhor que MUDA a vida, e não o falso evangelho TL. Uma mulher que já tinha muita experiência com evangelização de presidiários disse que uma vez no CAJE, um jovem disse mais ou menos assim: “tia, eu não sei o que seguir, de manhã vem aqui os espíritas, depois vem o pessoal de tal igreja, aí agora tem vocês, eu não sei o que seguir”. Será que os hereges não estão tendo espaço porque nós estamos sendo convardes?

Uma outra vez teve Missa em uma Capela de um centro de internação de menores infratores, e os jovens ficavam perguntando o do porque disso, daquilo, porque faz isso e aquilo outro. Fico vendo na internet tanta gente querendo ser Bispo e excomungar uns aos outros por causa de liturgia (Claro que temos que de fato combater os erros litúrgicos), mas não vejo ninguém querendo ensinar liturgia para os meninos (sim, meninos, meninos criminosos, até mesmo homicidas, mas não chegam a ser pior do que nós que matamos a alma deles por causa da nossa omissão de anunciar Cristo para eles), não tem tantos padres para ir celebrar Missa lá e nem mesmo atender confissão. Talvez se eu conseguir algum patrocínio e autorizarem fazer show dentro do presídio tenhamos confissão e tudo mais. Até mesmo dentro da TL, é muito padre querendo passar a mão na cabeça e falando que tem que ir nesses lugares, mas os meninos delinquentes não se tornam santos porque não tem o sangue de Cristo sendo derramados neles pela Confissão e nem a força da Eucaristia. Alguns já fizeram catequese mas sabemos que a catequese em muitos lugares é frágil. Eles se desviaram. Que tal ir nesses lugares e dar uma catequese, preparar esses jovens. Ah não é sua vocação? E sua vocação é ler este texto e me xingar e criticar? Isso vai estar salvando quem? Ah você reza por eles? Você reza por eles, ou reza para que eles e os hereges ardam nos quintos dos infernos? A gente reza, mas alguém tem que agir? Que tal Ora et Labora? Vamos rezar e nós mesmo trabalhar. A TL deturpou tanto nosso pensamento, que a gente reza pouco, e esse pouco é mau rezado, e não age de forma nenhuma.

Presidiários necessitam de Bíblias. Então crie vergonha na cara e dê Bíblias para presidários, mas Bíblias de verdade e não as protestantes que são mutiladas. Peça autorização e dê medalhas de Nossa Senhorada das Graças, livrinhos, novenas, FAÇA ALGUMA COISA SEU ACOMODADO. O inferno terá um lugar “especial” para os preguiçosos. E a cada alma que cair no inferno por causa da nossa acomodação, o tormento aumentará. E tudo isso porque a gente não quis fazer o que o Senhor nos mandou: amar Ele na pessoa do pobre.

Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, se sentará no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. Colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então, o Rei dirá aos que estão à direita: 'Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo, porque tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era peregrino e me acolhestes; nu e me vestistes; enfermo e me visitastes; estava na prisão e viestes a mim'. Os justos perguntarão: 'Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos peregrino e te acolhemos, nu e te vestimos? Quando foi que te vimos enfermo ou na prisão e te fomos visitar?'. Responderá o Rei: 'Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isso a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes'.
Ele se voltará em seguida para os da sua esquerda e lhes dirá: 'Retirai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos. Porque tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber; era peregrino e não me acolhestes; nu e não me vestistes; enfermo e na prisão e não me visitastes'. Também estes lhe perguntarão: 'Senhor, quando foi que te vimos com fome, com sede, peregrino, nu, enfermo, ou na prisão e não te socorremos?' E ele responderá: 'Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que deixastes de fazer isso a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer'.
'E estes irão para o castigo eterno, e os justos, para a vida eterna'” (Mateus 25,31-46)

Faça algo! Faça pastoral de rua, visite os enfermos, reze o Terço Mariano e também o da Misericórdia para que os agonizantes possam ir em paz (Como ensinou Jesus à Santa Faustina). Viste os presidiários. Dê comida para os famintos. Salve as almas!


Salve Maria Imaculada!



Nenhum comentário:

Postar um comentário