sábado, 31 de agosto de 2013

Cuidado com alguns escravos de Nossa Senhora

Salve Maria Imaculada!

Gostaria de neste post falar de algo muito sério que tem acontecido dentro de alguns movimentos da Igreja. Quero dedicar este post especialmente para meus irmãos consagrados à Nossa Senhora pelo método de São Luís Maria Grignion de Montfort, e desde já refazer o convite de renovar os votos de vida nova, e deixar de ser escravo do demônio, para de fato ser escravo de Jesus Cristo pelas mãos de Nossa Senhora. Tem ocorrido que em alguns lugares, alguns escravos – quero crer que por ignorância e não por má-fé – têm sido contra testemunhos, tem “minado”, tem de fato afastado outras pessoas de se consgrarem. E por que isso? Talvez porque nos achemos mais santos que os outros, e não estejamos agindo como é dito no Tratado, que é agir com Maria, por Maria e em Maria. E se nós continuarmos agindo com o nosso coração podre, continuaremos afastando as pessoas de Deus. Por isso temos que agir pelo Coração Imaculado da Virgem Maria.

Leia o seguinte texto das Sagradas Escrituras que talvez você entenderá o que eu estou querendo dizer:
Ao ver, porém, que muitos dos fariseus e dos saduceus vinham ao seu batismo, disse-lhes: 'Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da cólera vindoura? Dai, pois, frutos de verdadeira penitência. Não digais dentro de vós: Nós temos a Abraão por pai! Pois eu vos digo: Deus é poderoso para suscitar destas pedras filhos a Abraão. O machado já está posto à raiz das árvores: toda árvore que não produzir bons frutos será cortada e lançada ao fogo [...]” (Mateus 3,7-10)

Da mesma forma que o povo judeu tinha Abraão por pai, com muito mais autoridade nós, povo de Deus, temos à Virgem Maria por Mãe. E digo com muito mais autoridade porque foi o próprio Deus encarnado que nos deu Ela como nossa Mãe! (Cf. João 19,25-27). No entanto, temos observado que estamos a ter uma falsa devoção em relação à Nossa Senhora, semelhante a que tinha os fariseus e os saduceus em relação a Abraão. Existe muito pseudo devoto de Nossa Senhora – inclusive de corrente no braço, escapulário, medalha, terço/rosário, etc. - que tem feito coisas terríveis e se vale dizendo que é filho de Maria! Muitos vivem em estado de pecado mortal, obstinado no pecado, não aceitam que ninguém lhe dê um conselho, dizem que não vão mudar de vida... Sabe por quê? “Porque sou filho de Maria! Ela me levará para o Céu...!” Ou então: “Basta ter fé amado, eu uso o escapulário, vou pro Céu!”. Ou os mais obstinados dizem o famoso “eu nasci assim, eu sou assim, Deus e Nossa Senhora me amam dessa forma!”. E tristemente muitos acabam por cair no engano do demônio, achando que abusando da devoção à Nossa Senhora irão para o Céu. Ora, a devoção à Nossa Senhora não é justamente para nos ajudar a lutar contra o pecado? A espada não é desculpa pra derrota, a espada é para atacar o inimigo e sair vencedor. Podemos nos ferir, mas por nossa fraqueza, não por covardia. E muitos tem continuado numa vida podre no pecado, dizendo que é escravo de Nossa Senhora. No entanto, vive como escravo do demônio.

Muitos podem dizer que é radicalismo da minha parte. No entanto, vejam o que o próprio São Luís escreve no Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Maria sobre os Devotos Presunçosos: “ Os devotos presunçosos são pecadores abandonados a suas paixões, ou amantes do mundo, que, sob o belo nome de cristãos e devotos da Santíssima Virgem, escondem ou o orgulho, ou a avareza, ou a impureza, ou a embriaguez, ou a cólera, ou a blasfêmia, ou a maledicência, ou a injustiça, etc.; que dormem placidamente em seus maus hábitos, sem violentar-se muito para se corrigir, alegando que são devotos da Virgem; que prometem a si mesmos que Deus lhes perdoará, que não hão de morrer sem confissão, e não serão condenados porque recitam seu terço, jejuam aos sábados, pertencem à confraria do santo Rosário ou do Escapulário, ou a alguma congregação; porque trazem consigo o pequeno hábito ou a cadeiazinha da Santíssima Virgem, etc.” (TVD. Nº 97) - “ Não há, no cristianismo, coisa tão condenável como essa presunção diabólica; pois será possível dizer de verdade que se ama e honra a Santíssima Virgem, quando, pelos pecados, se fere, se traspassa, se crucifica e ultraja impiedosamente a Jesus Cristo, seu Filho? Se Maria considerasse uma lei salvar essa espécie de gente, ela autorizaria um crime, ajudaria a crucificar e injuriar seu próprio Filho. Que o ousaria pensar?” (TVD. Nº 98) – Isso quer dizer que para se consagrar a Nossa Senhora eu nunca mais devo pecar? Bom, sabemos que pela nossa natureza corrompida é muito difícil não pecar. No entanto, devemos lutar contra o pecado. O problema não é a queda, o problema é permanecer caído e dizer que tudo bem. É por isso que São Paulo diz em Hebreus 12,4: “Ainda não tendes resistido até o sangue na luta contra o pecado.”. São Domingos Sávio – que era escravo da Santíssima Virgem – dizia: “Antes morrer do que pecar!”. Se nós caímos no pecado, devemos correr depressa até um padre para nos confessarmos. E não ficar dizendo que porque sou escravo de Nossa Senhora tudo bem, que eu vou pro Céu. Ora, se você morrer em pecado mortal, obstinado, na inimizade com Deus, você vai para o inferno com corrente e tudo. O próprio São Luís nos fala: “ Digo que abusar assim da devoção à Santíssima Virgem, a mais santa e mais sólida devoção a Nosso Senhor e ao Santíssimo Sacramento, é cometer um horrível sacrilégio, o maior e o menos perdoável, depois do sacrilégio de uma comunhão indigna.
Confesso que, para ser alguém verdadeiramente devoto da Santíssima Virgem, não é absolutamente necessário ser santo ao ponto de evitar todo pecado, conquanto seja este o ideal; mas é preciso ao menos (note-se bem o que vou dizer):
Em primeiro lugar, estar com a resolução sincera de evitar ao menos todo pecado mortal, que ofende tanto a Mãe como o Filho.
Segundo, fazer violência a si mesmo para evitar o pecado.
Terceiro, filiar-se a confrarias, rezar o terço, o santo rosário ou outras orações, jejuar aos sábados, etc.”(TVD. Nº 99)

Mas tenho que confessar que o que me motivou a escrever este texto não foi nem esses falsos devotos escancarados que sujam o manto da Santíssima Virgem de forma tão podre. O que me motivou são os falsos devotos, também presunçosos, mas que usando algo bom, dá um testemunho mau. Explico-me: São Luís fala que os falsos devotos – no caso os devotos presunçosos – escondem, sob o nome de devotos da Santíssima Virgem – e aqui deixemos as claras: escravos de Nossa Senhora – alguns pecados, dentre eles o orgulho. Ah! Como tem escravo de Nossa Senhora dominado pelo orgulho! Assim como os fariseus e os saduceus eram orgulhosos, se valiam de serem filhos de Abraão, mas com orgulho, muitos hoje se valem de filhos e filhas de Nossa Senhora, mas com orgulho. E eles tem afastado muita gente da devoção à Nossa Senhora. E repito: quero crer que seja por ignorância, e não por má-fé! A seguir quero dizer alguns pontos que tem ocorrido, e que as pessoas têm dado brecha para o demônio.

Modéstia: Quero começar falando sobre a modéstia, pois aqueles que leem este blog ou assiste meus videos sabe que sou completamente a favor das mulheres, assim como os homens, se vestirem modestamente, como convém aos filhos da Igreja. No entanto, tem muita gente – e preciso dizer que a maioria são mulheres – tem mostrado toda sua soberba e orgulho neste ponto. E ainda se valendo de imitarem à Santíssima Virgem. Muita gente tem associado à Santa Escravidão de amor com a modéstia. No entanto, precisamos ser sinceros: São Luís não aborda nada sobre roupas (pelo menos não explicitamente). Sabe por quê? Porque na época de São Luís ele não poderia imaginar a podridão das imodéstias que viriam para os nossos tempos. Nós não podemos associar diretamente uma coisa com outra por um motivo muito simples: não são apenas as escravas de Nossa Senhora que devem usar roupas não censuais, mas sim TODAS as mulheres cristãs católicas! A modéstia não está ligada necessariamente à devoção à Nossa Senhora, mas sim a moral da Igreja. Houve Papas que no século passado alertaram o povo sobre as imodéstias. Santos como São Padre Pio também foram grandes defensores da modéstia. No entanto, tem mulher que está virando psicopata em relação a modéstia. Explico-me novamente: tem mulher que só veste roupa modesta pra se aparecer. Fulana tá usando, vou usar, e depois quer obrigar outras a usarem também. Muitas garotas não sabe nem o porque está usando saia e vestidos longos e modestos, e sai dando contra testemunho. Por exemplo: muitas garotas ao dizer que não usam calças jeans não dizem de todo processo de evolução da calça em relação aos movimentos feministas, da feminilidade, etc. Simplesmente que enfiar o vestido nas garotas. E você acreditando ou não, tem afastado muita gente da Consagração à Nossa Senhora. Na minha Paróquia satanás tem usado isso. Graças a Deus muitas garotas estão usando roupas modestas e o véu. Mas aí uma pessoa foi perguntar para uma garota sobre a Santa Escravidão, como era, o que deveria fazer, etc., alguns escravas disseram para ela que ao se consagrar era OBRIGADO usar saia longa, véu... Opa, como assim obrigada? Sabe o que aconteceu? Uma outra escrava, posteriormente, conversando com ela, chamou ela para se consagrar, e disse que não tinha nada a ver isso de ser obrigada a usar saia longa e véu, e então ela ficou tão chateada, que disse que não se consagraria. Muitos podem dizer “Ah, mas ela não amava verdadeiramente para abandonar a consagração”. E eu digo: quem de nós amava tanto Nossa Senhora quando nos consagramos? Aliás, será que temos amado Ela hoje depois de tanto tempo de consagrados? E outra, cada um tem seu tempo, alguns demoram mais, outros menos, e é justamente a Santa Escravidão que dá uma engrenada na espiritualidade de muitos. E eis que deram lugar pro demônio, e não foi a jovem que desistiu, mas sim as escravas que inventaram coisas dizendo que era obrigado a usar véu e saia.

É sempre bom lembrar isso, porque muitas escravas que hoje querem obrigar todo mundo a usar saia e véu, antes de se consagrar - e mesmo depois de consagrada por um tempo – se vestiam como piriguetes, e no entanto Nossa Senhora mudou, não mudou? Foi a vivência da Consagração que fez mudar, não foi? Não é saia e véu que vai fazer a pessoa ser um verdadeiro devoto, mas sim se tornando um verdadeiro devoto que vai – se for vontade da Imaculada – usar saia e véu. Não, não estou pregando contra a modéstia. Quero pregar, anunciar a necessidade da modéstia. Pois a própria Santíssima Virgem disse em Fátima que viriam modas que ofenderiam muito à Nosso Senhor. Uma vez uma escrava me disse: “Nossa, me dá uma agonia quando eu vejo uma escrava de calça...”. No entanto, será que essa escrava sabe sobre a modéstia? Será que essa escrava tem dinheiro pra renovar seu guarda-roupas? É muito orgulho! Até porque muitas garotas não usam as calças super, hiper, mega apertada. Sabe, aquela calça que maca até o útero? Tem gente que usa pela cultura, porque virou algo normal, e muitas não estão usando nada censual. Se nós quisermos obrigar as pessoas a usar saia e véu, iremos afastar as pessoas. Um sacerdote – que também prega a favor da modéstia – me disse certa vez que atende garotas, virgens, que tem um profundo desejo de amar a Deus, mas que por fora tem uma imodéstia terrível, porque aquilo não são elas, é uma bagunça na vida da pessoa. Então, meus amados escravos e escravas de Nossa Senhora, busquemos anunciar a Santíssima Virgem, e não impor as coisas assim. E não preciso citar nenhum santo, mas sim pecadores, no caso VOCÊ. Olha como era sua vida antes de se consagrar à Nossa Senhora, e olha hoje. Eu digo por mim, quando eu me consagrei eu só queria ser o jovial ao me vestir. Quando me consagrei na Milícia da Imaculada eu estava usando um Terno. Não precisou ninguém me enfiar dentro de um terno. Simplesmente a vivência com Nossa Senhora muda. Já pensou se me dissessem que para eu ser escravo de Nossa Senhora eu seria obrigado a parar de ouvir meus raps – que na época eu achava que era inofensíveis? Eu enlouqueceria. Mas me tornei escravo de Nossa Senhora, e aos poucos eu vi que aquilo não era bom, e deveria imitar à Santíssima Virgem, me afastando do que me afasta de Deus.

Eu sinto agonia com roupas imodestas, ainda mais por que sou homem. Sinto agonia quando vejo dentro do templo santo de Deus meninas com corrente no braço e ausência de pano, usando mini shosts, minissaias, porque aí é algo já escancarado. E mesmo essas devemos ser misericordiosos, porque, como já dito aqui, é uma bagunça interior. Só que a gente não reza nenhuma ave maria pela pessoa e já chega querendo impor as coisas.

Esse negócio da modéstia está tão complicado, que fiquei sabendo de uma garota que se consagrou à Nossa Senhora em uma determinada comunidade, mas que hoje tem aversão à modéstia e também ao véu. Motivo? O responsável pela comunidade OBRIGOU a todas as garotas a usarem saia longa e véu. Não, não eram consagradas da comunidade – pelo que me falaram – mas sim pessoas que queriam se consagrar junto com a comunidade. Bom, se queríamos um apostolado a favor da modéstia, neste caso o tiro saiu pela culatra, e devemos rezar em reparação para que a pessoa entenda o verdadeiro sentido da modéstia.

Agir: Uma coisa que fiquei mais “de cara” foi o que uma garota veio tirar uma dúvida comigo. Meus queridos, tem uns “escravos” de Nossa Senhora que está engessando tanto a Santa Escravidão, fazendo dela algo próprio com suas regras – como os fariseus – que uma garota uma vez veio me perguntar se as escravas de Nossa Senhora podiam ir para shows católicos, levantar as mãos em louvor, etc. Porque disseram para ela que era imodesto e não convinha uma escrava de Nossa Senhora... Ah! Rebaixe esse orgulho! Onde está escrito no Tratado que não se pode louvar? Existem várias espiritualidades diferentes. Aí a garota, que era de grupo de oração da RCC, quer se consagrar, e vem uns escravos agindo pelo mal, dizer pra garota que não pode levantar os braços, que não pode ir pra shows... Façam-me o favor: vão pra clausura! Não, não to dizendo que você é tão radical que tem que ser monge. To dizendo que você é tão topeira afastando as pessoas da santíssima Virgem, que é melhor você sair da convivência e ir pra um lugar rezervado a oração, porque talvez tua oração faça melhor as almas do que tuas palavras. O problema é se nem os mosteiros aguentarem teu orgulho e soberba.

Muitos falam que a RCC não presta. De fato, acontece muita coisa errada. Mas uma pessoa da RCC quer ser toda de Maria Santíssima, aí a gente faz o favor de tirar a devoção. Seja sincero, não digo em relação a RCC enquanto instituição, mas quem mais tem espalhado o Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem são pessoas e movimentos de espiritualidade Carismática. Esses jovens caristmáticos, com corrente no braço, querendo viver a radicalidade evangélica, tem buscado ser os Apóstolos dos últimos tempos, e sabem que só se consagrando à Virgem Maria o Espírito Santo vai agir e mudar a vida dos pecadores. Já tem escravo que ainda é escravo do demônio pelo orgulho, só quer que se consagrem à Santíssima Virgem Maria quando for santo. Ora, a consagração é que nos faz santos. Se fossem só santos para se consagrar, porque deixaram você se consagrar? Se fossem só os santos, o Tratado nos seria dado na porta de saída do purgatório, para nos consagrarmos na hora de entrar no Céu. Mas muitos vão para o inferno, porque nós estamos afastando eles do Céu, este Céu que é o ventre Imaculado da Santíssima Virgem.

E saibam mais: tem padre que não deixou que se formasse grupos de formação ou eventos sobre o Tratado em suas paróquias, por causa desses abusos, porque um diz uma coisa, outro quer obrigar outro a tal coisa. Parabéns, vocês conseguiram ser fariseus e saduceus dos novos tempos, se valendo de escravos da Santíssima Virgem, sem obras de penitência, sem rezar, sem evangelizar. Saibam, que das pedras Deus pode fazer surgir escravos de Nossa Senhora muito mais santos, zelosos, misericordiosos, e que amam muito mais a Deus e a Santíssima Virgem do que nós. Já que somos escravos de Nossa Senhora, imitemos suas virtudes, e não nos esqueçamos agir com misericórdia, como Ela agiu conosco. Não se esqueça de rezar.

Você que quer se consagrar e se vê confuso: Consagra-te! Nossa Senhora das Graças pisará na cabeça da serpente, e afastará toda confusão e te fará santo(a)!


Por fim o Meu Imaculado Coração Triunfará!” (Nossa Senhora em Fátima, 1917)

Para ficar claro sobre a modéstia:






Salve Maria Imaculada!

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

A FALTA DE CARIDADE: FRUTO PODRE DA TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO


Salve Maria Imaculada!

Eis que no tempo em que se fala tanto em respeito, em amor, em caridade; onde deturpam o real significado dessas palavras, usando até mesmo da própria doutrina da Igreja contra a própria Igreja; podemos refletir e ver que algumas ideologias eram boas somente nessa propaganda enganadora, porque a sua prática foi bem diferente. Um caso claro disso é a chamada “Teologia da Libertação” que é uma heresia presente em boa parte da América Latina. A TL, como é conhecida, já foi condenada por diversos Papas, incluindo o Papa Paulo VI – que falava de erros que ela poderia chegar, e de fato chegou - até o próprio Francisco que citou alguns erros presentes na TL, que é querer transformar a Igreja em uma “ONG piedosa”. Falam, falam, e falam muito de caridade, mas na realidade são marxistas, totalmente comunistas, e como comunistas estão excomungados da Igreja, são um bando de lobos vestidos de cordeiro. Sim, um bando de lobos ferozes para devorar as ovelhas, mas são revestidos de papinho de paz, amor, respeito, amor aos pobres.

A TL trouxe diversos problemas para a Igreja. Na realidade não somente a TL, mas diversos modernistas, maçons e “diabo a quatro” infiltrado dentro da Igreja para tentar destruí-la por dentro. Podemos citar diversos problemas litúrgicos. Podemos citar os discursos relativistas, omissões de Bispos que apóiam a TL, e deixam as almas se perderem, mas não perdem o cargo e a boa fama com os “poderosos” deste mundo. E é assim não somente com alguns Bispos, os que estão abaixo (padres, monsenhores, diáconos, leigos...) também; e até mesmo alguns Cardeais. Mas apesar de tanto problema, o que me deixa perplexo não é ver tanta gente ruim que deveria fazer as coisas certas não fazendo, mas sim ver quem deveria estar fazendo o certo não fazer nada. O máximo que alguns fazem é ficar na internet reclamando. Sim, a internet é um meio de apostolado, mas não podemos ficar parados na internet. Isso serve para a minha pessoa, e para você que está lendo.

Do que adianta eu dizer que a TL não está preocupada com os pobres verdadeiramente, exercendo a verdadeira caridade que é acompanhada da verdade, que eles são comunistas e não estão agindo de acordo com a Doutrina Social da Igreja; se eu, que sei fazer o certo, não o faço...? Não adianta de nada! Muitas pessoas, inclusive eu, derrubamos a falsa caridade da TL com um simples argumento: Beata Teresa de Calcutá fazia caridade, mas não era da Teologia da Libertação. Ou seja, ela fazia a caridade, mas não destruiu a doutrina da Igreja, não pisou nos sacramentos, não se revoltou contra o Papa, e não fez fortuna em cima dos pobres. A Teologia da Libertação quer “libertar” o pobre da pobreza. No entanto, a Beata Teresa de Calcutá, assim como São Francisco de Assis, não pregavam a libertação do pobre, mas se tornaram pobres. É bom lembrar este fato da vida de São Francisco de Assis, porque por aqui prega-se milhares de Franciscos diferentes. Ele queria ser nobre. Mas ele teve um encontro pessoal com Cristo que o fez mudar de ideia. Apesar de Francisco não ser de família nobre, o seu pai era comerciante, e eles tinham muito dinheiro. Francisco participou de muitas festas. Digamos que ele foi um jovem perdidão do mundo. Se fosse hoje talvez até teria dito “como é bom ser vida loka”. Mas ele, apesar da sua riqueza, não fez um movimento social (político/partidário) para fazer com que o proletariado vencesse toda a classe rica, e assim os pobres se libertassem, e todos fossem iguais. O que São Francisco fez? Largou a sua riqueza, e se tornou um mendigo, um andarilho, se vestindo de trapos, vivendo a radicalidade do evangelho, na sua particular vocação de ser pobre. É isso que o povo da TL faz? Nem sonhando! Se alguns adeptos da TL sonhar que é um mendigo, até mesmo desacreditando da mística católica, corre pra um exorcista exorcizar esse mau (digo exorcizar este mau porque alguns teólogos da libertação dizem que Jesus não expulsava demônio, era só uma força negativa da pessoa. Como ouvi de um sacerdote esses dias: quer saber o que é força negativa? Enfia o dedo na tomada e leve um choque. Que mania de querer negar a existência do demônio!).

Só que alguém precisa fazer essas obras de caridade corretamente. Fazer caridade verdadeira. E esse povo tem que ser nós. Sim, não podemos ficar esperando que a Beata Teresa e São Francisco ressuscite e voltem a fazer caridade com a verdade. Sigamos os exemplos destes e de tantos santos, e façamos obras de caridade. Chega de apontar os erros dos outros, mostrando o que é certo sem fazer nada. Queremos ser técnico de futebol que nunca jogou na vida. A gente corrige o “perna de pau”, aí a gente saca ele do time porque não presta mesmo (a TL não presta), mas e aí? Quem vai fazer a caridade agora? “Ah eu não posso, não é minha vocação”. E ficar na internet coçando, e coçando a língua, é vocação? Ou acomodação? Eu posso saber toda teoria, saber decorado milhares de documentos da Igreja, mas se eu não os cumpro, do que adianta? Ou se eu só cumpro o que convém, ou seja, só cumpro preceitos tranquilos, que não vai me tirar da minha paralisia de ver o mundo “zoado”, perdido, no pecado, e não mover uma “palha” para que Cristo seja conhecido, que recompensa teremos? Muita gente está morrendo de fome no Brasil e no mundo. Talvez perto de onde você more tem alguém passando necessidades. Você recebe muito bem, obrigado. Que tal pegar um pouco do seu dinheiro e juntar com outras pessoas e fazer uma cesta básica para ajudar essa família necessitada? “Olha aí, o Anderson a um modernista, um TL disfarçado, quer que ajudemos o pobre sem a verdade...” Em primeiro lugar: deixe de ser ridículo! Em segundo, se você estivesse na penúria talvez você quisesse que alguém te desse algo para comer. E queria falar mais alguma coisa: Dê cesta básica, ajude, alimente quem tem fome, dê de beber para quem tem sede, roupas para os nus... Mas também dê Deus para os que não tem o Sumo e Eterno Bem. Vá de encontro a essa família necessitada, e junto com uma cesta, peça permissão para que venham e rezem um terço com sua família, entregue-lhe uma medalha de Nossa Senhora das Graças abençoada, lhe explique o que significa e presenteie. Dê Bíblias para tais famílias. Adentre nas comunidades pobres, ensine o Catecismo para os meninos e meninas largados nas ruas. Dê o pão que alimenta o corpo, mas dê também o que alimenta a alma.

O problema é que nós ficamos tão chocados com o mau testemunho dos hereges, que em vez de sermos talvez uma Santa Teresa de Ávila e corrigir – como ela corrigiu o Carmelo junto com São João da Cruz – não, nós só dizemos, isso tá errado e não fazemos o certo. Lembro que quando eu participava de um determinado grupo, sugeri de fazermos uma sopa ou algo do tipo e distribuíssemos aos moradores de rua. Umas duas pessoas já até tinham aderido à ideia. Quando falei para a responsável do grupo, ela acabou me jogando um bande de água gelada. Disse ela que não podemos só querer da o pão para eles, mas que também devemos da o “pão da Palavra”. Porque não podemos cair no assistencialismo, como o espiritismo, etc. (Falou algo nesse sentido). Mas o que acontece? Eu não queria apenas dar a sopa e fim. Não era só assistencialismo. Mas até hoje, depois de anos, não chegou esse pão corporal para os moradores de rua, e muito menos o espiritual (pelo menos não no aspecto daquele grupo como eu imaginei na época). E de uma maneira geral é isso que está acontecendo. Nós citamos santos, e mostramos que não basta querer dar o alimento do corpo, mas alimentar a alma. Mas a gente não tem dado nem um nem outro.

O povo está tão apegado na sua mordomia, na sua acomodação, que com os discursos do Papa Francisco sobre pobreza, de amor aos pobres, algumas pessoas me surpreenderam com algumas declarações. O Papa nunca disse algo apoiando a TL. Mas só pelo fato de amar os pobres, teve gente que falou algo mais ou menos assim: “quanto discurso de amor aos pobres, Jesus também veio para os ricos”. Na boa? Isso é um absurdo! Jesus veio para os ricos, para os pobres, sãos e doentes. Mas, o cara aparenta estar tão apegado às riquezas, que basta discursos sobre amor aos pobres para a pessoa se revoltar e dizer “Opa, seu Francisco, eu sou rico, Jesus também me ama”. Será que é medo de ser como o jovem rico que seguia todos os mandamentos, mas quando Jesus pediu para largar todos os seus bens e segui-Lo ele se entristeceu e foi embora porque tinha muitos bens (cf. Mateus 19,16-29). É bom esclarecer que também não estou dizendo que só os pobres materiais herdarão o Reino dos Céus. Tem santos que tiveram uma vida um tanto quanto mais confortável (ainda mais comparada a São Francisco). O que é pecado é o apego ao dinheiro. O jovem seguia os mandamentos, mas tinha apego. Talvez você seja uma pessoa muito boa, mas é apegado ao seu dinheiro, que só paga o dízimo por ser lei, mas passou daí não dá aos pobres nem um centavo, não compra nada pra ajudar, e não tem nem mesmo a coragem de dar um abraço em um morador de rua fedido na rua. É, de fato, agindo assim, será que você também teria coragem de abraçar Jesus chagado, fedido, se entregando ao madeiro da Cruz?

E é tão verdade isso que falei, de que nós não estamos indo dar nem o pão corporal nem o espiritual (porque você não quer dar marmita para não acharem que você faz apenas assistencialismo? Ótimo! Pegue sua Bíblia, seu terço, e vá rezar e conversas com os moradores de rua. Isso não é muito típico da TL, avante jovem!) que uma vez ouvi algo interessante de um aparente morador de rua. Antes de começar a Missa de Nossa Senhora Aparecida na Esplanada dos Ministérios em Brasília, no ano de 2012, eu estava andando, e um senhorzinho não muito luxuoso como eu e você (se é que você me entende), estava entregando panfletos. Ele veio me dizer que sua esposa estava no hospital, e que ele também estava doente, e talvez amputaria suas pernas. Ele pediu que eu me lembrasse dele e rezasse por ele. O fato é que ele me falou algo que me marcou até hoje: “Meu sonho é ter um tau ou um escapulário!” Gente, um homem pobre, sujo, aparente morador de rua, com a mulher no hospital, e ele mesmo perigoso amputar suas pernas, não disse “meu sonho é que eu e minha mulher fiquemos curados, eu quero sair das ruas, quero tomar um banho e me perfumar com perfume francês, comer isso ou aquilo, morar em uma mansão no Lago sul...” Não, ele não falou nada disso! Ele nem mesmo citou marmita nem nada. Ele disse que seu sonho era ganhar um Tau ou um Escapulário de Nossa Senhora! Gente: Por que eu e você não estamos saindo do nosso comodismo e não estamos indo levar Tau's e Escapulários para ele e para tanto outros moradores de rua? Eu não recordo de tê-lo visto outra vez, se ele era real ou não, só sei que até hoje reflito nesse acontecimento, e chego a conclusão que o mundo só está zuado porque eu só o pior de todos que deveria fazer algo e não faço. Naquele Missa tinha várias pessoas vendendo terços e objetos religiosos para ir para a JMJ, não estou criticando, estavam certos de fazer algo para ver o Papa, mas ali pertinho tinha alguém que queria algo muito mais barato do que a ida para a JMJ, e que pode salvar a alma, conservar a fé...

Eu temo não estar conseguindo transmitir a mensagem da forma que eu queria. De estar embolando tudo. Mas é que os tempos são maus, e existem muitas pessoas boas, mas parece que toda bondade se encerra no Facebook.

O triste é quando alguém decide fazer caridade verdadeiramente, condena a TL e suas práticas abomináveis, e essa pessoa é perseguida pelos próprios “bons de papo”. Exemplo? Padre Roberto Lettieri e a Toca de Assis. O padre Roberto denunciou muitas práticas erradas, e então ele começou a ser perseguido. Ele e a Fraternidade Toca de Assis que ele fundou. Em alguns textos antigos pela internet, vi gente criticando a Toca de Assis só pelo fato de terem visto irmãos da Toca comendo pastel com moradores de rua pelas ruas da cidade. Ora, se eles vivem a pobreza, vivem junto com os moradores de rua, você queria que eles estivessem com os moradores de rua comendo caviar na sua casa? Engraçado, irmãos com moradores de rua são escândalo para alguns (se começarem a ver São Francisco que se fez mendigo...), mas seminaristas, padres, Bispos, estarem com os “poderosos” deste mundo, comendo bem nos restaurantes caros, com maçons e gente dessa laia, isso tudo bem, neh?

E isso acontece também com outros movimentos da Igreja. Fiquei sabendo através de algumas recentes pregações, que o Moisés Rocha está sofrendo perseguições terríveis, inclusive respondendo processo judicial por mentiras inventadas. Ele cuida de dependentes químicos, tem casa que cuida de crianças, e começaram a surgir falsas denúncias, calúnias, e está com grande dívida, inventaram que ele falsificou assinatura do Bispo, enquanto sua Comunidade é aprovada pelo Bispo, e por conta disso até encontros que ele pregaria cancelaram sua presença.

E falando em dependente químico: até quando vamos deixar os nossos jovens morrer na droga porque a gente não quer fazer nada? Até quando a gente vai torcer o nariz porque entra um ex dependente, que é protestante, no ônibus para contar testemunho e tentar conseguir fundos para a casa de recuperação que largou a droga? Sabe porque falo isso: Se foi um lobo protestante e o tirou da droga, é porque faltou um profeta para tirá-lo! Não adianta você acusar o cara de herege, não. O cara nem a Deus conhecia, aí os únicos que estenderam a mão foram os protestantes, o que você queria que ele fizesse? Talvez se você saísse do seu comodismo e fundasse uma casa de recuperação... É muito fácil tacar pedra, o difícil é pegar essas pedras e construir algo para a glória de Deus. E isso vale para a evangelização nos presídios. Presidiários e dependentes químicos são sempre chamados de “caso perdido” pelas pessoas. No entanto, caso perdido será eu e você se não fizermos algo pela glória de Deus. Muitos dos católicos que comandam os serviços sociais como a evangelização em presídios são de fato da TL. Mas lembro de quando eu ajudei um determinado ministério a evangelizar em um presídio. Um frei que era o responsável da Igreja naquele obra, disse que nós (este ministério) tinha sido o primeiro grupo católico que procurava fazer o trabalho de evangelização lá. Olha o quanto de grupos e comunidades que temos na Igreja, e nós fomos o primeiro. Isso é uma vergonha! (Ele falava que eram os primeiros católicos porque não contava com os seminaristas que acabava sendo apenas um “estagio” pastoral). Talvez você diga que é caso perdido, ou que eles tem outra religião. Olha, eu encontrei lá pessoas que dizia professar o catolicismo, protestantismo e ateus. Só faltou você lá para anunciar a Cristo vivo e real que pode mudar a vida deles, e anunciar o amor dEle na Sua única Igreja! Foi até orientado não levar o ínone de Nossa Senhora para não ofender os outros jovens que não eram católicos. Sabe o que aconteceu? Ao final do grupo de oração, eles mesmos, sozinhos, rezavam o Pai Nosso, AVE MARIA, Santo Anjo... Eu confesso que as lágrimas quiseram cair, pois havia ficado chateado com o fato de não levar o ícone de Nossa Senhora, e depois vi eles rezando a AVE MARIA. Os que não acreditam em Nossa Senhora não rezavam. Depois em outras oportunidades entravamos com camisa de Nossa Senhora, eu falava em de Nossa Senhora para alguns jovens. É isso que está faltando! Os jovens estão confundidos dentro do presídio. Precisamos entrar e anunciar a Palavra do Senhor que MUDA a vida, e não o falso evangelho TL. Uma mulher que já tinha muita experiência com evangelização de presidiários disse que uma vez no CAJE, um jovem disse mais ou menos assim: “tia, eu não sei o que seguir, de manhã vem aqui os espíritas, depois vem o pessoal de tal igreja, aí agora tem vocês, eu não sei o que seguir”. Será que os hereges não estão tendo espaço porque nós estamos sendo convardes?

Uma outra vez teve Missa em uma Capela de um centro de internação de menores infratores, e os jovens ficavam perguntando o do porque disso, daquilo, porque faz isso e aquilo outro. Fico vendo na internet tanta gente querendo ser Bispo e excomungar uns aos outros por causa de liturgia (Claro que temos que de fato combater os erros litúrgicos), mas não vejo ninguém querendo ensinar liturgia para os meninos (sim, meninos, meninos criminosos, até mesmo homicidas, mas não chegam a ser pior do que nós que matamos a alma deles por causa da nossa omissão de anunciar Cristo para eles), não tem tantos padres para ir celebrar Missa lá e nem mesmo atender confissão. Talvez se eu conseguir algum patrocínio e autorizarem fazer show dentro do presídio tenhamos confissão e tudo mais. Até mesmo dentro da TL, é muito padre querendo passar a mão na cabeça e falando que tem que ir nesses lugares, mas os meninos delinquentes não se tornam santos porque não tem o sangue de Cristo sendo derramados neles pela Confissão e nem a força da Eucaristia. Alguns já fizeram catequese mas sabemos que a catequese em muitos lugares é frágil. Eles se desviaram. Que tal ir nesses lugares e dar uma catequese, preparar esses jovens. Ah não é sua vocação? E sua vocação é ler este texto e me xingar e criticar? Isso vai estar salvando quem? Ah você reza por eles? Você reza por eles, ou reza para que eles e os hereges ardam nos quintos dos infernos? A gente reza, mas alguém tem que agir? Que tal Ora et Labora? Vamos rezar e nós mesmo trabalhar. A TL deturpou tanto nosso pensamento, que a gente reza pouco, e esse pouco é mau rezado, e não age de forma nenhuma.

Presidiários necessitam de Bíblias. Então crie vergonha na cara e dê Bíblias para presidários, mas Bíblias de verdade e não as protestantes que são mutiladas. Peça autorização e dê medalhas de Nossa Senhorada das Graças, livrinhos, novenas, FAÇA ALGUMA COISA SEU ACOMODADO. O inferno terá um lugar “especial” para os preguiçosos. E a cada alma que cair no inferno por causa da nossa acomodação, o tormento aumentará. E tudo isso porque a gente não quis fazer o que o Senhor nos mandou: amar Ele na pessoa do pobre.

Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, se sentará no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. Colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então, o Rei dirá aos que estão à direita: 'Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo, porque tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era peregrino e me acolhestes; nu e me vestistes; enfermo e me visitastes; estava na prisão e viestes a mim'. Os justos perguntarão: 'Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos peregrino e te acolhemos, nu e te vestimos? Quando foi que te vimos enfermo ou na prisão e te fomos visitar?'. Responderá o Rei: 'Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isso a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes'.
Ele se voltará em seguida para os da sua esquerda e lhes dirá: 'Retirai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos. Porque tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber; era peregrino e não me acolhestes; nu e não me vestistes; enfermo e na prisão e não me visitastes'. Também estes lhe perguntarão: 'Senhor, quando foi que te vimos com fome, com sede, peregrino, nu, enfermo, ou na prisão e não te socorremos?' E ele responderá: 'Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que deixastes de fazer isso a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer'.
'E estes irão para o castigo eterno, e os justos, para a vida eterna'” (Mateus 25,31-46)

Faça algo! Faça pastoral de rua, visite os enfermos, reze o Terço Mariano e também o da Misericórdia para que os agonizantes possam ir em paz (Como ensinou Jesus à Santa Faustina). Viste os presidiários. Dê comida para os famintos. Salve as almas!


Salve Maria Imaculada!



quinta-feira, 15 de agosto de 2013

É errado usar o Terço ou Rosário no pescoço?



Salve Maria Imaculada!
         É comum ouvirmos a pergunta se errado ou não usar o Terço ou o Rosário no pescoço. Muita gente com um aparente zelo pelo Rosário, pela devoção e por seu bom uso, tem condenado veementemente o uso deste santo objeto devocional no pescoço. Dizem eles que o Rosário foi feito para se rezar e não para se usar como bijuteria. Por um lado até está certo falar isso, pois do que adianta carregar no pescoço as “bolinhas”, mas se depois elas não estão em nossas mãos, e as Ave-Marias em nossos lábios?   Só que eu não conheço o coração de ninguém, ou seja, somente Deus que é onisciente, onipresente e onipotente é que vai saber se eu determinada hora do dia aquela pessoa que traz o Rosário no pescoço reza ou não.
         Para analisarmos se é errado ou não, devemos ir por um caminho que só a pessoa que usa poderá responder: qual a intenção de coração? Se o uso do Rosário no pescoço for para honrar à Santíssima Virgem Maria, para mostrar que devemos recorrer ao Rosário, aí não é pecado. Agora se o uso for apenas por moda, vaidade, reduzindo o Santo Rosário a um simples acessório para colocar no pescoço por pura vaidade, aí já é errado e até pecado. Isso vale também para quem coloca o Terço no retrovisor do carro. É errado? Não digo que seja, mas será que quem coloca o Terço no retrovisor está procurando honrar à Santíssima Virgem, ou está querendo usar o Terço como amuleto para dar sorte, evitar acidente, etc.? Tanto é que tem gente que tem o Terço pendurado, e junto um pé de coelho... Ora, o sagrado com o profano! Uma santa devoção com algo pagão. Entende?
         O problema não é propriamente o uso do Terço no pescoço, mas a intenção, como já vimos. Eu desconheço algo oficial da Igreja a respeito disso, mas tomo por base o livro “O Segredo do Rosário” escrito por São Luís Maria Grignion de Montofort. São Luís, por vezes citando outros santos, como o Beato Alano, fala até mesmo da importância de se usar o Rosário ao pescoço. Vai dizer o santo: “O Bem-aventurado Alano disse que um homem que ele conhecia, tinha tentado todos os tipos de devoções a fim de se ver liberto de um espírito maligno que o possuía, mas sem sucesso. Finalmente, ele pensou em usar o Rosário em volta de seu pescoço, o que veio a aliviá-lo consideravelmente. Ele descobriu que sempre que se despia do Rosário, o demônio o atormentava cruelmente, então ele resolveu usá-lo dia e noite. Isto fez com o espírito maligno
se afastasse para sempre, porque ele não podia suportar tão terrível corrente. O Bem-Aventurado Alano também testemunhou que ele tinha liberto grande número de pessoas que
estavam possessas simplesmente colocando o Rosário em volta de seus pescoços.” (sublinhado nosso) – Então aqui já vimos que usar o Rosário no pescoço, com devoção, e não com superstição ou como bijuteria, ajuda nas tentações e é uma grande arma contra satanás, ainda mais se não apenas usar o Rosário, mas rezar o Rosário. Usar o Rosário no pescoço é um escudo contra os dardos inflamados do inferno.
         Vou citar aqui mais um caso citado por São Luís no “O Segredo do Rosário”, mas no caso a pessoa não usava o Rosário no pescoço, mas na cintura: “Nossa Senhora abençoa não somente aqueles que propagam seu Rosário, mas ela recompensa copiosamente a aqueles que com seu exemplo atrai os demais a esta devoção. Alfonso, Rei de León e da Galícia, desejando que todos os seus servos honrassem a Santíssima Virgem rezando o Rosário, colocava um grande Rosário em seu cinto e sempre o usava, mas infelizmente nunca o rezava. Contudo, o fato de usá-lo, motivava a toda a corte a rezá-lo devotamente. Um dia o rei adoeceu gravemente e quando creram que estava para morrer, ele caiu em êxtase, viu-se a si mesmo perante o trono do julgamento de Nosso SENHOR. Muitos diabos estavam lá a acusá-lo de todos os pecados que havia cometido e Nosso SENHOR como Juiz Soberano já estava para condená-lo ao Inferno, quando Nossa Senhora apareceu a interceder por ele. Ele pediu uma balança e colocou seus pecados num dos pratos. No outro prato Nossa Senhora colocou o Rosário que ele sempre carregava na cintura, juntamente com todos os Rosários que foram rezados por causa de seu exemplo. Viu-se que os Rosários pesaram mais do que seus pecados. Ao olhá-lo com grande benignidade, Nossa Senhora disse: ‘Como recompensa por esta pequena honra que você me fez em usar meu rosário, eu obtive uma grande graça de meu FILHO. Sua vida será prolongada por mais alguns anos. Viva-os sabiamente, e faça penitência’. Quando o Rei recobrou sua consciência, exclamou: ‘Bendito seja o Rosário da Santíssima Virgem Maria, pelo qual fui liberto da condenação eterna!’. Após recuperar a saúde, ele passou o resto de sua vida a propagar a devoção do Santo Rosário e o rezou fielmente todos os dias.” (Grifos nosso) – Eis o que tenho tentado dizer: se a intenção de usar o Rosário no pescoço, no braço, na cintura, até no retrovisor do carro, for para fazer a Virgem Maria honrada, amada e conhecida, não tem problema. Vimos neste caso que apesar do rei não rezá-lo, só por usar na cintura, deu um bom exemplo, fazendo com que o povo rezasse o Rosário. Isso foi agradável à Nossa Senhora. No entanto, não achemos que basta usar o Rosário no pescoço, ou mesmo medalhas milagrosa de Nossa Senhora das Graças, escapulários, etc., sem mudar de vida, achando que vamos entrar no Céu porque acabamos de ver como nossa Mãe é Misericórdia. Não abusemos da Misericórdia de Deus e de Nossa Senhora. Nós não somos mais ignorantes. Se persistirmos no pecado, mesmo com consciência, e usarmos das devoções como desculpa para o pecado, estaremos cometendo um pecado de presunção, um pecado contra o Espírito Santo. Por que falo isso? Falo isso justamente porque nesse exemplo que São Luis Maria de Montfort nos deu, mostra-nos que a graça que Nossa Senhora deu para o rei foi de ser prolongada a sua vida aqui na terra, para que ele fizesse penitência, e não somente usasse o Rosário na cintura, mas que rezasse também. E vai dizer São Luís que ele rezou o Rosário TODOS OS DIAS. Talvez Nossa Senhora já tenha livrado da morte muitos de nós, porque trazemos junto ao nosso corpo um Terço ou Rosário, uma medalha, ou um escapulário; talvez Ela tenha prolangado nossos dias, e esteja esperando que emendemos de vida, que passemos a rezar o Terço diário ou mesmo o Rosário diário. Tiago vai dizer “sede cumpridores da palavra e não apenas ouvintes; isto equivaleria a vos enganardes a vós mesmos.” (Tiago 1,22) – Ou seja, fazendo uma analogia, podemos também dizer: Sejam devotos do Rosário rezando, e não apenas portando-o; isso equivaleria a vos enganardes a vós mesmos. Em que sentido este enganardes a vós mesmos? No sentido de que se eu acho que basta usá-lo no pescoço sem rezar e fazendo todo tipo de mal, eu estou abusando da devoção. Pois muitos caem em pecado por fraqueza, por ignorância, por não saberem a verdade; agora se nós sabemos a verdade, sabemos que temos que mudar de vida, não podemos ficar portando o Rosário sem rezá-lo. Seria muita ingratidão para Aquela que já tantas vezes nos livrou da morte repentina e de termos ido para o inferno.
        
O problema também está no mundo de hoje. Hoje querem tirar tudo quanto é de exterior. Não devemos retirar o uso exterior do Rosário por causa dos escrúpulos ou mesmo de alguns abusos de outras pessoas. Querem tirar as imagens de repartições públicas, aliás tiraram até mesmo dos templos, não se tem mais muitas imagens e pequenos altares em casa... Cadê as casas com quadros do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria? Como diz o próprio São Luís, falando sobre a importância dos escravos de Nossa Senhora usar as correntes como sinal, afirma algo no sentido de que muitas vezes só caímos em pecado após o batismo porque não temos nenhum sinal. Ora, se quem tá usando o Terço ou Rosário no pescoço vive em pecado mortal, imagine se ele perdesse toda devoção e arrancasse logo de uma vez... Estaria perdido, pois como em algum momento ele se lembraria de Deus e deixaria o arrependimento entrar em seu coração e procurar um padre para se confessar? Muito cuidado com as condenações, pois nós não conhecemos o coração. Vai nos dizer São Pio X: “quando não está inteiramente apagada a chama da fé, ainda resta a esperança de que se elimine a corrupção dos costumes; mas, quando à depravação se junta a ignorância da fé, já não resta lugar a remédio, e permanece aberto o caminho da ruína”. – Vocês podem não ter ideia, mas a devoção à Santíssima Virgem, em muitos casos, é esta última fagulha da fé. E se apagarmos ela, dizendo para os pobres ignorantes que não se deve usar o Rosário no pescoço sem rezá-lo, ele se esquecerá de Deus e de Nossa Senhora por completo, e então estará tudo perdido. Uma vez um rapaz me abordou, e falava que rezava o terço, conversa vai, conversa vem, dei-lhe o meu terço. Ele tentou colocar no pescoço mas não coube. Mas o fato é que ele disse que rezava todos os dias o terço. Enfim, eu segui para o terminal de ônibus para ir par ao Grupo de Oração, e ele entrou em um bar. Ora, se ele está indo para o bar mesmo rezando o terço, imagine se ele não rezasse e não portasse o terço? Vocês acham que se não fosse Nossa Senhora eu estaria indo para o Grupo de Oração? Talvez eu fosse mais um companheiro de copo dele, ou mais um jogado nas noitadas. Olho para trás e louvo a misericórdia de Deus. E agradeço mais porque essa Misericórdia chegou por Maria Santíssima. Agora se se apaga por completo essa chama da fé... Eu tenho visto pessoas que no coração tem uma devoção à Nossa Senhora, mas que no entanto não sabem rezar o terço. Gente, abram os olhos: nós vivemos em mundo completamente “descritianizado” em muitos lugares. A pessoa foi ensinada a tudo, menos a rezar. E então, nós devemos aproveitar e evangelizar essas pessoas, e ensiná-las a rezar. Devemos ir rezar nas suas casas, fazer panfletos ensinando a rezar. Se nós deixarmos a pequena chama que ainda se tem de devoção à Nossa Senhora se apagar, a coisa só tende a piorar.
        
O Papa Francisco que é muito devoto de Nossa Senhora, e nos mostrou seu terno amor pela Mãe de Deus durante a JMJRio2013, disse que não queria uma Igreja “tranqüila”, mas queria uma Igreja missionária. Eis a nossa missão: vamos propagar o Rosário pelo Brasil e pelo mundo. Vamos distribuir Terços, Rosários, ensinar a rezar, distribuir medalhas milagrosas de Nossa Senhora das Graças, escapulários... Enfim, vamos sair do comodismo de ficar criticando quem usa o Rosário, e vamos rezar o Rosário para que quem usa tais objetos devocionais possa se converter. Vamos evangelizar. Vamos sair desse comodismo maldito que vem da mais profundezas do inferno. Clamemos por um novo vigor, que o Espírito nos ilumine, que nos dê essa graça, de no ventre da Virgem Maria, sejamos gerados novos homens e mulheres propagadores do Rosário. Sim, queremos participar deste novo Cenáculo.
        
E só para concluir sobre a questão do usar ou não o Rosário no pescoço, São Luís vai citar que quem usa o Rosário no pescoço, por exemplo, ganha indulgências plenárias (isso nas regras da época). Dizia ele: “Aqueles que usam o Rosário no corpo (pescoço ou cintura) em público por devoção e como bom exemplo poderão ganhar cem dias de indulgência”. Se você quer usar o Rosário para honrar à Virgem Maria, use-o sem medo. O próprio São Luís cita algumas frases que poderam dizer outras pessoas para tentar fazer com que a pessoa perca a devoção: “Como? O que você está fazendo com estas contas enormes? Você se parece mais com uma mulher velha do que com um homem! Vi um tercinho só com uma dezena, e é tão bom quanto um de quinze dezenas. O que é que você esta fazendo, colocando-o na sua cintura, fanático é o que você é! Se você quer ser tão extremista, então use-o no pescoço, como os espanhóis o fazem! Eles carregam um enorme Rosário numa mão, e um punhal na outra”
        
Então, meus queridos, não tenhamos medo de sermos chamados de fanáticos, de loucos, de bitolados, se é por amor à Nossa Mãe não tem problema. Honremos Nossa Senhora. Levemos o mundo todo a amar e a honrar à Virgem Maria.

“Os hereges, todos os que são filhos do mal e claramente possuem selo de reprovação de DEUS, têm horror á Ave Maria. Eles ainda rezam o PAI Nosso, mas nunca a Ave Maria; eles prefeririam colocar uma cobra venenosa em volta de seus pescoços que um Escapulário ou carregar um Rosário.”
(São Luís Maria Grignion de Montfort)

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Qual o limite do humor na nova evangelização?



Salve Maria Imaculada!
     Sabemos que é importante ter bom humor na vida. Não devemos ser pessoas ranzinzas. No entanto, junto com o bom humor na nova evangelização, seja em pregações, seja em postagens em redes sociais, qual o limite das brincadeiras? Ou melhor: existe limite? Temos visto uma crescente neste fenômeno “humorístico” no meio católico, seja no lado mais conservador ou não. Parece que todos tem tido bom humor. O problema seja talvez controlar para o evangelizador não se tornar um humorista.
     Tivemos santos que eram até considerados meio “bobalhões” pelo jeito extrovertido que vivia. Um exemplo é São Felipe Neri, o santo da alegria. Olho a vida de São João Bosco e fico a imaginar o quão alegre devia ser a vida dele com seus jovens filhos espirituais. E assim vai a cada santo. Cito isso para olharmos na vida dos santos o quão importante se faz a alegria, a felicidade. Mas e quando o alvo da nossa piada são as coisas sacras? Bom, não vou citar santo, vou citar um sacerdote falecido que creio que quase todos conhecem: Padre Leo. Padre Leo usou muito do humor em suas pregações. Mas saíam frutos das suas pregações, frutos de conversão. Ele contava uma piada que à primeira vista era boba, que estava fugindo do tema, achava-se exagero, mas, de repente, você via que você era o personagem da piada, e muitas vezes os risos davam lugar as lágrimas de arrependimento. Dizem alguns autores que o próprio São Padre Pio contava uma célebre “piada” onde, dizia o santo, os pecadores estavam entrando no Céu, e então Jesus foi falar com São Pedro, mas este não tinha nada com a entrada dos pecadores. De repente, descobrem: Nossa Senhora estava colocando os pecadores no Céu com Seu auxílio. E aí Jesus dizia que se a Mãe d’Ele é quem fazia isso tudo bem (era algo assim, não lembro bem, resumi, é nesse sentido – risos). Contava isso obviamente para mostrar o poder e a importância da intercessão de Nossa Senhora. E fazia isso de uma forma bem humorada – apesar de suas cruzes – para melhor compreensão do povo simples.
     Mas com a internet o humor tem aumentado também. Mas por vezes parece zombaria. Será que nossas piadas é para a glória de Deus? Ou seja, nosso jeito divertido de falar as coisas ou mesmo de postar alguma imagem nas redes sociais, é para facilitar o entendimento do povo com relação a determinado assunto, ou é só a piada pela piada? Se for, é zombaria. Afinal, usar bom humor é uma coisa, fazer piada (chacota, zombaria, fazer pouco) das coisas divinas é outra coisa completamente diferente.
     Já vai nos ensinar São Paulo: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba. O que o homem semeia, isso mesmo colherá.” (Gálatas 6,7). Será que temos ou não zombado de Deus e das coisas sacras? Vou citar algo recente acontecido na rede social “Facebook”. Uma determinada página começou a atacar a modéstia. Aliás, esta página, ao que parece, foi criada com este intuito: atacar e ridicularizar a modéstia e quem vive a modéstia. O mais grave foi o fato de na descrição de tal página colocarem uma frase maldosa e blasfema contra Nossa Senhora. Dizia “Nossa Senhora da fita métrica, rogai por nós”. É estranho escrever isso aqui como denúncia; não compreendo como os autores conseguem fazer tais chacotas sendo católicos... Ora, será que isso não já foi abusivo? Não estou falando de ultrajes feito à figura feminina principalmente por causa das saias longas, falo da Mãe de Deus. Será isso atitude de um cristão católico? Você acha que tudo bem? Que não devo ser tão radical...? Mas e se fosse um protestante fazendo piadas com o nome ou imagem de Nossa Senhora? Como você reagiria? Só porque é feito por católicos não deixa a brincadeira mais branda, pelo contrário, se tratando de zombaria fica mais grave porque é feito por alguém com total consciência.
     Fora que em determinada página, eles fazem pouco caso da modéstia, como se fosse algo desnecessário. Entendo que tem algumas mulheres que tem dado brecha para tais brincadeiras por exagerarem em algumas coisas, que não quero entrar no mérito da coisa. Só quero lembrar que tem mulher que passou a vida toda usando calça justíssima que dava pra ver até a marca do útero, aí apareceu um “anjo” que lhe apresentou a modéstia, e então passou a querer a imitar as virtudes de Nossa Senhora na pureza, na modéstia... Mas aí, essa mesmo mulher que foi usada de misericórdia, ao ver uma mulher com uma roupa 10 x menos apertada que a que ela usava outrora, já chega condenando ao inferno sem usar da mesma caridade que outrora usaram para com ela. Não to dizendo para omitir a verdade. To dizendo para usar a verdade com caridade. – Mas o que acontece nessa página? Acontece que eles atacam a coisa toda. Então que se dane, pode-se andar na rua e ir na Igreja de mini short, mini saia, ou melhor, vai logo de biquíni. Biquíni não, que radical eu sou! Vai de tapa-sexo. (tentando usar de bom humor, e não de zombaria para com as coisas sagradas, por favor, entenda minha ironia.)
     Mas isso acontece com diversas páginas. Tem gente que faz montagens estranhas com ícones de santos católicos. Algumas são interessantes e inteligentes. No entanto, tem algumas que se fosse feita por protestantes tinha gente querendo trazer de volta a Inquisição (até que não seria má idéia – risos). Um exemplo foi uma montagem que vi de São José de Cupertino, que tinha o dom da levitação, e os amados irmãos pegaram uma gravura dele, e colocaram lata de red buul com os dizeres “redbuul te dá asas”. Engraçado, não nego. Mas não seria desnecessário, zombar não somente um santo, mas até Deus. Reduzindo um dom extraordinário que Deus deu São José de Cupertino a simples energéticos da terra... Claro, aqui estou apenas meditando, não posso emitir juízo a respeito de nada. Mas deveríamos pensar um pouco antes de falarmos ou fazermos alguma piada. Queria entender se está sendo salvas almas que estão em pecado. Será? Será que uma página que só faz piada da modéstia está contribuindo positivamente para a salvação das almas? Pode contribuir na santificação de quem vive a modéstia agüentando ver tanta babozeira e nas orgulhosas a viverem mais humildes. Mas quem vive na imodéstia vai viver de forma pior, e ainda se achando a puríssima. Será que fazer zombaria dos santos com bebidas energéticas vai salvar alguém?
     Existe várias páginas do tipo. Lembro de páginas que pegam músicas católicas e fazem piadas. Pegam dons e fazem piadas. Mas falo aqui de piada pela piada. Oxalá tivéssemos a alegria de São Felipe Neri, ou o bom humor inteligente de Padre Leo. Enquanto a salvação das almas estiver em segundo ou terceiro plano, tendo â frente à vontade de fazer o outro rir só por rir, de fazer do outro um asno que deve ser ridicularizado até a piada ficar velha e cansar... É, não estaremos plantando nada de bom para a vida eterna. E triste de quando se faz rir só por rir da Pessoa e das coisas de Deus. Quem me conhece sabe que eu sempre faço piadas, até mesmo em pregações, mas parece que na internet em páginas, conservadoras ou não, o importante é a piada. Perde a alma, mas não perde a piada.
     Amemos a Deus por quem não O ama. Não entremos na onda dos zombadores, já tem gente que faz isso por demais. Vamos reparar. De que adianta reclamar das Vadias na JMJ se também temos zombado de Deus, em proporção menor, mas com consciência. Afinal, cadê o respeito e o zelo pelo sagrado?
     Salve Maria Imaculada!

(Indico a leitura deste post: Mulheres: O véu não é obrigatório, mas a roupa ainda é)