terça-feira, 30 de julho de 2013

VADIAS NA JMJ E AS DECLARAÇÕES DO PAPA SOBRE O HOMOSSEXUALISMO


Salve Maria Imaculada!

A JMJRio2013 entrou para a história não só da Igreja, mas também da cidade do Rio de Janeiro. Mais de três milhões de jovens reunidos para estar na presença do Sumo Pontífice o Papa Francisco. Uma grande benção para nós brasileiros termos sediado este encontro. Mas o que, creio eu, chamou a atenção de muitos foram as declarações do Papa Francisco, já na sua volta para Roma, a cerca da homossexualidade. Muitos veículos de imprensa podem distorcer suas declarações. Mas desde já quero informar que o que o Papa Francisco disse é o que a doutrina da Igreja ensina e o que nós tentamos dizer a tempos. Declaração do Papa em entrevista sobre homossexualidade: Se uma pessoa é gay e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu, por caridade, para julgá-lo? O Catecismo da Igreja Católica explica isso muito bem. Diz que eles não devem ser discriminados por causa disso, mas integrados na sociedade.” - Agora me digam onde o Papa aprova a PRÁTICA homossexual. Pois é, meus caros leitores, o Papa Francisco apenas disse o que temos tentado falar há muito tempo. Não condenamos homossexuais, condenamos a prática homossexual.

Em uma matéria do G1 tem a declaração de uma pessoa chamada Aurelio Mancuso que diz o seguinte: “As palavras pronunciadas pelo Papa são muito importantes do ponto de vista do estilo, porque, depois de tantos anos de insultos lançados pela Igreja Católica, se reconhece que não devem discriminar ou marginalizar essas pessoas.” - Eu só queria entender de pessoas como essa, de onde que eles tiraram que a Igreja lançava insultos, e mandava discriminar e/ou marginalizar homossexuais? Ou é ignorância ou má-fé. As declarações do Papa Francisco não contradizem em nada as declarações do Papa Emérito Bento XVI, que não contradiziam as de João Paulo II, e que – todas – estão de acordo com o CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA. Ou seja, o Papa Francisco confirma o Catecismo. Você sabe o que o Catecismo da Igreja Católica fala sobre homossexualidade? Pois então leia:

CASTIDADE E HOMOSSEXUALIDADE
2357. A homossexualidade designa as relações entre homens ou mulheres, que experimentam uma atração sexual exclusiva ou predominante para pessoas do mesmo sexo. Tem-se revestido de formas muito variadas, através dos séculos e das culturas. A sua génese psíquica continua em grande parte por explicar. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves a Tradição sempre declarou que «os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados». São contrários à lei natural, fecham o ato sexual ao dom da vida, não procedem duma verdadeira complementaridade afetiva sexual, não podem, em caso algum, ser aprovados.
2358. Um número considerável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente radicadas. Esta propensão, objetivamente desordenada, constitui, para a maior parte deles, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á, em relação a eles, qualquer sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar na sua vida a vontade de Deus e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar devido à sua condição.
2359. As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes do autodomínio, educadoras da liberdade interior, e, às vezes, pelo apoio duma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem aproximar-se, gradual e resolutamente, da perfeição cristã.
(Grifos nosso)

Então, conte-me aonde que no Catecismo os insultos, incentivos à marginalização e discriminação... Gente que vive de mídia esquerdista acha que católicos andam por aí com uma 12 caçando gay para explodir os miolos. Por favor, sejam sinceros, tentem entender que o que é condenado é o ATO que é pecado, e não o Gay. A Igreja não condena somente o homossexualismo. Da mesma forma é também condenado a masturbação, pornografia, zoofilia, pedofilia, sexo antes do casamento (é, héteros também não podem fazer libertinagem)... Agora querer obrigar a Igreja a aprovar um PECADO somente pela satisfação de quem não quer seguir o que diz o catecismo, ou seja, lutar contra o pecado, é no mínimo uma canalhice. Até porque, você homossexual que é até sincero e se sente discriminado, um casal de héteros tem a função de se casar e gerar filhos, e quem se casa sem querer gerar filhos, está pecando contra Deus. A libertinagem está em ambos os lados. A questão é, ambos devemos lutar contra a concupiscência da carne, e como diz São Paulo “resistir até o sangue, na luta contra o pecado” (Cf. Hebreus 12,4), e fazer a vontade de Deus, que quer que sejamos puros. “Importa obedecer antes a Deus do que aos homens”(Atos 5,29) – Os homens dizem que você tem que ser depravado, pecador, viver na ilusão e na libertinagem. Deus te pede a pureza, a castidade, um amor verdadeiro...

Nas suas declarações o Papa Francisco voltou a lembrar algo que ele condenou que é o Lobby Gay. Em outras palavras: Militância Gay. É o que temos falado a tempos. Quando escrevemos textos ou fazemos videos, pregações, enfim, quando disponibilizamos materiais combatendo a ditadura gay, não é uma luta direta àquele homossexual que sofre demasiadamente por causa de suas tendências, que até muitas vezes tem lutado para não praticar este ato terrível de ofensa a Deus. Nós combatemos a MILITÂNCIA GAY, que é organizada e financiada. Nós combatemos essa ideologia de gênero. Esse lobby, esse papinho que quer transformar todo mundo em gay. Este lobby que está muitas vezes até mesmo dentro das próprias paróquias. Quantos e quantos jovens – em determinados grupos – ao acabarem mostrando o distúrbio na sua sexualidade, acabam ouvindo de coordenadores, membros, e até de padres hereges – como aquele que recentemente foi excomungado – dizerem que tudo bem, que o importante é ser feliz. Eu só sei que não existe felicidade fora de Deus. No ato homossexual pode até ter algum prazer momentâneo, mas felicidade, a felicidade que fica, que mesmo na dor somos felizes, ah, essa eu só encontro em Deus. As pessoas confundem “estar feliz”, ou seja, um momento, com “ser feliz” ou seja, permanente. E esse lobby, essa farsa em nossas paróquias, tem levado a muitos para o poço do pecado. Quantos e quantos jovens não estão infelizes, se afundando em vários problemas psicológicos, até mesmo com bandas satânicas levadas pelo emocionalismo que a fizeram se ver como coitados... Pessoas profundamente frustradas. Sim, o incentivo é terrível. Nós temos que oferecer ajuda, e não condenação. Mas ajudar é ajudar a viver o que a Igreja pede, e não mandar fazer o que quiser porque Deus perdoa. O bom ladrão era tão bandido quanto o outro, mas um reconheceu ser pecador, o outro blasfemou.

E claro, o que mais combatemos é o lobby (militância) no seu campo político. Para deixar as claras, nós não lutamos contra o homossexual como afirmamos acima, mas sim contra essa estrutura política que está se formando. Para ficar claro, o que não aceitamos são movimentos como a “Marcha das Vadias” que mostram toda sua “tolerância” sendo a própria intolerância encarnada. Essas vadias – como se denominam – aprontaram na JMJ fazendo uma grande manifestação. Quebraram imagem de Nossa Senhora, crucifixos, e ao que parece até usaram crucifixo como instrumento sexual. Que Deus tenha de piedade dessas senhoras mal amadas que mais do que ninguém precisam ser mergulhadas na Misericórdia de Deus! Enfim, fizeram toda essa algazarra peladas, ou melhor “vestidas” como vadias. Como respeitar quem não respeita? Como tolerar quem não tolera? Eu não to dizendo que devemos afrontá-las e agredi-las. Mas eu digo que temos que meter um processo, e usar da mesma esfera política para que se cumpram as leis que afirmam que o que essas mulheres – que boa parte são lésbicas – fizeram é crime. Para nós, católicos, o que essas mulheres fizeram foi um pecado terrível de sacrilégio, mas civilmente falando elas cometeram um crime. E devem pagar por isso. A Igreja não condena nenhuma mulher, nenhum homossexual, nenhum travesti... Mas sim essas atitudes preconceituosas.

Isso porque não citamos a parada gay que sempre fazem provocações ao católicos. Eles já usaram imagens de santos católicos em posições homossexuais, sempre tem algum vestido de padre, bispo ou papa para fazer piada. Enfim, sempre atacam a Igreja Católica. E até onde eu sei o que, tanto a parada gay, quanto a Marcha das Vadias, fizeram não deixou de ser crime (fora a nudez e sexo explícito no meio da rua). Você viu algum ser preso? Não. Sabe por que? Porque no nosso atual governo isso se chama liberdade de expressão, elas são livres para se manifestar. Agora experimenta você, sozinho (não precisa ser em grupo) apenas passar em frente a uma marcha das vadias, parada gay, segurando um terço na mão para ver o que acontece com você. Você vai ser tachado de homofóbico, vai apanhar, vai ser humilhado, será incitado, e depois de derramar boa parte do seu sangue, você ainda será preso. Logo após sua cara aparecerá nos noticiários de televisão, seu nome no rádio, e várias matérias na internet sobre você, trazendo é claro adjetivos como: extremista religioso, radical, católico (ou mesmo “evangélico”) que parece do islã, etc. E olha que você somente passou em frente do evento. Talvez acidentalmente porque se dirigia a um local que devia passar por perto. Mas, digamos que já que os gays fazem “beijaço” gay na chegada do Papa como protesto, as vadias fazem esse sacrilégio todo; aí você reúne um grupo de católicos para esperar deputados militantes gays no aeroporto, de joelhos, rezando o terço, na pureza e santidade, ou mesmo fizesse isso 2 km de distância de um evento deles, rezando – só rezando – nossa sequência de Ave Marias, o que aconteceria? O mesmo, só que talvez no título da matéria traria o título “Gangue de católicos homofóbicos ataca homossexuais”, e além do crime de “homofobia” que querem aprovar ae, o pequeno grupo também responderia por “formação de quadrilha”. Eis o Brasil do século XXI.

E o que falei dos MILITANTES (é sempre bom repetir para não dizer que estou falando dos homossexuais, estou falando dos militantes) não é exagero algum. Se eles fazem isso em um lugar onde eles não foram convidados (pelo menos não convidados para fazer a bagunça que eles fizeram) imagine se católicos rezassem onde é dominado por eles... Quem aqui não se lembra dos MILITANTES GAYS que agrediram os membros do IPCO que faziam uma marcha pela família tradicional e contra o aborto? Era um pequeno grupo de católicos, que somente falavam a favor da família, de repente foram acuados, e somente rezavam... E quanto mais se rezava, mais eles se enfureciam... Não houve ataque dos católicos, xingamentos, agressões, etc. Mas não teve muita tolerância da parte gay da coisa. Veja aqui e recorde. E veja aqui o video.

Para concluir, unidos ao Papa, acolhamos os homossexuais, eles precisam de nossa ajuda. Ajuda para sair do pecado, assim como qualquer outro pecador. E peço que conheçam um apostolado chamado Courage que ajuda homossexuais. Vendo a existência de apostolados como este, não entendo como as pessoas ainda caluniam a Igreja dizendo que ela quer praticamente exterminar os homossexuais da face da terra. - Mas também, não aceitemos a “ditadura gay” e resistamos a este grupo político. Amor ao pecador, nojo do pecado (seja ele qual for, venial ou mortal).



Salve Maria Imaculada!

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário