quarta-feira, 15 de maio de 2013

Deus ou a carreira profissional? Discernimento...


Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. (Mateus 6,33)


Salve Maria Imaculada!
Começamos esta reflexão a partir deste versículo em que Cristo nos exorta a buscar primeiro as coisas do Céu. Jesus vinha dizendo que não podemos servir a Deus e à riqueza (cf. Mt 6,24). E neste contexto quero fazer uma exortação para a busca pela riqueza hoje. As pessoas não querem estudar para deixar de ser ignorantes e amar mais a Deus, mas as pessoas buscam sim os estudos para obter mais e mais dinheiro. Os jovens hoje não escolhem um curso universitário por causa da sua vocação para aquela profissão, mas sim pelos salários. As pessoas não buscam mais concursos públicos porque se identificam com o cargo, mas porque se identificam com a estabilidade e altos salários. E o que tem isso a ver com ser santo? É, não tem nada a ver; por isso é fácil ver gente se afastando de Deus por causa dos estudos. Se o estudo já afasta muitos de Deus, imagine quando consegue o lucro visado...
O fato é que devemos ser sóbrios. Não quero aqui fazer com que todo mundo largue os estudos e deixem de almejar uma vida melhor. Sejamos sóbrios! Entendam que o que falo aqui é da desordem que vemos hoje. Para vocês terem uma ideia de como as coisas estão desordenadas nesse sentido, eu conheço um jovem que há algum tempo atrás, ainda menor de idade, estudava muito pra concurso. O detalhe é que este jovem ainda estava no 1º ou 2º ano do Ensino Médio. E metia as caras estudando pra concurso público. Resultado? Reprovou na escola. Agora me explica no que adiantou tudo isso? As pessoas já pensam no concurso antes de passar da etapa que vivem. Isso vale também para o discernimento da vocação. Um jovem que quer seguir a vida religiosa, só pensa em entrar pra ordem, ler só os santos, só doutrina da Igreja, mas esquece de estudar as matérias da escola... Resultado? O demônio usa disso, faz o cidadão reprovar, e tarda em pelo menos um ano o ingresso do mesmo em uma ordem religiosa. Estamos no mundo mas não pertencemos ao mundo. Vivamos o hoje, o que Deus nos pede pra hoje. E voltando a questão profissional, tem gente que é tão alucinada com concursos e coisas do tipo, que já está dando jeito de pagar a faculdade do filho que nem nasceu.
Eu sou um grande crítico dos concursos públicos. Ou melhor, dos concurseiros. Talvez por eu morar em Brasília, a capital dos concursos públicos. Por aqui quase todo mundo respira concurso público. É fácil encontrar pessoas que tentaram uma vaguinha no serviço público, inclusive eu. Mas a questão é que, como já dito, as pessoas estão atrás apenas da felicidade passageira, do dinheiro, do prazer, do poder, do possuir. E não da felicidade plena e eterna que é Cristo. Em uma rede social, uma empresa de cursos preparatórios para concursos fez uma enquete perguntando o porquê os concurseiros decidiram procurar a carreira pública. E, não para minha surpresa, a opção “tenho vocação para o cargo” recebeu apenas 59 votos; contra os 4539 para “estabilidade”, 1396 para “realização de um sonho” e 1353 para “remuneração”. Então aqui fica mais do que provado que o povo é movido pelo desejo do querer, do ter, do poder. Se você tem vocação para o cargo, estude, se dedique, isso será até via de santificação. Agora se você quer apenas ser concursado para ganhar muito dinheiro, sem ter vocação, você dará murro em ponta de faca. Aliás, você pode até obter êxito profissional, mas terá perdição da alma caso se deixe levar pelas paixões.
Vai dizer Santo Afonso Maria de Ligório: “Quem deixa a oração por causa do estudo não busca Deus, mas a si mesmo. Quem procura a Deus, larga o estudo oportunamente para não deixar a oração”. O teu estudo tem te levado para Deus ou te afastado d'Ele? Como é comum aparecer gente pedindo para rezarmos para que consiga entrar na universidade. A pessoa entra e nunca mais volta pra Igreja. Sabemos que a vida universitária é difícil, mas se a pessoa ama verdadeiramente a Deus saberá arrumar tempo para Deus. A desculpa de não ir mais à Igreja porque tem muitos afazeres é apenas uma desculpa de quem não ama de verdade. Quem ama se sacrifica. Como tenho visto várias pessoas que fazem faculdade, trabalha, e sempre estão trabalhando para o Reino de Deus. Não só indo à Missa dominicalmente que é obrigação, mas exercendo seu apostolado. Então quando você larga tudo pra estudar é porque já virou idolatria. Para você não ficar alienado, vou citar exemplo. Conheço uma pessoa que diz claramente que, pra fazer prova de concurso, já faltou a Missa dominical. Ora, o que é mais importante na vida da pessoa, o Santo Sacrifício da Missa ou o próprio sacrifício por algo que passa? E pior que nem é chamada nos concursos. Sejamos fiéis no pouco que Ele muito confiará, busquemos primeiro o Reino de Deus (sendo fiéis ao nosso apostolado, à vida de oração, indo sempre e principalmente aos domingos à Santa Missa, etc.) que o restante será dado por acréscimo.
Nós vemos o testemunho de São Francisco de Assis, que de família rica, renunciou TUDO para viver a pobreza. Viver a irmã pobreza. Hoje as pessoas não amam mais esta irmã. E olha que falo da pobreza no sentido de ser pobre nas mãos de Deus, de fazer a Sua vontade. Por que cá para nós, muitos que fazem concurso público reclamando uma vida melhor, mais digna, vive muito bem, obrigado. Talvez viva melhor do que muita gente de condição em outros tempos. Mas, graças a Deus ainda existem vários testemunhos de renúncia hoje em dia. Eu vejo pessoas que passam em concursos públicos ou que passam para fazer uma faculdade ou uma pós onde é SUPER concorrido, e larga tudo para partir em missão. Larga TUDO para ir para uma vida religiosa.
É bom salientar que não estou a condenar o estudo. Sabemos da graça que é o estudo. Uma pessoa para ser sacerdote, por exemplo, tem que estudar bastante. Duas faculdades para ser mais claro. Devemos nos esforçar para estudar, mas estudar de uma forma mais santa. Falando sobre vida religiosa, não dá para usar do exemplo de São João Maria Vianney, que tinha problemas com os estudos, para me manter burro e ignorante por pura negligência e preguiça. Vianney tinha dificuldade, que serviu para sua santificação, nós temos preguiça (é outra coisa...). Na vida leiga é a mesma coisa, devemos estudar sim, com todo empenho (veja que disse empenho, e não idolatria). Um médico tem que estudar muito pra ser um bom médico; um advogado tem que estudar muito para ser um advogado. Toda profissão merece o nosso esforço. Mas o que vemos hoje, repito, é um esforço pelo dinheiro, e não pela plena realização da vocação. Eu entrei na faculdade de Direito a algum tempo atrás, e em um momento de oração Deus me pediu para sair. E vejo que foi coerente. Eu estava a me afastar de Deus aos poucos, até porque entrei buscando altos salários.
Acho que em resumo o que eu queria dizer é isso. Precisamos estudar, mas sem deixar a vida de oração, a vida de busca da santidade. Do que adianta estudar, passar em concurso, ser podre de rico, e ser uma pessoa infeliz porque fez as próprias vontades? Tem gente que tem que fazer concurso porque é sua vocação; existem outras que fazem porque é sua fuga para mostrar que é infeliz porque quer se amar, e não amar a Deus, então busca a fuga de ser rico(a). Muita gente tem jogado no lixo até mesmo a vida religiosa para passar em concurso. No mais, devemos buscar um diretor espiritual, alguém que nos guiará para a vontade de Deus, e nos mostrará o que é orgulho ou não, o que Deus quer de nós. Afinal, sua faculdade pode ser um dom, basta você estar unido(a) a Ele em oração. E pra estar unido a Ele em oração, é preciso as vezes sacrificar um pouco de estudo.
Só para encerrar, lembro de um seminarista de Fortaleza, membro da comunidade de Vida do Shalom. Ele dizia que estudava de manhã, a tarde e noite tinha coisas do Shalom para fazer. Nas aulas no seminário os seminaristas que são do Shalom ficam com cara de sono, cochilando... E os outros seminaristas diziam: “eu não entendo, vocês do Shalom são cheios de coisa pra fazer, vivem cansados, dormindo nas aulas, mas as melhores notas são de vocês...” Pois é amados, exemplo de quem não abandona Deus por causa dos estudos. Mas usa dos estudos para um meio de amar mais ainda a Deus. Sede santos. Sede fiéis.
“Os santos que se dedicam a conquistar pessoas para Deus, não perdem o recolhimento mesmo entre as canseiras da pregação, do ouvir confissões, do reconciliar os inimigos, do assistir os doentes. O mesmo acontece com aqueles que se dedicam ao estudo. Quantos estudam muito e se esforçam para se tornar sábios e acabam não se tornando nem sábios nem santos. A verdadeira sabedoria é a sabedoria dos santos: saber amar a Jesus Cristo. O amor de Deus traz consigo a ciência e todos os bens: “Com ela me vieram todos os bens” (Sb 7,11), isto é, com a caridade.” (Santo Afonso Maria de Ligório)
Salve Maria Imaculada!

Um comentário:

  1. Gostei... muito oportuno esse post... se o que você faz, não te sobra tempo pra Deus, é porque você está fazendo mais do que Ele quer que você faça... rezemos!

    ResponderExcluir