quarta-feira, 24 de abril de 2013

Por que é tão difícil rezar?



Para começar nossa reflexão gostaria de dizer que o título é meio equivocado. Não é difícil rezar. Mas a cada dia que passa tem sido mais difícil ter uma vida de oração. O ambiente em que vivemos é agitado, sempre tem algo que dispersa; unido ao nosso interior que é mais agitado ainda, torna-se mais difícil focar no essencial para nossas vidas: amar a Deus! Conversar com Ele. Com tanta dificuldade a nossa volta e dentro de nós, aí sim podemos dizer que é difícil rezar. Mas, a dificuldade de rezar só nos vence pela nossa acomodação. Se a vontade de rezar fosse realmente maior que a preguiça e a acomodação, com toda certeza rezaríamos mais. Santa Teresa de Ávila já dizia algo mais ou menos neste sentido: que a luta para rezar já é uma oração. Aí está o problema, somos uma geração acomodada.
Muitas vezes mesmo tendo uma vida coerente com o Evangelho nos falta a oração. Podemos até ter vários apostolados, mas se ficarmos só no serviço, não seremos verdadeiros Cristãos. Se você faz pastoral de rua, dá comida aos moradores de rua, mas não reza, ou seja, não bebe do amor de Deus na oração, consequentemente você também não terá Deus para dar ao irmão. Neste caso é melhor você ir para alguma ONG, que talvez faça um serviço filantrópico bem melhor do que sua falsa caridade. Um bom católico não faz filantropia, mas faz caridade. E caridade se dá no amor e na verdade, e isso quer dizer que temos que dar não somente o material, mas o essencial que é o amor de Cristo. Da mesma forma uma pessoa que prega, se caso se consuma pregando a Palavra, mas sem uma vida de oração, sua pregação será seca e sem efeito algum. A pessoa deve primeiramente rezar. Os serviços de pastorais e coisas do tipo devem ser secundários. Não podemos anunciar o amor de Deus, se nós mesmos não temos sede desse amor. Se temos sede desse amor devemos querer passar por qualquer tropa de choque que apareça pra chegar ao Sacrário para adorar o Amor.
Essa colocação de serviços no primeiro lugar da ordem é um grande empecílho na vida de oração. “Não, não rezo porque é muita reunião na Paróquia”; “agora tenho que pregar”, “agora tenho que dar catequese”, “agora tenho que conviver com os irmãos”, “agora vou ouvir uma pregação” (e acaba a pregação não busca viver o que a pregação – se for uma santa e coerente pregação – ensina), “agora vou pra minha pastoral”. Passa em frente ao sacrário, faz um sinal da cruz, vira as costas, e nem uma visitinha de alguns poucos minutos. Infelizmente é uma realidade que estamos afogados. Por isso parece ser tão difícil. Meus irmãos, as vezes essa dificuldade encontrada, esse “se arrastar” não é o demônio te perseguindo por estar na obra de Deus, mas é a sua falta de oração. Sua anta! A única coisa que o demônio tem dedo aí é ficar te dizendo pra continuar servindo, deixa pra rezar depois.
Existe uma pequena historinha que talvez nos ajude a compreender a importância de rezar. Fizeram uma reunião no inferno, Lúcifer e outros demônios da alta hierarquia infernal estavam a discutir como destruir a humanidade. Então um dos demônios disseram que para acabar com a humanidade deveria-se dizer para todos os homens que eles (demônios) não existiam. Lúcifer então disse que não daria muito certo, afinal uma hora eles (humanidade) perceberia que eles existem. Então chegou-se a uma conclusão: para acabar com a humanidade, os demônios iam dizer pra todo ser humano quando fosse rezar: “hoje não, amanhã você reza”. (a historinha é maior e um pouco diferente, foi só o que lembrei, e talvez o necessário). Vejam, que apesar da estratégia que usam hoje em dia de espalhar que o demônio não existe não dá muito certo, afinal, uma hora ou outra descobririam, sempre tem provas. Dá pra ver inclusive os vários exorcismos e que acabam até virando filme. Vários pessoas que foram deixadas ser possuídas com este único intuito: provar a existência do demônio. Bom, mas a estratégia mais usada e que dá mais certo é essa: toda vez que você vai rezar, tem vem um pensamento colocado pelo demônio “reza hoje não, amanhã você reza. Você tem que pregar, não reze para não se cansar, já está tão cansando das pastorais...” E nisso você vai dando terreno pro santanás. Quando você decide rezar, ir à Missa, então aparece um livro bacana que tava sumido, chega gente na sua casa, alguém te liga, etc.
E na Central Inferno de Produção, os demônios especialistas em dispersar as almas da oração criaram várias coisas. Hoje em dia uma das principais é a música. Não vou nem falar sobre o rock, já falei sobre o rock aqui. Mas a música secular no geral está sendo usada pelo demônio, tanto para pecado direto, como para simplesmente tirar a pessoa da oração. E o problema não é só pra quem escuta músicas agitadas que tiram da oração, mas para pessoas ao redor. Um exemplo é o que vivo agora: enquanto escrevo este texto tem uma pessoa escutando Rap, que mesmo sem estar muito alto, está me incomodando. Aí você imagina, você pega sua Bíblia, escritos dos santos, crucifixo, imagem da Virgem Maria, até acende uma vela quando dá e necessita, deixa tudo preparado pra rezar. Quando de repente... Bum! E rola a baixaria do funk alto. Pode ser que ninguém da sua casa escute isso, mas seus vizinhos, os carros passando na rua... Eu tenho chegado a conclusão, que Deus não fala “Ah lek lek lek lek”. Porque, infelizmente, muitas vezes quando queremos escutar a voz de Deus, ouvimos essa porcaria. Essas músicas, a galera que ouve música pra mostrar que tem um som e que ouve coisa que não presta, tem um “que” de sobrenatural, de, perdoem-me, mas, de infernal. Tudo para tirar as pessoas da vida de oração. Pois o próprio Senhor já disse: “sem mim nada podeis fazer” (João 15,5)
A oração é tão importante, que nos dois mil anos da Igreja escreveram e insitiam na oração. Como Santa Teresa que queria gritar ao mundo: oração! Sem a oração tudo é fraco. O demônio não se preocupa com grandes trabalhos, grandes pregações; mas ele se preocupa com uma alma que verdadeiramente reza a Deus. Nenhum santo colocava a oração em segundo plano. Sabemos a velha história da Beata Teresa de Calcutá que, quando uma das irmãs questionando que não dava pra fazer os trabalhos e ao mesmo tempo fazer uma hora de adoração, então fala pra irmã que ela estava certa, e que a partir daquele momento seriam feitas duas horas de adoração. Certa vez procuraram Sua Santidade o Papa João Paulo II, ele estava rezando, incomodaram-o e disseram que era importante. O Beato João Paulo II disse: “é mesmo importante? Então espere um pouco” e retornou para onde se encontrava a rezar. Após se repetir o mesmo algumas vezes, chamam-o novamente, e dizem mais uma vez que é muito importante. O Beato João Paulo II, na sabedoria que só os santos tem, então disse “se é muito importante muito tem que se rezar” e voltou a rezar. (Sem necessariamente ter preciso as falas de cada personagem). Santa Faustina não foi nenhuma pregadora. O demônio a odiava pela sua obediência, que obedecia a Deus e ao diretor espiritual, e porque nessa obediência, ela escrevia tudo em seu diário. E no diário o que podemos identificar é que o demônio odeia quem reza. Faustina não precisou ir pregar o Evangelho, ela somente rezava. Se consumia em oração. Por isso o inferno tanto lhe atacava. E Maria Santíssima é a mais pura, a mais perfeita das criaturas justamente por isso, Ela não teve vida de oração, ela foi uma oração.
Meus queridos, não deixemos que nada nos tire da oração. Vai ter barulhos, muitos. Mas sejamos fiéis.
Outro motivo de as pessoas serem levadas facilmente por satanás a se afastar da vida de oração é por causa do pecado original. Quando Adão e Eva pecaram contra Deus comendo do fruto proibido, viram que estavam nus e se esconderam. Muitas vezes – quase sempre – é assim que nos encontramos: escondidos de Deus porque pecamos. Ouvimos os passos de Deus, sabemos que Ele existe, sabemos que Ele é real, sabemos que está a nos procurar, mas estamos escondido na mata, no nosso eu, nas minhas vaidades, na minha mania de achar que Deus é o culpado de tudo e que eu não preciso obedecer a ninguém. E Deus dando passos em nossa direção. Sabe o porque temos medo de Deus e por isso medo de rezar, de dizer eis-me aqui Senhor? Talvez este versículo te responda: “O Senhor Deus fez para Adão e sua mulher umas vestes de peles, e os vestiu”(Gênesis 3,21) Deus vem ao nosso encontro e nos dá vestes. Cristo mostra-nos a nossa nudez, a nossa vergonha, o nosso erro, o nosso pecado, e põe-nos novas vestes. Para nós, filhos da Nova e Eterna Aliança é muito claro. Jesus Cristo que vem ao nosso encontro, tira-nos da lama do pecado, dá-nos vestes novas, lavadas em Seu Preciosíssimo Sangue, e restitui nossa dignidade. Por isso não tão terrivelmente paramos de rezar. Porque queremos ficar na nossa nudez, no nosso pecado, na nossa falsa felicidade. Então achamos que Deus é ódio, que quer castigar. Mas não vemos que quem pecou foi eu. Foi você. Deixe Deus te dá novas vestes.
Bom, a mensagem que tenho pra deixar pra vocês é essa. Mais do que conflitos na internet ou fora dela, apostolados, coisas que criam intrigas, gente que tem divisão por ideologia... Acho que o que falta mesmo é oração. Joelho no chão, jejum e oração. Isso faz a diferença.
“Vigiai e orai para que não entreis em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca”. (Mateus 26,41)




Nenhum comentário:

Postar um comentário