sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Um Deus que se humilha...


             Não sei se perceberam, mas Deus é um Deus apaixonado por nós. Este amor que a Trindade tem por nós é tão grande, que Deus sendo o Todo poderoso, a altíssima Majestade, se submete a enormes humilhações por amor a humanidade. E tristemente, infelizmente, essa humanidade é cega e não enxerga as loucuras de amor que Deus faz por nós. Sendo sincero, Deus não precisa disso; era nós que deveríamos nos humilhar da pior maneira possível para quem sabe, um dia talvez, Deus nos voltar a Sua face para nós. Mas, Deus sabendo da nossa miséria, Ele se humilha desde o início da humanidade, para que o homem possa enxergá-Lo e não o esqueça. Pois sabe Deus que nos criou, que a nossa essência é vinda dele; e só unidos com Ele podemos ser felizes. E para nos ver felizes, Ele se submete a humilhações tremendas.
            Quero deixar claro que o termo humilhação não quer dizer profanação. Esta última é abominável. Mas, também é bom ver que não somos nós a humilhar a Cristo; mas é o próprio Cristo que se humilha, se aniquila, para demonstrar Seu amor. Na verdade a nossa humilhação é ver que Deus se humilha, e vemos o tão pouco sacrifício que fazemos para demonstrar o amor da nossa parte para com Ele.
            O homem traiu Deus. Mas Deus correu atrás do homem, sempre esteve presente; mesmo quando foi traído diversas vezes. Se compararmos com namorados, um namoro acaba com a traição – via de regra -, mas o amor de Deus é como o matrimônio válido da Igreja: é indissolúvel. Mesmo na traição Ele continua sendo fiel. Mesmo na nossa mais suja miséria; Ele sempre se apresenta como a única glória que podemos ter: Ele na cruz, e nós junto a Ele. Se pegarmos do Gêneses ao Apocalipse veremos isso, um Deus apaixonado, que corre atrás do ser humano; mesmo quando este está na desobediência. Deus muitas vezes se mostrou como o Deus dos exércitos, com grande fúria. Mas era, talvez, pelo motivo de que Deus se ira ao se humilhar tanto e ainda ser negado. Qual outro Deus a se comunicar conosco dessa maneira. Deus é único, e de fato é um Deus sem rival. Mas, na humilhação total, Deus na Pessoa de Jesus Cristo feito homem, no sacrifício da Cruz; Deus se manifesta como o mais puro amor, porque é Deus se oferecendo a Deus pelos miseráveis humanos.
            Eu achava que a humilhação de Deus se bastava na via sacra. Como se o simples fato de assumir a condição humana não fosse uma humilhação. Mas eis que reflito, e vejo a tremenda humilhação que Deus se submete, uma loucura de amor que só os loucos de amor são capazes. E neste caso, só Deus é capaz. Deus, na Pessoa de Cristo, se torna pão e vinho. Isso é uma loucura! Uma santa loucura de amor... Meu Deus, meu Deus, quanto amor, e quanto ingratidão da minha parte por não dar o devido valor a Santa Missa. Deus que viu o homem se tornar Seu inimigo porque este se recusava a ouvir a Sua voz, agora obedece a um mísero e pecador ser humano no momento da consagração na Santa Missa, e desce sobre as espécies que estão sendo consagradas. Meu Deus! Deus atende a uma loucura dessa! Loucura essa que se não fosse o próprio Cristo ter instituído a Eucaristia, a Igreja nunca ousaria instituí-la.  
            Fora que Deus além de se tornar pão e vinho no Altar, ainda faz dos nossos corações a Sua morada. Meu Deus, nós comungamos o próprio Deus. É a mais perfeita união do homem e Deus; é a Eucaristia. Moisés não pode nem mesmo olhar a face de Deus, e nós podemos comer a carne de Deus. Oh quantas e quantas infinitas vezes menos indigno que Moisés eu sou; e no entanto, Deus quis que eu e você, os piores seres humanos da terra, comessem o Seu santo Corpo, e bebêssemos o Seu preciosismo Sangue. Como você tem recebido o Cristo Eucarístico: com piedade ou com irreverência? Cuidado, confesse, e saiba que você não está em um encontro com amigos, e nem em uma festa, mas está no calvário assistindo o Cristo ser crucificado.
            Lendo São Leonardo de Porto Maurício vejo o quanto a Missa é um mistério tremendo de salvação. O que se passou no calvário se passa na Santa Missa. Também é na Santa Missa que mais e mais tomamos Maria como Mãe e Senhora. E isso é humilhante para Deus, renovar a cada Santa Missa no mundo inteiro, a mesma humilhação e SACRIFÍCIO do calvário.
            Deus ainda se humilha na Pessoa de Deus Pai claramente. Que pai gostaria de ver um filho ou uma filha em desonra perante a todos? Da mesma forma, Deus sofre muito ao ver que nós, Seus filhos amados, comprados pelo preço do Sangue Preciosíssimo do Seu Filho Jesus, vivendo em grande desonra. Porque manchamos a paternidade divina dessa forma? Porque não prestamos as devidas honras a Deus Pai? Se somos filhos, porque não nos deixamos ser educados por Ele? E Ele se humilha, porque mesmo assim, nessa miséria tremenda, Ele nos ama. Quer que mudemos, e é bom mudarmos para não pararmos na perdição eterna, mas ainda assim Ele nos ama.
            Deus Espírito Santo também se humilha por amor. Ou o que dizer das profanações que fazemos com o Seu templo? Que templo? O nosso corpo. Como temos tratado nosso corpo. Não, não falo de exercícios físicos que muitas vezes servem parar adorarmos a nós mesmos. Falo do pecado. O Espírito Santo nos revela e convence do pecado. Temos deixado essa ação do Espírito Santo fluir em nós? Estamos tatuando o templo do Espírito Santo? Colocando pircing’s? Saiba irmãos, que se Deus quiser alguma marca diferente em você, Ele mesmo tatua e fura, só que a marca de Deus é a cruz. E a “tatuagem” em questão são os santos estigmas de Cristo, como São Francisco recebeu nas mãos, São Padre Pio todas as chagas, Santa Rita de Cássia na testa. Enfim, esse tipo de “tatuagem” que é Deus quem faz não serve? Então não profane o templo do Espírito Santo com coisas mundanas. E mesmo com o pecado e tamanhas profanações, o Espírito Santo ainda habita neste templo sujo e deteriorado pelo pecado.
            E voltando a Cristo, eu refletia muito sobre a humilhação de Deus. E durante a adoração ao Santíssimo Sacramento eu me deparei com a seguinte realidade: Deus se faz criança, fazendo-se necessário ser carregado no colo. Sim, Deus é levado para ser adorado no altar por um homem que também peca – no caso o sacerdote – que o coloca no ostensório e sai andando com Cristo Eucarístico. Meu Deus! Como Tu chegastes a tanto meu Senhor!? E ainda, com tanta humilhação, Deus ainda tem que ser humilhado da nossa parte, quando em adoração ficamos mais sentados que de joelhos – e não falo de necessidade, mas sim de preguiça mesmo, e falta de vontade de adorar devidamente -, e ainda tantos e tantos que comungam em pé e na mão. Mesmo assim as pessoas são amadas por Deus. Isso é um escândalo, mas humilhação de amor.
            Meu Deus, meu Deus, Tu que me amas mais que tudo, fazei que pela Virgem Maria eu possa retribuir a este amor o mais perto possível do vosso. Fazei que Vos ame cada vez mais. Que a Virgem Santíssima me ensine a melhor amar a Cristo, Ela que é o exemplo da união íntima com Deus, e o primeiro Sacrário da humanidade.
            Salve Maria!

Nenhum comentário:

Postar um comentário