quinta-feira, 7 de junho de 2012

Corpus Christi é todos os dias.

             




             O dia de Corpus Christi é uma data memorável, é o dia da festa do Corpo e do Sangue de Jesus. É O DIA DA EUCARISTIA! Nossa amada Eucaristia, nosso próprio Deus se fazendo alimento para nós. Como é bom ter um Deus que faz loucuras de amor como essa. Deus que é único e sem rival, ama-nos com um amor ciumento (cf. São Tiago 4,5). Deus nos quer. Nos quer de tal maneira que o madeiro não foi empecilho para ele provar este amor. Mas e nós? Estamos tendo amor ciumento para com Deus?
            Quando falo para termos um amor ciumento para com Deus não é no sentido de você querer Deus somente para si, e privar o irmão da graça de Deus. Mas sim, a exemplo do próprio amor ciumento de Deus por nós que nos ama mais que tudo, amar a Deus acima de todas as coisas. Pois às vezes dizemos que amamos a Deus, mas na realidade não passa de uma paixonite – sentimento que temos por pessoas que logo passa – e não nos aprofundamos na união ÍNTIMA com Deus. Quantas vezes a gente chega a dizer que amamos a Deus incondicionalmente, mas também quantas vezes também não estamos dizendo que estamos cansados, pedindo dispensa de eventos da Igreja por preguiça; ou até mesmo trocando estar na presença de Jesus Sacramentado para estar na presença de amigos, fazendo da Igreja um “point” de amigos, para bater papo (fofocar da vida alheia) e não mais uma casa de oração. Não estou colocando nenhum tipo de julgamento, mas apenas indicando uma reflexão. Até mesmo casais de namorados que muitas vezes preferem estar um com o outro – e infelizmente nem sempre de maneira santa – do que estarem ambos juntos diante de Jesus Sacramentado, rezando um terço, etc. É preciso ter ciúme de Deus, pois as coisas do mundo estão nos roubando de Deus, e nós estamos nos deixando ir nessa onda, que nem sempre é percebida e é deixada de lado, como algo natural, enquanto não amar a Deus nunca é natural.
            Falo isso de amor ciumento de Deus por nós no dia de Corpus Christi justamente pelo fato de que, creio eu, a Eucaristia ter sido um grande ato de ciúmes de Deus por nós. Deus é tão ciumento conosco, que não quis de maneira nenhuma estar longe de nós um só momento. Então na Sua condição de Deus Altíssimo Todo Poderoso, na Pessoa de Jesus Cristo, está presente em todos os Sacrários do mundo. Ele fez das mãos do sacerdote, o útero de Nossa Senhora, pelo qual Ele vem ao mundo. Fazendo de nosso coração ou Seu estábulo, aonde Ele nasceu, onde Ele ficou após a Virgem Maria dar a luz. Ele prefere ficar em nosso coração pobre como aquele estábulo, do que ficar no conforto do Sacrário. Este amor que é ciumento me constrange, pois não sou capaz na minha infidelidade e miséria amá-Lo de forma tão sublime como Ele me ama. Eu sou um miserável, um infiel, alguém que não sou digno nem de que Deus ponha Seu olhar em mim. Mas como Deus além de ciumento é também misericordioso, Ele põe não só o olhar, mas como todo o Seu corpo em mim pela Eucaristia. Fazendo assim de mim – miserável pecador – um com Ele, Jesus Cristo, como Ele é um com o Pai e o Espírito Santo. Deus em Seu ciúme também não deixa nenhum de Seus filhos ficarem sem o Espírito Santo. Mesmo que este fique desprezado. Mas infelizmente ficar com Jesus Eucarístico é escolha nossa: uns escolhem mesmo na fraqueza e indignidade (que não é o mesmo que em pecado mortal) recebê-lO e se fazer um com Ele; já outros preferem esbanjar orgulho, falsa modéstia, desprezo, e se fazer um consigo, rejeitando o Deus presente.
            Queria eu que a festa de Corpus Christi fosse entendida em sua autenticidade. Ela não é como uma festa normal. Aliás, de normal não tem nada. Ou acham normal um Deus tão grande, tão poderoso como o nosso, se humilhar por amor a nós adquirindo a aparência de pão e vinho? Por isso peço a Deus que nos mande sacerdotes santos, que entendam essa festa. Pois Corpus Christi é todos os dias. Se nosso corpo necessita de alimento todos os dias, minha alma também necessita de Cristo todos os dias, por mais que às vezes se torne inviável pela realidade pastoral. Então vos exorto, vos peço, vos suplico, me humilho para pedir-lhes: Vão a Missa todos os dias pois Deus é sedento para entrar no coração de vocês, por mais que a gente não dê importância e não tenha a mesma sede e fome de Deus. Estejam fazendo companhia a Jesus Sacramentado, que tem ficado tão abandonado pela humanidade. Mesmo quem faz caridade, de que adianta você querer estar com o doente se não estiver com Jesus Sacramentado? O doente é também presença de Jesus, mas se não estiver alimentado pela Eucaristia nós somos mais doentes, mais pobres, do que todos os doentes e pobres do mundo. Jesus sente muito a nossa falta. Jesus tem se sentido como pessoas que não tem verdadeiros amigos, que acabam tendo a casa cheia de pessoas no dia do seu aniversário, mas no outro dia só têm a bagunça para arrumar. Da mesma forma Jesus só tem a casa cheia, só tem sido adorado, em festas e solenidades; mas no outro dia, no dia-a-dia tem sido esquecido, só tem ficado com nossa bagunça que é nossas “orações” com pedidos de riqueza e coisas para o nosso bel prazer. Onde estão os verdadeiros adoradores? Onde estão os verdadeiros devotos de Jesus? Jesus está a Sua espera. Por isso peço bons sacerdotes, para que não façam da casa do Senhor apenas casa de show, mas uma casa de oração. Assim sacerdotes amados, exponham o Santíssimo para o povo! Como o povo vai ter amor esponsal para com Jesus se não conhecem o Esposo? Como amarão Jesus Sacramentado se não sabem quem é? Como saberão da divindade de Jesus se não disserem-lhes e mostrarem-lhes que não é mais vinho, não é mais pão?  
            Até o nosso suspiro deve ser um suspiro Eucarístico. Até o nosso olhar, falar, postura, todo nosso ser e viver devem-se voltar para a Eucaristia. Maria nos aponta Cristo. Nós com Maria devemos também apontar o Sacrário. Que seu Corpus Christi não seja apenas fazer tapete, mas que seja você ser o tapete por onde Jesus passa. Deixe-se moldar, deixe-se pisar, se for preciso, por Jesus; pois o amor esponsal é aquele a que tudo suportamos por amor. São Francisco de Assis a muitos anos disse que o Amor não é amado. E hoje, o Amor é amado? Você tem amado o amor? Até quando Jesus vai ter que se queixar de nossas ausências. Ele disse com tristeza a São Padre Pio que ninguém lhE visitava. O que fazemos para mudar isso? Jesus não quer nem que você abra a boca para adorá-lO. O seu corpo e alma presente diante d’Ele já é o que Ele quer. Pois falar que ama falamos em qualquer lugar, agora estar com o Amado só no sacrário, na Missa, na Comunhão.
            E se por acaso se sentirem necessitados de falar palavras de amor para Jesus: fale, pois é bom. Temos que consolar Jesus, pois Ele tem sido tão flagelado por rejeição, profanação, até mesmo odiado declarado. Consolemos Jesus como os pastorinhos de Fátima fizeram. Mas também se não souber o que dizer, pode dizer o que o anjo de Portugal ensinou: Meu Deus eu creio, adoro, espero, e amo-Vos. E peço-Vos perdão por aqueles que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam. E todas as vezes em que você estiver diante de Jesus Sacramentado, seja no Sacrário, ostensório, Santa Missa, dentro de você pela Comunhão, etc., lembre-se do que também disse o Anjo de Portugal ao dar a Comunhão aos três pastorinhos de Fátima: Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o Preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.
            Que Maria, a primeira que comungou, e todos os santos que com certeza foram Eucarísticos, nos ensine a ter um amor esponsal para com Jesus Eucarístico.
            Shalom!



Nenhum comentário:

Postar um comentário