sábado, 30 de junho de 2012

Conversão de Blogueira ateísta ao catolicismo mostra a atração e a força da verdade!



Mark Shea gosta de descrever a blogueira Leah Libresco como “a minha ateia favorita”, e eu estou com ele. Leah é uma lufada de ar fresco para contrapor aos furiosos, fundamentalistas, retóricos e intolerantes novos ateus como Richard Dawkins, Sam Harris e o falecido Christopher Hitchens.
Em contraste com eles, Leah é calma e muito refinada. Ela é brilhante e extremamente boa de se ler. E ela não tem medo de examinar objetivamente suas crenças.
Ela começou seu blog, “Jugo desigual“, enquanto namorava um jovem católico, usando-o como uma caixa de ressonância para os argumentos sobre (e contra) religião. O blog acabou por ser renomeado por Patheos e cresceu em um lugar onde outros de espírito sério poderiam dialogar sobre as grandes questões da vida. Foi realmente um dos poucos paraísos on-line onde ateus e crentes poderiam conversar.
Conforme o tempo passava, Leah avançou mais e mais perto do catolicismo de seu namorado. Ela conversou com os diáconos, padres e dominicanos, e até frequentou aulas de RCIA por um tempo. Ela leu dezenas de livros apologéticos e lutou com os argumentos. Mas algo se alterou. Ela e seu namorado terminaram seu relacionamento após dois anos de namoro e ela saiu da OICA (ou, de acordo com Leah, foi “expulsa”.) Parecia que Leah seria para sempre trancada em seu ateísmo como, para ela, pelo menos, oferecia a visão mais atraente do mundo.
Mas a maré mudou de novo.
Leah veio a público com a notícia de que ela decidiu se converter ao catolicismo, e eu não poderia estar mais feliz. Eu sei que eu tenho orado por sua conversão várias vezes, sempre pensando que ela seria um grande católica. E com esta notícia, parece que vai acontecer.
Hoje o céu está rugindo com alegria. Tenho certeza de que os antepassados ​​Leah estão torcendo mais alto, os grandes intelectuais convertidos que abriram o caminho para Leah e tantos outros como Agostinho, Newman, Lewis, Chesterton, e Edith Stein.
Como a maioria das conversões, a de Leah não vai ser apenas interior. Vão vir muitas mudanças externas também. Como um sinal digital de seu interior uma realidade sacramental online?-Leah blog Patheos estará movendo-se do canal de ateu para o canal católico amanhã. Em seu último post de hoje no canal Ateu, ela conta um pouco do pensamento que levou a sua conversão:
“Eu acreditava que a Lei Moral não era apenas uma verdade platônica, abstrata e distante. Acontece que eu realmente acreditava que era algum tipo de Pessoa, bem como a Verdade. E havia uma religião que parecia ser o caminho mais promissor para chegar de volta para que a Verdade viva. Perguntei ao meu amigo o que ele sugeriria que fizéssemos agora, e rezamos o ofício noturno da Liturgia das Horas juntos (eu a mantive comigo desde então). Então eu sugeri que nos abraçássemos e tocássemos Mumford and Sons muito, muito alto.”
Se você tiver uma chance, vá até o blog de Lia e ofereça algumas palavras de incentivo. A conversão, como eu bem sei, é difícil o suficiente de uma tradição cristã para outra. Mas quando você se move do ateísmo ao catolicismo, os críticos são cruéis. Sem dúvida, os ateus se reunirão para o blog Leah, hoje com suas críticas habituais:
§  “Você nunca foi uma ateia de verdade.”
§  “Por que você está abandonando sua razão?”
§  “Você não precisa se converter para viver uma vida moral.”
§  “Você só está fazendo isso por causa de buscar patrocínio.”
Mas não os escute, Leah (como se eu tivesse de lhe dizer isso) A verdade é uma mestra que deve ser seguida sempre aonde leva, mesmo em salas sem iluminação e câmaras sombrias. No entanto, quando as luzes se acendem e a música toca, você vai reconhecer a casa.
Então bem-vinda, bem-vinda, bem-vinda! A Igreja precisa de você, Leah, e será tão agraciada por ter você. De um blogueiro convertido para outro, desfrute da aventura!
“E assim por um tempo parecia que todas as aventuras foram chegando ao fim, mas que não era para ser.”
– C.S. Lewis, “O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa”

Após nove anos, processo de canonização de frei Damião chega à fase final no Vaticano


Frei Damião, religioso muito conhecido no Nordeste por suas missões e romarias, chegou ao Brasil em 1931, foi para o Convento de São Félix, no Recife, e ali viveu até sua morte, em 1997


Depois de nove anos de pesquisa e relatos, o Vaticano recebeu, nesta quinta-feira (28), a documentação para análise do processo de beatificação e canonização de frei Damião, o “andarilho de Deus”. Considerado um verdadeiro santo por muitos nordestinos --que continuam a reverenciar o religioso--, a Igreja Católica vai investigar, a partir de agora, se há milagres comprovados atribuídos a frei Damião e, assim, declarar o religioso como santo oficialmente.
Uma comissão liderada pelo vice-postulador e responsável pela causa no país, frei Jociel Gomes, entregou a extensa pesquisa realizada no Nordeste à Chancelaria da Congregação da Causa dos Santos, no Vaticano. O parecer da fase final do processo sairá em dois anos.
O processo de canonização de frei Damião foi aberto oficialmente em 31 de janeiro de 2003, cinco anos após sua morte, como determina o direito canônico. Após a licença da Igreja para iniciar os estudos, começou a fase diocesana do processo, com recolhimento de depoimentos de testemunhas de pessoas que relataram milagres graças à interseção do frei. Essa fase é a mais importante do processo, já que inclui a pesquisa completa sobre vida e obras do postulante a santo.
Nesse período, duas comissões (uma histórica e outra teológica) foram criadas e saíram em busca dos relatos da vida pessoal e religiosa do frei pelo Nordeste. Em nove anos, dezenas de testemunhos de supostos milagres foram ouvidos e analisados por uma comissão. Na fase final, cinco dos milagres foram escolhidos como principais e apresentados como mais significativos ao Vaticano como prova da santidade do frei. Os relatos são mantidos em sigilo.
“A Igreja pede a apresentação de um milagre comprovado, alcançado através da intercessão do candidato à beatificação. Só valem milagres acontecidos após a morte dele. No decorrer da primeira etapa, recolhem-se relatos de graças ou curas extraordinárias. Forma-se outro tribunal canônico. Convocam-se testemunhas e médicos, para examinar as curas apresentadas", infromou o frei Jociel Gomes, em artigo no site oficial sobre a beatificação de frei Damião (http://www.freidamiaodebozzano.org/processo-de-canonizacao/).
Segundo Gomes, caso seja reconhecido um milagre do frei Damião, ele será beatificado. “Se uma cura for declarada inexplicável pela medicina atual e aprovada pela comissão dos teólogos, o candidato pode ser proclamado “beato” ou “bem-aventurado” e ser venerado na região onde viveu. Atualmente basta um milagre para a beatificação. Sendo constatado mais um milagre, o candidato é canonizado, ou seja, incluído no cânone ou lista dos santos oficiais da Igreja. Esta proclamação feita pelo papa significa que o candidato levou vida santa aqui na terra, está no céu e pode ser cultuado no mundo inteiro como santo”, disse.

O frei

Frei Damião nasceu em Bozzano, na Itália, em 5 de novembro de 1898. Aos 33 anos de idade, deixou o país europeu para ser missionário no Nordeste brasileiro. O religioso dedicou os 66 anos de vida no Brasil para percorrer as cidades nordestinas, realizar missas e orações e ouvir confissões. Ao frei são atribuídas muitas graças alcançadas e milagres.
O frei morreu no dia 31 de maio de 1997, no Recife, após sofre um AVC (acidente vascular cerebral). Seu enterro, também na capital pernambucana, foi marcado pelas demonstrações de fé de milhares de fiéis, que foram ao sepultamento para se despedir do "andarilho de Deus".
Atualmente, o convento São Félix de Cantalice (onde estão os restos mortais do frei), no bairro do Pina, no Recife, abriga o Memorial de Frei Damião de Bozzano, com capela com o túmulo, museu com objetos que pertenceram ou fazem referência a ele e salão de apoio aos romeiros. O local é alvo de romarias todos os anos, principalmente no final dos meses de maio, que marcam a lembrança pela morte do religioso.  

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Bradando contra os infernos abortistas! (Parada Gay, Marcha das Vadias, Feministas & Cia)

São Pedro e São Paulo, exemplos de santidade.


Neste dia de São Pedro e São Paulo (29), tenho particularmente um desejo enorme de meditar na vida destes dois santos que são as colunas da Igreja Católica. Muitos podem ter a impressão que ambos nasceram santos, e assim adquiriram graça diante de Deus. Mas, na verdade, acho que somente a Virgem Maria no quesito nascer sem pecado (risos). Claro que todos sabem da história de pecado de ambos, mas mesmo assim, temos o deslize de achar que eles tinham algo incomum para terem superado suas fraquezas. Na verdade, o que eles tinham de diferente é o mesmo que nós temos pela graça do Batismo: O Espírito Santo. Se quisermos ser santos, e mudar de vida completamente, renascer da água e do Espírito, precisamos nascer novamente (cf. João 3,1-21); e foi isso o que aconteceu com estes dois grandes apóstolos de Jesus Cristo.
Vemos o exemplo de São Pedro, nosso primeiro Papa. Este homem, pescador, e mais, pecador. Era um ignorante, talvez para muitos que vêm hoje SS Papa Bento XVI tão culto, seja um escândalo ao meditar que o primeiro Papa era um ignorante. Quantas vezes não vemos no Evangelho este homem sendo repreendido por Jesus? Claro, ele já tinha dentro dele o chamado, pois somos consagrados desde o ventre materno. Mas, sua cultura era pobre. Mas este homem fez algo que talvez eu e você ainda não tenhamos a coragem de fazer: largou tudo e a todos para seguir Jesus Cristo (cf. Lucas 18,28)! Como é difícil largar tudo e a todos para seguir a Jesus, não? E não digo somente em casos de vocações religiosas e/ou sacerdotais. Digo mais ainda no dia-a-dia, de fazer o que Jesus faria, falar o que Jesus falaria e, agir totalmente pela ação de Deus. Recusar as coisas do mundo. São Pedro, assim como os outros discípulos e apóstolos, talvez tivessem capacidade para tocar suas vidas normalmente no meio secular (por assim dizer), e continuar com suas vidas – que sem Deus seria medíocres -, e se apegar ao passageiro, como fez o jovem rico. Mas não, Pedro sempre tomando a frente, foi um dos primeiros a abandonar tudo.
Até mesmo quando se realizou as escrituras, ele foi o primeiro a querer abandonar a barca de Jesus. São Pedro, o mesmo ao qual Jesus edificou Sua Igreja declarando: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra eu edificarei a minha Igreja; as portas do inferno nunca prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus. E tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.” (Mateus 16,18-19). Como todos sabem, São Pedro veio negar Jesus três vezes. E não foi para pessoas grandes não, foi para servos. E nós, muitas vezes queremos dar uma de convertidos, de santos do pau oco, e até em meio a grandes nos saímos bem, fingimos ser o que não somos. Mas quando chega o aperto, em meio aos pequenos, em meio à ameaça de morte, negamos a Cristo. Silenciamos o brado de Deus. Praticamente dizemos não ao Espírito Santo. Mas, São Pedro me fascina por outro aspecto. Além de ter vivido uma vida de pecados, ser ignorante, bruto, e até cometer um dos maiores pecados da humanidade que foi negar Jesus; ele tem um novo encontro com Cristo (cf. João 21, 15-23), e ali Deus o cura na mesma medida em que Pedro feriu Jesus. Por três vezes Pedro negou, e por três vezes Cristo perguntou se ele O amava. O amor de Pedro, a obediência e o chamado, o sentido da vida de Pedro, era tão ligado a Jesus Cristo, que ele foi conduzido a glorificar a Jesus da forma que ele quis evitar ao negar Jesus: na cruz! Você sabia que Pedro foi crucificado? Mas, seu martírio é tão impressionante, que ele não foi simplesmente crucificado. Ele foi crucificado de cabeça para baixo, pois dizia ele que não era digno de morrer como seu Senhor morreu. Nós muitas vezes queremos tudo que Jesus teve e fez, mas só as glórias, e não a humilhação. Pedro é um belo exemplo para você se converter de verdade (nós na verdade). E assim como Pedro, após o Pentecostes, sair pregando aos quatro cantos do mundo que Cristo ressuscitou (cf. Atos dos Apóstolos 2ss).
E de São Paulo, o que dizer? Este cidadão que era um perseguidor dos cristãos. E ele não era um perseguidor como se acham alguns “neo-ateus” modinhas de nosso tempo, que fazem vídeos na internet com argumentos fajutos e insanos para tentar “provar” que Deus não existe; e declaram ofensas aos Cristãos. São Paulo, além de ser um “perfeito” pecador, era também um assassino de Cristãos. Ele tocava o terror em quem tocasse no nome de Jesus. Aí podemos ver irmãos, que assim como Pedro e Paulo, não adianta negar sua vocação, se Deus te chama, uma hora você terá um choque com o Ressuscitado que te fará ver que sua vida não tem sentido se não tiver Deus. Paulo caiu do cavado quando Cristo lhe aparece, e fica cego (por três dias) (cf. Atos dos Apóstolos 91ss). Já ouviu aquela frase que Deus escolhe os fracos para confundir os fortes (mais ou menos isso)? Foi parecido com Paulo, apesar de ele ser forte, mas Deus escolheu um perseguidor para pregar o Evangelho, e o povo ficava confuso, como podemos ver no seguinte versículo: “Este não é aquele que perseguia em Jerusalém os que invocam o nome de Jesus? Não veio cá só para levá-los presos aos sumos sacerdotes?” (Atos 9,21). O povo fica confuso, porque Deus faz milagres para mostrar Sua glória. E qual milagre maior do que a conversão? E a conversão de Paulo foi um milagre. Por isso, o povo foca muito na vida passada de Paulo, sem ver muito aquilo que ele se tornou: anunciador do Evangelho de Jesus Cristo. Acontece muitas vezes conosco, de as pessoas não quererem dar créditos as nossas palavras por conta de nosso passado. Mas, se meu passado foi de um pecado horrendo, como o foi, que a Virgem Maria interceda pelo perdão, que de regra – sem presunção – foi perdoado pelo Sacramento da Penitência (Confissão); e que meu futuro seja santificado pelo Espírito Santo. “Não vos lembreis mais dos acontecimentos de outrora, não recordeis mais as coisas antigas, porque eis que vou fazer obra nova, a qual jpa surge: não a vedes?” (Isaias 43,18). São Paulo viveu isso, abandonou o passado na Misericórdia de Deus, e o futuro na Providência divina (como vai dizer mais ou menos assim São Padre Pio)
Acho incríveis os preceitos de Deus. São Pedro se torna Papa; São Paulo um grande pregador, inclusive de grande mérito por ter várias de suas cartas incluídas no Canon da Bíblia Sagrada. E eles foram de carne e osso como eu e você. Tiveram as mesmas dificuldades, barreiras. Até a graça foi a mesma: receberam o Espírito Santo. O problema é o que eu e você fazemos com o Espírito. Ou melhor: o que deixamos o Espírito Santo fazer em nós. E não digo de forma “Carismática”, pois quem é cheio do Espírito é aquele que dar a vida por Cristo e Sua Igreja, independente de dons e carismas. Você pode ministrar curas e prodígios milagrosos, mas se não ministrar o maior milagre que é, pela ação do Espírito Santo, se converter... A coisa fica feia para você meu caro(a). Converta-se! Foi o que fez Pedro e Paulo antes de pregar a conversão para os demais. Você pode ter feito coisas horríveis no seu passado, mas o que vale é o desejo e a vida de santidade atual e futura. Tenha uma vida de oração, confissão, Rosário diário, etc. Pois somente assim, você poderá amar a Jesus a tal ponto de querer ser mártir como São Pedro e São Paulo. Não de forma presunçosa, mas de forma vocacional. Pois nascemos para amar aquele que nos amou primeiro. E seguindo o exemplo de São Pedro e São Paulo, como poderei eu não morrer de amor por quem morreu de amor por mim?
“Referi-vos essas coisas para que tenhais a paz em mim. No mundo haveis de ter aflições. Coragem! Eu venci o mundo.” (João 16,33)

Veja aqui o filme de São Pedro: http://catolicoargrade.blogspot.com/2012/01/seguir-um-filme-que-fala-da-vida-do.html

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Protesto contra o aborto... “Aí sim vocês estão fazendo algo útil”.





            
            SALVE MARIA!
Na 5ª Marcha Nacional da Cidadania pela Vida, realizada ontem (26), podemos ver o quanto o Governo Federal é tendencioso para propagar o mal. Como é dito na reportagem do site da Canção Nova, que também publiquei aqui, o Ministério da Cultura suspendeu o patrocínio de 113 mil reais para o evento (Em 2009). Claro, uma manifestação que visa defender algo que o próprio Governo quer eliminar, ou seja, a vida; seria contraditório para o governo Dilma. O Ministro da cultura, Juca Ferreira, segundo Elba Ramalho, ligou para ela dizendo ser contra o aborto, mas recebeu orientação para suspender o repasse; mesmo com o mesmo já tendo sido feito. Isso mostra somente o quanto mau caráter e sujo é o governo Comunista do PT.
            Agora vamos fazer um raciocínio lógico. O Governo impediu, na época, a ajuda financeira para uma manifestação de algo que o povo é contra: o aborto. Todos lutavam contra o aborto, povos, cores, sexos, religiões, ambos em um só grito: “Vida Sim! Aborto Não!” Em manifestações apoiadas pela maioria dos cidadãos brasileiros – já que pesquisas apontam maioria esmagadora dos brasileiros sendo contrário ao aborto – o Governo não apóia. Mas apóiam com verba muito mais expressiva eventos como a “Parada Gay”, aonde ajuda a promover algo que também a maioria dos brasileiros é contra. Senão ao “casamento” homossexual, mas sim a baixaria promovida por eles em plena Avenida Paulista (ou em outros lugares aonde ocorre o mesmo evento). Percebem a imparcialidade e a tendencia do governo em aprovar o aborto, “casamento” homossexual, eutanásia, etc. Assim, o povo fica sem conhecimento, e se perde.
            Podemos ver o tratamento diferenciado até mesmo pela própria mídia secular em geral. Ao procurar após o evento, em alguns sites de notícias, só deram pequenas notas ao evento. E a “Parada Gay”, “Marcha das Vadias”? Fora que nos eventos citados, a mídia sempre coloca “bons exemplos”, histórias emocionantes, mostrando que deve-se olhar diferente; a mídia chama os telespectadores e leitores de “homofóbicos” e preconceituosos em geral por serem contra. Inventa mentiras e tudo mais (inclusive em assuntos pró-aborto). Mas ao ver as notas citadas sobre a Marcha Pró Vida, além de pequenas, ainda pareciam mascarar o conteúdo do Novo Código Penal que uma equipe de juristas do Senado está elaborando.
            O título deste post, veio de uma resposta que um motorista me deu quando eu estava panfletando no sinal (panfletos provida). “O que vocês estão fazendo aí em cara?” - “Protesto contra o aborto”, respondi. E o mesmo disse esta importante frase para mim “Aí sim vocês estão fazendo algo útil”. A mídia e o Governo só colocam para o povo o que não presta, o que propaga a morte e a destruição, que pessoas ficam surpresas ao saber deste tipo de manifestação. Sabe por quê? Porque tudo tem investimento do governo e de grandes empresas. Tudo, mas tudo que é para propagar o mal. Parada Gay fazendo baixaria, e também defendendo o aborto; marcha das vadias defendendo também a baixaria e promiscuidade da mulher, junto com aborto. Tudo um monte de LIXO sendo jogado para o povo brasileiro. Que realmente quando aparece os pró-vida e os defensores da família tradicional, as pessoas se espantam. Tanto pela omissão de muita gente – como já diria o Papa Leão XIII: “A audácia dos maus se alimenta da covardia e da omissão dos bons” – como também da mídia que abafa.
            Carros passavam buzinando apoiando. Apesar de pessoas passarem dando dedo e xingando. E também um caso de uma pessoa que disse ser contra o aborto, mas ser contra o que nós estávamos fazendo. É, de fato, deve ser melhor a Marcha das Vadias com a Parada Gay ensinando sua filha a ser uma prostituta, assassina, e todo mundo ser gay. (Não to dizendo que você homossexual ou mulher faz isso, mas os militantes infelizmente propagam isso). O povo é contra o aborto! O povo é contra essa baixaria e safadeza que estão querendo legalizar. Aonde fica a democracia!?
            A Presidente Dilma (satã) Rousseff, está por debaixo dos panos, junto com o Ministério da Saúde, querendo aprovar o aborto. Essa aprovação viria com a tal política de “redução de danos”. Se matar reduz algum dano, fuzile uma boa parte dos deputados, senadores, governadores, prefeitos, senadores, etc. Ah, e Ministros do STF também... Não estou incitando a violência, entende? Apenas digo que se uma criança será um problema pros pais, a solução não é matar; até porque nossos Deputados e Senadores (Governo em Geral) causa muito mais problema e nem por isso estou querendo matá-los, pois a vida deve prevalecer. Apesar de boa parte ser um bando de canalhas, bandidos, assassinos, malfeitores.
            Acessem o link da reportagem da Veja sobre o caso Dilma e MS sobre o aborto http://catolicoargrade.blogspot.com/2012/06/ministerio-da-saude-estuda-forma.html
            Aí nesses momentos me vem a mente: AONDE ESTÃO OS DEPUTADOS E SENADORES PRÓ-VIDA? Na verdade alguns se manifestam. Mas quero manifestar minha indguinação com um ser repugnante em especial: Gabriel Chalita. Se você se doer por ele, o problema é seu, não sirvo a você e nem a ele, mas sim ao Deus Altíssimo pelas mãos da Virgem Maria! Só sei que este ser repugnante, deputado, diz ser católico, mas não passa de um “santo do pau oco”. Vocês já o viram se manifestando e militando a favor da vida e da família? Este asqueroso é tão covarde que quando ele foi afastado da TV Canção Nova, até o Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais parabenizou a Emissora por  ter tirado do ar o programa de Chalita e de Edinho Silva. Até em Roma o mau cheiro de sua covardia e omissão chegou. No caso do STF, que julgou e aprovou o aborto de anencéfalos, ele se omitiu dizendo não ser juiz mas sim deputado. Mas ele sim tinha que se manifestar, uma vez que o STF fez o trabalho dele, de legislar. Alguém viu Chalita na Marcha? Eu não vi. Sei que outros deputados católicos também não estavam. Mas o problema de Chalita é que ele não está em nada. Além de apoiar as desgraçadas da Dilma e Marta Suplicy. E mesmo depois de o Governo Dilma ter conseguido a aprovação do aborto de anencéfalos e reconhecimento da “união homoafetiva” (que alguns juízes têm até convertido em casamento), este escremento do Gabriel Chalita continua dizendo que sobre a Dilma tudo foi uma “boataria de internet”. Este aí se vendeu pro dinheiro, pra fama, pelo poder. Se você quer entrar pra política, é ótimo. Mas se apegue em oração, confissão, terço; por que caso contrário você se tornará uma besta como Gabriel Chalita. Então você de São Paulo, faça um favor pra si e para o Brasil inteiro: não elejam este canalha como prefeito de SP e nem mandem outra vez ele pra Brasília para defecar no Congresso. Nem elejam sequer como vereador. Como diria o Papa Paulo VI (se não me engano): “quem contribui para a evangelização também evangeliza.” E nesta linha, eu, Anderson Carlos Bezerra, afirmo: Quem contribui para a corrupção e essa baixaria toda no Congresso e Governo em geral, também faz o mesmo por ter votado nestes canalhas.
            Fica aqui meu manifesto. Ainda queria falar mais, mas a indignação toma conta. Estão espalhando a cultura da morte, e nós o que estamos fazendo? Não sejamos católicos apenas de IBGE, ou a nova linha: “Católico virtual” Que só comportilha imagem contra o aborto e dizendo ser católico no Facebook e demais redes sociais, mas na hora de dar a cara a tapa, todo mundo se omite. Levanta povo de Deus, vamos marchando como exército em ordem de batalha, sendo guiada pela General Nossa Senhora de Guadalupe (padroeira dos nascituros).
           SALVE MARIA!

            













Ministério da Saúde estuda forma oblíqua de legalizar e patrocinar o aborto. E o faz às escondidas, contra a vontade da sociedade. Dilma precisa saber que democracias não podem ter agenda secreta


Caras e caros, lancem este texto na rede e façam o debate. O Ministério da Saúde discute uma proposta verdadeiramente asquerosa na sua sanha para tentar legalizar o aborto por vias oblíquas. E Eleonora Menicucci, aquela, está no meio…

Se eu tivesse de escolher uma metáfora para a chamada política de redução de danos para os dependentes químicos, por exemplo, seria esta: “Vá lá e flerte com o demônio; você certamente conseguirá domá-lo”. A dita-cuja é considerada uma alternativa moderna e mais humana a um conjunto de ações contra as drogas, que vai da repressão a tráfico e  consumo ao tratamento médico propriamente dito. A “redução de danos” consiste em considerar o mal inevitável e em oferecer, então, condições mais seguras para experimentá-lo. ONGs que lidam com esse conceito, com o patrocínio do poder público, já distribuíram a viciados, por exemplo, kits com seringas para substâncias injetáveis e cachimbinhos para o consumo de crack. Na minha república, estariam todos na cadeia por incitação ao consumo de drogas. Por aqui, estão escrevendo artigos em jornais e integram programas públicos que lidam com viciados… Pois é! Agora, o conceito de “redução de danos”, de flerte supostamente civilizado com o mal, chegou ao aborto.
O Ministério da Saúde, acreditem os senhores, estuda uma forma de organizar na rede pública um atendimento pré-aborto, que se destinaria a orientar a mulher que quer interromper a gravidez sobre os melhores métodos para fazê-lo, preparando-a para a coisa e já agendando o atendimento pós-procedimento.
Dado que o aborto é crime fora das agora três exceções — estupro, risco de morte da mãe e feto com diagnóstico de anencefalia —, o Ministério da Saúde, segundo entendi, está querendo se estruturar para fornecer a expertise necessária à prática de um crime. Como o hospital público não pode fazer o aborto puramente eletivo, estaria atuando como o pré-atendimento dos açougueiros clandestinos de almas. A alternativa, segundo se entende dereportagem de Johanna Nublat na Folha de hoje, é a rede pública de saúde se transformar numa central de distribuição de um remédio abortivo. Leiam trechos. Volto em seguida.
*
O Ministério da Saúde estuda a adoção de uma política de redução de danos e riscos para o aborto ilegal. Trata-se de orientar o sistema de saúde a acolher a mulher decidida a fazer o aborto clandestino e dar a ela informação sobre riscos à saúde e métodos existentes. A ideia é polêmica porque pode envolver a indicação de métodos abortivos considerados mais seguros que outros, como o uso de misoprostol - princípio ativo do remédio estomacal Cytotec, amplamente usado em abortos, apesar de ter venda restrita.
“Como essa discussão é nova para nós, não fechamos o que seria um rol de orientação. Queremos estabelecer, até do ponto de vista ético, qual é o limite para orientar as equipes”, diz o secretário de Atenção à Saúde do ministério, Helvécio Magalhães. A ideia ainda está em fase de discussão interna, dentro de uma política maior de planejamento reprodutivo e combate à mortalidade materna. O modelo foi adotado pelo governo do Uruguai em 2004, como resposta ao alto número de mortes maternas decorrentes do aborto inseguro.
Tratada com cautela, a proposta foi abordada pela ministra Eleonora Menicucci (Mulheres), na semana passada, em um seminário sobre mortes maternas. Em 2011, morreram de janeiro a setembro 1.038 mulheres no parto e na gestação, número considerado alto. Em 2005, o governo estimava em 1 milhão os abortos induzidos anualmente, mas não há cruzamento com os óbitos. Menicucci e Magalhães dizem, por outro lado, que está mantida a posição de governo de não mexer na legislação que criminaliza o aborto. “Já temos a ideia de que isso não é crime, o crime é o ato em si”, diz o secretário.
(…)
VolteiÉ tudo de um cinismo asqueroso. Magalhães, este monstro do pensamento jurídico, já tem “a ideia” de que crime é o ato em si, não a colaboração para a sua execução. Não é o que está no Artigo 29 do Código Penal, a saber:Art. 29 - Quem, de qualquer modo, concorre para o crime incide nas penas a este cominadas, na medida de sua culpabilidade.
§ 1º - Se a participação for de menor importância, a pena pode ser diminuída de um sexto a um terço.
§ 2º - Se algum dos concorrentes quis participar de crime menos grave, ser-lhe-á aplicada a pena deste; essa pena será aumentada até metade, na hipótese de ter sido previsível o resultado mais grave.
Atentem para o “de qualquer modo”. A ingestão deliberada do misoprostol é só o método que vai conduzir à morte do feto — que é o crime. Recomendar a sua administração ou ministrar à mulher remédios preventivos, que a tornem mais apta a usar a droga abortiva, parece incidir de maneira cristalina no parágrafo primeiro desse Artigo 29.
É evidente que dona Menicucci — aquela que foi aprender a fazer aborto com as próprias mãos em clínicas clandestinas da Colômbia e que atuava num grupo que ensinava as mulheres a praticar o autoaborto — tinha de estar no debate dessa nojeira homicida. Ninguém precisa acreditar apenas em mim. Se vocês clicaremaqui, encontrarão um texto técnico, em inglês, sobre as condições de uso do Cytotec (misoprotol) e sua efetividade. Ele só é “recomendado” até a 12ª semana de gravidez. Em 70% dos casos, o aborto ocorre em até 12 horas, mas pode chegar a 72 horas, com contrações, hemorragias etc. Digam-me cá: esse atendimento pré-aborto ficaria devidamente registrado na ficha da mulher? Algo assim: “Recomendou-se nesta data que Fulana de tal ingerisse Cytotec ou introduzisse a droga na vagina…” Atenção! Nem a Organização Mundial da Saúde concluiu um estudo sobre o uso desse remédio com essa finalidade.
Número de mortesVocês se lembram que, até havia uns dois meses, afirmava-se em cena aberta que se praticavam no Brasil um milhão de abortos por ano, com a morte de 200 mil mulheres? Em fevereiro, peritos da ONU esfregaram esses números da cara de Dona Menicucci, cobrando providências, e ela os acatou. Nem poderia ser diferente, não é? Abortista e confessadamente aborteira, ela está entre aqueles que ajudaram a produzir essa farsa. Com dados do IBGE, provei que esses números eram estupidamente mentirosos. O número de mulheres mortas estava sendo multiplicado por, deixem-me ver, 200!!! Vejam lá no texto da Folha. O governo insiste na falácia daquele milhão de abortos, mas o número de mulheres mortas caiu brutalmente, não é? De janeiro a setembro, 1.038 ocorrências na gestação e no parto. Atenção! Mesmo nesse universo, é impossível saber quantas pereceram em razão de abortos provocados.
Os terroristas do abortismo resolveram aposentar um dos números falaciosos (as 200 mil mortes, que nunca ocorreram), mas mantiveram o outro — os supostos 1 milhão de abortos provocados.
Agenda ocultaVai mal o governo também nessa questão. Não gosto de agendas ocultas. Elas fraudam a democracia. Dilma era favorável à legalização do aborto. Disse isso mais de uma vez. Declarou ter mudado de opinião quando se fez candidata. A máquina de propaganda petista tentou operar o milagre de criminalizar — um escândalo moral!!! — quem dizia a verdade sobre a opinião do partido e da então candidata. O Tribunal Superior Eleitoral cometeu a vergonha de pôr a Polícia Federal no encalço de católicos que distribuíram panfletos sobre o tema, numa agressão arreganhada à liberdade de expressão.
Eleita, Dilma nomeou para o Ministério das Mulheres uma abortista fanática e aborteira confessa e mantém o tema como agenda permanente do governo, embora escolha sempre um caminho oblíquo.
O debate não é vergonhoso só por causa do mérito: o assassinato; o debate não é vergonhoso só por causa do estelionato eleitoral: Dilma disse que não daria curso a essa questão; o debate não é vergonhoso só por causa da covardia política: tenta-se a legalização da prática por vias tortas. O debate também é vergonhoso porque o atendimento à saúde no Brasil é um descalabro. Impor essa agenda a um serviço que larga os miseráveis em macas pelos corredores, em hospitais e postos de atendimento que são verdadeiros pardieiros, é um desses luxos a que só o fanatismo ideológico se consente.
E tudo por quê? Porque os “progressistas” não abrem mão de legalizar os assassinatos virtuosos. Numa democracia convencional — isto é, saudável —, a oposição tomaria a palavra nesta quarta no Congresso e obrigaria o governo a se explicar. A nossa vai ficar em silêncio porque não considera que este seja um tema relevante. A vanguarda da morte está assanhada. Cadê a vanguarda da vida? Se o governo quer legalizar o aborto, que tenha a coragem de fazer o debate às claras.
Por Reinaldo Azevedo


Fonte: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/ministerio-da-saude-estuda-forma-obliqua-de-legalizar-e-patrocinar-o-aborto-e-o-faz-as-escondidas-contra-a-vontade-da-sociedade-dilma-precisa-saber-que-democracias-nao-podem-ter-agenda-secreta/

Marcha contra aborto reúne três mil pessoas em Brasília

(Reportagem de 2009)

Ronaldo da Silva
Brasília (DF)


Agência Brasil
3ª Marcha Nacional da Cidadania pela Vida e pela Paz, evento promovido pelo Movimento Nacional em Defesa da Vida - Brasil Sem Aborto
A Marcha Nacional da Cidadania pela Vida liderada pelo Movimento Brasil Sem Aborto, reuniu cerca de três mil pessoas, neste domingo, 30, em Brasília (DF). Depois de percorrer cinco quilômetros ao som de três trios elétricos, o ponto culminante do evento foi na Esplanada dos Ministérios com um show da cantora Elba Ramalho.

Seguidores de várias religiões, artistas, juristas, jornalistas e simpatizantes da causa vieram de vários estados como São Paulo e Goiás. Um dos organizadores da caminhada, Jaime Ferreira Lopes, acredita que o aborto é a "matriz mais forte" de todos os tipos de violência, por isso a necessidade de manifestações coletivas contra a prática.

A marcha se tornou também um ato de protesto contra o governo federal que boicotou a verba de patrocínio do evento depois ter sido liberada e depositada em conta.

Na última sexta-feira, o Ministério da Cultura suspendeu o repasse de R$ 113 mil alegando que houve "omissão de informação na apresentação do projeto", pois não deixou claro que a marcha se tratava de uma manifestação contra o aborto.

A organização do evento se defendeu afirmando que o projeto estava claro ao propor ações culturais em defesa da vida, além de ter sido aprovado sob os aspectos técnicos e jurídicos pelo mesmo Ministério da Cultura.

Na avaliação do Movimento Brasil sem Aborto, a suspensão do patrocínio foi cerceamento da liberdade de expressão e demonstrou parcialidade do governo em relação ao tema. Eles lembraram que em 2008 um filme pró-aborto, produzido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foi financiado com verba pública.

Elba Ramalho começou o show cantando a Oração de São Francisco. Apesar de já ter praticado aborto, a cantora se tornou engajada na campanha e diz que hoje não abortaria mais, defendendo a vida em todas as circunstâncias.

Elba teve sua participação questionada no evento por grupos feministas, mas disse que o maior equívoco que a sociedade pode cometer é aprovar o aborto. "Vim colocar minha assinatura nesta luta. Sou católica praticante de comunhão e Missa frequente e se tiverem que me metralhar neste palco morrerei feliz, mas não mudo minha opinião", declarou.

A cantora revelou ainda que o próprio ministro da Cultura, Juca Ferreira, telefonou para ela antes de cancelar a verba do evento, explicando que ele próprio é contra o aborto, mas recebeu orientação para não apoiar a manifestação. "Eu disse a ele que não concordava com essa atitude do governo e que isso era censura à livre manifestação". E concluiu: "Infelizmente, estamos neste fim dos tempos percebendo que seremos cada vez mais perseguidos por nossas posições que defendem os valores. O mundo está cada vez mais dominado por forças estranhas".

O protesto buscou mobilizar a sociedade contra projetos que tramitam no Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal (STF) visando a legalização do aborto no país. 

Fonte: http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=273776

(Reportagem de 2012)


Marcha pela vida reúne centenas de pessoas em Brasília

Helen Bernardes
Canção Nova Notícias, DF


Em Brasília a população foi às ruas participar da 5ª Marcha Nacional da Cidadania pela Vida nessa terça-feira, 26. A Esplanada dos Ministérios foi ocupada pelas manifestações contra a proposta de reforma do Código Penal. A comissão de juristas, entrega o documento ao Senado nesta quarta-feira.

Assista à reportagem



http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=286615

terça-feira, 26 de junho de 2012

Promotores do Aborto Admitem Derrota na Conferência do Rio


Jun 21, 2012
RIO DE JANERIO, 20 de junho (C-FAM) Numa exibição surpreendente de solidariedade, um grupo diversificado de países se uniu à Santa Sé para removerem, com êxito, toda menção de direitos reprodutivos ou controle populacional do documento final produzido durante a última rodada de negociações da ONU na conferência Rio +20 nesta semana.
Nos seis meses passados, o Fundo de População da ONU (FNUAP) junto com a Noruega e Islândia, e Católicas pela Escolha e a Federação Internacional de Planejamento Familiar, trabalharam febrilmente juntos para tirar vantagem da conferência Rio +20 sobre desenvolvimento sustentável a fim de promover tanto um direito internacional ao aborto quanto o controle populacional.
Católicas pela Escolha distribuiu várias publicações e declarações fazendo de alvo óbvio a influência única do Vaticano dentro da ONU como Observador Permanente. Num recente informe, esse grupo afirmou que a “tendência da Santa Sé de insistir em posições periféricas que a colocam longe dos que estão no consenso predominante” mina “o consenso internacional sobre direitos humanos e provoca um retrocesso nas normas e princípios que são igualmente valorizados pelos países membros da ONU”.
Contudo, as negociações no Rio nesta semana mostram que a Santa Sé, longe de estar na “periferia” entre as nações, é líder de consenso. Junto com a Santa Sé, Nicarágua, Chile, Rússia, Honduras, Síria, República Dominicana, Costa Rica e Egito todos rejeitaram a introdução de “direitos reprodutivos” no documento final da Rio +20.
A Nicarágua, que é dirigida por um governo esquerdista, foi talvez o mais contundente, e insistiu em que as delegações cessassem de “lutar em torno do termo direitos reprodutivos” que “todo país sabe que é um código na ONU para se referir ao aborto”. A delegação nicaraguense apontou para o fato de que foram a Noruega e a Islândia, não a delegação da Santa Sé, que estavam minando o consenso ao imporem “questões proibidas” que forçariam os países a concordarem com um documento que está “em conflito direto com suas leis e legislação nacional”.
A delegação do Chile fez declaração semelhante, declarando o “direito à vida” como “incompatível com o termo direitos reprodutivos” e questionando ainda mais sua inclusão num documento que tem o objetivo de tratar de desenvolvimento sustentável.
No começo da semana passada, deixou-se clara a ligação polêmica entre direitos reprodutivos e desenvolvimento sustentável quando a Nova Zelândia junto com a Noruega, a Islândia, os Estados Unidos, o Canadá, a Suíça, a UE e a Austrália pediram a inclusão do termo “dinâmica populacional” do FNUAP no mesmo parágrafo de saúde sexual e reprodutiva.
A Rússia e a Santa Sé, junto com os países do G77 não perderam tempo em apontar que o termo, particularmente quando colocado no mesmo parágrafo de planejamento familiar, era uma tentativa de “promover o controle populacional” como meio de alcançar o desenvolvimento sustentável. Essa frase também foi tirada do documento.
Durante a conferência tanto a UE quanto as delegações da África permaneceram a maior parte do tempo em silêncio sobre o termo direitos reprodutivos e controle populacional, mas por razões diferentes. As delegações africanas por exemplo estão com medo de que se abrirem a boca os financiamentos de que dependem desesperadamente serão cortados por organizações como o FNUAP. A UE, por outro lado, não abriu a boca a fim de não quebrar o consenso dentro de seu próprio grupo, considerando que três países, inclusive a Irlanda, permanecem solidamente pró-vida.
As feministas pró-aborto já estão se queixando sobre sua perda no Rio. Vicky Markham do Centro do Meio-Ambiente e População escreveu nas páginas do RH Reality Check para levantar o alarme sobre a derrota iminente delas. “As negociações na linguagem preliminar da Rio+20 que inclui ‘mulheres’ e ‘direitos reprodutivos’ deram uma grande virada para pior… e as coisas parecem muito ruins de acordo com relatórios vindo do local…” Ela disse que as ONGs estavam organizando uma grande marcha no centro da conferência ontem de tarde para protestar contra a perda delas. Parece ter sido pequena demais e tarde demais.

Tradução: Julio Severo

Fonte: http://www.c-fam.org/fridayfax/portuguese/volume-15/promotores-do-aborto-admitem-derrota-na-confer%C3%AAncia-do-rio.html

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Uma nova seita no meio de nós: A Igreja Católica Apostólica Carismática


Alerta aos católicos: Uma nova seita está no meio do povo de Deus. É o famoso lobo vestido de pele de ovelhas. E ele tem um nome: Igreja Católica Apostólica Carismática. Esses dias eu recebi um panfleto na minha residência avisando de uma missa celebrada por um cidadão que se diz padre e ordenado por outro cidadão que se intitula bispo. Coisa revoltante. Engraçado que quando perguntei se eles eram ligados a Igreja Católica Apostólica Romana eles disseram que todos os católicos eram bem-vindos. Sairam pela tangente.
Eis o folheto recebido: Convite para uma missa onde o Bispo em nada parece com Dom Ercílio Turco, Bispo da Diocese de Osasco.
Não escreveria sobre essa seita aqui, senão percebesse ai uma má fé incrível:Denominar-se Igreja Católica Apostólica para enganar alguns católicos que, por serem menos esclarecidos na fé, podem vir a se deixar levar pelos seus maldosos convites.
Por isso, baseado em informações dos sites dos padres da tal igreja (que está mais para seita do que igreja), resolvi escrever para alertar os irmãos menos esclarecidos na fé. Depois se desejarem, veja nestes links os pronunciamentos oficiais dos bispos daDiocese de Osasco e da Diocese de Santos sobre elas.
Na pesquisa efetuada, não consta uma data de fundação da tal seita. Portanto não temos como saber quando começaram as suas atividades. Existe um homem intitulado bispo, chamado Dom Euclides Nunes, todavia não sabemos quem o ordenou e quando. Todos nós católicos sabemos que bispo para se tornar “bispo”, precisa ser ordenado por outro bispo já ordenado e ligado a Igreja Católica Apostólica Romana. Ninguém pode chamar-se de bispo. Dom Euclides Nunes não faz parte da Sucessão Apostólica. Ele não é bispo de nenhuma Diocese da Igreja Católica Apostólica Romana. Portanto nenhum padre ordenado por ele pode consagrar o pão e o vinho.
A ICAC (Sigla da Igreja Católica Apostólica Carismática) tem como preceitos:
1 – Não possui os sete sacramentos da Igreja Católica Apostólica Romana. Para eles o Matrimônio pode ser recebido mais de uma vez e a confissão não é sacramento. Por isso os fiéis desta seita, segundo eles, não precisam confessar seus pecados aos padres. Segundo o site de um dos pseudos-padres da Igreja:
“A missão de um padre é pregar o Evangelho, aconselhar e rezar pelo povo e não ficar ouvindo pecados.”
Isso difere da Doutrina da Igreja Católica Apostólica Romana, que ensina o que o próprio Cristo ordenou:
Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos. (São João 20,23)
2 – Não existe a lei do celibato. Para eles, o bispo, padre ou diácono pode ser casado ou solteiro, ele decide qual o estado de vida.
3 – Segundo eles não existe purgatório e, portanto os mortos não precisam de oração. Isso contraria a fé católica da Comunhão dos Santos. Se quiser saber mais sobre isso clique aqui!
4 – Para eles, o Papa não é tido como o Chefe (Visível) supremo da Igreja. Para eles o Papa é um primus inter pares – primeiro entre os iguais, é apenas o bispo de Roma e tem um “peso” igual ao bispo deles.
5 – Segundo a ICAC o aborto é repreensível, embora admitido quando a gestante possa ter sua vida posta gravemente em risco. Ou seja, para eles o pecado do aborto pode não ser pecado. A Igreja Católica Apostólica Romana é contra todo tipo de morte, incluindo o aborto.
6 – Métodos anticoncepcionais para a ICAC são permitidos. É uma decisão do casal acabar com a possibilidade de fecundação ou não. Para eles isso não é pecado. Não há qualquer pronunciamento da seita a respeito. Eles não tem um posicionamento definido. Ou seja, quem cala consente.
7- A Igreja Católica Apostólica Romana não realiza, a não ser em casos especiais, batizados, casamentos e crismas fora das igrejas e espaços normalmente destinados ao culto e às celebrações sagradas, como, por exemplo, chácaras, buffets e outros locais. Já a ICAB realiza casamento em qualquer lugar, porém o seu sacramento não é válido para a Fé Católica Apostólica Romana.
Ah, e tem mais coisa! Embora ela tenha o nome de “carismática”ela não tem nenhum vínculo com a RCC (Renovação Carismática Católica), que um movimento que está dentro da Igreja Católica Apostólica Romana e lhe é obediente. O nome é também para confundir os fiéis. Fique esperto!
Esta não é a primeira e nem a última vez que tentam usar de artifícios como estes para levar os católicos ao caminho do erro. Dentro das seitas protestantes já é normal vermos seus líderes se autodenominando “bispos”, “bispas” e “apóstolos”, e alguns deles chegando a usar o “clerygman” em suas aparições televisivas.
Estamos em um tempo onde a cada dia surgem novas seitas querendo afastar o povo de Deus do verdadeiro caminho. Fiquemos atentos! Abaixo, cito os nomes dos bispos das dioceses católicas apostólicas romanas da província eclesiástica de São Paulo. Se não constam nesta lista, fique esperto! Alguma coisa de errado tem!
  • Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo
  • Dom Tomé Ferreira da Silva, bispo auxiliar de São Paulo
  • Dom Tarcísio Scaramussa, bispo auxiliar de São Paulo
  • Dom Edmar Peron, bispo auxiliar de São Paulo
  • Dom Milton Kenan Júnior, bispo auxiliar de São Paulo
  • Dom Júlio Endi Akamine, bispo auxiliar de São Paulo
  • Dom Ercílio Turco, bispo de Osasco
  • Dom Fernando Antônio Figueiredo, bispo de Santo Amaro
  • Dom Nelson Westrupp, bispo de Santo André
  • Dom Jacyr Francisco Braido, bispo de Santos
  • Dom Joaquim Justino Carreira, bispo nomeado de Guarulhos
  • Dom Luiz Antônio Guedes, bispo de Campo Limpo
  • Dom Airton José dos Santos, bispo de Mogi das Cruzes
  • Dom Manuel Parrado Carral, bispo de São Miguel Paulista
  • Dom Vartan Waldir Boghossian, bispo do exarcado armênio, para os católicos apostólicos romanos de rito armênio residentes no Brasil
  • Dom Farès Maakaroun, bispo da eparquia Nossa Senhora do Paraíso, dos católicos apostólicos romanos de rito greco-melquita
  • Dom Edgard Madi, bispo da eparquia Nossa Senhora do Líbano, dos católicos apostólicos romanos de rito maronita.

Elba Ramalho tem recebido ameças de grupos feministas.



A cantora Elba Ramalho - pró vida - tem recebido ameaças de grupos feministas por defender a vida e ser radicalmente contrária ao aborto. Vamos rezar por ela, e por todos que lutam pela vida. E assim, também, começar a lutar contra o aborto, pois a guerra já começou. Temos que rezar com o Rosário na mão, junto com Nossa Senhora, pra vencer essa guerra contra a morte. Vamos junto? Ou você é COVARDE o suficiente de deixar que matem crianças inocentes ainda no ventre de suas mães por causa de algumas ameaças? A maior ameaça é o silêncio dos bons. Não se acovarde, levanta-te profeta filho de Deu, filho de Maria!


"A audácia dos maus se alimenta da covardia e da omissão dos bons..." (Papa Leão XIII)



sexta-feira, 22 de junho de 2012

A Santa Escravidão de Amor é Aprovada pela Santa Igreja

 


“Não se pode objetar que esta devoção seja nova ou sem importância. Não é nova porque os concílios, os padres e muitos autores antigos e modernos falam desta Consagração a Nosso Senhor ou renovação das promessas do batismo, como de uma prática antiga, aconselhando-a a todos os cristãos”. (T.V.D. 131)

Mas será a Santa Escravidão uma doutrina certa, segura, aprovada pela Santa Igreja?
Convém responder a esta pergunta, pois o lado misterioso desta doutrina, este segredo, parece, à primeira vista, em oposição com a doutrina da Igreja, que é sempre clara, precisa, ao alcance de todos.
Sim, tal doutrina é plenamente aprovada pela Santa Igreja. E a sua prática entra plenamente no espírito do Evangelho.
O Evangelho, como diz o Apóstolo, é um escândalo para os judeus e uma loucura para os gentios (1 Cor 1,23); como a sabedoria deste mundo – diz o mesmo Apóstolo – é loucura perante Deus (1 Cor 3,19).
Basta averiguar que o fim desta devoção é a humildade, a renúncia de nós mesmos e o espírito de sacrifício, para se poder dizer que é uma doutrina profundamente evangélica. Podemos ajuntar a este argumento mais um outro de grande valor; é que tal devoção é um meio de amor mais ardente à Mãe de Jesus, amor que a Igreja procura sempre incutir com tamanha insistência. Ora, assim sendo, já se vê que, praticando-a, estamos plenamente com o ensino do Evangelho e da Igreja.
Há muito por onde desconfiar da doutrina que leva ao comodismo e afasta de Maria Santíssima; mas podemos absolutamente confiar no ensino que estimula à penitência e aproxima as almas da Santíssima Virgem. Penitência e amor de Maria – estes são os dois caracteres da doutrina cristã, as duas asas da alma fervorosa, os dois luzeiros da verdadeira fé.
Vamos agora mais particular citando os Sumos Pontífices. Passemos, entretanto, em silêncio sobre numerosas aprovações de bispos e teólogos afamados, para só indicar documentos autênticos da Santa Sé.

1. Clemente VIII (1592-1605) – Confere grande indulgência à Confraria dos escravos, estabelecida nos Conventos Religiosos do Hospital de Caridade, no bairro de São Germano, em Paris, assim como aos que tragam consigo, e recitem a Coroinha de Nossa Senhora.

2. Gregório XV (1621-1623) – Confere igualmente indulgências aos Escravos de Nossa Senhora.

3. Urbano VIII (1623-1644) – Este Soberano Pontífice, consultando sobre as práticas exteriores de nossa devoção, especialmente sobre as correntinhas que os escravos trazem, aprovou tão louvável fervor e deu a 20 de junho de 1631 a bula Cum sicut accepimus, pela qual concede grande número de indulgências aos escravos de Maria Santíssima.
4. Alexandre VII (1655-1667) – Expediu uma bula, a 23 de junho de 1658, na qual, por motivo da organização da “Sociedade da Escravidão” em Marselha, no Convento dos PP.Agostinianos da Provença, acrescenta às indulgências concedidas pelo Papa Urbano VIII aos escravos da Santíssima Virgem, outras muitas e consideráveis.

5. Pio IX (1846-1878) – é sob seu pontificado que, a 12 de maio de 1853, se promulga em Roma o decreto declaratório de que os escritos de São Luís eram isentos de todo erro que pudesse obstar-lhe a beatificação.  
Os últimos Papas

6. São Pio X – tinha uma singular estima à perfeita devoção, e especialmente ao Tratado da Verdadeira Devoção, escrito por São Luís Maria Grignion de Montfort. Quando pensou em compor a encíclica comemorativa do Jubileu da Imaculada Conceição, este Pontífice, que de muito, conhecia o livro de São Luís Maria Grignion de Montfort, quis relê-lo, como confessou depois; e valeu-se do “Tratado” relendo-o tantas vezes, a ponto de reproduzir os pensamentos e, não raro, as mesmas expressões do santo missionário.
O Procurador Geral da Companhia de Maria, numa audiência, disse ao Papa: “Vossa Santidade deseja, sem dúvida, como nós, que a verdadeira devoção, ensinada por São Luís Maria Grignion de Montfort, se espalhe cada vez mais... E há de desculpar-me se venho pedir-lhe uma bênção especial e estímulo”.
Mal acabara de falar, e o Santo Padre, estendendo a mão, com um sorriso afirmativo, tomou a “súplica” escrita do Procurador, leu-a, e, apenas findada a leitura, tomou da pena, e escreveu em baixo estas linhas:
“Acedendo a vosso pedido, recomendamos vivamente o Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, tão admiravelmente escrito por São Luís Maria Grignion de Montfort; e a quantos lerem este Tratado concedemos, de todo o coração, a bênção apostólica.
27 de dezembro de 1908 Pio P.P.X”.
Uma recomendação tão solícita e vinda de tão alto deve, necessariamente, produzir uma forte impressão nos corações católicos. Ao receber o documento supra, o Procurador disse: “Esse livrinho já fez um grande bem; recomendado agora por vossa Santidade, ele há de fazer muito mais no futuro”.
“Ele é verdadeiramente belo!” – Respondeu o Santo Padre, com convicção.
Sob o pontificado de São Pio X foi a santa escravidão definitivamente organizada em associação, tanto para esses sacerdotes, como para os simples fiéis. A Arquiconfraria de Nossa Senhora, cujo fim é a prática da santa escravidão, foi ereta canonicamente pelo Papa São Pio X a 28 de abril de 1913.
Quanto à Associação dos Padres de Maria, já existia praticamente, mas foi canonicamente organizada no Congresso Mariano de Einsideln (Suíça – 1906), tendo como protetores os Cardeais Vannutelli e Vives.
São Pio X foi o primeiro a inscrever-se nela, figurando pois o seu nome no cabeçalho da lista dos sacerdotes consagrados a Maria Santíssima.


7. Bento XV – Não foi menos devoto à Santa Escravidão. A 28 de abril de 1916 por ocasião do segundo centenário de São Luís Maria Grignion de Montfort, enviou Ele uma carta autógrafa ao Superior da Congregação de Maria, na qual disse: “A verdadeira devoção à Santíssima Virgem” é um livro pequeno em tamanho, mas de uma grande autoridade, e de grande unção. Possa ele espalhar-se mais e mais, e avivar o espírito cristão num grande número de almas!”.
Em face dessas autoridades, é forçoso concluir que a santa escravidão não é uma novidade, uma doutrina sem aprovação da Igreja. Ao contrário, deve dinamar, como o provamos, dos mais sagrados dogmas de nossa religião, qual conclusão lógica de premissas certas.
Uma vida tão santa, os muitos milagres, e, sobretudo a beatificação de seu autor, já seria uma prova suficiente de que a santa escravidão é conforme ao ensino da Igreja.
É, entretanto, bom e reconfortante ouvir a aprovação dada a incitar os cristãos a uma tão bela prática.
Fonte: Pe. Lombaerde, Júlio Maria. O Segredo da Verdadeira Devoção para com a Santíssima Virgem. Múltipla Gráfica e Editora Ltda, 1ºed., 2005, págs. 191-194.

Papa João Paulo II – Escravo por amor, TOTUS TUUS
O Papa João Paulo II expressava um grande amor à Santíssima Virgem. Tanto, que escolheu para seu lema de pontificado, o “Totus Tuus” – Todo teu, ó Maria!.
Quando seminarista leu o Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Maria. Sua devoção a Nossa Senhora, desde então, tornou-se mais intensa. Como ele próprio disse: “A leitura deste livro marcou em minha vida uma transformação decisiva... A consciência foi que a devoção de minha infância e mesmo de minha juventude para com a Mãe de Cristo ganhou uma nova dimensão... Enquanto antes me mostrava reservado, com medo de que a devoção a Maria pudesse deixar Cristo na sombra, em vez de lhe dar prioridade, entendi agora, à luz do Tratado de Grignion de Montfort, que a realidade é totalmente diferente.

A devoção a Maria, que tomou assim uma forma determinada, continuou viva em mim. Tornou-se uma parte integrante da minha vida interior e de meu conhecimento espiritual de Deus”.

(“Não tenham medo”, André Frossard, entrevista com o Papa João Paulo II, ed.Círculo do Livro, pág. 143-145).

Em uma carta do Papa João Paulo II, do dia 15 de agosto de 1984, por ocasião da celebração de XXV aniversário da consagração da Itália ao Coração Imaculado de Maria explica os fundamentos bíblicos e teológicos da Consagração à Santíssima Virgem: “O significado antigo da consagração à Virgem Santíssima consiste não apenas num efêmero gesto devocional, mas na acolhida filial daquela que Cristo nos deu por Mãe na ordem da graça, na pessoa do discípulo amado (cf. Jo 19, 25-27).
Tal relacionamento direto e permanente com Maria na oração, na disponibilidade ao seu influxo e na assimilação das suas atitudes evangélicas, por sua vez transforma-se em um caminho de fidelidade a Cristo, de docilidade ao Espírito Santo, de comunhão de amor com o Pai e de vida eclesial.

Espero, portanto, que o renovado empenho de consagração a Maria seja visto e vivido em referência à história da salvação, ‘como modo seguro para realizar a aliança com Deus’, restabelecida por Jesus Cristo no Mistério Pascal e efetuada pelos cristãos no batismo, na confirmação e na Eucaristia.

Consagrados a Deus por iniciativa gratuita do amor misericordioso, devemos viver para Ele, oferecendo a nossa pessoa ‘como sacrifício vivente, santo, agradável a Deus’ (Rm 12,1) sob o exemplo de Maria, a Virgem consagrada ao Senhor.