sábado, 19 de maio de 2012

“Ainda não tendes resistido até o sangue, na luta contra o pecado. (Hebreus 12,4)

“Ainda não tendes resistido até o sangue, na luta contra o pecado. (Hebreus 12,4)
            Confesso que fiquei escandalizado ao rezar com este versículo. Deus não poderia ter sido mais direto. Rezei e refleti. E que tal você também fazer o mesmo com este versículo? Será que estamos lutando até o sangue na luta contra o pecado? Não é uma lutinha, mas é até o fim! É de fato ser cheio do Espírito Santo, tendo aflorado o dom do Santo Temor de Deus, que consiste em querer tudo sofrer do que ofender a Deus. Será que realmente estamos fazendo uso deste dom que já temos pelo Sacramento da Crisma? Ou estamos acomodados achando que já estamos santos o suficiente para “garantirmos” pelo menos um purgatório. Estamos vergonhosamente acomodados, e esquecemos que o Reino dos Céus é arrebatado à força e são os violentos que o conquistam (cf. Mateus 11,12).
         Enquanto rezava, lembrava de duas santas em especial. Uma era a Beata Alexandrina, que teve um ato de amor a Deus, tomada pelo Santo Temor de Deus, dando-nos um testemunho de que devemos tudo sofrer para não ofender ao nosso Amado Deus. Esta beata que aos 14 anos de idade, para não ser abusada sexualmente em sua casa por 3 rapazes, pulou de uma janela de 4m de altura; ficando assim paraplégica já que a queda agravou sua mielite (lesão na medula). E fico imaginando: será que eu seria capaz de tão nobre ato de amor a Deus para viver a pureza? Se não, a partir de hoje eu devo ser violento de coração, renunciar a mim mesmo, rejeitar as seduções de satanás e buscar a santidade a todo custo. Esta beata após este ocorrido foi usada por Deus por um amor grandioso a Jesus Sacramentado, vivendo durante 13 anos alimentando-se apenas da Eucaristia. E nós? Temos lutado para estar com Jesus Sacramentado? Este Deus que não desiste: se fez homem descendo ao ventre da Virgem Maria, cresceu como um ser humano qualquer enquanto era Deus. Foi renegado, foi pregado em uma cruz; mas já antes já se havia feito pão na Santa Ceia, e na cruz consumado isso. Desceu aos infernos. Ressuscitou ao terceiro dia; subiu ao Céu. Enviou-nos o Deus Espírito. E continua a milênios se fazendo presente no mundo em forma de pão: na Santíssima Eucaristia. É tanto amor, tanta loucura de amor de Deus para conosco, que nós nos tornamos mais miseráveis ainda por não fazer atos até muito menores do que o da beata Alexandrina para não ofender a Deus. Já havia pensado nisso?
            Outra santa que lembrei foi Elisabeth da Trindade. Na verdade lembrei-me de uma frase que nem sei se é de sua autoria. A frase é a seguinte: “prefiro ter o corpo cortado em mil pedaços do que cometer 1 pecado venial”. Isso escandaliza o meu ser tão pecador! Se ela preferia isso a cometer um pecado venial, quanto mais a um mortal. São exemplos destes e de Beata Alexandrina que devemos seguir. Devemos abraçar o sofrimento, pois é uma correção do Pai (cf. Hebreus 11,8-11). Mas o fato aqui não se trata nem de uma correção de Deus. Mas nossa mesmo. As vezes dizemos que tal coisa não é pecado, que de fato pode até não ser, mas nos coloca em vulnerabilidade ao pecado. E ficamos vivendo em uma vida cheia de perigos de pecar, sem temor, vivendo como se Deus fosse omisso ou não se importasse com a nossa santidade. Devemos tirar de nós a mentalidade de que tudo pode. Ou de que tudo pode fazer contanto que confesse depois. Assim, fazendo uma banalização do Sacramento, sendo presunçoso e caindo mais ainda em pecado. Temos que diante da situação de pecado, dar meia volta e dirigi os passos no caminho certo (cf. Hebreus 11,13). E esse caminho certo é o caminho da santidade. A santidade que vai até ser sofrimento, mas não existe sofrimento vivido por amor aqui na terra que não se converterá em alegria no Céu. E este ensinamento de querer ter o corpo cortado em mil pedaços antes de pecar, serve para nós. Não estou dizendo para ninguém se mutilar. Mas a grande forma de vencer o pecado é a vida de oração, confissão, Eucaristia, e também jejuns e penitências. Temos que fazer doer na carne para educar nosso corpo e alma que tendem ao pecado. De fato, falta-nos violência de coração. Até ouso dizer: falta-nos amor a Deus, pois quem ama não quer ofender. Pelo contrário, tudo quer agradar, e se unir.
            E voltando ao versículo proposto, vejo o quanto Deus nos pede a extremidade no amor. Amar o próximo mesmo com todas as dificuldades em amá-los. Com todos os problemas, defeitos; que nós também temos e muitas vezes somos “aguentados” na marra. Quantas vezes nosso pecado não está na língua, no ataque desnecessário, no julgamento, no vão pensamento, etc. Estamos lutando contra isso?
            E por fim, algo que somos chamados a fazer: Amar profundamente a Igreja Católica Apostólica Romana. Lembro da vida dos mártires, que deram a vida; derramaram seu sangue por amor a Cristo e Sua Igreja. Lutaram para não pecar. Deram a vida por essa causa; mas também deram a vida por amor a Santa Igreja, pois se negassem a Cristo e Sua Igreja, estariam cometendo um pecado muito maior do que todos os pecados já cometidos antes juntos. Hoje, mais do que nunca, sou chamado a tomar posse do Espírito de Parresia que o Senhor me dá. Para lutar pela reconstrução da Igreja naquilo que Ele me concede. Pela santificação das pessoas. Pela salvação das almas. Sou chamado, caso precise, a derramar o meu sangue por amor a esta Igreja que é Santa, Católica, Apostólica e Romana. Devo derramar o meu sangue por quem derramou o sangue antes por mim: Cristo. E se um dia calarem a minha voz, que então meu sangue fale por mim as verdades de Deus. Eu amor a Igreja! Eu amo Cristo! Por isso hoje, te convido a junto comigo detestar o pecado e declarar guerra contra o pecado. Nossas armas: oração, confissão, terço (rosário) diário, Eucaristia diária, Palavra de Deus, adoração etc...
            Sejamos uma geração adoradora, que prefere sofrer tudo antes de chegar ao menos perto de ofender a Deus. Que nossa boa Mãe Nossa Senhora das Graças nos ensine este caminho.
            Shalom!

2 comentários:

  1. Esse post foi forte!!!! É aí que percebo quão longe me faço de Deus ...

    ResponderExcluir
  2. Basta querer voltar irmã ao amor irmã Ele está sempre disposto a nos ter nod braços de pai

    ResponderExcluir