domingo, 12 de fevereiro de 2012

Nós também devemos estar no Monte das Oliveiras

“Conforme o seu costume, Jesus saiu dali e dirigiu-se para o Monte das Oliveiras, seguido dos seus discípulos. Ao chegar àquele lugar, disse-lhes: “Orai para que não caiais em tentação”. Depois se afastou deles à distância de um tiro de  pedra e, ajoelhando-se, orava: “Pai, se é de seu agrado, afasta de mim este cálice! Não se faça, todavia, a minha vontade, mas sim a tua”. Apareceu-lhe então um anjo do Céu para confortá-lo. Ele entrou em agonia e orava ainda mais com mais instância, e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra. Depois de ter rezado, levantou-se, foi ter com os discípulos e achou-os adormecidos de tristeza. Disse-lhes: “Porque dormes? Levantai-vos, orai, para não cairdes em tentação”. (Lucas 22,39-46)
       Irmãos, vemos aqui uma Passagem muito bela de Jesus no monte das oliveiras. Vemos ai como Jesus – Deus de Deus – também se retirava em oração para com o Pai que está nos Céus. É interessante que no Evangelho de São Marcos é relatado que Jesus levou três discípulos: Pedro, Tiago e João. Ao primeiro momento gostaria de questionar vocês se estão se retirando com Deus para a oração. Porém, o intuito principal este post não é esse, mas já pense na sua vida de oração para se abrir ao que estou para escrever-vos.
            Jesus Cristo, nosso salvador, é Deus vindo de Deus, e Ele assumiu a forma humana. Sim, porque seria muito fácil se viesse como um “super homem”, muitos não acreditariam na cruz. Mas Ele assume completamente a forma humana; e nessa forma humana, adquire o medo, a agonia. Vemos Jesus agoniado, pois era chegado a hora de Ele ser entregue nas mãos da humanidade e padecer por nossos pecados. Veja que Jesus vai dizer: Pai, se é de seu agrado, afasta de mim este cálice! Não se faça, todavia, a minha vontade, mas sim a tua. Jesus pediu para o Pai, que se fosse possível, retirasse este cálice; ou seja, a cruz na qual Ele seria erguido e morto. Mas ao contrário do que muitas vezes nós fazemos, Jesus diz que se faça a vontade do Pai, e não a d’Ele. E nós sabemos qual foi a vontade do Pai: a cruz pra salvação da humanidade. Não é que Jesus não quisesse nos salvar, muito pelo contrário, mas era porque Ele sabia o que passaria. E mais digo que Jesus ainda hoje vive no monte das Oliveiras, uma vez que mesmo depois de Sua morte e Ressurreição, as pessoas continuam O fazendo sofrer, o renegando, fazendo sacrilégios, profanações ou blasfêmias (até mesmo contra a Eucaristia). As pessoas perderam o respeito pela Cruz e estão perdendo o amor por Deus. Você é um dos responsáveis pela agonia que Jesus ainda passa? Saiba que mesmo na Igreja somos responsáveis por ela; uma vez que muitos estão na Igreja mas vivem como se estivesse no mundo. Já vai dizer São João “Se dizermos ter comunhão com Ele, mas andamos nas trevas, mentimos e não seguimos a verdade” “Eis como sabemos que o conhecemos: se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz conhecê-lo e não guarda os seus mandamentos é mentiroso e a verdade não está nele”. (1João 1,6 e 2,3-4)  Vocês estão guardando os mandamentos ou estão fazendo a agonia de Jesus. Ou pior, podem estar novamente crucificando o Senhor com seus pecados terríveis.
            Mas o que me chama a atenção, é que Jesus assumindo a condição humana, teve uma atitude diferente da nossa. Ele pede para que o cálice seja afastado, porém pede que seja a vontade de Deus. E nós esquecemos dessa vontade de Deus. Quantas vezes no auge de uma doença, ou um sofrimento terrível, em vez de nos apegarmos a fé fazemos é reclamar com Deus o porquê disso. Tudo tem um propósito, e Deus sabe o porquê e o para quê de cada coisa. Lembro-me da revelação sobre o inferno a Dom Bosco, em que ele relata que é melhor pedir a Deus uma vida cheia de enfermidades e sofrimentos na terra, com a condição de que não irmos para o inferno. Eu sei que pra quem está doente é difícil, mas acho belo ver um adoentado que mesmo no mais alto sofrimento sempre está com seu terço, comunga – vai alguém levar a comunhão em seu leito quando não o pode ir a Igreja – confessa, etc. As pessoas pedem a cura física, mas esquecem-se da cura da alma. Doenças vem por causa de purificação. Preferes sofrer na terra e pegar um resto no purgatório ou pagar tudo no inferno? Claro que tem doenças que são “normais”, outras colocadas por satanás, mas outras é projeto de Deus para a purificação. Eu me converti em uma Paróquia que tem o carisma de celebrar Missa de Cura e Libertação. Mas quantos casos não já teve que o Padre mandou a pessoa se confessar porque ela morreria, porque essa era a vontade de Deus. Minha avó, a mais ou menos um ano atrás, mandaram a notícia que ela morreria a qualquer momento. Acendi minhas velas de Pentecostes, ela continua doente, mas essa morte dela tardou pra quase um ano. Antes seu sofrimento terreno, do que a perdição no inferno.
            A gente pede tanta coisa, e esquece de pedir a vontade de Deus realizada. A vontade de Deus com Jesus foi em prol da salvação humana; da mesma forma, a vontade de Deus vai ser para nós para a nossa salvação. As vezes imagino uma pessoa que tem Aids, que pede incansavelmente a cura – pois só Deus cura já que a ciência não a descobriu -, mas pra que Deus vai curar essa pessoa se ela vai voltar a ter uma vida desregrada e posteriormente se perder nos infernos? Entendem o que quero dizer? Isso vale pra qualquer DST. De que adianta a cura, se depois de recebê-la sairá para as festas, pegando geral, vivendo uma sodomia, etc.? Como já vi casos de pessoas receberem curas, até participarem da Igreja, e depois voltarem pra bagaceira. Deus é coerente, entre te dar o que te perderá e o que te salva, ele ficará com a última. E se não gostar, recorra à ciência.
            Mas isso não se limita somente a doenças. Muitas vezes qualquer tipo de sofrimento. A gente tem que ter bons olhos. E também refere-se a tantas escolhas. As vezes uma faculdade que não deu certo, um emprego que emperrou. Será que essa faculdade e emprego seria algo de Deus? Muitas vezes não estamos fortalecidos o suficientes para eles, e fracos na fé, caímos em pecado, e caímos depois para um lugar quente. As vezes reclama-se “ah to encalhado, não namoro, etc.” porém não vêem se isso é vontade de Deus. Não digo que quem está solteiro vai ser padre, freira, religiosos... (até porque eu estou atualmente solteiro e não me sinto chamado ao sacerdócio, muito pelo contrário). As vezes querendo passar pela vontade de Deus, namora-se com certa pessoa, e o que acontece? Logo te leva pra cama, acaba com sua pureza, e ambos ficam em pecado. Adquirem doenças, ou podem engravidar. Esta ultima dependendo da leviandade da pessoa, pode querer abortar ou dar pra doação (esta ultima é preferível e honroso). E quando cria-se o filho, as vezes juntam-se cometendo o pecado de serem amancebados, e ainda afastam-se da Igreja por achar que são rejeitados por terem filhos solteiros. Conheço gente que teve filho fora do casamento e fez foi voltar pra Igreja de fato. Um namoro pode arruinar uma vida. Vale lembrar dos casos de violência doméstica, que muitas vezes ainda quando no namoro, o namorado (a) agride o outro, e bebe, e usa drogas, etc. Aí depois reclamam com Deus o porque desse sofrimento. Será que não era Deus que deveria ta perguntando o porque da sua escolha?
            E mesmo para pessoas que já caminham na Igreja, o escolher a vontade de Deus é complicado, pois normalmente olha-se apenas para o próprio umbigo. Deus as vezes faz chamados tremendos para cada um de nós, mas preferimos ficar na nossa zona de conforto, e assim deixando as almas se perderem por não querermos avançar nos caminhos de Deus. As vezes um vocacionado ao sacerdócio, freira, religiosos, ou leigos consagrados. Talvez Deus age tão poderosamente que chama a alguns a fundar ou viver em comunidades que vivam a integridade e radicalidade do Evangelho. Mas, preferindo uma vida confortável, deixa a vontade de Deus, sem nem ao menos rezar. As vezes a gente quer anjos que venham nos consolar, mas nunca queremos ser os anjos que consolam as pessoas que jazem nas trevas. Onde está a caridade aí?
            Depois Jesus adverte os discípulos por estarem dormindo e não vigilantes em oração. Nós nos desviamos da vontade de Deus por esse motivo: NÃO ESTAMOS VIGILANTES EM ORAÇÃO! Rezemos o terço, leiamos a Palavra de Deus e meditemos. Busquemos a verdade, doutrina da Igreja, etc. Rezemos sem cessar, na capela do Santíssimo Sacramento aos pés de Jesus Sacramentado, ou quando não é possível no quarto trancado. Mas a falta de vigilância além de nos afastar da vontade de Deus, nos aproxima do maligno. Já vi casos de pessoas vocacionadas a ser padres, que pouco tempo depois souberam da notícia que ele ia ser pai. Falta de vigilância é sobra de tentação. Em um outro Evangelho que relata também este acontecimento Jesus fala: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação. Pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca”. (Marcos 14,38) E por falta de vigilância na oração muitos caem. Está em casa sem fazer nada, na internet, ai por falta de oração cai na masturbação. Em casa com amigo (a) do sexo oposto, sem oração, de repente caíram no pecado sexual. E tantos e tantos pecados que por falta de oração, a tentação vem e derruba mesmo. Nós podemos ter a maior vontade do mundo de ser santo em Cristo Jesus, porém nosso espírito está pronto, mas a carne é fraca, e pra vencer a carne só calejando o joelho na oração, rezando o terço, adorando o Santíssimo, “comendo” a Palavra de Deus, estudando a vida dos santos, a doutrina da Igreja. Se não quer viver a santidade, feche a porta do quarto, se coloque em oração, e peça a vontade de Deus, se for da vontade d’Ele Ele tire a sua vida de oração. Mas já vai preparando o joelho e o Rosário antecipadamente.
            Que se faça na sua vida a vontade de Deus. Quem obedece nunca erra.
            Shalom!
           
           

ps: post sobre o inferno que disse: http://catolicoargrade.blogspot.com/2012/01/o-inferno.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário