quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Padre feito refém diz que criminoso perguntou se terá perdão de Deus

Um dos criminosos que invadiu um mosteiro em Jacareí, no interior de São Paulo, na noite desta quarta-feira (25), e fez o padre Antônio Maria refém junto com freiras e jovens perguntou ao pároco se ele será perdoado por Deus. A conversa foi relatada ao G1 pelo padre na tarde desta quinta-feira (26).
Padre Antônio Maria consola freira que também foi feita refém durante assalto (Foto: Renato Jakitas/ G1)“Eu estava sozinho com um dos rapazes e ele me desamarrou. Então eu disse: ‘Meu irmão, não sei seu nome e sei que você não vai falar. Mas sou seu irmão e, se você me permite, deixe-me te dar um abraço.’ E ele disse: ‘sim padre’. Fomos um de encontro ao outro. E nesse abraço, que foi de verdade, ele disse: ‘Padre, será que Deus me perdoa?’ Aí eu disse: ‘Filho, claro que Deus te perdoa’.”
O padre ainda disse que, apesar de ter feito mal às pessoas do mosteiro, ele iria rezar pelos criminosos. “Deus é justo. Vocês estão tocando pessoas que Deus ama muito, que largaram tudo por ele. Mas eu vou rezar por vocês”, disse ele a um dos criminosos.
Seis homens invadiram o sítio nesta quarta. Cinco deles estavam encapuzados. O outro tentava o tempo todo cobrir o rosto com as mãos e os braços, segundo ele. Nesta quinta, o padre foi até a delegacia e a polícia lhe mostrou fotos de suspeitos. Antônio Maria não reconheceu nenhum.
O padre afirmou que tem a certeza de que tudo tem uma explicação. “O assalto aconteceu em 25 de janeiro, que é dia de São Paulo, um homem que largou tudo por Jesus. Eu acho que isso aconteceu para que todos nós aqui no mosteiro pudéssemos renovar nossa missão com Deus, a de ajudar ao próximo constantemente”, disse.
No entanto, ele reclamou da falta de patrulhamento rural. Segundo o presidente da Cruz Vermelha de Jacareí, Ivan de Carvalho, a cidade possui 1.200 propriedades rurais e cerca de 700 km de estradas, mas não possui uma patrulha oficial.
O padre disse que já conversou, inclusive, com o governador do estado, Geraldo Alckmin, sobre a necessidade de patrulhas rurais na região. Diferentemente da cidade vizinha de Cachoeira Paulista, Jacareí não possui uma. Ele acrescentou ainda que a sensação de insegurança é "muito grande".
Questionado sobre planos para instalação de equipamentos de segurança no sítio, que não possui muros ao redor, o padre Antônio Maria disse que pensa no assunto, mas não possui recursos financeiros. Uma medida que deverá ser adotada nos próximos dias é a aquisição de um cachorro.
Freira mostra quarto onde reféns foram mantidos (Foto: Renato Jakitas/ G1)

Freira mostra quarto onde reféns foram mantidos (Foto: Renato Jakitas/ G1)
Assalto
A invasão aconteceu por volta das 23h da quarta-feira. “Eles disseram que não iam fazer mal nenhum, mas que queriam dinheiro. Eu falei 'meus filhos, não façam isso, nós não temos dinheiro. Nós lutamos com dificuldade'. Até as pessoas imaginam muitas vezes que eu nado em dinheiro, porque canto, porque tenho discos, vou à televisão. Porque sou amigo do Roberto Carlos e isso não quer dizer nada”, contou o padre.
De acordo com a irmã Rosane dos Santos Coelho, após a invasão, os homens armados levaram as freiras que estavam no prédio, o caseiro, o padre e os jovens para um quarto do mosteiro, em um grupo de cerca de 15 pessoas. “Depois eles pediram para que apontássemos os quartos e vasculharam todo o mosteiro”, disse.
Segundo a irmã Rosane, um assalto semelhante aconteceu no mosteiro há cerca de dois anos. Ela reafirmou que o terreno não é murado, mas protegido apenas por uma cerca fácil de ser ultrapassada. “Nós estamos tentando buscar ajuda com a polícia, pois não temos renda fixa para fazer uma segurança maior. Mas vamos ver o que Deus vai providenciar."
A Polícia Civil recuperou nesta quinta dois veículos que haviam sido roubados.
Padre Antônio Maria reclamou da falta de patrulha rural na cidade de Jacareí (Foto: Renato Jakitas/ G1) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário