quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Rap Católico: Árvore do demônio

Ae galera, chegou mais uma pra vocês curtirem. Essa é um pouco mais pesada pois fala mais abertamente sobre drogas. Mas prestem atenção na mensagem e vamos rezar por nossos irmãos dependentes para que possam encontrar a verdadeira felicidade que se encontra em Jesus Eucaristia.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

SERÁ QUE ACEITAMOS A CONDIÇÃO DE FILHOS DE DEUS?


Ao sermos batizados (a maioria ainda criança) somos ingressados na fé cristã que será confirmada algum tempo depois com a Crisma. Mas já nesse batismo, mesmo criança, assumimos a condição de Filhos de Deus. Somos filhos no Filho. Pelo sacrifício de Jesus que nos redimiu do pecado, não somos mais chamados de servos, mas sim FILHOS!
As palavras que nosso Pai amado nos fala hoje, com toda certeza são as mesmas que Ele disse no batismo de Jesus. Naquele momento em que a Trindade se manifesta, o Pai diz: “Tu és o meu Filho muito amado; em ti ponho minha afeição”(Marcos 1,11). E é o que Ele diz hoje também a nós filhos de Deus. Tu és meu filho muito amado, te amo e prezo por ti, não se perca no mundo, pois tu foste feito para o céu, te fiz para ser feliz, te fiz para o amor.
Queridos irmãos, aceitemos essa condição divina. É uma insanidade uma alma recusar a filiação divina. Nós somos privilegiados de poder olhar pra Deus e dizer EU SOU TEU E TU ÉS MEU! A humanidade sofre por não saber de Deus, a humanidade chora inconsolavelmente por não querer os cuidados de um Pai tão carinhoso para com Seus filhos. Os que não sabem sofrem por não saber, e os que sabem sofrem por não assumir. E não assume não pelo fato de ser ruim, mas pelo fato de querer ser Pai e mandar em Deus. Deus é sabe de todas as coisas, Ele é o criador de tudo (inclusive nosso criador), ou seja, Ele sabe o que é o melhor para nós.
Oremos, rezemos, e principalmente conversemos com Deus espontaneamente, como um filho conversa com um Pai, e conta todas as angústias, medos, tribulações, o que lhe impede ser uma pessoa melhor, etc. Que Deus na condição de Pai ira te consolar, te iluminar, e ser um “super-Pai” herói da sua vida, que salvará o pequeno filho daquilo que lhe faz sofrer.
Somente o amor do Pai nos da condição para derrubar as barreiras que se colocam em nossos caminhos. Toda tribulação e todo o pecado só é vencido quando saímos do centro de nossa própria vida e colocamos Deus. Se assumires a condição de filho de Deus, assumirá a condição de vencedor, pois Deus não tem filhos derrotados, Deus tem filhos fracos que se fazem forte na medida em que busca sua força em Deus.
Mesmo com tantos problemas, lembrem-se de uma coisa: TU ÉS O FILHO MUITO AMADO DE DEUS!
Que Nossa Senhora, nossa mãe do Céu, nos ensine a assumir a condição de filhos do Pai!
            Shalom!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Por que é tão difícil se arrepender?


“Arrependei-vos, portanto, e convertei-vos, para serem apagados os vossos pecados.” (Atos 3,19)
            Essa passagem dos Atos dos Apóstolos é dura, porém verdadeira para nós. Veja irmãos, que Pedro não diz somente arrependei-vos, mas diz arrependei-vos e convertei-vos. Muitos podem estar dizendo que é a mesma coisa e que São Pedro foi redundante. Mas a verdade é que arrependimento e conversão são coisas completamente distintas para quem realmente usa da fé para a compreensão das coisas. Eu posso me arrepender e não me converter; e insanamente me “converter” sem me arrepender. Mas para termos a Deus de verdade a Palavra nos diz: ARREPENDEI-VOS E CONVERTEI-VOS; porque só assim estaremos agarrando de fato a verdadeira fé em Jesus Cristo e não seremos iludidos pelo inimigo.
            Quantas vezes não vemos o Sacramento da Confissão sendo banalizado pelas pessoas. É triste saber que as pessoas usam de “brincadeira” a confissão apenas “confessar por confessar” e não se arrependem. Esses podem ser chamados de “convertidos” ou falsos convertidos. Melhor dizendo, é aquela pessoa que confessa já tendo o desejo de voltar ao pecado, e pior ainda, que não sabe ou não dar o devido valor a uma confissão. Quantas vezes as pessoas não dizem que pode pecar a vontade que é só confessar antes de morrer que estará tudo bem. Eu já presenciei pessoas de dentro da Igreja falar isso. Pessoalmente isso é uma falta de arrependimento e escravidão do pecado. Além de ser também pecado de presunção, que segundo eu vi em uma palestra do Padre Paulo Ricardo, é pecado contra o Espírito Santo; ou seja, sem perdão pelo fato de si só não ter como o perdão chegar.
            E as pessoas que se arrependem e não se convertem? E não digo apenas de quem muda de vida e tem as famosas frases: não acredito em confissão; creio em Deus, mas não tenho religião; religião não salva; ah porque “Jeová”; ah porque Jesus já morreu por mim então estou salvo; etc. Como são comuns as pessoas pecarem, se arrependem, não querem mais pecar, mas ai fracas por não perseverarem em oração acabam voltando a cair em pecado por achar que já que a natureza humana é pecar, então vai lá e peca. Mas pecar é humano, mas se escravo do pecado é insano.
            O título deste post é “Por que é tão difícil se arrepender?” e realmente eu gostaria de saber. Acho que o principal motivo das pessoas não se arrependerem de fato das suas iniqüidades é o fato de não olharem para a cruz de Jesus Cristo. Se olhassem para aquele Deus que se fez homens para que fizéssemos parte de sua divindade, pregado em uma cruz, já sem forma humana de tanto que foi judiado por nós... Ah como um coração se arrepende ao ver a redenção dada por Deus. Mas devemos parar de olhar para Jesus como uma “garantia” de salvação, e passar a vê-lo como a salvação que bate a porta. Porque Ele padeceu e morreu naquele cruz por todos, mas nem todos serão dignos de fazer parte do Reino porque não acolheu perfeitamente a Sua Palavra, nem acolheu a Sua vontade. E preferiu assim viver o deleite do pecado. Só para reforçar para quem discorda, diz o Evangelho o seguinte: “Nem todo aquele que me disser: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.”(Mateus 7,21) – Até porque para mim é óbvio que a vontade de Deus não é mandar Seu Filho único para a terra para padecer por Seu povo, e esse povo continuar vivendo uma vida pagã, uma vida de pecado. Muitos vivem como se Deus não existisse, ou como se Deus fosse alguém que está apenas na mente ou coisa parecida. As pessoas esquecem que Deus fez uma mudança de Divindade para humanidade, para que nós fizéssemos a mudança de pecadores para Filhos de Deus. No entanto, agimos muitas vezes como se nada disso tivesse acontecido. Por isso repito: ARREPENDEI-VOS E CONVERTEI-VOS!

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Qual a última oportunidade?

Nós devemos sempre ficar atentos as nossas oportunidades de estarmos unidos a Deus. Pois nunca saberemos quando teremos e, se teremos outra oportunidade. Já dizia Santa Teresa d’Ávila: “O Senhor sempre dá oportunidade para oração quando a queremos ter” – e assim é em todos os aspectos de nossa intimidade com Deus, se queremos de verdade algo de bom para nós a conseguimos.
            Mas quando se trata de uma necessidade de receber o perdão dos pecados? Digamos que uma pessoa necessite de receber o Sacramento da Penitência, Deus lhe dá diversas oportunidades para que se confesse, porém, sempre deixa para depois. E o dia “D” nunca chega. Até quando Deus a dará oportunidade? Qual será a última oportunidade que Deus nos dá de trilharmos os caminhos celestiais? Até a hora da morte! Mas a morte nós, míseros seres humanos não sabemos qual será o dia de cada um, e porque deixamos para depois a oportunidade de ir “garantindo” o seu céu de cada dia, para transformá-lo posteriormente em um inferno?
            O Dia que temos para mudar é HOJE! O tempo de mudança é AGORA! Não deixe os dias passarem e junto indo a sua fé. Falo exclusivamente da confissão porque este é um sacramento de salvação de suma importância. Como já dito neste blog, uma vez uma viúva pediu para São Padre Pio rezar para saber aonde o recém falecido marido dela estava. Padre Pio silenciou e fez uma cara de dor e disse: "Seu marido esta no inferno". A mulher então disse: "Mas como? meu marido se confessou antes de morrer."Padre Pio então respondeu: No tempo de juventude dele, ele tinha um chamado, ele brincou com o chamado do Senhor, por que ele quis delitar no pecado e curtir a vida; passou um tempo e ele ficou obstinado pelo pecado e não conseguia voltar para Deus. E antes de confessar, ele esqueceu de confessar alguns pecados para o padre, omitiu e não confessou contrito de coração." – Este homem teve a oportunidade, mas não a aproveitou, se omitiu sem se arrepender de seus pecados. E o que reflito é se ele teve outras oportunidades durante sua vida para que não se esquecesse de nenhum pecado. Com certeza teve, mas ele talvez deve não ter aproveitado e deixou passar o céu sem nem mesmo perceber. Você deve se confessar o mais rápido possível sempre que cometer um pecado mortal, confessar toda a sua vida de pecado, e claro, pedir perdão por aqueles que eventualmente tenha se esquecido, e se lançar na Misericórdia de Deus.
            O que vejo muito também são usarem de desculpas para não se confessar. Falta de arrependimento, não querer porque se não os responsáveis irão brigar pelo horário (sendo que se pode confessar a qualquer hora), ter que ir cortar o cabelo, se depilar, tirar a barba, ter que ir cometer outros pecados, enfim... Tantas coisas fúteis que colocamos em um plano prioritário maior que Deus. Parece que um tempinho de besteira na terra os farão mais realizados e plenamente felizes que a eternidade na presença de Deus, o amor verdadeiro. As pessoas hoje em dia tem se preocupado pouco com o sacramento da confissão, tirando os que não crêem nele muitos acham que terão muitas oportunidades, mas mal sabem que daqui a cinco minutos pode já estar no julgamento, e esta recusando a última oportunidade que Deus a deu. Se esqueceu de alguns, confesse os que lembra e peça perdão pelos outros, é melhor pagar metade no purgatório do que tudo no inferno.
            A Igreja recomenda que confessemos uma vez ao mês, nos mandamentos está uma vez ao ano. Mas quantos e quantos estão distante a anos e nem ligam? Acorda povo de Deus, o Senhor anseia por ti, lave tua alma com o perdão dos teus pecados, comungue o corpo e o sangue de Jesus Cristo e aceite a vida eterna que Deus preparou no céu pra você.
            Para finalizar, uma frase do “papoco” de Santa Teresa d’Ávila: “Se não dermos ouvidos ao Senhor quando Eles nos chama, pode acontecer que não consigamos encontrá-Lo quando o quisermos”

Leia o seguinte post:: A importância da confissão!

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Não impeçamos o anuncio do Evangelho!

“As multidões o procuravam e foram até onde ele estava e queriam detê-lo, para que não as deixasse. Mas ele disse-lhes: ‘É necessário que eu anuncie a boa-nova do Reino de Deus também às outras cidades, pois essa é a minha missão’. E andava pregando nas sinagogas da Galiléia.” (Lucas 4,42-44)

         Irmãos e irmãs, essa passagem é belíssima e dura conosco se tivermos uma visão coerente do que se passava ali. Jesus tinha curado a sogra de Pedro, e também realizado diversos milagres, muitos demônios foram expulsos naquela região. E o que aconteceu? Aconteceu que aquele povo que tanto esperava pelo novo, pelo belo, pelo bem supremo; e então ficaram todos jubilosos, e não queriam que Jesus saísse de perto deles.
         Muitos podem achar “que belo isso, todos querem ficar junto de Deus” – porém, não é bem assim que a banda toca. Podemos ver que havia a necessidade de que o Evangelho fosse levado a outros lugares, outras pessoas precisavam saber da existência do Messias, que o Cristo havia descido dos céus sendo concebido pelo Espírito Santo, nascendo de uma virgem (que permaneceu virgem) e que estava prestes a se entregar de corpo e alma para a redenção da humanidade. No entanto, muitos ali queriam impedir que o próprio Cristo anunciasse a Boa Nova. Amor demais por Deus? Se fosse não o impediriam, e sim o seguiriam, para onde Ele fosse. E assim somos nós, será que não estamos impedindo que o Cristo seja anunciado?
         Quantas vezes vemos em nosso meio pessoas recebendo importantes chamados de Deus para o anuncio do Evangelho e, no entanto, somos do contra e tentamos impedir. Talvez por uma dependência afetiva que se tem daquela pessoa, a gente tenta a prender em nossas ideologias e esquecemos-nos da ideologia de Deus, que é amar e estar a serviço do amor. Quantas vezes nossos irmãos tem chamados a uma vida em Comunidade, e nós não o aponhamos como deveria ser apoiado, e sempre fazemos piadas e chacotas, e pelas costas falamos mal; e esquecemos que tudo é feito por um chamado de Deus. Pra falar a verdade, muitas vezes essas piadas surgem de pessoas que no fundo queria ser como aquele irmão que esta atendendo o chamado, mas que tem medo, porque é covarde.
         Quantas vezes não queremos impedir o dom de Deus por estarmos fora dos padrões criados por nós mesmos? É incrível como vemos pessoas que se afastam e/ou não colocam seus dons a serviço do Senhor por uma falta de apoio, por um excesso de piadas, por uma série de quesitos que deveriam ser evitados. São João Maria Vianney era julgado por todos, diziam que ele não tinha vocação para ser padre, tinha dificuldades com o latim, e etc, e, no entanto, ele superou todas as dificuldades e criticas imposta na época, e hoje é o patrono dos padres. Assim devemos ser nós quando quiserem te impedir de anunciar o Reino de Deus, acredite em você mesmo porque quem acreditou em você primeiro foi Deus; foi Ele quem te confiou a missão, então confie em Deus e não nos homens. Ele jamais haverá de te abandonar, creia no Deus que é amor e misericórdia.
Seja como Jesus no final dessa passagem “andava pregando” – Que então mesmo com os impedimentos impostos, não desistamos e nos lancemos nesse mar para anunciar que Jesus Cristo é o nosso Senhor, que Jesus Cristo é o nosso ÚNICO Senhor e Salvador de nossas vidas, que Jesus Cristo é a paz que o mundo busca, que Jesus Cristo morreu naquela cruz e ressuscitou pra honra e glória de Deus Pai Todo Poderoso, por isso somos libertos, Glória eterna ao nosso Deus digno de todo louvor e toda adoração!

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Rap Católico - A voz que clama no deserto

A evangelização através do Rap Nacional. É esse o objetivo na criação deste video/música. A música vem de uma forma espetacular levando Deus as pessoas, dos mais diferentes gostos; e poquê não também o Rap? Pois bem, vem ai Anderson Carlos com a música "A Voz que clama no deserto" tentando evangelizar, confiram a música e divulguem para as pessoas: